Prefeito e médico pneumologista do Hospital Albert Eistein debatem sobre coronavírus

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, participou na noite da última terça-feira de uma live com o médico pneumologista Ricardo Henrique Teixeira, paulista que atua no Hospital Albert Eistein e InCor. O tema do encontrou foi “O que precisamos aprender com o coronavírus?”. Eles reforçaram a necessidade do isolamento social para que vidas possam ser preservadas.

Durante a conversa na rede social, que foi promovida pela Faculdade Adelmar Rosado (FAR) e mediada pela professora Luciana Abreu, o prefeito informou que a gestão municipal tem se baseado em dados de pesquisas de investigação sorológica para acompanhar a evolução da COVID-19 na capital, e que o cenário é um pouco assustador.

“A pesquisa tem nos permitido acompanhar a evolução do vírus e mostra a luz que deveremos ter como guia para que possamos construir nossa curva epidemiológica. Precisamos de boas informações para que possamos tomar boas decisões. A pesquisa, que já vai para sua quarta etapa, nos mostrou que poderemos ter até o final do mês 10% da população de Teresina infectada, se continuarmos nessa projeção de aumento de 60% dos casos por semana. Por isso o nosso apelo para que as pessoas fiquem efetivamente em casa. Precisamos nos proteger e proteger o próximo”, disse o prefeito.

O médico Ricardo Henrique Teixeira, que é doutor em Pneumologia, denominou como insano o trabalho neste momento de pandemia. “O nosso cotidiano foi bastante afetado por esta crise causada pelo coronavírus. Estamos com atendimentos presenciais e também por telemedicina, mas o cenário é bastante complicado. Todo mundo está suscetível à COVID-19, e é uma doença nova, na qual o grande problema é que 85% dos pacientes terão sintomas leves e 15% terão sintomas mais fortes, mais graves, e estes poderão precisar de uma UTI que o sistema de saúde de algumas cidades não poderá suportar. Daí a necessidade de seguir as orientações das entidades médicas e dos gestores das cidades”, disse.

O prefeito Firmino enfatizou ainda que apesar de tudo ser muito novo, espera tirar grandes aprendizados desta crise. “Não sairemos os mesmos depois de tudo isso. Existirá um novo normal que a gente não sabe bem como é. E o nosso trabalho tem sido feito no sentido de preservar vidas. E para isso precisamos contar com o apoio da população para que possamos vencer essa guerra difícil contra o coronavírus”, concluiu.

Programa Lagoas do Norte debate formatação do Plano Municipal de Cultura com instituições

O Programa Lagoas do Norte reúne, nesta quinta-feira (12), os atores envolvidos na formatação do Plano Municipal de Cultura de Teresina. O encontro tem o propósito de debater e validar o plano de trabalho para o desenvolvimento dessa importante política pública na capital. Um dos eixos desenvolvidos pelo Lagoas do Norte é a estruturação e financiamento de políticas públicas municipais. Participam da reunião os representantes da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves e do Conselho Municipal de Cultura.

O evento ocorrerá durante todo o dia, a partir da 9h, no Palácio da Música. Será feita uma análise da minuta do plano de trabalho, bem como a atuação do grupo de trabalho. Além disso, o grupo buscará articulação com instituições e formas de incentivar a participação social no processo de construção do plano.

“O principal objetivo dessa reunião é promover a sensibilização e a mobilização dos atores envolvidos no processo de elaboração do Plano de Cultura. O Programa Lagoas do Norte permanece apoiando e fomentando a construção de políticas públicas para Teresina. É um dos seus eixos de atuação. Foi assim com a formatação de vários planos diretores, como o Plano Diretor do Transporte, de Drenagem, de Ordenamento Territorial, e tantos outros”, afirma Márcia Muniz, diretora geral do PLN.

O Plano Municipal de Cultura é o instrumento de planejamento e execução que será o norteador das políticas públicas a serem desenvolvidas em toda cidade nessa área. Com ele será possível estabelecer as diretrizes e as competências de cada instituição, entre poder público e sociedade civil.

Sistema Nacional de Política para as Mulheres é debatido em Pré-Conferência

Ascom/SMPM

Nesta quinta-feira (05) teve início a Pré-Conferência Municipal de Direitos das Mulheres. Na oportunidade foram debatidos três eixos temáticos que trataram de temas como: avanços e desafios e o Sistema Nacional de Políticas Públicas para as mulheres, além de temáticas como saúde, trabalho e educação. A atividade aconteceu no Centro de Formação Odilon Nunes para representantes das zonas Norte e Leste.

No primeiro momento do evento foi apresentada a leitura e aprovação do regulamento para a IV Conferência Municipal, que vai acontecer no dia 31 de março. Logo em seguida foi apresentado o tema: “Garantia e Avanço dos Direitos das Mulheres: Democracia, Respeito, Diversidade e Autonomia”, dando início às discussões dos grupos temáticos.

A secretária municipal de Políticas para as Mulheres, Macilane Gomes, participou do evento e elogiou todas as facilitadoras (mulheres que compõe os grupos de discussão), por aceitarem o desafio e auxiliar na discussão das temáticas.

“Fizemos o trabalho de reuní-las para realizar todo o alinhamento técnico e partilhamos essa responsabilidade, de construção de propostas. Sabemos que é uma responsabilidade, não é uma tarefa simples elaborar essas propostas, já que não são só propostas, mas pensar essas demandas concretas da nossa cidade com relação às mulheres sabendo que tudo isso será constituído numa agenda pública”, destacou a secretária.

Entre as conferencistas que contribuíram no debate deste primeiro dia de Pré-Conferência está a doutoranda em Políticas Públicas pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), Bárbara Johas. Segundo a especialista, as propostas discutidas nessa etapa serão avaliadas e encaminhadas para a Conferência Municipal, podendo chegar a nível estadual e federal.

“Essa etapa é um dos processos, essas propostas podem chegar tanto na Conferência Estadual como na nacional também. Um dos temas desse ano é democracia, por isso queremos ouvir mais as demandas das mulheres, das diferentes regiões da cidade. Estamos pensando em como a Secretaria pode ser mais aberta, queremos incluir o movimento de mulheres, não só no processo de elaborar, mas também no processo de gestão e monitoramento dessas políticas públicas”, afirmou.

A gerente de Proteção Social Básica e representante da Semcaspi no  Conselho Municipal dos Direitos da Mulher, Kânia Britto,  falou que a atividade desenvolvida é muito importante no intuito de fomentar as discussões e trazer diferentes pontos de vista a serem analisados. “É muito importante pautar essa discussão em nível de território, porque assim a gente discute a realidade dessas mulheres nos eixos que elas estão inseridas. Acredito que a discussão se torna mais rica dessa forma”, destacou.

As atividades da Pré-Conferência continuam nesta sexta-feira (06), no auditório da Faculdade Santo Agostinho (FSA), às 8h, para os representantes das zonas Sul e Sudeste. A Pré-Conferência Municipal dos Direitos das Mulheres é promovida pela Secretaria Municipal dos Direitos das Mulheres (SMPM) e pelo Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres (CMDM).

FGV convida Firmino para debater “Rumos da América Latina” em SP

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, vai proferir palestra no evento “Rumos da América Latina”, em São Paulo, nesta quinta-feira (28). Ele vai a convite da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas (FGV EESP) e do Centro de Estudos de Investimentos (FGV Invest).

A abertura do evento está marcada para 19h30 no Auditório da FGV EESP. A programação inclui palestras e debates com professores que são referência na área da economia.

Entre palestrantes estão Dan Biller, professor de Economia da Crummer Graduate School of Business e possui um PhD pela Universidade de Illinois Urbana-Champaign; Paulo Tenani, professor da Escola de Economia de São Paulo da Fundação Getulio Vargas e Chefe de Pesquisa da AQUA Wealth Management; Tomas Malaga, professor da Escola de Economia da Fundação Getúlio Vargas desde 2015, onde adicionalmente é conselheiro do Centro CLEAR de avaliação baseada em evidência de políticas públicas.

O evento representa uma homenagem ao pensamento e à memória do professor Werner Baer, economista americano da Universidade de Illinois, em Urbana-Champaign, graduado pelo Queen’s College, em 1953, com mestrado e doutorado por Harvard, em 1955 e 1958 respectivamente.

Por diversas ocasiões, ele atuou como professor visitante da PUC-Rio. Sua pesquisa sempre foi dedicada ao desenvolvimento econômico e à industrialização da América Latina, tendo mostrado interesse especial pela economia brasileira. Dono de vasta produção bibliográfica, influenciou diversas gerações de economistas. Ele também foi fundador do Instituto Lemann de Estudos Brasileiros, criado em 2009, para promover o ensino e a pesquisa sobre o Brasil nos Estados Unidos. O Professor Baer faleceu nos EUA, aos 85 anos.

Enfrentamento ao feminicídio será tema de roda de conversa nesta quarta (20)

A lei define feminicídio como o assassinato de uma mulher cometido por razões da condição de sexo feminino. Para falar mais sobre a temática será realizada uma roda de conversa nesta terça-feira (19), no  Amor de Tia da zona Sudeste, localizada na Rua Santa Luzia, no Alto da Ressurreição. A atividade terá programação a partir das 10h da manhã. No turno da tarde, o evento acontece às 16h.

A assistente social da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Caroline Leal, e a Coordenadora do Centro de Referência Esperança Garcia, Roberta Mara, irão mediar a roda. A ação já faz parte do projeto de 16 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher, que tem início no dia 25 de novembro, dia internacional da não violência contra à mulher.

“Na oportunidade vamos falar sobre as formas de enfrentamento ao feminicídio, um problema que tem sido alarmante na nossa capital, e sobre a campanha do Laço Branco, que é em referência ao dia 06 de dezembro, dia internacional de erradicação da violência contra a mulher”, explicou a assistente social da SMPM, Caroline Leal.

Laço Branco

O Dia Mundial de Erradicação da violência contra as mulheres foi escolhido em alusão a um episódio que aconteceu numa escola do Canadá no dia 06 de dezembro, onde um homem entrou armado na unidade e assassinou 14 mulheres, se suicidando logo em seguida. Entre as primeiras campanhas que aconteceram no Canadá, foram distribuídos milhares de laços brancos para os homens como forma de protesto pelo direito das mulheres.