26 famílias retiradas de áreas de risco são transferidas para novo abrigo no Bairro Aeroporto

O Comitê de Operações Emergenciais da Prefeitura de Teresina transferiu, neste final de semana, as famílias, que estavam acolhidas em duas escolas municipais, para um novo abrigo, localizado no Bairro Aeroporto, zona Norte da capital. A nova estrutura chama-se “Casa de Acolhimento Tenente-Coronel Costa Neto”, em homenagem ao Costa Neto do Corpo de Bombeiros do Piauí, que integrava o Comitê de Operações Emergenciais da Prefeitura e faleceu em abril deste ano.

Ao total, 26 famílias foram acolhidas, sendo 17 da Escola Municipal Nova Brasília; 08 da Escola Municipal Domingos Afonso Mafrense e 01 família, que estava no Centro de Convivência “Saber Viver”.

De acordo com Allan Cavalcante, secretário da Semcaspi, a nova estrutura foi avaliada pela localização e pela estrutura, no sentido de promover um acolhimento mais organizado e confortável.

“A necessidade de realizar a transferência destas famílias, aconteceu por conta das aulas presenciais nas duas escolas em que elas estavam acolhidas. Após o alerta da necessidade da transferência, pesquisamos prédios na região Norte e apresentamos as famílias. Este prédio foi todo reformado e está sendo adaptado da melhor maneira possível para todos”, pontuou.

Allan Cavalcante explica que a Casa de Acolhimento Tenente-Coronel Costa Neto é um abrigo temporário, até que estas famílias tenham casas para morar.

“O Prefeito Dr, Pessoa tem um olhar sensível às pessoas em situação de vulnerabilidade social e está trabalhando para que, o mais breve possível, estas famílias possam deixar a Casa de Acolhimento e irem para suas casas”, ressaltou.

HOMENAGEM AO TENENTE-CORONEL COSTA

Segundo Allan Cavalcante, secretário da Semcaspi, o nome do tenente-coronel do Corpo de Bombeiros do Piauí, Costa Neto, foi pensado, justamente, por sua contribuição no apoio a estas famílias. “Nada mais justo que homenagear o tenente-coronel Costa Neto, que tanto contribuiu na orientação, informações e também retirada destas famílias das áreas de risco. Somos eternamente gratos por sua dedicação e contribuição neste trabalho”, esclareceu.

Prefeitura irá construir 390 casas para desabrigados na zona Norte de Teresina

O prefeito de Teresina, Dr. pessoa, visitou na tarde desta sexta-feira (13), o terreno onde serão construídas casas populares para famílias desabrigadas por conta das fortes chuvas na capital.

O Terreno localizado no residencial Leonel Brizola, zona Norte, possui dois hectares e já está recebendo os serviços de limpeza e terraplanagem. Ao todo, 390 casas populares serão construídas. O terreno é de propriedade do município.

Dr. Pessoa ressalta a agilidade no andamento do projeto e garante quem em breve, os teresinenses que estão desabrigados receberão um novo lar.

“Viemos ver como está o andamento do projeto. O nosso objetivo é dar moradia para quem perdeu sua residência nos alagamentos durante o período chuvoso. Vi que os serviços que foram solicitados já estão avançados e vamos seguir em ritmo acelerado para dar dignidade e moradia para quem precisa o mais rápido possível”, destacou Dr. pessoa.

O secretário de desenvolvimento urbano e habitação (Semduh), Edmilson Ferreira, aponta que outras zonas de Teresina também serão beneficiadas com a construção de casas.

“É apenas a primeira etapa. Temos 770 famílias que perderam suas casas por conta das enchentes, principalmente na zona Norte. Vale ressaltar que mais casas serão construídas em outras zonas da cidade nas próximas etapas deste projeto idealizado pelo prefeito Dr. Pessoa”, concluiu.

Prefeitura apresenta proposta ao Governo Federal para a construção de casas aos desabrigados pelas chuvas

Reunião discute a proposta sugere dois terrenos municipais para a construção desses imóveis Fotos(Ascom/Semduh)

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), apresentou proposta ao Programa Pró-Moradia, do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), para a construção de 300 casas. As residências serão destinadas às famílias atingidas pelas chuvas deste ano, que ficaram desabrigadas.

A proposta sugere dois terrenos municipais para a construção desses imóveis. A localização destes terrenos será anunciada tão logo a obra se inicie, mas para isso será necessária a aprovação do Governo Federal.

“Esse programa do Governo Federal constrói lotes de 300 casas. Já enviamos a proposta e, caso seja aceita, é a melhor alternativa para resolver a situação dessas famílias que ficaram sem casa em virtude das chuvas. Além dessas 300 moradias, a Prefeitura busca recursos para construir ao menos mais 90”, declara o secretário da SEMDUH, Edmilson Ferreira.

Para a construção das 390 moradias, a SEMDUH calcula um investimento de cerca de R$ 50 milhões. A previsão é que o Ministério do Desenvolvimento Rural envie resposta sobre a aprovação da proposta até o início do próximo semestre. Ainda neste mês, o prefeito Dr. Pessoa irá a Brasília solicitar agilidade nesse processo. Caso a proposta não seja aceita, a Prefeitura continuará buscando alternativas para obter os recursos necessários.

Do início do período chuvoso até agora, 770 famílias foram atendidas pela Prefeitura de Teresina por terem a casa inundada ou destruída pela água. Dessas, apenas 28 permanecem abrigadas em escolas municipais, as demais foram encaminhadas para o Programa Cidade Solidária, que abrange o Aluguel Solidário e o Família Acolhedora.

Aulas presenciais

Com a volta das aulas presenciais, as famílias abrigadas em escolas devem ser remanejadas para outro local até o dia 23 de maio. A Prefeitura está em busca de um imóvel para encaminhar essas famílias. “A ideia é encontrar um prédio que possa recebê-las até que as moradias definitivas sejam construídas”, acrescenta o secretário.

Recuperação de imóveis

Edmilson diz ainda que a Prefeitura está realizando um levantamento das casas atingidas pelas chuvas. Os imóveis em condições de serem recuperados serão reformados e devolvidos às famílias.

“Sabemos que muitas casas foram totalmente destruídas, tomadas pela água e sabemos também que muitas estão em áreas de risco. Essas não serão reformadas, pelo contrário. Casas abaixo da cota de inundação devem ser demolidas para evitar que as famílias voltem. Por outro lado, estimamos que cerca de 200 imóveis estarão seguros após a reforma. Esses, sim, serão recuperados e devolvidos”, esclarece.

Outra ação da PMT é a investigação de imóveis relativos a programas habitacionais anteriores que estão desocupados ou ocupados de forma irregular. A orientação do prefeito Dr. Pessoa é que essas moradias sejam remanejadas para famílias desabrigadas.

Comitê emergencial discute estratégias para acolher famílias desabrigadas em Teresina

O comitê emergencial responsável por monitorar a situação das famílias que ficaram desabrigadas após as fortes chuvas discutiu, na manhã desta sexta-feira (1), estratégias para ajudar os desabrigados que estão nas escolas municipais de Teresina.

Na reunião, que ocorreu na sede da SAAD Norte, foram apresentadas ideias que serão avaliadas pelas equipes da Prefeitura de Teresina para abrigar as famílias que estão sem moradias.

Os desabrigados precisam deixar as unidades de ensino o mais breve possível para iniciar o período letivo nas escolas.

Atualmente, três escolas municipais estão abrigando as famílias na zona Norte de Teresina. Durante o encontro, as autoridades presentes também reforçaram o convite para as pessoas que possuem casas para alugar para cadastrar seus imóveis no programa Aluguel Solidário.

O cadastro deve ser feito nas Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas (SAADs) de cada região. Vale ressaltar que o valor do aluguel não pode ultrapassar R$ 300,00.

O superintendente da SAAD Norte, Daniel Carvalho, destacou que a gestão do prefeito Dr. Pessoa trabalha para encontrar um local que acolha essas famílias o mais rápido possível.

“Estamos empenhados nessa missão e acredito que em breve vamos remover as famílias desabrigadas das escolas e levar para outro local, desamparadas elas não vão ficar”, disse o superintendente da SAAD Norte.

Foto: Divulgação (SAAD Norte)

Comitê avalia situação dos desabrigados que estão em escolas de Teresina

O comitê emergencial que foi criado pelo prefeito Dr. Pessoa para monitorar áreas de risco de alagamentos e para ajudar as famílias que ficaram desabrigadas após as fortes chuvas, se reuniu novamente nesta segunda-feira (28), com o objetivo de encontrar soluções para os desabrigados que estão acolhidos em escolas municipais de Teresina.

O secretário municipal de Defesa Civil, Carlos Ribeiro, e o secretário de Educação, Nouga Cardoso, participaram da reunião que aconteceu na sede da SAAD Norte.

A maioria das famílias desabrigadas estão em escolas municipais na zona Norte da capital, a região foi a mais afetada pelos alagamentos. A retirada dessas famílias precisa ser realizada antes do retorno das aulas presenciais nas unidades de ensino da rede de educação de Teresina.

O superintendente Daniel Carvalho, da Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas (SAAD Norte), destacou que as famílias só vão ser retiradas das escolas quando outros locais forem escolhidos pela Prefeitura de Teresina para abrigar essas pessoas.

“Tivemos essa reunião para discutir a questão das famílias que estão abrigadas nas escolas municipais, somente na zona Norte três unidades de ensino estão acolhendo os desabrigados. As escolas precisam ser liberadas para o retorno das aulas. Estamos trabalhando e procurando uma solução junto com a Prefeitura de Teresina”, detalhou o superintendente da SAAD Norte.

Após cadastros, famílias atingidas pelas enchentes são beneficiadas com aluguel social e kits

A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), por meio da Gerência de Proteção Social Básica (GPSB), oferece por meio dos Benefícios Eventuais, com o Programa Cidade Solidária, assistência às famílias atingidas pelas chuvas em Teresina. Dados atualizados nessa terça-feira, (08), pelo Comitê Emergencial, apontam que das 712 famílias atingidas pelas chuvas, 540 já estão inseridas no Programa Cidade Solidária, com o aluguel social.

A Semcaspi oferece duas modalidades de assistência às famílias atingidas pelo estado de calamidade: o Programa Cidade Solidária, com o aluguel social no valor de R$300 e os kits (acolhimento, higiene e limpeza) para famílias que conseguiram acolhimento em casas de familiares ou amigos; e a assistência aos abrigos, onde as famílias recebem o kit acolhimento e, mensalmente: cestas básicas e os kits higiene e limpeza. 
Segundo Allan Cavalcante, secretário da Semcaspi, estas famílias são cadastradas em parceria com a Secretaria Municipal de Defesa Civil e as SAADs da região onde elas residem.

“O prefeito Dr. Pessoa não tem medido esforços para fazer valer toda a assistência que estamos oferecendo e que é um direito das famílias atingidas, neste caso, pelas enchentes. Após cadastros, as famílias passam a receber os auxílios devidos. Nossas equipes atuam diariamente no atendimento deste público, fazendo com que estes benefícios cheguem o quanto antes para este público”, ressaltou.


Eduardo Aguiar, secretário executivo da Semcaspi, explica que as famílias que estiverem em situação de vulnerabilidade devido às enchentes devem procurar os devidos órgãos para realizar o cadastro que dá acesso aos benefícios.

“Até o momento, das 712 famílias atingidas pelas enchentes, estamos com 107 famílias em processo de identificação. A gente chama atenção para que elas busquem, inicialmente a Secretaria Municipal de Defesa Civil, que irá verificar a situação destas famílias e a SAAD da região onde moram, para efetuar os devidos processos cadastrais. Desta forma, os benefícios chegaram com a Semcaspi o mais rápido possível”, esclareceu.

ALUGUEL SOCIAL

O Programa Cidade Solidária oferece o aluguel social de R$300, que é um valor definido pela Lei Orgânica de Assistência Social (LOAS), art. 22, da Lei n. 8742, de 07 de dezembro de 1993, com alterações do art. 8ª da Lei n. 4.916/2016 no ano de 2019, passando de R$180 para R$300, valor indenizatório destinado às famílias que estão acolhendo as que foram atingidas pelas enchentes.

“O valor de R$300 é previsto em lei para população em situação de vulnerabilidade. A gente está ciente de que este valor está defasado em relação ao mercado, mas é um valor que a gente está em estudo para um possível aumento. Todo este processo de alteração deverá ser feito dentro dos trâmites de votação na Câmara Municipal e sanção. Ressaltamos também que estas famílias não ficam desassistidas, então, são atribuições da política de assistência social, com o valor do aluguel social do Cidade Solidária e os kits, segundo cada modalidade de acolhimento”, esclareceu.

Teresina não registra desabrigados no fim de semana

As famílias seguem monitoradas pelas equipes plantonistas da prefeitura

Mesmo com o tempo parcialmente nublado em algumas localidades da capital, a Secretaria Municipal de Defesa Civil (SEMDEF) não registrou novas ocorrências de famílias desabrigadas, vítimas de enchentes, no fim de semana.

“Com a diminuição das chuvas, o Rio Parnaíba baixou e não registramos novas famílias desabrigadas. Mas, por medidas preventivas, nossas equipes da Defesa Civil, e do Corpo de Bombeiros Civis continuam de plantão nas escolas monitorando e prestando toda assistência necessária às famílias”, pontuou o secretário da SEMDEF, Carlos Ribeiro.

Visita ao ponto de apoio onde os Bombeiros Civis estão localizados na zona Norte de Teresina. Foto: SEMDEF

Na última sexta-feira (21), a SEMDEF emitiu o Boletim sinalizando que 573 famílias encontram fora de suas residências, um total de 55 estão em abrigos e escolas disponibilizados pela prefeitura e 518 estão em casas de familiares e amigos onde são assistidas pela Programa “Cidade Solidária”.

Boletim SEMDEF sobre a situação das famílias – Reprodução: @defesacivil.the

Neste domingo (23), o prefeito Dr. Pessoa conferiu in loco os centros de acolhimento às famílias vítimas de enchentes na capital. Equipes da Defesa Civil Municipal – SEMDEF, Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas – SEMCASPI, Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas – SAAD, trabalham em parceria para garantir e avançar na moradia dessas famílias.

Prefeito de Teresina visita os centros de acolhimento na zona Norte. Foto: SEMDEF

Desabrigados pelas enchentes recebem vacina contra Covid

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) está vacinando nesta sexta-feira (14), contra a Covid, as pessoas que estão abrigadas na Escola Municipal Dilson Fernandes, bairro Poti Velho, zona Norte. A FMS vem desenvolvendo ações de saúde preventiva junto aos desabrigados atingidos pelas chuvas em Teresina com equipe de saúde formada por enfermeira, odontóloga e técnica de enfermagem.

Na semana passada o atendimento aos alojados nessa escola foi com testes de Covid e todos deram negativo para a doença. No local foram entregues também medicação para adultos e crianças com síndrome gripal para tratar febre, tosse, dor de garganta, além de medicamentos para evitar infestação por piolhos, anti-inflamatórios e distribuição de kits de saúde bucal, como escovas e creme dental.

O presidente da FMS, Gilberto Albuquerque, diz que essas ações terão continuidade. “São ações preventivas para que essas pessoas que estão mais vulneráveis não sejam acometidas por doenças e também para tratar quem tem algum problema de saúde”, fala.

A enfermeira da Atenção Básica da FMS, Tássia Marreiros, trabalha na logística de atendimento aos desabrigados, informa que foi feito cadastro de controle de saúde dessas pessoas e tem sido possível desenvolver ações conforme as necessidades de cada uma.

A Diretoria de Vigilância em Saúde da FMS também realiza ações com o controle da qualidade da água e dos locais que podem ser criadouros de mosquitos transmissores de doenças.

Comitê Emergencial irá monitorar áreas de invasão no Bairro Santa Maria da Codipi

(Foto: Ascom/Semcaspi)

O Comitê Emergencial do Período Chuvoso reuniu nesta segunda-feira, (10), na sede da Saad Norte, os órgãos para debater o balanço das ações e as novas tratativas de ação. Dentre as ações a serem realizadas está o monitoramento de áreas de invasão no Bairro Santa Maria da Codipi. A ação terá início no assentamento Lindalma Soares, que é considerada uma área de risco e imprópria para moradia.

A iniciativa é fazer o reconhecimento da área, a quantidade de famílias e as devidas orientações, que está sendo feita pela Secretaria Municipal de Defesa Civil, com apoio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas (Semcaspi) e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação.

De acordo com Allan Cavalcante, secretário da Semcaspi, o levantamento das áreas de risco e das famílias fortalece a oferta dos benefícios do Programa Cidade Solidária.

“O Prefeito Dr. Pessoa determinou que fosse realizado, com urgência, este levantamento nas áreas de risco da Santa Maria da Codipi e já começou a ser feito. Até o final do mês de janeiro, é possível que tenhamos alguma proposta de local para destinar a estas famílias”, ressaltou.

Valdinete Ulisses, coordenadora de Habitação e Regularização Fundiária da Semduh, explica que o primeiro passo é a Secretaria de Defesa Civil fazer o monitoramento da área com o apoio de engenheiros e de assistentes sociais, realizar o mapeamento e montar as estratégias.

(Foto: Ascom/Semcaspi)

FMS atende desabrigados e realiza testes Covid

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) está desenvolvendo ações de saúde preventiva junto aos desabrigados atingidos pelas chuvas em Teresina. Hoje (07) foi dia de assistência aos alojados na Escola Municipal Dilson Fernandes, zona Norte. Nas cinco salas ocupadas pelas famílias foram realizados hoje (07) testes de Covid e todos deram negativos para a doença.

(Foto: Ascom/FMS)

No local foram entregues também medicação para adultos e crianças com síndrome gripal para tratar febre, tosse, dor de garganta, além de medicamentos para evitar infestação por piolhos, anti-inflamatórios e distribuição de kits de saúde bucal, como escovas e creme dentário. A equipe de saúde que presta assistência aos desabrigados é formada por enfermeira, odontóloga e técnica de enfermagem.

O presidente da FMS, Gilberto Albuquerque, diz que essas ações são contínuas e em todos os locais onde estão os desabrigados. “Estamos realizando esse trabalho para garantir atendimento a essas pessoas que estão mais vulneráveis aos problemas de saúde”, fala.

(Foto: Ascom/FMS)

A enfermeira da Atenção Básica da FMS, Tássia Marreiros, trabalha na logística de atendimento aos desabrigados e informa que também foi realizado cadastro de controle de saúde dessas pessoas como conferência do cartão de vacina. A Diretoria De Vigilância em Saúde da FMS também realiza ações de avalição sanitária dos locais de abrigos.