Defesa Civil realizou mais de 70 atendimentos durante o período chuvoso de abril

Um total de 75 atendimentos foram realizados pela Defesa Civil Municipal de Teresina em abril, mês marcado por fortes chuvas na capital. Seguindo um plano de contingência específico para esse período, a equipe do órgão ofereceu apoio a 49 famílias afetadas por alagamentos, monitorou a elevação dos níveis dos rios e distribuiu cestas básicas.

O secretário da Semcaspi, Samuel Silveira destacou o dinamismo e abrangência do trabalho realizado. “A Defesa Civil, no mês de abril, atuou decisivamente, em comunidades, sobretudo da zona Leste, onde o impacto das chuvas foi maior. Houve uma chegada rápida aos locais e um atendimento intersetorializado com a assistência social, inclusive no fornecimento de cestas básicas”.

“Realizamos ações de atendimento às famílias que estavam em situação de vulnerabilidade e risco, principalmente na remoção e cadastramento das vítimas de alagamento, após a enxurrada do dia 21 de abril. Esse trabalho foi realizado juntamente às SDUs e os CRAS”, explica o tenente Antônio Linhares, gerente da Defesa Civil Municipal.

A zona Leste foi a mais afetada pela forte chuva registrada na data. “Com a SDU Leste, foi feita a remoção de lixo, reconstrução de diques, bueiros e outras desobstruções”, diz Linhares. Os bairros São Cristóvão, Ininga, Satélite e Vila Madre Teresa concentraram a maior parte dessas ações, após constatarem-se os vários danos materiais e o alagamento de imóveis.

A Defesa também atuou por meio da entrega de cestas básicas às famílias que estavam em situação de vulnerabilidade após a suspensão das atividades causada pela quarentena. Também em prevenção ao Covid-19, a equipe adotou todas as medidas de segurança e de afastamento neste período.

“Fizemos, em conjunto com o CRAS Leste V, esse trabalho de distribuição de cestas básicas nas comunidades rurais, como o povoado Mata Velha, Estaca Zero e São João”, detalha o gerente da Defesa Civil.

O órgão continua atuante em regime de plantão, mesmo durante a quarentena, e pode ser solicitada através de ligação gratuita para o número 153. Mais informações sobre as ações da instituição podem ser conferidas no site e nas redes sociais da Secretaria Municipal de Cidadania Assistência Social e Políticas Integradas.

Cidade Solidária cadastra mais 45 famílias após fortes chuvas

As famílias que foram prejudicadas em consequência das chuvas, na última semana, já estão sendo atendidas pelo Programa Cidade Solidária. Atualmente, o programa atende a 296 famílias. Foram inseridas mais 45 famílias, após o acompanhamento feito pelas equipes técnicas dos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS), Defesa Civil Municipal e Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDU) nos últimos dias.

“Foram realizados 45 novos cadastros e as famílias que tiveram suas residências comprometidas por conta dos alagamentos passarão a ter apoio financeiro da Prefeitura”, informa Poliana Tavares, assistente social e técnica de gestão de benefícios eventuais da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi).

A assistente social explica que há duas modalidades da assistência habitacional, que são Residência Solidária e Família Solidária, em que é ofertado o valor de um aluguel. Os beneficiários inseridos no programa são acompanhados continuamente pelos CRAS e recebem cestas básicas a fim de suprir as necessidades imediatas das famílias.

“As unidades realizam avaliação técnica para possíveis outros benefícios, como exemplo cesta básica, caso a família se encontre dentro dos critérios de vulnerabilidade socioeconômica, como foi o caso recente das famílias afetadas pelos alagamentos na capital”, explica Poliana.

Após atendimento da Defesa Civil, é realizada uma avaliação técnica pelas SDUs que, por sua vez, encaminham um processo contendo os relatórios técnicos para que a Semcaspi realize a triagem de possíveis beneficiários do programa.

Para mais informações sobre o Cidade Solidária, a população pode entrar em contato por meio do número (86) 3215-7593 ou pelas redes sociais da Semcaspi (@semcaspi.teresina).

A Defesa Civil também segue em plantão para assegurar que as famílias possam entrar em contato em situações de emergência, a população pode solicitar atendimento através de ligação gratuita para o 153.

Defesa Civil registra 38 ocorrências após fortes chuvas desta semana

Ascom/Semcaspi

A Defesa Civil Municipal vem realizando o atendimento às famílias prejudicadas pelas fortes chuvas que vêm caindo sob a capital nos últimos dias. A equipe esteve em campo atendendo aos chamados emergenciais durante a chuva, que atingiu mais gravemente a zona leste de Teresina. Ao todo foram 38 atendimentos de alagamentos e desabamentos de muros.

O bairro Planalto Ininga e Vila Madre Teresa tiveram a maior quantidade de ocorrências de alagamentos, foram 25 atendimentos nestes dois locais. “Além dos alagamentos, houve também dano estrutural de imóveis e perda de veículos, principalmente nos bairros São Cristóvão, Satélite, Ininga, Vila Madre Teresa, Parque Universitário, Noivos e em parte da zona sudeste. Essas foram as regiões mais intensamente atingidas pelas chuvas”, informou o tenente Antônio Linhares, da Defesa Civil Municipal.

Ainda segundo Linhares, a Defesa segue em campo realizando a identificação desses danos e perdas para que a devida assistência possa ser dada à população. A ação é integrada com a SDU da região, que realiza a limpeza de galerias e casas e encaminha as famílias aos programas assistenciais da Prefeitura através da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) com o Programa Cidade Solidária.

As famílias já estão sendo incluídas no programa para receberem o benefício eventual de cesta básica. A Defesa Civil Municipal continua atuante em regime de plantão durante a quarentena e pode ser solicitada através de ligação gratuita pelo número 153.

Defesa Civil faz atendimentos à população após forte chuva

Com a forte chuva caída em Teresina nesta terça-feira (21), a Defesa Civil vem fazendo o atendimento a diversas ocorrências desde então. A equipe esteve em campo no momento da chuva, atendendo a população da zona leste e de parte da zona sudeste da cidade, regiões intensamente atingidas.

“Tivemos várias casas alagadas por ocasião da chuva, perda de veículos, de imóveis, além de dano estrutural”, relatou o tenente Antônio Linhares, da Defesa Civil Municipal.

Na manhã desta quarta-feira (22), o trabalho foi retomado. Segundo Linhares, a Defesa segue em campo realizando a  identificação desses danos e perdas para que a devida assistência possa ser dada à população.

“A zona leste foi a mais atingida de todas. Tivemos danos no São Cristóvão, Satélite, Ininga. Hoje estamos fazendo levantamentos de novos dados”, explica o tenente.

A Defesa Civil Municipal continua atuante em regime de plantão, durante a quarentena, e pode ser solicitada através de ligação gratuita para o número 153. Mais informações sobre as ações da instituição podem ser conferidas no site e nas redes sociais da Secretaria Municipal de Cidadania Assistência Social e Políticas Integradas.

Defesa Civil: 160 famílias receberam atendimento emergencial no primeiro trimestre de 2020

Ascom/Semcaspi

Segundo o último relatório divulgado pela Defesa Civil Municipal, 160 famílias situadas em todas as zonas da capital, incluindo a rural, receberam atendimento através do órgão durante os primeiros três meses de 2020. O trabalho vem sendo intensificado devido ao período de chuvas e a necessidade da inclusão de grupos familiares no programa de acolhimento Cidade Solidária. As equipes referentes permanecem atuantes em quarentena, adotando medidas severas de distanciamento e higienização para que o serviço essencial continue sendo oferecido.

Além dos 160 atendimentos, registram-se também ações conjuntas, realizadas com os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDU). Essas unidades também atuam junto à Defesa no Cidade Solidária, programa que busca realocar famílias cuja residência foi afetada por infortúnios, como alagamentos e incêndios; o relatório aponta 15 desabamentos por situações do tipo. As famílias vitimadas são acompanhadas pelo CRAS, em uma outra residência segura. Esse atendimento pode incluir a entrega de cestas básicas, kits de acolhimento e kits de higiene, conforme a situação de vulnerabilidade identificada.

“Durante o mês de março, com a intensificação das chuvas e o aumento do volume dos rios, principalmente o Poti, 121 famílias foram removidas por ocasião de alagamento”, destaca o tenente Antônio Linhares, da Defesa Civil Municipal. “Continuamos monitorando os níveis das águas, através dos boletins diários do Serviço Geológico do Brasil Geral (CPRM) e da constatação in loco, por meio das réguas de medição, localizadas nos referentes rios”.

O secretário de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Samuel Silveira, destaca que a Defesa Civil se trata de uma instituição que tem mostrado para a cidade o seu valor. “Incansavelmente, mesmo em momentos de maiores adversidades, como é o período no qual vivemos — do Coronavírus, ela tem trabalhado intensamente, sendo um apoio fundamental para as comunidades que residem em áreas de risco”.

“Mesmo em face da subida dos rios e das constantes chuvas, a Defesa não se mostrou inerte, e de uma forma proativa tem acolhido, tem sido sensível, e rapidamente chegado às ocorrências, fazendo com que as famílias sejam retiradas em momentos de alagamento, e dessa maneira, preservando até mesmo a vida de muitos dos nossos cidadãos”, detalha o secretário. A Defesa Civil Municipal pode e deve ser solicitada através de ligação gratuita para o 153. Mais informações sobre as ações da instituição podem ser conferidas no site e nas redes sociais da Semcaspi.

Defesa Civil já atendeu 160 famílias que vivem sob risco de desabamento este ano

Neste período chuvoso, a Defesa Civil do Município já atendeu 160 famílias que vivem em imóveis sob risco de desabamentos. Deste total, em torno de 15 já desabaram. Somente em  três dias deste mês, 116 famílias foram removidas dos locais de risco. A zona sudeste concentra 59% dos casos de desabrigamento, seguido da zona sul com 27%.

As famílias vítimas de enchentes estão sendo incluídas no programa Cidade Solidária, que dá apoio financeiro às pessoas que tiveram suas residências comprometidas por conta de desabamentos, alagamentos, transbordamento de rios ou lagoas, como também incêndios.

A Defesa Civil está fazendo um trabalho conjunto com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano de cada uma das quatro regiões de abrangência e os CRAS – Centros de Referência em Assistência Social.

Nesta segunda-feira (30), a ação foi concentrada nas ruas Veras de Holanda e Saturno, no bairro Porto do Centro. Foi encontrada uma residência em condições precárias e outro imóvel próximo a uma galeria desabou.

De acordo com o secretário Samuel Silveira, da Semcaspi (Secretaria de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas), a Defesa Civil vem fazendo um trabalho de forma coordenada e segue um protocolo.

“Nós montamos um Comitê de Gerenciamento de Crise que funcionará na sede da Semcaspi, buscando o atendimento e abrigamento de famílias vítimas da subida do nível dos rios. As equipes de trabalho serão compostas por representantes dos CRAS e dos CREAS junto com os assistentes sociais das SDUs, estabelecendo pontos emergenciais de atendimento como o transporte de pessoas que estão em área de risco. Definimos ainda o alargamento dos plantões da central do número 153 até a meia noite e participação do Corpo de Bombeiros depois das 18h, quando houver chamado para a Defesa Civil”, disse.

A Prefeitura de Teresina disponibiliza para a população o número 153, canal direto de contato com a Defesa Civil Municipal. A ligação para o número é gratuita e permite que os teresinenses solicitem ao órgão o monitoramento, que pode ajudar na identificação e remoção das áreas de risco.

Mais de 230 famílias teresinenses recebem apoio através do Programa Cidade Solidária

Famílias acometidas por enchentes, incêndios, alagamentos e outros infortúnios seguem contando com atendimento emergencial por parte do Programa Cidade Solidária. Segundo o mais recente levantamento divulgado pela Gerência de Proteção Social Básica (GPSB) da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), 231 famílias estão inclusas em um dos dois eixos de atuação do projeto de acolhimento: Residência Solidária e Família Solidária. Devido às circunstâncias atuais de pandemia, o plano de trabalho da articulação, que busca evitar as situações de aglomeração causadas pelo acolhimento coletivo vem assumindo nova relevância.

Segundo Kania Brito, coordenadora da GPSB da Semcaspi, os números correspondem à última folha de pagamento do mês de fevereiro. A previsão é que estes se elevem ainda mais, em decorrência das fortes chuvas que vêm acometendo a capital. “Estamos aguardando os cadastros das novas famílias atendidas, que serão enviados pelas Superintendências de Desenvolvimento Urbano”, explica Kania.

As novas famílias poderão ou indicar uma família para realizar o seu acolhimento, mediante recebimento de bolsa, ou direcionar auxílio-aluguel para família locadora de uma nova residência segura. O período de quarentena vem dando preferência a operacionalização do segundo caso. O cadastro pode ser realizado após solicitação de visita da Defesa Civil Municipal, que identifica as situações de risco e realiza as remoções, juntamente com a equipe dos CRAS e das SDUs.

Os Centros de Referência em Assistência Social fazem parte da equação identificando as demais necessidades do grupo familiar; caso se identifique o cenário das mesmas, também são oferecidas cestas básicas, kits acolhimento e kits de limpeza. Embora os servidores da Semcaspi e suas unidades, entre elas os CRAS, cujos atendimentos de natureza coletivas estão em suspensão, estejam funcionando em escala de trabalho para manutenção dos serviços essenciais à população, as equipes que operam o Cidade Solidária seguem trabalhando na normalidade, sendo tomadas as devidas medidas de segurança.

“Nossas equipes seguem em atividade, articuladas com as SDUs, para oferecer o atendimento essencial que essas famílias precisam. Estamos garantindo sua dignidade frente a esses infortúnios, adotando as medidas de higienização e distanciamento necessárias para que nossos colaboradores e usuários estejam seguros”, explica o secretário da Semcaspi, Samuel Silveira. “Pedimos que o resto da população continue cumprindo as medidas de quarentena, de forma que aqueles que têm de continuar na rua, atendendo à população, corram menos risco”.

A Defesa Civil também segue suas atividades, em plantão, para assegurar que as famílias possam seguir a quarentena em residências seguras. A população pode solicitar a Defesa através de ligação gratuita para o 153. Também se pode conhecer mais sobre o Cidade Solidária por meio do número (86) 3215-7593 ou do site e das redes sociais da Semcaspi e da Prefeitura de Teresina

 

Defesa Civil segue removendo famílias de áreas de risco e garantindo quarentena segura

Ascom\Semcaspi

Em período de quarentena, a permanência em uma residência segura se torna ainda mais imprescindível. Neste sentido, um total de 121 famílias já foram removidas de áreas de risco e feito o seu encaminhamento ao programa de acolhimento emergencial, o Cidade Solidária. As solicitações por parte da população devem ser feitas através de ligação gratuita para o número 153.

A Defesa Civil Municipal (DCM) e vários outros órgãos do poder público como Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) e dos Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) vem se articulando de forma ainda mais intensa, de forma que se enfrentem as consequências das fortes chuvas que vem acometendo a capital e elevando o nível da água do rio Poty.

“Atingimos esse número de remoção em um curto espaço de 10 dias. O trabalho continua ocorrendo, mesmo com a tendência de queda no volume dos rios. Nossas equipes estão atentas fazendo esse atendimento diariamente”, explicou o secretário municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Samuel Silveira.

As últimas remoções aconteceram no Povoado Santa Luz, na zona Rural de Teresina, onde duas famílias encontravam-se completamente ilhadas. A ação foi integrada ao CRAS São Vicente e contou com apoio de uma equipe de Bombeiros Civis voluntários. No mesmo dia, a Defesa Civil emitiu notificações a mais 12 famílias.

“Tivemos a participação da liderança comunitária, dos motoristas da Superintendência de Desenvolvimento Rural, e dos Bombeiros Civis. Todos desempenharam papel muito relevante de ajuda comunitária. Sem eles, não teríamos tal êxito nessa missão. Nossa gratidão a essa equipe!”, destacou o tenente Antônio Linhares, da Defesa Civil Municipal.

As famílias são levadas a novas residências através do programa Cidade Solidária, no qual se é oferecido o auxílio-aluguel para locação de um espaço mais seguro. As equipes dos CRAS participam identificando as demais necessidades e realizando a distribuição de cesta básica, kit acolhimento e kit limpeza, conforme o cenário observado.

“Procuramos essas residências para que não se levem esses grupos familiares para locais de concentrações de público, em abrigos coletivos, justamente para mais uma prevenção ao Covid-19. Trabalhamos também para que se evite a propagação dessa pandemia”, detalhou Linhares. As equipes vêm atuando pautadas pelas recomendações de higiene reforçadas, no âmbito municipal, pela Fundação Municipal de Saúde.

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) reforça que os servidores da sede e unidades de referência estão funcionando em escala de trabalho para manutenção dos serviços essenciais à população. Lembra ainda que servidores dos grupos de risco foram afastados, conforme orientações das autoridades de saúde e por meio do Decreto Municipal nº 19.531 de 18 de março de 2020, que declara situação de emergência em saúde pública no município. A Defesa Civil segue em regime de plantão, oferecendo atendimento que pode e deve ser solicitado através do 153.

Mais de 100 famílias são retiradas de áreas de risco em Teresina

Ascom/Semcaspi

A Prefeitura de Teresina tem intensificado o trabalho de assistência e atendimento às famílias em situação de risco por conta das chuvas e cheias dos rios na capital. Apesar do momento delicado contra a pandemia do vírus Covid-19, as equipes da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) seguem trabalhando para auxiliar as famílias que têm suas casas comprometidas com as chuvas. Nos últimos três dias, 116 famílias foram removidas dos locais de risco. Somente a zona sudeste concentra 59% dos casos de desabrigamento, seguido da zona sul com 27%.

A Defesa Civil está atuando junto às SDUs e Centros de Referência em Assistência Social (CRAS) de todos os territórios de Teresina para que as famílias que precisam ser retiradas das áreas afetadas possam ser devidamente atendidas. “Nós criamos um protocolo de atendimento em decorrência das enchentes. A Semcaspi, por meio das Gerências de Proteção Social, Defesa Civil e CRAS, está realizando a identificação destas famílias e dando os encaminhamentos junto as SDUs para que elas sejam inseridas no Programa Cidade Solidária, caso precisem ser removidas do local. A gestão da secretaria está dando todo o apoio, todo o suporte organizacional para que essas equipes atuem em todos os territórios”, afirma o secretário Samuel Silveira, da Semcaspi.

O tenente Antônio Linhares da Defesa Civil Municipal afirma que os volumes dos rios estão sendo monitorados diariamente. “Segundo o último boletim que recebemos as medições apontam a redução dos níveis de água nos rios. E, desde que não haja aumento de chuva nas bacias dos rios, a tendência é diminuir os infortúnios. O que temos identificado são muitos alagamentos nas regiões ribeirinhas do rio Poti bem como alagamentos e desabamento de imóveis próximo a córregos e galerias. A população pode acionar o atendimento da Defesa Civil por meio do número 153”, disse.

As equipes dos CRAS, compostas por assistentes sociais, psicólogos e servidores, estão todas em campo, mobilizadas para atuar nesse momento de atendimento emergencial às famílias. “A primeira preocupação está em retirar as famílias dos locais de risco. As equipes de CRAS vão diretamente nos locais e buscam conscientizar as famílias para que elas aceitem sair de suas residências explicando que a vida delas está em risco. Após isso, as equipes explicam o benefício Cidade Solidária e também ajudam as essas pessoas a procurar residências para acolhimento ou aluguel. As equipes também identificam a necessidade das famílias em receber outros benefícios ofertados pela Semcaspi, como cesta básica, kit acolhimento e kit limpeza”, explica Larissa Rêgo, assistente social da Gerência de Proteção Social Básica da Semcaspi.

A Semcaspi reforça que os servidores da sede e unidades de referência estão funcionando em escala de trabalho para manutenção dos serviços essenciais à população. Lembra ainda que servidores dos grupos de risco foram afastados, conforme orientações das autoridades de saúde e por meio do Decreto Municipal nº 19.531 de 18 de março de 2020, que declara situação de emergência em saúde pública no município. Destaca também que as equipes de operação do Programa Cidade Solidária estão trabalhando em consonância com as recomendações de prevenção da propagação do Covid-19.