Guarda Municipal atende mais de 160 ocorrências no final de semana

Ascom/Semcaspi

A Guarda Civil Municipal fiscalizou, neste sábado (11) e domingo (12), mais de 160 estabelecimentos e denúncias de aglomerações em Teresina. Entre os estabelecimentos fiscalizados até o momento estão 25 bares, oito depósitos de bebidas e até uma vaquejada que estava acontecendo no bairro Esplanada, zona Sul da cidade.

De acordo com o coronel John Feitosa, comandante da Guarda Municipal, no local havia cerca de 200 pessoas, consumindo bebida alcoólica. Também estavam no local vários cavalos. Os responsáveis pelo evento assinaram termo circunstanciado.

Com a determinação de restrições mais rígidas com intuito de aumentar o índice de isolamento social e, assim, permitir que a cidade possa retomar as atividades econômicas de forma segura, a Guarda Municipal vem cumprindo as determinações de manter a fiscalização efetiva.

“Estamos com as equipes na rua, atentos às denúncias que chegam até nós, percorrendo a cidade e trabalhando para que os decretos sejam cumpridos”, afirma o coronel John Feitosa.

Strans denuncia aumento de roubos de equipamentos em estações de passageiros

A estação de passageiros Chesf, zona Sul de Teresina, foi alvo de roubo de cabos de cobre do circuito de iluminação e das portas, no início da tarde desta terça-feira, 24. A cidade está quase sem movimentação e algumas áreas estão mais sujeitas a este tipo de ação. Na madrugada de domingo também teve roubo de cabos na estação de passageiros Macaúba, zona Sul.

De janeiro até a semana passada foram registrados cinco casos de roubos deste tipo, incluindo estações e semáforos. A Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) tem denunciado e acionado a polícia em casos de roubos nos equipamentos das estações e pede providências. Tem sido mais constante este tipo de prática criminosa nas estações Justiça Federal, Chesf, Pio XII e Macaúba.

A Superintendência mantém equipes de profissionais que fazem ronda no início da manhã e da tarde e também em outros horários, desde que haja necessidade para verificar o funcionamento dos equipamentos e providenciar reparos.

O encarregado da manutenção, Ferdinand Batista, explica que a estação está funcionando e uma equipe de manutenção está providenciando o reparo. “Nesse caso não comprometeu o funcionamento da estação porque tem energia elétrica, e queremos concluir todo o serviço o mais rápido possível”, informa.

Nesse período de quarentena por causa Da Covid -19 a recomendação é que as pessoas fiquem em casa, mas para aquelas que realmente necessitam se deslocar, está mantido o serviço público de transportes, embora de forma reduzida.

Mulheres atendidas pelo CREG rompem o silêncio no III Colóquio Vozes

Rômulo Piauilino

Promover um espaço para relato de experiência das mulheres em situação de violência. Com este objetivo, foi realizado nesta terça-feira (07), o III Colóquio Vozes – Rompendo o silêncio da violência contra mulher. O evento aconteceu no Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), órgão vinculado à Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM).

Na oportunidade, o prefeito Firmino Filho destacou que o Colóquio é uma oportunidade para ouvir as mulheres de Teresina, especialmente aquelas que tiveram seus direitos desrespeitados. “É uma forma de ouvir os gritos de dor e sofrimento das mulheres que são castigadas na nossa cidade, onde ainda existe muito machismo praticado todos os dias”, disse.

Durante a programação, quatro mulheres deram depoimentos de como a violência começou na vida delas, como foram tratadas ao buscar ajuda e como estão tentando romper o ciclo.

A mulher de iniciais L.P.V.N. destacou o apoio recebido no CREG foi fundamental. Ela confessou que chegou destruída psicologicamente, aos prantos, e no local encontrou força e orientação por parte de toda a equipe.

“Sofri com muita violência psicológica durante 17 anos de casada, fui impedida de trabalhar e estudar, eu era totalmente dependente do agressor, até que decidi dar um basta nessa situação. Já estou com três anos que tomei a decisão de denunciá-lo e agradeço toda a equipe pelo apoio e por trabalharem minha autoestima, o que foi muito importante, pois ele fazia eu me sentir sem beleza nenhuma. Hoje estou descobrindo quem eu sou, não sabia do que eu gostava, voltei a estudar e comecei a trabalhar conquistando, assim, a minha independência”, relatou.

Segundo L.P.V.N., a decisão de agir foi pelas filhas, pois diante de tanto sofrimento e fragilidade também tiveram que ser acompanhadas pela equipe de atendimento.  “Fiz isso pelas minhas filhas, para que não vissem tudo acontecer e considerassem como algo normal. Elas também foram acompanhadas pela equipe do CREG, e hoje são mulheres seguras e decididas, e com a dor aprendemos, hoje estamos bem, estamos em paz. Hoje mais do que nunca me amo, e influencio positivamente pessoas por me considerar exemplo de superação”, disse a vendedora.

Para a secretária Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Macilane Gomes, a denúncia e a busca da ajuda é bastante importante. Segundo ela, a violência é um processo naturalizado em nossa sociedade, e tem a ver com o processo de educação e cultura que necessita ser desconstruído. Para isso, é preciso que a mulher reconheça a violência, denuncie e procure ajuda, tanto para a violência psicológica, física, social e patrimonial.

“No momento que a mulher busca ajuda ela está avançando e rompendo o ciclo da violência. Não aguento, não aceito, reivindico, denuncio, é um grande avanço. E hoje, 07 de agosto, comemoramos 13 anos de lei Maria da Penha, que é um instrumento que serviu para avançar, mas precisamos avançar ainda mais e encorajar algumas mulheres a denunciar e buscar ajuda, porque é um ato muito importante”, afirma a secretária.

O CREG tem como objetivo atender a mulher em situação de violência doméstica, familiar e outras de gênero, por meio do trabalho da equipe multiprofissional: psicóloga, assistente social e assessora jurídica. O Centro atende das 8h às 14h, de segunda a sexta-feira, e fica localizado na Rua Benjamim Constant, 2170, Centro/Norte. O contato para mais informações é 3233-3798.

 

Teresina disponibiliza número 153 para denúncia de casos de LGBTFobia

Nesta sexta-feira (17) é celebrado, internacionalmente, o Dia contra a Homofobia. E uma das principais formas de auxiliar pessoas que sofrem violência, seja física, mental ou emocional, por conta da orientação sexual, é denunciar os casos para o poder público. Por isso, em Teresina, é oferecido ao público o número 153, para o recebimento de denúncias deste tipo, além de outras violações de direitos.

O número 153 oferece o contato direto com a Gerência de Direitos Humanos (GDH) da Semcaspi, setor ao qual estão vinculados todos os conselhos municipais de direitos, inclusive o Conselho Municipal de Direitos de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais (CMDLGBT). As ligações são gratuitas e o sigilo do nome do denunciante é mantido.

“É uma forma que o poder público encontrou de acompanhar os casos de LGBTFobia. É pra esse número que os LGBT’s devem se dirigir quando sofrerem algum tipo de violência, seja em casa ou na rua”, reforça Anderson Lafeli, presidente do CMDLGBT.

A população pode denunciar também por meio do Disque Direitos Humanos, o Disque 100, serviço nacional de atendimento telefônico gratuito, que funciona 24 horas por dia, nos sete dias da semana. As denúncias recebidas são analisadas, tratadas e encaminhadas aos órgãos de proteção, defesa e responsabilização em direitos humanos, no prazo máximo de 24 horas, respeitando a competência e as atribuições específicas, e priorizando qual órgão será direcionado de forma imediata no rompimento do ciclo de violência e proteção da vítima.