FMS tem canal de WhatsApp para esclarecer dúvidas sobre a vacinação

Os teresinenses têm à sua disposição um canal de comunicação para suas perguntas sobre a vacinação na capital. Eles podem entrar em contato com o número de WhatsApp 99436-4579 (apenas mensagens) e esclarecer todas as dúvidas não apenas sobre a imunização contra a covid, como também outras campanhas e vacinas de rotina.

O objetivo do instrumento, criado pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), é estar mais próximo da população e trazer transparência no processo de vacinação. “Este contato já era disponibilizado para dúvidas sobre a vacinação contra a covid e agora estamos estendendo para o serviço como um todo”, esclarece a coordenadora Emanuelle Dias.

O horário de atendimento é de segunda a sexta, das 8 às 17h. “Por esse número, pretendemos esclarecer dúvidas em relação ao Calendário Nacional de Imunização (vacinas de rotina) e Campanhas realizadas, assim como horários de funcionamento das salas de vacina, público-alvo, faixa etária da vacinação, componentes das vacinas, locais de imunização e sobre possíveis reações que os imunobiológicos podem desencadear”, esclarece Emanuelle Dias, ressaltando ainda que o canal de comunicação também serve para a população fazer denúncias.

Teresina zera taxa de positividade de testes RT-PCR para Covid-19

Os dados epidemiológicos da Covid-19 em Teresina continuam indicando a segurança do programa de flexibilização iniciado pelo decreto municipal de 7 de março deste ano. Na 15ª semana epidemiológica de 2022 (10 a 16 de abril), todos os 101 testes RT-PCR para SARS-CoV-2 realizados tiveram resultado negativo.

As informações são do Comitê de Operações Emergenciais de Teresina (COE Municipal) e mostram a queda constante no número de infecções pela Covid-19. A Organização Mundial de Saúde (OMS) considera a pandemia sob controle em uma determinada região quando essa taxa se encontra abaixo de 5%. No mesmo período, 10 a 16 de abril, foram realizados 98 testes rápidos de antígeno em swab nasal, que resultaram em apenas dois casos confirmados na semana.

Os números de casos e de internações e a taxa de ocupação de leitos hospitalares na 15ª semana epidemiológica continuaram indicando nível baixo (faixa verde) de transmissão da COVID-19 em Teresina, de acordo com a parametrização do Centro para Controle e Prevenção de Doenças.

Para que a capital piorasse para nível médio ou alto de transmissão, seria necessário que o número de casos atingisse 10/100.000 habitantes na semana. Entretanto, esse indicador ficou em 0,2 caso/100.000 habitantes. Desde o início da flexibilização das medidas excepcionais de contenção, o número de casos de COVID-19 e a taxa de positividade de testes só caíram a cada semana.

Teresina reduz infecções por Covid-19 ao flexibilizar restrições sanitárias

Teresina registrou apenas cinco novos casos de Covid-19, entre os dias 3 e 9 de março, o menor quantitativo desde o início da pandemia. No mesmo período, correspondente a 14ª semana epidemiológica, a capital piauiense não registrou mortes pela doença.

De acordo com o médico Marcelo Vieira, doutor em Virologia e membro do Comitê de Operações Especiais do município (COE), os números mostram que a flexibilização das restrições sanitárias não está causando uma nova alta de casos e óbitos.

“Teresina mantém todos os indicadores apontando baixo nível de transmissão da Covid-19, de acordo com os parâmetros do Centro para Controle e Prevenção de Doenças e da Organização Mundial de Saúde”, enfatiza o médico.

Dos mais de 200 testes realizados pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), na última semana, somente cinco foram positivos para o vírus, enquanto que no pico causado pela variante ômicron, esse quantitativo chegou a 4.313 em sete dias.

“O êxito das nossas propostas de flexibilização gradual, responsável e monitorada foi alicerçado em evidências científicas de alto nível, indicadores epidemiológicos locais fidedignos e na segurança oferecida pela alta cobertura vacinal alcançada”, conclui Vieira.

Além da queda na taxa de transmissão, Teresina também reduziu o número de pessoas vitimadas pela doença. Atualmente a média móvel de óbitos pelo coronavírus é de apenas um.

Cronograma aponta para imunização de mais de 5 mil crianças nas escolas municipais esta semana

Dezesseis escolas municipais de Teresina receberão a equipe da Fundação Municipal de Saúde (FMS) para a campanha de vacinação das crianças esta semana. São unidades da zona urbana e também da zona rural, abrangendo um público de 5 a 11 anos de idade. A parceria com a Secretaria Municipal de Educação (Semec) tem ajudado a acelerar a imunização dessa faixa etária contra a Covid-19.

Foto: Ascom Semec

A ação nas escolas é direcionada para alunos e crianças da comunidade, com primeira e segunda doses da vacina. A previsão é de atender mais de 5 mil crianças somente nesta semana. Para a aplicação do imunizante, é preciso estar acompanhado de um adulto responsável e com documentação. Para a segunda dose, também deve apresentar o cartão de vacina com comprovação da primeira aplicação.

Entre as unidades de ensino contempladas no cronograma desta semana estão a Escola Municipal Monsenhor Mateus Rufino, que funciona em tempo integral; Escola Manoel Nogueira Lima, localizada no Povoado Chapadinha; e a Escola Municipal Luís Fortes, no bairro Lourival Parente. Segundo a Semec, os pais precisam observar os informes das escolas para confirmar o horário de vacinação, já que algumas programaram para somente um turno.

Prefeitura prevê avanço na flexibilização das medidas restritivas a partir de segunda (28)

O avanço para a quarta etapa da flexibilização de medidas restritivas contra a covid-19 em Teresina previsto para acontecer, a partir de segunda-feira, 28, está condicionado aos números da Semana Epidemiológica que devem ser analisados pelo Comitê de Operações Emergenciais (COE), neste sábado (26).

A quarta etapa da flexibilização de medidas restritivas contra a covid-19 em Teresina deve por fim a obrigatoriedade do uso de máscara até mesmo em ambientes fechados, incluindo-se escolas e academias, respeitadas as demais exigências preconizadas pela vigilância sanitária municipal.

Uma reunião do COE nessa quinta-feira, 25, vislumbrou um cenário positivo para o avanço para a quarta etapa. Na reunião, o comitê ratificou a redução no número de testes positivos para Covid-19, transmissibilidade e ocupação de leitos de UTI em Teresina.

“Estamos sempre monitorando a situação da nossa cidade. Discutimos os dados e nesse período, mantivemos a redução no número de casos confirmados, internações e também nos índices de transmissibilidade. Estamos em uma situação estável”, afirmou Walfrido Salmito, coordenador médico do COE.

O presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Gilberto Albuquerque, aponta que o uso da máscara será facultativo.

“A pessoa não será obrigada a usar máscara, mas aquelas que desejar poderá continuar. A máscara não só protege da Covid-19, mas de outras doenças transmissíveis respiratórias e até da mucosa da boca. As pessoas que desejarem usar serão respeitadas. Estamos com 99,9% da população vacinadas com a primeira dose, 94% com segunda dose. Graças ao avanço na imunização estamos conseguindo avançar também na flexibilização de medidas restritivas”, declarou.

Teresina entra nesta segunda (21) na terceira etapa do plano de flexibilização de medidas restritivas contra Covid-19

Teresina inicia nesta segunda-feira (21) a terceira etapa do plano de flexibilização das medidas sanitárias restritivas para a contenção da Covid-19.

Nessa fase, será realizado interstício para averiguação da permanência de Teresina na categoria de risco baixo (verde) por mais uma semana, a despeito das medidas de flexibilização implementadas nas duas etapas anteriores.

Nesse momento, também não haverá nenhuma medida adicional. Segue facultativo o uso de máscaras por indivíduos de baixo risco em ambientes abertos, para atividades individuais ao ar livre; será intensificado o monitoramento de todos os indicadores por mais uma semana, somando mais alguns intervalos de série, que assim, já poderão refletir o impacto das duas primeiras etapas de flexibilização sobre o cenário epidemiológico da cidade e isso permitirá ainda a análise para o prosseguimento do plano, para a quarta etapa.

O plano de flexibilização teve início em 7 de março deste ano sendo instituído através do decreto n° 22.200 publicado pelo prefeito de Teresina, Dr. Pessoa.

“O COE tem feito uma análise situacional da Covid-19 no município de forma criteriosa e com técnicos preparados e competentes, tendo esse olhar para os indicadores científicos sobre a pandemia” disse o prefeito.

O médico, neurologista, virologista (Doutor em Virologia) e membro do COE, Marcelo Adriano explica o motivo de se avançar para a terceira etapa.

“Os indicadores epidemiológicos consolidados mostram que, na última semana, Teresina permaneceu no nível de baixa transmissão da covid-19, ou seja, na faixa verde de transmissão da doença, de acordo com os critérios do Centro de Controle de Prevenção de Doenças dos Estados Unidos o que, por conseguinte, permite o avanço para a terceira etapa de flexibilização das medidas restritivas contra a covid-19 em Teresina”, disse.

Segundo a análise situacional da Covid-19, realizado pela equipe do Comitê de Operações Emergenciais (COE) Municipal, na 11 ª semana epidemiológica de 2022, Teresina apresentou nível baixo de transmissão da doença, sendo que no período de 13 a 19 de março, foram confirmados apenas dois casos da doença a cada 100.000 habitantes na capital.

Nesse mesmo período, foram internados apenas quatro casos de síndrome respiratória aguda a cada 100 mil habitantes em Teresina e apenas 2% dos leitos hospitalares do município estavam ocupados por pacientes com Covid-19.

Marcelo Adriano ressalta ainda que foram verificados alguns recordes epidemiológicos em Teresina.

“Nesta última semana, por exemplo, verificou-se o menor número de casos confirmados em uma semana durante todo o período de registro tabulado desde abril de 2020. Foi também calculada a menor taxa de transmissão, o menor índice básico de reprodução da doença desde o início da pandemia que agora, nesta última semana, ficou em 0.39,significando, portanto, que como o valor é menor que 1, que a epidemia está em fase de involução e significando que, por exemplo, 100 pessoas transmitem a infecção para 39 pessoas a cada ciclo, a cada geração de infectados que dura, geralmente, no caso da variante ômicron, aproximadamente três dias”, diz o médico.

O médico ressalta ainda que, após várias gerações de infectados, ou seja, após vários ciclos de transmissão que já se passaram desde a retomada das atividades escolares, desde o período de carnaval,  e algumas gerações, também após alguns ciclos de transmissão, após a primeira e a segunda etapa desse processo de flexibilização, não houve aumento da transmissão, do número de casos, da positividade, não houve aumento do número de atendimento por síndrome gripal indicando, portanto, que a flexibilização mantém-se de forma segura, responsável e monitorada.

Após os resultados que serão apresentados na análise da próxima semana, e a capital se mantendo na faixa verde (nível baixo) de transmissão, o município entrará na quarta etapa do plano de flexibilização que iniciará em 28 de março.

Nesta etapa, será revogada a obrigatoriedade do uso de máscara até mesmo em ambientes fechados, incluindo-se escolas e academias, respeitadas as demais exigências preconizadas pela vigilância sanitária municipal.

Marcelo Adriano fala sobre o surgimento de novas variantes com maior ou menor agressividade, maior ou menor transmissibilidade, bem como o aumento localizado no número de casos em alguns países, ou regiões do Brasil ou mesmo do Piauí, o que, segundo ele, serão uma tônica daqui para frente.

“Nós vamos ter que aprender a conviver com isso, mas nós temos dois colchões de proteções que são a cobertura vacinal e o monitoramento epidemiológico, monitoramento dos indicadores em tempo real que é capaz de sinalizar qualquer alteração no padrão verificado do cenário epidemiológico,  possibilitando a implantação de medidas de controle indicadas para cada situação. Em última análise, até podem sim retomar a recomendação de medidas restritivas anteriormente flexibilizadas, mas o nosso novo normal daqui pra frente vai ser ter essa convivência mas com o monitoramento atento para que Teresina e para que nossa região, nosso Estado fique protegido das interferências das consequências indesejadas da Covid-19”, conclui Marcelo Adriano.

Vacinação

Teresina, atualmente, apresenta um dos melhores índices de vacinação contra Covid-19 entre as capitais do país. Segundo a Fundação Municipal de Saúde (FMS) um total de 99,9% da população do município já está vacinada com a primeira dose e 94% com a segunda dose.

65% das crianças de Teresina já receberam a primeira dose da vacina contra a covid

Dados da Fundação Municipal de Saúde (FMS) mostram que até hoje (17), um total de 59.151 crianças, de 5 a 11 anos, já tomaram a primeira dose da vacina contra a covid-19 em Teresina. O número corresponde a 65% das 90.734 pessoas nesta faixa etária que residem na capital.

Ainda segundo a FMS, um total de 9.845 meninos e meninas já estão com o esquema completo, ou seja, tomaram as duas doses do imunizante – o que equivale a uma porcentagem de 11%. Segundo a coordenadora da Campanha de Vacinação contra a Covid-19 da FMS, Emanuelle Dias, o número está dentro do patamar esperado e tende a crescer em um ritmo mais acelerado nos próximos dias, graças ao início da aplicação da segunda dose da pfizer pediátrica – cujo prazo era de dois meses da primeira dose.

Para levar a vacina contra a covid-19 para todos os pequenos teresinenses, a FMS está traçando diversas estratégias voltadas para este público. Além da vacinação regular, feita por agendamento, as equipes da FMS estão visitando as escolas do município e também promovendo dias de mutirão nas UBS da zona Rural.

O presidente da FMS, Gilberto Albuquerque, convida os pais e mães de Teresina a continuar levando seus filhos e garantir a sua imunização. “É uma vacina que já foi testada no mundo inteiro, então não tenham medo. A vacina às vezes pode causar uma dor no local da aplicação ou uma pequena febre, mas o corpo clínico da FMS está atento. É seguro, vacinem as crianças”, afirma o presidente.

Ele ressalta que os números mais recentes de casos de Covid-19, síndromes gripais e eventuais complicações têm demonstrado o efeito da vacina sobre a população.

Teresina registra o menor número de casos de COVID-19 desde o início da pandemia

Passados quase cinco ciclos de transmissão da COVID-19 em sua variante Ômicron, após o período do carnaval, a expectativa é de que o cenário epidemiológico permaneça favorável em Teresina. Na 10ª semana epidemiológica de 2022 (6 a 12 de março), apenas 31 casos foram confirmados com mais de 400 amostras testadas, sendo o menor número de casos confirmados desde o início da pandemia.

Os números apontam um cenário epidemiológico favorável, que fizeram com que a Prefeitura de Teresina iniciasse o processo de flexibilização das medidas de contenção não farmacológicas da COVID-19 com base nos critérios da maior agência para estudo e controle de epidemias do mundo: o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC).

O médico Marcelo Vieira, doutor em Virologia e membro do Comitê de Operações Especiais do município (COE), explica sobre as novas etapas de flexibilização.

“Os indicadores atuais da parametrização recomendada pela agência categorizam o município de Teresina como baixo nível de transmissão da COVID-19, em zona verde, no qual são permitidas as medidas de flexibilização. O período médio de incubação e o intervalo entre gerações sucessivas de infectados, ‘intervalo de série’, é de apenas três dias, portanto, os reflexos de maior interação social no período carnavalesco já puderam ser aferidos em termos de atendimentos por síndrome gripal, novos casos confirmados e novas hospitalizações. A depender da permanência do município nesse nível, as novas etapas da flexibilização serão permitidas”, disse Marcelo Vieira.

Mesmo com o cenário otimista, o COE municipal continuará o monitoramento dos indicadores de forma mais intensa para tomar a decisão correta quanto ao prosseguimento das etapas da flexibilização, de forma gradual, responsável e supervisionada.

“Continuaremos em supervisão, em especial, a atenção sobre o surgimento de novas variantes. E mesmo com a maximização da cobertura vacinal, a autonomia do indivíduo será preservada. Aqueles que preferirem ou precisarem manter o uso de máscaras poderão fazê-lo sem qualquer restrição”, concluiu Marcelo Vieira.

Os indicadores epidemiológicos do município podem ser acompanhados através do link: https://linktr.ee/covidthe.

Teresina permite retirada de máscaras ao ar livre a partir desta segunda (14); flexibilização é uma das mais prudentes do país

Começa nesta segunda-feira (14), em Teresina, a segunda etapa da flexibilização das medidas sanitárias restritivas para a contenção da Covid-19. Segundo o novo decreto n° 22.200, publicado, no dia 7 de março, pelo prefeito Dr. Pessoa, a partir de hoje, será revogada a obrigatoriedade do uso de máscaras durante as atividades ao ar livre, incluindo-se as recreativas e esportivas – exceto naquelas que geram aglomerações (shows, espetáculos, arquibancadas, etc).

Também a partir desta data, a obrigatoriedade do uso de máscara permanecerá em transportes públicos e veículos de pequeno porte destinados ao transporte de passageiros. A flexibilização foi feita de maneira prudente e seguindo o que revelam os indicadores científicos levantados pelo Comitê de Operações Emergenciais (COE) Municipal.

Reunião do COE municipal

“Levamos em consideração olhar científico sobre a pandemia, O COE que tem pessoas preparadas e também o COE municipal que junto ao presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS) nos transmite as informações necessárias para tomarmos as decisões”, disse o prefeito Dr. Pessoa.

O médico, neurologista, virologista (Doutor em Virologia) e membro do COE – Teresina, Marcelo Adriano, explica que a flexibilização do uso de máscaras se dá por meio de estudos baseados, especialmente, em critérios técnicos científicos realizados por instituições e agências de saúde pública mundial.

“A proposta de flexibilização apresentada pelo COE foi baseada especialmente em critérios técnicos científicos da Organização Mundial de Saúde e o Centro para Controle e Previsão de Doenças para os Estados Unidos (CDC), que recentemente publicou diretrizes para normatizar e programar a utilização de medidas de contenção não farmacológicas contra a Covid-19 de acordo com os níveis de transmissão da doença em uma determinada localidade”, esclareceu o profissional.

O município de Teresina ainda dispõe de vários sinalizadores adicionais sensíveis para detectar qualquer mudança no cenário epidemiológico. Dentre esses indicadores está o monitoramento diário dos dados de caso de Covid-19, desde a sua fase inicial, até o desfecho final.

“A programação está sendo estudada diariamente junto aos dados coletados com informações sobre de números de atendimentos por síndromes gripais, os indicadores de internação e o indicador óbito. O próprio decreto inclusive, prevê que retroaja caso seja detectado alguma mudança no importante no cenário no epidemiológico da cidade”, explica Marcelo Adriano.

O médico afirma que a capital do Piauí está na faixa verde, ou seja, faixa que indica baixa transmissão há algumas semanas. E que as medidas tomadas de flexibilização gradual demonstram a cautela em que a gestão está tendo para programar essas mudanças na rotina do teresinense.

PRIMEIRA ETAPA

A primeira etapa começou dia 7. Desde essa data, os eventos, shows, espetáculos e festas poderão ocorrer sem limitação de horários, respeitados o uso de máscaras (mesmo se realizados em ambientes abertos), público admitido de até 70% da capacidade do local e as demais exigências preconizadas pela vigilância sanitária municipal.

As atividades comerciais e de prestação de serviços – incluindo bares e restaurantes – poderão ocorrer sem limitação de horário, respeitados o uso de máscaras, público admitido de até 70% da capacidade do local e as demais exigências preconizadas pela vigilância sanitária municipal.

Próximas etapas

A terceira etapa começa dia 21 de março. A partir desta data, será realizado interstício para averiguação da permanência de Teresina na categoria de risco baixo (verde) por mais uma semana, a despeito das medidas de flexibilização implementadas nas etapas anteriores.

Já na quarta etapa, que começa dia 28 de março, a obrigatoriedade do uso de máscara será revogada até mesmo em ambientes fechados, incluindo-se escolas e academias, respeitadas as demais exigências preconizadas pela vigilância sanitária municipal.

De acordo com o decreto, as recomendações do uso de máscara serão mantidas em indivíduos sob maior risco de desenvolver formas graves de COVID-19 (idosos, gestantes, puérperas, imunocomprometidos, transplantados e portadores de câncer, acidente vascular cerebral, doença renal crônica, doenças pulmonares crônicas, cardiopatia grave, hepatopatia crônica, diabetes mellitus não controlado e obesidade), bem como em indivíduos com indicação médica de manter o uso ou que, por decisão individual, prefira manter o uso.

Também será obrigatório o uso de máscaras nas pessoas com sintomas da doença, que teste positivo ou que teve contato com indivíduo com Covid-19.

A vacinação em Teresina atinge níveis excelentes. Um total de 99,9% da população está vacinada com a primeira dose e 94% com a segunda dose. É um dos melhores índices entre as capitais do país.

Prefeitura de Teresina decreta retorno das aulas presenciais

O prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, determinou por meio de decreto o retorno das aulas presenciais para o próximo dia 22 de fevereiro. A medida foi tomada levando em consideração as novas recomendações feitas pela Diretoria de Vigilância em Saúde do Comitê de Operações Especiais (COE).

Além da decisão do retorno das aulas presenciais, templos, igrejas, centros espíritas e terceiros estão autorizados a realizar celebrações presenciais seguindo os protocolos de distanciamento, medição prévia de temperatura, uso de máscara e disponibilização de álcool em gel.

“Nós estamos sempre atentos ao cenário da covid-19 no nosso município. Levando em consideração o avanço da vacinação em crianças, a recomendação do Ministério Público e de outras entidades em relação ao ambiente escolar, optamos por retornar com as aulas presenciais para os alunos da rede municipal. Claro, é um retorno responsável, aderindo a todas as medidas de segurança para proteger as crianças de Teresina”, destacou Dr. Pessoa.

Confira o decreto:

Decreto N° 22.150, de 18 de fevereiro de 2022.