Ação de prevenção ao Aedes é realizada no Mário Covas e Todos os Santos neste sábado (30)

A reprodução do Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, não escolhe bairro ou casa: ele precisa apenas de locais com água parada. Por isso, o cuidado para evitar a sua proliferação deve ser feito por todos. Em uma ação de colaboração com a população a Prefeitura de Teresina promove a Faxina nos Bairros, atividade semanal que neste sábado (30), a partir das 8h, visita os bairros  Mário Covas e Todos os Santos, zonas Sul e Sudeste da capital.

A Faxina nos Bairros é uma atividade de limpeza e educação organizada pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) em parceria com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada área. “A ideia é que toda a população dedique um dia da semana para verificar todos os possíveis focos do mosquito, fazendo uma limpeza geral em sua residência e impedindo a reprodução do Aedes”, comenta Oriana Bezerra, gerente de Zoonoses da FMS.

Durante a semana os moradores são avisados pelos agentes de saúde e endemias a fazerem uma limpeza em suas casas e depositarem nas calçadas todo o material inservível para que seja coletado pela equipe de limpeza, especialmente aqueles de grande porte que não são recolhidos pela limpeza regular.

As equipes se encontram em um local e de lá saem percorrendo um quadrante determinado para a limpeza. Neste sábado, na zona Sul, será o quadrante formado pelas quadras T e S da Rua João Soares. Já na zona Sudeste o quadrante percorrido será aquele formado pela estrada da Usina Santana, estrada de Ferro, Rua Linha de Ferro e Rua João Felinto.

A Faxina nos Bairros tem o objetivo de incrementar as ações de controle vetorial da FMS e desde então contribuiu para redução em torno de 50% da incidência de casos de dengue, chikungunya e zika em Teresina. A principal ação para a prevenção dessas doenças é evitar o nascimento do mosquito da dengue, já que não existem vacinas ou medicamentos que combatam a contaminação.

 

Enfrentamento ao feminicídio será tema de roda de conversa nesta quarta (20)

A lei define feminicídio como o assassinato de uma mulher cometido por razões da condição de sexo feminino. Para falar mais sobre a temática será realizada uma roda de conversa nesta terça-feira (19), no  Amor de Tia da zona Sudeste, localizada na Rua Santa Luzia, no Alto da Ressurreição. A atividade terá programação a partir das 10h da manhã. No turno da tarde, o evento acontece às 16h.

A assistente social da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Caroline Leal, e a Coordenadora do Centro de Referência Esperança Garcia, Roberta Mara, irão mediar a roda. A ação já faz parte do projeto de 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher, que tem início no dia 25 de novembro, dia internacional da não violência contra à mulher.

“Na oportunidade vamos falar sobre as formas de enfrentamento ao feminicídio, um problema que tem sido alarmante na nossa capital, e sobre a campanha do Laço Branco, que é em referência ao dia 06 de dezembro, dia internacional de erradicação da violência contra a mulher”, explicou a assistente social da SMPM, Caroline Leal.

Laço Branco

O Dia Mundial de Erradicação da violência contra as mulheres foi escolhido em alusão a um episódio que aconteceu numa escola do Canadá no dia 06 de dezembro, onde um homem entrou armado na unidade e assassinou 14 mulheres, se suicidando logo em seguida. Entre as primeiras campanhas que aconteceram no Canadá, foram distribuídos milhares de laços brancos para os homens como forma de protesto pelo direito das mulheres.

Cerca de 140 escolas participam de campanha de combate à hanseníase e verminoses

Ascom/FMS

Manchas suspeitas, sem sensibilidade, são sinais de hanseníase, doença silenciosa que pode trazer consequências graves. Em uma ação para combater a doença, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) lançou hoje (18) a Campanha Municipal de Combate à Hanseníase e Verminoses, na Escola Municipal Cristina Evangelista, zona Sul da capital.

A campanha contempla crianças e adolescentes entre os seis anos e menores de 15 anos de cerca de 140 escolas do município. Como informa Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS, a detecção de casos nesta faixa etária leva à busca também entre familiares e adultos próximos, uma vez que a transmissão se faz por meio de gotículas de saliva e são proeminentes entre pessoas de convívio íntimo e familiar.

“Ninguém nasce com hanseníase, então se a criança tem é provável que exista um portador que contaminou. Por isso, é importante que tanto a governança das escolas como os pais e responsáveis façam adesão a essa campanha, para que possamos diminuir em breve o número de casos em Teresina”, disse a diretora.

Para isso, é adotado o chamado “método do espelho”, em que as crianças levam para casa uma ficha com um mapa do seu corpo. “É preciso que os pais examinem a criança sem roupa de frente e de costas, para ver se tem alguma mancha. Se tiver, assinalar no papel para que ela possa ser examinada pela equipe Estratégia Saúde da Família”, explica Amariles Borba. “Se existe uma consistência de que é uma suposição de hanseníase, ela será encaminhada para um especialista para fechar ou não o diagnóstico”, completa a diretora.

Já o combate às verminoses é feito com a distribuição do medicamento Albendazol 400 mg, via oral, dose única, que é tomado pela criança na escola sob a supervisão de um profissional da Estratégia de Saúde da Família. A realização dessa ação de profilaxia e de diagnóstico de hanseníase em escolares está em conformidade com as recomendações de Órgãos Internacionais como a OPAS/OMS.

A parceria entre saúde e educação é fundamental para a realização de ações pelo bem-estar dos estudantes. “A hanseníase é doença ainda com alguns preconceitos, mas nessa parceria a gente pretende avaliar as crianças de mais de 100 escolas, vendo com a participação da família se existem algum indicativo da doença para o tratamento”, disse Madalena Leal, gerente de Assistência ao Educando da Secretaria Municipal de Educação (SEMEC). “Então é muito importante essa parceria, porque nem a saúde faz só nem a educação faz só, então é uma ação intersetorial de grande importância para a erradicação desta doença”, completou a gerente.

Teresina ocupa a 8ª posição nacional em casos de Hanseníase em menores de 15 anos. Em 2018, o número de casos novos diagnosticados nesta faixa etária em nossa capital foi 26 casos, o que corresponde a um coeficiente de detecção de 12,7 casos por 100.000 habitantes. Nas últimas cinco campanhas realizadas nas escolas, 39 casos da doença foram diagnosticados.

FMS realiza este mês mutirão para avaliar manchas de hanseníase

Ascom/FMS

Teresina apresentou 350 novos casos de hanseníase em 2018. Para somar esforços no combate à doença, entre os dias 18 e 21 de setembro, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) da capital piauiense irá participar da Semana Estadual de Combate à Hanseníase, iniciada nesta quinta-feira (12) pelo Governo do Estado do Piauí.

A população deve ficar atenta e procurar tratamento se tiver uma mancha na pele que não dói, não coça, não arde, não descasca, não incomoda, porque pode ser perigosa e sinal de hanseníase. Entre as complicações da doença, a pessoa pode ficar cega, perder mobilidade, força, apresentar esterilidade, insuficiência renal, além de ser transmissor da doença.

Presente no lançamento da campanha, o presidente da FMS, Charles Silveira, afirmou que Teresina tem 90 Unidades Básicas de Saúde que disponibilizam o diagnóstico e o tratamento de hanseníase. “Se houver necessidade, o usuário pode ser direcionado para os locais que são referências nesse atendimento (HGV, HU e Centro Maria Imaculada)”, informou.

Svetlana Coelho, membro do Núcleo de Doenças Negligenciadas da FMS, explica ainda que a hanseníase é uma doença que afeta os nervos periféricos com manifestações na pele. “Como a forma de transmissão do bacilo é por via aérea, os contatos domiciliares podem adoecer por respirarem o mesmo ar ambiente. Então, a FMS faz a vigilância desses contatos também”, explicou.

Confira atividades da FMS no combate à Hanseníase em Teresina

-18/09 – Quarta-feira: Lançamento da Campanha Integrada de Hanseníase e Verminose nas Escolas.

Local: Escola Municipal Cristina Evangelista, que fica na Rua Piracuruca, 1345, Bairro Três Andares.

Horário: de 9h às 10h

-19/09 – Quinta-feira: Oficina de Enfrentamento ao Estigma e Adoção de Práticas não-Discriminatórias em Hanseníase

Local: Universidade Federal do Piauí/Departamento de Enfermagem

Horário: 14h às 18h

-20/09 – Sexta-feira: Panfletagem no Shopping da Cidade com orientação à população sobre Hanseníase

Horário: 9h às 11h

-21/09- Sábado: Mutirão para avaliar Manchas

Região Centro/Norte:Hospital Mariano Castelo Branco (HMCB)

Região Sudeste: UBS Reginaldo Castro/Renascença

Região Leste: UBS Piçarreira/Teresina em Ação

Região Sul: Hospital Geral do Promorar

Horário: 8h às 13h

Teresina e Timon articulam ação de combate à mão de obra infantil na venda de doces

A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), em parceria com a Prefeitura de Timon, no Maranhão, vem realizando trabalho conjunto no combate ao uso de mão de obra infantil na comercialização de cocadas. Foram identificados três fornecedores do produto que utilizavam crianças na venda em avenidas e restaurantes da capital.

A origem dos fabricantes foi identificada após trabalho realizado pelos Agentes de Proteção Social (APS) de Teresina. O caso foi encaminhado para o Ministério Público do Piauí que, de posse do endereço e identificação, encaminhou, em audiência, um Termo de Ajuste de Conduta (TAC), no qual foi imposto o compromisso da regularização da mão de obra.

Franciana Beleense, coordenadora das Ações Estratégicas do Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (AEPETI), reforçou que resultados como estes são mais perceptíveis no dia a dia quando se observa a ausência de crianças e adolescentes vendendo produtos nas ruas da capital. “Com essa ação, podemos garantir que 90% dos jovens que faziam esse trabalho em Teresina não estão mais lá, fato que se identifica com facilidade pelas pessoas”, explica.

O secretário da Semcaspi, Samuel Silveira, acrescenta que as ações de combate ao trabalho infantil irão continuar através do monitoramento dos agentes de proteção social e dos conselheiros tutelares e convida a sociedade para denunciar casos semelhantes. “A regularização da mão de obra por meio do combate ao trabalho infantil é prioridade”, pontua.

Como denunciar casos de trabalho infantil?

A denúncia é feita através do número 153 ou na sede do Conselho Tutelar, Centro de Referência da Assistência Social (Cras) ou Centro de Referência Especializado da Assistência Social (Creas) mais próximos de sua residência. Após a identificação, os órgãos públicos responsáveis tomarão as devidas providências para garantir a proteção social da criança, adolescente e suas famílias, bem como a garantia do direito que, naquele momento, está sendo violada.

Programa Lagoas do Norte combate desperdício de água em escola com aula prática

A educação ambiental é uma vertente trabalhada diariamente pelo Programa Lagoas do Norte junto à população da zona Norte de Teresina. Após um diagnóstico de desperdício de água na Escola Municipal Antonio Gayoso, a equipe de educação ambiental do programa levou conhecimento teórico e prático às turmas de 6º ano.

“O projeto começa com um diagnóstico na escola sobre os aspectos ambientais que precisam ser trabalhados. Lá, constatamos que havia um desperdício de água principalmente nos banheiros e bebedouros. Fizemos toda uma apresentação teórica do que é a água, a captação e o tratamento. A segunda etapa que proporcionamos foi o passeio à Estação de Tratamento de Água da zona sul”, relata Márcia Alencar, educadora ambiental do PLN.

A intenção, segundo a educadora, é mostrar aos alunos todo o processo de tratamento da água para que eles vejam a complexidade e tudo que está envolvido, percebendo o quanto o desperdício é prejudicial. “O olhar das crianças quando saíram de lá foi totalmente diferente. Às vezes a gente fala para a criança proteger e cuidar, mas outra coisa é quando você mostra na prática esse processo”, destaca.

A aluna Lorrany de Oliveira Nunes, de 12 anos, avaliou a experiência. “Gostei muito da aula, porque a gente viu a importância da água, de preservá-la e vimos também as etapas de tratamento até que ela chegue em nossas casas”, afirmou.

O professor Jocielson, que ministra a disciplina de Ciências da Natureza para os alunos, destaca a importância de uma atividade prática. “Sabemos que é muito importante essa conscientização e essa mobilização na escola. As crianças são as protagonistas. Elas levam o que aprendem aqui para dentro de casa. Hoje os alunos puderam ver como ocorre o tratamento e perceberam que não podemos desperdiçar água, porque quanto menos a gente desperdiça, menor o gasto”, disse.

 

 

Centro Espírita João Nunes Maia recebe ação de combate ao trabalho infantil

Foto: Marília Lima

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), realizou, nesta sexta-feira (28), uma ação em alusão ao Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil. Foram entregues cestas básicas, arrecadadas pelo Centro Espírita João Nunes Maia, realização de oficinas, palestras e distribuição dos materiais da Campanha de Combate ao Trabalho Infantil.

De acordo com a coordenadora do Centro Especializado de Referência em Assistência Social (CREAS Sul), Marta Sérgia Carvalho, a ação tem como finalidade prestar assistência social a famílias que vivem em comunidades próximo ao aterro sanitário do bairro Santo Antônio, na zona Sul de Teresina.

“A Prefeitura vem desenvolvendo um trabalho já há algum tempo, tentando conscientizar essas famílias que fazem do aterro seu lugar de trabalho, para que não levem essas crianças e adolescentes para o local. Essa é uma ação coordenada e continuada que tem como alvo a prevenção e combate do trabalho infantil, especialmente nesse espaço”, explica Marta Carvalho.

Durante a manhã, as equipes técnicas das unidades socioassistenciais da região realizaram palestras para o público adulto. As crianças foram contempladas por oficinas de fantoche. A caravana da campanha também esteve presente. “A ação de hoje trata da informação. Através de uma roda de diálogo e dessas atividades lúdicas com as crianças estamos reforçando esse entendimento de que lugar de criança é na escola, e não de trabalho”, reforça Marta.

A Diretora da Sociedade Espírito João Nunes Maia, Evany Gomes ressaltou o caráter continuo das ações do Centro, que oferece serviços educacionais e sociais para as comunidades da região. “Na última sexta-feira do mês fazemos esse trabalho, distribuímos essas cestas para as famílias, que são doadas pela Fundação Francisco e Clara de Assis. Só que o trabalho aqui acontece diariamente”, afirma.

O Centro Espírita João Nunes Maia possui uma creche que atende 156 crianças, além de 143 matrículas de crianças integradas aos Centros de Convivência e Fortalecimento de Vínculos. O espaço conta com um grupo de quase 200 voluntários. A entidade está localizado na Rua João Siqueira Araújo, no bairro Santo Antônio.