FMS divulga segundo Índice de Infestação por Aedes Aegypti

Ascom FMS

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina divulgou o segundo Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa) de 2019, realizado entre 29 de abril e 03 de maio. O LIRAa deu 2,2 de Índice de Infestação Predial (IIP). Comparando com o primeiro LIRAa, que aconteceu entre 25 de fevereiro e 01 de março, aumentou um estrato para baixo risco e dois estratos para médio risco.

“Chama atenção que a média encontrada é de 2,2. O Ministério da Saúde determina que maior que 1 é sinal de alerta e maior que 2 é sinal de gravidade. Portanto, precisamos não criar mosquito, porque eles estão aí. O número de casos de dengue aumentou de março até agora e hoje nós temos quase 1.200 casos notificados. Chamo atenção para que as pessoas tomem cuidado para não criar mosquito em casa, trabalho, escolas e igrejas. E se a pessoa vier a ter a dengue é importante manter a hidratação, ou seja, urinar transparente 24 horas por dia. Se você sentir dor abdominal, cansaço, tontura, deve procurar imediatamente o serviço de urgência da saúde, pois são sinais de gravidade”, afirma Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS. De janeiro a 7 de maio de 2019 a FMS notificou 1.188 casos de dengue, 191 casos de chikungunya e 20 casos de zika.

O LIRAa acontece quatro vezes ao ano e abrange todas as regiões da cidade. Durante o LIRAa, os agentes de endemias da FMS percorrem uma média de 15 mil imóveis em busca de focos em ralos, piscinas, vasos de planta e outros potenciais criadouros. São enviados os índices de focos por meio da identificação tanto de larvas, como da forma adulta do inseto. Os dados obtidos servirão como base para o desenvolvimento de estratégias de combate ao Aedes aegypti e trabalhos educativos voltados à prevenção da dengue, zika e chikungunya.

 

Atividades de limpeza na zona Sudeste auxiliam no combate ao mosquito Aedes

Ascom SDU Sudeste

Com o objetivo de combater o mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como dengue, zika e chikungunya, a Prefeitura de Teresina, através da Superintendência de Desenvolvimento Urbano Sudeste (SDU Sudeste), atua em diferentes bairros da região executando ações de capina, retirada de transbordo e limpeza de galerias.

Nesta segunda-feira (13), os grupos fazem serviços de capina na Av. São Francisco, Loteamento Manoel Evangelista, Canaxuê, Todos os Santos, Av. Itararé (Francisco Marreiros) e Novo Milênio, além de manutenção de área verde na Praça do Mercado do Dirceu II, Tancredo Neves e Mercado do Dirceu II, limpeza de galeria no Tancredo Neves e remoção de transbordo no Dom Helder e Vila da Guia.

Diariamente, aproximadamente 145 homens trabalham de forma contínua e programada na região, pois o período antes do início do verão é considerado o período do ano que ocorre o maior volume de chuvas, o que facilita a reprodução do mosquito. O gerente de Serviços Urbanos Sudeste, Isau Araújo, convida a população para contribuir com a manutenção dos serviços de limpeza, assim como participar através de denúncias sobre descarte incorreto de lixo por meio do aplicativo Colab.re.

“As atividades de limpeza que realizamos têm como objetivo deixar o ambiente livre de sujeira que atrapalha o deslocamento das pessoas como também serve de matéria orgânica para o desenvolvimento de insetos e mosquitos na transmissão de doenças. Além disso, convidamos a população a contribuir com as atividades de limpeza, fazendo o correto acondicionamento do lixo e ainda participando através de denúncias sobre descarte irregular de lixo pelo aplicativo Colab”, finalizou Isau.

 

Monte Castelo e Árvores Verdes recebem mutirão de combate ao Aedes aegypti

O Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, não escolhe o bairro ou casa para se reproduzir, bastando apenas um recipiente com água parada. Por isso, o cuidado para evitar a sua proliferação deve ser feito por todos e esta colaboração é a estratégia da operação Faxina nos Bairros. A atividade semanal acontece neste sábado (11), a partir das 8h, nos bairros Monte Castelo e Árvores verdes, zona Sul e Leste da capital, respectivamente.

A Faxina é uma atividade de limpeza e educação que tem por objetivo eliminar os criadouros do Aedes aegypti, uma vez que a principal ação de prevenção é evitar sua reprodução. Durante a semana, os moradores são avisados pelos agentes de saúde e endemias para fazer uma limpeza em suas casas e depositar nas calçadas todo o material inservível que será coletado pela equipe de limpeza no sábado, especialmente aqueles de grande porte que não são recolhidos pela limpeza regular.

“Solicitamos aos moradores que a partir de hoje já coloque todo esse material que serve para acumular água e não tenha utilização pelos moradores nas calçadas, para que no sábado a Prefeitura retire todos esses materiais e possa permanecer com os ambientes livres de criadouros”, explica a gerente de Zoonoses da capital, Oriana Bezerra. A ideia é que toda a população dedique um dia da semana para verificar todos os possíveis focos do mosquito, fazendo uma limpeza geral em sua residência e impedindo a reprodução do Aedes.

As equipes se encontram em um local e de lá saem percorrendo um quadrante determinado para a limpeza. Na zona Leste o ponto de encontro será a UBS Onesima Nascimento e o quadrante definido será o formado pela Avenida Nicanor Barreto, Rua Laura Conrado e Rua São Carlos. Já na zona Sul as equipes se encontram na praça do Hospital Monte Cartelo e de lá seguem pelo quadrante formado pela Rua Doutor Arêa Leão e as avenidas Gil Martins, Marechal Castelo Branco, Odilon Araújo e Nações Unidas.

A Faxina nos Bairros é uma parceria entre a Fundação Municipal de Saúde (FMS) e as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada região.

 

São Sebastião e Alto Alegre recebem Faxina nos Bairros sábado (13)

O combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da zika, dengue e chikungunya, segue neste sábado (13) com a Faxina nos Bairros, atividade de limpeza e educação da Prefeitura de Teresina. A partir das 8h da manhã, as equipes percorrem nos bairros São Sebastião (zona Sudeste) e Alto Alegre (zona Norte).

A Faxina é promovida pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), em parceria com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada região. No São Sebastião, as equipes vão se reunir no Campo de Futebol da Vila Bagdá, e de lá percorrer o quadrante formado pela Rua 01 do Loteamento Todos os Santos, Rua 05, Rua 08, Rua Ervitônio Teodoro e Avenida Noé Mendes. Já no Alto Alegre, será percorrido o quadrante formado pelas ruas Castelo do Piauí, Amarante, Pescador Raimundo Salvino, João Isidoro França e Sapucaia, com ponto de encontro na Praça do Itaperu.

A Faxina é fruto da colaboração entre setor público e comunidade na recolhida do lixo doméstico, que tem potencial de se tornar criadouro do Aedes aegypti. “Nosso objetivo é percorrer bairros em todas as zonas da cidade recolhendo aquele lixo das residências que não eram recolhidos na limpeza de rotina, como móveis, eletrodomésticos de grande porte e entulhos em geral que pudessem se tornar foco para proliferação do Aedes”, explica Oriana Bezerra, gerente de zoonoses da capital.

Para isso, os gestores contam com a parceria da população, que durante a semana é orientada pelos agentes de saúde a fazer a limpeza em suas próprias casas e depositar o lixo no sábado para a coleta. Neste dia ocorre ainda uma caminhada educativa, em que os moradores recebem dicas sobre as doenças e como se prevenir contra a formação de focos do mosquito.

A Faxina nos bairros acontece desde 2015 e veio com o intuito de incrementar as ações de controle vetorial da FMS e desde então contribuiu para redução em torno de 50% da incidência de casos de dengue, chikungunya e zika em Teresina. Como ainda não existem vacinas ou medicamentos que combatam a contaminação, a principal ação para prevenção dessas doenças é evitar o nascimento do mosquito; por isso, a eliminação de objetos inutilizados que venham a acumular água é essencial, já que o Aedes aegypti se reproduz em água limpa e parada.

São Sebastião e Alto Alegre recebem Faxina nos Bairros sábado (13)

O combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da zika, dengue e chikungunya, segue neste sábado (13) com a Faxina nos Bairros, atividade de limpeza e educação da Prefeitura de Teresina. A partir das 8h da manhã, as equipes percorrem nos bairros São Sebastião (zona Sudeste) e Alto Alegre (zona Norte).

A Faxina é promovida pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), em parceria com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada região. No São Sebastião, as equipes vão se reunir no Campo de Futebol da Vila Bagdá, e de lá percorrer o quadrante formado pela Rua 01 do Loteamento Todos os Santos, Rua 05, Rua 08, Rua Ervitônio Teodoro e Avenida Noé Mendes. Já no Alto Alegre, será percorrido o quadrante formado pelas ruas Castelo do Piauí, Amarante, Pescador Raimundo Salvino, João Isidoro França e Sapucaia, com ponto de encontro na Praça do Itaperu.

A Faxina é fruto da colaboração entre setor público e comunidade na recolhida do lixo doméstico, que tem potencial de se tornar criadouro do Aedes aegypti. “Nosso objetivo é percorrer bairros em todas as zonas da cidade recolhendo aquele lixo das residências que não eram recolhidos na limpeza de rotina, como móveis, eletrodomésticos de grande porte e entulhos em geral que pudessem se tornar foco para proliferação do Aedes”, explica Oriana Bezerra, gerente de zoonoses da capital.

Para isso, os gestores contam com a parceria da população, que durante a semana é orientada pelos agentes de saúde a fazer a limpeza em suas próprias casas e depositar o lixo no sábado para a coleta. Neste dia ocorre ainda uma caminhada educativa, em que os moradores recebem dicas sobre as doenças e como se prevenir contra a formação de focos do mosquito.

A Faxina nos bairros acontece desde 2015 e veio com o intuito de incrementar as ações de controle vetorial da FMS e desde então contribuiu para redução em torno de 50% da incidência de casos de dengue, chikungunya e zika em Teresina. Como ainda não existem vacinas ou medicamentos que combatam a contaminação, a principal ação para prevenção dessas doenças é evitar o nascimento do mosquito; por isso, a eliminação de objetos inutilizados que venham a acumular água é essencial, já que o Aedes aegypti se reproduz em água limpa e parada.

Mais de 350 mil ovos de Aedes aegypti foram eliminados este ano

Ascom FMS

Borracharias, sucatas, hortas comunitárias, cemitérios e imóveis abandonados são alguns locais com maior propensão à proliferação do Aedes aegypti, o mosquito transmissor da zika, dengue e chikungunya. Por isso, a gerência de Zoonoses de Teresina realiza um trabalho específico nestes locais, onde já recolheu mais de 350 mil ovos do mosquito só em 2019.

Teresina possui atualmente mais de 1.200 locais monitorados, que são conhecidos como Pontos Estratégicos (PE) e estão em todas as regiões da cidade. Segundo a Gerência de Zoonoses, que é vinculada à Fundação Municipal de Saúde, até o dia 15 de março deste ano, 350.989 ovos foram retirados destes locais, sendo 127.638 na zona Norte; 106.695 na zona Sul; 74.934 na zona Leste e 41.722 na zona Sudeste.

Estes pontos são escolhidos pelos médicos veterinários da Gerência de Zoonoses, que coordenam um trabalho de monitoramento dos eventuais acúmulos de água e ovos do Aedes aegypti. O monitoramento é feito com o uso de armadilhas chamadas ovitrampas, que atraem a fêmea do mosquito para a postura de seus ovos. “Sabemos que a fêmea na sua fase adulta dura em torno de 42 dias, e embora ela produza ovos de uma vez a postura é feita gradualmente, então precisamos fazer o esgotamento desteS ovos toda semana”, explica a gerente Oriana Bezerra.

“Se nós considerarmos que esses ovos não se tornarão adultos, com esta ação nós retiramos de circulação uma grande quantidade de possíveis larvas e vetores na sua fase adulta”, esclarece a gerente. O trabalho é complementado com o uso de larvicida e também do UBV, que como explica Oriana Bezerra é uma máquina pulverizadora de inseticida. “Além disso, fazemos um trabalho educativo com os proprietários destes locais, com orientações e esclarecimento de dúvidas”, complementa.

População

Oriana Bezerra alerta que o trabalho da gestão pública em combater o Aedes aegypti deve contar ainda com a contribuição da população, que deve estar atenta para evitar o acúmulo de água em suas residências. “A principal arma de combate ao Aedes aegypti é a prevenção, que começa dentro das nossas casas. Atitudes corretas em nosso dia a dia são essenciais para a redução dos casos de dengue, zika e chikungunya em nossa cidade”, lembra a gerente.

Cartilha contra a dengue será distribuída em escolas da região do Lagoas do Norte

Uma força-tarefa da saúde com a educação vai ajudar no combate à dengue na região do Lagoas do Norte, em Teresina. A Fundação Municipal de Saúde (FMS) está contando com o apoio da Secretaria Municipal de Educação (Semec) na elaboração de uma cartilha com orientação sobre o mosquito transmissor da doença.

O material será distribuído em seis Centros Municipais de Educação Infantil e nove escolas municipais do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. A cartilha tem o formato de história em quadrinhos, criando os “heróis do Lagoas do Norte”, uma alusão ao poder das crianças de serem agentes transformadores.

De maneira divertida, os estudantes aprenderão mais sobre as formas de combater a dengue, passando a serem multiplicadores da ideia. O objetivo é fornecer um material rico e atualizado para que os professores utilizem em sala de aula.

A gerente de vigilância em saúde ambiental e saúde do trabalhador da FMS, Lina Vera, explica que professores e coordenadores pedagógicos das unidades de ensino participarão de oficinas para contribuírem com a sensibilização. “Queremos movimentar toda a comunidade, sendo a escola uma grande aliada nesse processo”, afirma.

Segundo Lina, as cartilhas fazem parte de um projeto da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e devem estar prontas no segundo semestre do ano. “Junto com o material, planejamos oficinas, mutirões e diversas ações nos 13 bairros que compõem o Lagoas do Norte”, disse.

Para Audea Lima, coordenadora de Educação Ambiental da Semec, a iniciativa soma forças nas ações do município. “Estamos sempre trabalhando com as crianças essa temática, usando jogos, brincadeiras e todo tipo de material lúdico que despertem interesse. A ideia é promover a conscientização para que a população faça seu papel junto com os agentes públicos”, conclui.