Prefeitura de Teresina expõe dados de mobilidade em ação urbanística na avenida Frei Serafim

Dados de mobilidade urbana foram expostos no canteiro central da Avenida Frei Serafim, próximo ao Hospital Getúlio Vargas, através de uma aplicação de técnicas de urbanismo tático para oferecer aos usuários do transporte público a oportunidade de conhecer novas propostas e informações sobre mobilidade urbana. Além disso, a equipe busca expandir informações sobre o Plano Diretor de Mobilidade Urbana Sustentável de Teresina (PDMUS).

Fotos: Ascom Semplan

A ação integra o encerramento do projeto Observatório do Transporte, da Prefeitura de Teresina, através do departamento Agenda Teresina 2030, vinculada à Secretaria Municipal de Planejamento. “A intervenção possui o objetivo de divulgar informações do projeto Observatório do Transporte. Os mobiliários possuem informações sobre o transporte público da capital, e funcionam de forma lúdica e interativa, como por exemplo, uma delas está em um gráfico no formato de pizza. Ele funciona como um banco para a população que passa pelo local”, explana Cíntia Bartz, coordenadora da Agenda Teresina 2030.

Com a materialização dessas informações, como bancos em formato de gráfico, a Prefeitura busca facilitar o acesso desses dados aos usuários. A população passa a ter acesso aos dados sobre a locomoção urbana e pode interagir de uma forma mais prática e rápida.

Plano Diretor de Mobilidade Urbana Sustentável de Teresina (PDMUS)

O Plano Diretor de Mobilidade Urbana Sustentável de Teresina – PDMUS está sendo desenvolvido por meio da STRANS, e será o principal instrumento de planejamento dos sistemas de circulação e transporte de Teresina pelos próximos anos. Nele, sob forma de lei, irão constar os objetivos, metas e ações estratégicas relacionadas à mobilidade urbana, a curto, médio e longo prazo (5, 10 e 20 anos).

Observatório do Transporte

Dentro do projeto Observatório do Transporte, três projetos foram escolhidos para serem utilizados como protótipos e, posteriormente, serem aplicados como um todo no sistema teresinense. Entre os projetos escolhidos, há o desenvolvimento de um sistema de gestão de indicadores de qualidade para auxiliar na tomada de decisões pelos gestores; outra com solução digital para manutenção das frotas de ônibus pelos motoristas em contato direto com as garagens das empresas responsáveis; e um sistema que visa a organização nas rotas de ônibus da capital.

O projeto é um financiamento da União Europeia, através do programa EuroClima+, com aporte de 500 mil euros. O Observatório passou por um período de diagnóstico onde foram analisadas estratégias de desenvolvimento urbano voltadas para o transporte coletivo que atendam toda população teresinense, detectando os principais problemas. Após essa etapa, o trabalho feito pela prefeitura foi de buscar unir e praticidade no desenvolvimento das soluções de mobilidade.

“O projeto apresentou provas de conceito que comprovam que as soluções desenvolvidas são viáveis e ajudarão, através da tecnologia, o desenvolvimento de ações para melhorar a gestão do transporte público na cidade. A busca agora será a implementação de um projeto piloto e depois no sistema como um todo”, conclui Cíntia.

Prefeitura instala mobiliários interativos em parada de ônibus para informar dados de mobilidade a população de Teresina

A Prefeitura de Teresina, realizou nesta quinta-feira (28), através do departamento Agenda Teresina 2030, vinculada à Secretaria Municipal de Planejamento, uma aplicação de técnicas de urbanismo tático para oferecer aos usuários do transporte público a oportunidade de testar soluções que visam a melhoria dos espaços urbanos, fazendo com que a população tenha acesso às informações sobre mobilidade através destas implementações lúdicas. em espaços livres. A ação acontece entre as paradas de ônibus da Praça da Bandeira, centro de Teresina.

Fotos: Ascom Semplan

A intervenção também possui o objetivo de divulgar informações do Observatório do Transporte. Os mobiliários possuem informações sobre o transporte público da capital, e funcionam de forma lúdica e interativa, como por exemplo, uma delas está em um gráfico no formato de pizza. Ele funciona como um banco para a população que passa pelo local.

“Essa ação faz parte do projeto Observatório do Transporte e uma das suas finalidades é trazer informações sobre o transporte coletivo e mobilidade urbana para população. Uma forma de trazer essas informações para o espaço público foi através da materialização dessas informações, como bancos em formato de gráfico e isso facilita o acesso desses dados aos usuários. A população passa a ter acesso aos dados sobre a locomoção urbana e pode interagir de uma forma mais útil”, afirma Cíntia Bartz, coordenadora da Agenda Teresina 2030.

Junto a esta intervenção também ocorre uma outra ação interativa onde é feita a pintura do piso, sinalizando as zonas de cada parada e também fazendo uma ligação entre os mobiliários. “Foram pintadas faixas que sinalizam e conectam todos os mobiliários com a intenção de deixar ainda mais didático o acesso à essas informações, mesmo sendo uma intervenção temporária , isso trará um impacto informativo e reflexivo para os teresinenses que precisam se locomover utilizando o transporte público e especificamente aqueles que utilizem as paradas de ônibus da praça da bandeira”, Amanda Azevêdo, participante da equipe vencedora da Maratona Urban Hack 2021, responsável pela idealização da intervenção na Praça da Bandeira.

Como esta ação também é focada na melhoria da experiência dos usuários de transporte público, representantes da Superintendência de Transportes e Trânsito (STRANS), participam da ação. “Apesar de ser uma intervenção temporária, o nosso intuito é ter essa interação com a população e, a partir disso, coletar informações para criar uma conexão entre o usuário de transporte público e as secretarias. Temos o desejo de sanar algumas situações que já são pontos de atenção na Praça da Bandeira, sendo um deles a identificação dos pontos de parada. Acaba sendo muito importante a implementação lúdica desses mobiliários nos pontos de parada para facilitar o acesso à informação”, conclui Deryck Ferreira Nunes, arquiteto e urbanista da STRANS.