Coleta seletiva de lixo cresce com flexibilização das atividades econômicas em Teresina

Ascom/Semduh

Dados da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh) mostram que voltaram a crescer os números da coleta seletiva de lixo, que ficou parada por 56 dias devido à pandemia do novo Coronavírus. No mês de agosto, 121 instituições entre repartições, bares, restaurantes, empresas e condomínios solicitaram os serviços de coleta. Com a flexibilização dos setores econômicos, a expectativa é que o volume de coleta cresça ainda mais.

“O retorno dos materiais recicláveis para a cadeia de consumo é um ganho ambiental de grande importância. Uma das vantagens é o aumento do tempo de vida útil dos aterros, pois quando se faz a coleta seletiva, separam-se os materiais que são recicláveis e não são dispostos no aterro. A coleta também previne doenças e epidemias, uma vez que o lixo é descartado em locais seguros”, ressalta a coordenadora de limpeza pública da Semduh, Lílian Guimarães, acrescentando que a Semduh realizou várias ações de educação ambiental, com divulgação de vídeos nas mídias digitais para continuar conscientizando as pessoas sobre a importância da coleta seletiva.

Adriano Costa, síndico de um condomínio localizado na zona Leste de Teresina, resolveu aderir a coleta seletiva no mês de julho. Ele não imaginava que a produção de lixo reciclável seria tanta.  “Fiquei surpreso porque não tinha noção do quanto produzimos lixo que pode ser reaproveitável. Acho que é um serviço bom, porque educa as pessoas e os moradores passam a se policiar sobre o descarte do lixo correto. Os zeladores também contribuem ajudando a separar corretamente”, conta o morador.

Para garantir a correta destinação e aproveitamento sustentável de resíduos como plástico, metal, papel e vidro, a Prefeitura de Teresina vem realizando um trabalho de educação ambiental desde 2014. Atualmente, existem 25 Pontos de Entrega Voluntária de Resíduos Recicláveis (Pevs) distribuídos em todas as zonas da cidade, nas praças, parques, supermercados e pontos turísticos, como o Mirante da Ponte Estaiada.

Os materiais recicláveis da coleta são separados por tipos e associados a cores: metal (amarela), plástico (vermelha), papel/papelão (azul), vidro (verde). Podem ser descartadas panelas sem cabo, chapas de metal, molduras de quadros, objetos de alumínio e aço sem resíduos de alimentos, jornais, revistas, impressos em geral, caixas de papelão desmontadas, garrafas de vidro, garrafas PET, sacolas plásticas, canos e tubos PVC, embalagens de produtos de higiene. De acordo com a equipe de Educação Ambiental, papelão e vidro são os materiais mais descartados.

Especialistas ressaltam que o descarte adequado do lixo é uma conduta que beneficia não só o meio ambiente, como também garante o sustento de muitas famílias que fazem a venda desses materiais que são doados pelo município. Para saber quais os endereços de pontos de coleta seletiva e outras informações basta ligar para o número 3218-1126.

Atendimento às vítimas de acidentes de trânsito cresce 20% no HUT

O Hospital de Urgência de Teresina registrou aumento de 20% na entrada de vítimas de acidentes de trânsito em julho de 2020. Os dados foram divulgados nesta terça-feira (4) e apontam ainda que, a cada dez pessoas acidentadas, oito delas estavam em motocicletas.

O levantamento encaminhado pelo Setor de Estatística do HUT compara a primeira e a última semana do mês passado. No período de 29 de junho a 5 de julho, foram atendidas 146 vítimas de acidentes de trânsito. Já entre 27 de julho e 2 de agosto, foram 175 acidentados. Ao contabilizar todos os registros de acidentes no mês de julho, deram entrada no HUT, 783 pessoas, 88% delas estavam em motos.

Os números preocupam a unidade de saúde, já que a ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) está acima de 90%. “Com a possibilidade de mais pessoas circulando, teremos um aumento de vítimas de acidentes de trânsito. Em tempos de Covid, diminuir essa taxa de ocupação tem sido um desafio”, explicou o diretor geral do HUT, Rodrigo Martins.

Preocupada com esse cenário, a Prefeitura de Teresina tem adotado a retomada gradual das atividades para não comprometer as estratégias implementadas no enfrentamento à Covid-19. “Precisamos manter o alerta para que o cidadão evite relaxar nas medidas de proteção. Se precisar sair de casa, utilizar os itens de segurança, como máscara, capacete e cinto de segurança”, reforçou Rodrigo.

Coleta seletiva em Pontos de Entrega Voluntária cresce 15% no mês de maio em Teresina

Ascom/Semduh

Em meio às mudanças geradas pelo isolamento social, o teresinense tem incluído hábitos mais sustentáveis e de maior consciência ambiental em sua rotina. Uma prova disso é o crescimento de 15,9% de resíduos recicláveis coletados, no mês de maio, nos 21 Pontos de Entrega Voluntária (Pevs) distribuídos pela capital. Em 2020, a média mensal coletada era de 59,4 toneladas e no mês passado o valor recolhido subiu para 68,8 t.

O secretário executivo municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação, Vicente Moreira, explica que desde o fim de março deste ano, após a Secretaria adotar uma série de medidas contra a disseminação da Covid-19, o Disque Coleta Seletiva, serviço gratuito oferecido pela Prefeitura de Teresina para locais que produzem mais de 50Kg de recicláveis por coleta foi suspenso, permanecendo o funcionamento dos 21 Pevs disponíveis para toda a população.

“Quando comparamos a quantidade total de resíduos recicláveis coletados, percebemos inicialmente uma diminuição por conta da suspensão do Disque Coleta Seletiva. Em março, recolhemos 92,9 toneladas de resíduos quando o sistema de coleta seletiva funcionava por completo. Agora, contando exclusivamente com os Pevs, em abril, coletamos 54 toneladas e, em maio, 68 toneladas. A surpresa positiva é que, no mês de maio, e avaliando a média do que é coletado exclusivamente nos Pevs, percebemos um crescimento de 15% de resíduos”, explica.

O secretário acrescenta que a expectativa é de aumentar ainda mais esse número. “O que esperamos é que passando esse período de isolamento e a volta da normalidade, esse crescimento que foi verificado na conscientização das pessoas seja disseminado nos outros setores e nós possamos alavancar ainda mais a nossa coleta seletiva”, destaca Vicente Moreira.

A população pode colaborar com a coleta seletiva separando o papel, plástico, metal e vidro para levá-los em um dos 21 Postos de Entrega Voluntária (Pevs) disponíveis em todas as zonas de Teresina (localização disponível no  https://semduh.teresina.pi.gov.br/ ). O material coletado é doado para cooperativas de catadores de lixo que garantem sua renda vendendo esse material para empresas que realizam o processo de reciclagem.

Casos de Covid-19 têm crescimento de 13,36% em 48 horas na capital

O número de casos registrados no boletim epidemiológico de Covid-19 de Teresina teve um crescimento de 13,36% no período entre 18 e 20 de maio. Na segunda-feira (18), o boletim indicou a ocorrência de 1.327 casos da doença. Na quarta (20), o registro foi de 1.504 casos, um crescimento de 13,36% em apenas 48 horas. No mesmo período, os óbitos passaram de 40 para 45, um acréscimo de 12,5%. (mais…)

Isolamento social evitou morte de pelo menos 600 pessoas em Teresina, diz matemático

Pelo menos 600 pessoas poderiam ter morrido em Teresina por causa da Covid-19 se a Prefeitura não tivesse adotado o isolamento social de forma precoce. Caso os moradores estivessem circulando normalmente pela cidade, sem nenhuma medida restritiva, o total de infectados chegaria a 100 mil. Os cálculos são do professor doutor em Matemática, Jefferson Leite, com base nos registros oficiais de mortes e casos notificados.

Como não há testes suficientes para toda a população, os órgãos de saúde acreditam que os casos notificados na cidade não correspondem à realidade. Prova disso, é que um levantamento de investigação sorológica, com testes para a Covid-19, encomendado pela Prefeitura de Teresina, apontou que para cada uma pessoa infectada na cidade, existem outras 62 não notificadas.

A pesquisa evidencia que existe uma relação entre o crescimento exponencial dos infectados e a necessidade do isolamento social no combate à Covid-19, como adiantou o professor Jeferson Leite, que é doutor em Matemática Aplicada com ênfase em Modelos Matemáticos em Epidemiologia.

“O número de casos depende do percentual de isolamento que a cidade consegue atingir.  Segundo as projeções matemáticas, se o índice de isolamento social se mantiver na média de 55%, teremos cerca de 4,2 mil pessoas infectadas com a Covid-19. Se a taxa chegar em 60%, o número cai para 3,7 mil casos, podendo ficar em 2,8 mil casos se o percentual chegar a 70%”, frisou Jefferson Leite.

Considerando estas projeções, as estratégias adotadas pela Prefeitura foram decisivas para barrar o crescimento exponencial do novo coronavírus. Teresina iniciou as medidas restritivas junto com outros estados como São Paulo e Ceará, mas na curva epidemiológica, a capital saiu na frente com uma semana de antecedência, o que resultou em uma situação melhor do que outras cidades brasileiras. Segundo os dados do Ministério da Saúde, Teresina tem a menor curva de evolução dos casos do novo coronavírus entre as capitais do Nordeste, ao lado de Salvador (BA).

Mesmo com o cenário positivo, o prefeito Firmino Filho faz um alerta: “Encerramos o mês de abril com uma grande queda no índice de isolamento social em Teresina, quando registramos, no dia 30, que apenas 43% das pessoas ficaram em casa. Isso mostra que a população começa a sentir uma falsa segurança em relação à doença e passa a descumprir as recomendações estabelecidas pelas autoridades. É preciso agir com responsabilidade e, se for preciso, endurecer ainda mais as medidas para cuidar da vida das pessoas e minimizar os danos decorrentes do coronavírus”, disse.

Em um mês, o número de casos confirmados de Covid-19 em Teresina passou de 19 para 485. Esse aumento representa um percentual de 2.453% entre os meses de maio e abril. Da mesma forma, o número de mortes causadas pela doença passou de 02 para 14, um acréscimo de 600%.

Desde o dia 17 de maio, a Prefeitura de Teresina estabeleceu as primeiras medidas restritivas com o objetivo de conter o avanço do vírus na capital, quando foram decretadas a suspensão das aulas nas escolas públicas municipais, dos eventos culturais, eventos esportivos ou qualquer outro evento que gere aglomeração de pessoas em ambientes fechados ou abertos. Nas semanas seguintes, um novo decreto estabeleceu o fechamento do comércio e da indústria, mantendo abertos apenas alguns estabelecimentos que prestam serviços essenciais à população, como padarias, farmácias, supermercados, postos de gasolina, bancos e lotéricas.