SEMDUH esclarece que PRR do Bairro Pedra Mole é limpo diariamente e orienta sobre o correto descarte de lixo

A Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) tem recebido diversas denúncias de que o Ponto de Recolhimento de Resíduos (PRR) do Residencial Maurílio, no bairro Pedra Mole, zona leste da capital, está virando um lixão a céu aberto.

Entretanto, todos os dias, com exceção dos domingos, as equipes da Prefeitura de Teresina realizam a limpeza do PRR. “O problema é que, assim como em várias outras situações, o local volta a ficar sujo em seguida”, lamenta o coordenador de Limpeza Pública da SEMDUH, Fabrício Amaral.

Ele destaca que a SEMDUH tem realizado inúmeras ações de conscientização na cidade e intensificado as fiscalizações, mas ainda assim o problema persiste. “Precisamos da ajuda de todos para controlar o descarte irregular de lixo. Já estamos fazendo a nossa parte, notificando e multando quem pratica o descarte irregular. Também estamos conversando com carroceiros e empresas do ramo da construção civil e estamos ainda indo de porta em porta orientar a população de todas as zonas da cidade”, pontua.

Especificamente no PRR do bairro Pedra Mole, além da população não colocar os materiais dentro do container laranja, ainda descarta resíduos que não deveriam ser armazenados em PRRs, como lixo doméstico, por exemplo.

Veja abaixo como realizar o correto descarte de resíduos:

Ponto de Recolhimento de Resíduos (PRRs): Existem 56 em Teresina, distribuídos por todas as zonas da cidade. Nesses contêineres laranjas é permitido colocar restos de material de construção e/ou reformas (limitado a 1 metro cúbico ou uma carroceria pequena), móveis usados e podas de árvores.

Postos de Entrega Voluntária (PEVs): Existem 21 PEVs em Teresina, também distribuídos em todas as zonas da cidade, especialmente em praças. São lixeiras coloridas que armazenam material reciclável: vidro, metal, papel e plásticos. Nesses PEVs há um funcionário da limpeza pública para orientar a população sobre a forma correta de armazenar esses materiais, além disso, todos os materiais estão listados na própria lixeira. Quando há mais de 50 quilos de material reciclável a ser recolhido, a Prefeitura busca esse material sem custos, basta ligar e agendar o recolhimento. A coleta gratuita de material reciclável também acontece rotineiramente em condomínios e empresas.

Coleta domiciliar: Dia sim e dia não, os caminhões da coleta domiciliar recolhem os sacos de lixo em toda a cidade. Os resíduos devem ser armazenados em sacos plásticos resistentes, devidamente amarrados. Caso contenha material cortante, é necessário colocar esse material dentro de uma caixa de papelão e fechar a caixa com fita, para garantir a segurança das equipes de limpeza.

Denuncie!

A população deve fazer a sua parte para tornar Teresina uma cidade ainda mais limpa.

Além de não jogar lixo em local proibido, é fundamental descartar cada tipo de material nos locais mais apropriados, como listamos acima. Também é importante denunciar, caso perceba alguém cometendo esse tipo de infração.

Você pode enviar vídeos ou fotos para o número do Lixo Zero: 86 9.9402-3074. A denúncia é anônima.

Apesar do local ser limpo todos os dias, volta a ficar sujo em seguida. Precisamos conter essa prática. Foto: (Semduh)

 

Equipes de limpeza da Prefeitura recolhem os resíduos do PRR do Bairro Pedra Mole todos os dias. Foto: (Semduh)

Imagens mostram descarte irregular de lixo no Parque Ideal; Prefeitura pede que população faça sua parte

Apesar das inúmeras ações da Prefeitura de Teresina para evitar o descarte irregular de lixo, em algumas regiões da cidade, infelizmente, a população não está colaborando. No Parque Ideal, zona sudeste, pessoas foram flagradas jogando restos de material de construção e podas de árvore em uma calçada na Rua Ferdinand Freitas. Equipes do Lixo Zero, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), estão investigando as imagens para punir os infratores.

“Aqui no Parque Ideal tem moradores enchendo a calçada de lixo. A Prefeitura vem limpar e voltam a sujar novamente. Quando chove, a água sai arrastando o lixo. Fora isso, ainda tem o risco de proliferar a dengue. O pior de tudo, é que quem joga lixo nessa calçada são os próprios moradores das redondezas”, informa a denúncia enviada ao Lixo Zero.

O secretário da SEMDUH, Edmilson Ferreira, enfatiza que a multa para quem descarta lixo em local proibido varia de R$ 369 a R$ 3.690, dependendo da quantidade, frequência, tipo de material descartado e impacto causado ao meio ambiente.

“Não podemos admitir que a situação continue. A Prefeitura está fazendo a parte dela, falta a população fazer sua parte. Esse local da zona sudeste é limpo com frequência e as pessoas voltam a sujar. Já estamos intensificando as fiscalizações e vamos aplicar multas”, afirma o gestor.

O coordenador de Limpeza Pública da SEMDUH, Fabrício Amaral, explica que além das fiscalizações, a Prefeitura tem feito um trabalho constante de conscientização de moradores em todas as regiões da cidade. “Em alguns pontos, temos visto um excelente resultado. As pessoas entenderam que não devem jogar lixo na rua e o ponto continuou limpo, mesmo após vários dias. Mas em outros locais, apesar de termos ido de porta em porta explicar o problema e pedir para não continuarem jogando lixo na rua, não adiantou. Poucos dias após a ação, esses locais voltaram a ficar sujos”, lamenta o coordenador.

Veja abaixo o resultado das ações de conscientização realizadas até o momento:

– Bairro Beira Rio, zona sudeste (29 e 30 de setembro)

Resultado: constatada redução significativa do descarte de resíduos no local

– Bairros Alto Alegre e Vila São Francisco (7 e 8 de outubro), zona norte

Resultado: constatada redução do descarte de lixo somente em alguns pontos da via

– Bairro Promorar (de 13 a 15 de outubro, com plantio de árvores no local), zona sul

Resultado: o descarte irregular de lixo foi zerado no local.

– Bairros Horto, Morada do Sol e Santa Isabel, zona leste (de 20 a 22 de outubro)

Resultado: constatada redução significativa do descarte de resíduos no local

– São Joaquim, Matadouro e Pirajá (de 27 a 29 de outubro), zona norte

Resultado: local continuou sendo alvo do descarte irregular de lixo, especialmente doméstico, apesar da ação da equipe de educação ambiental.

– Avenida Ulisses Guimarães (dia 3 de novembro), zona sul

Resultado: o descarte irregular de lixo foi zerado no local, o que é fundamental para evitar alagamentos no local.

– Bairro Nova Brasília (10 de novembro), zona norte

Resultado: Resultado: constatada redução significativa do descarte de resíduos no local

– Bairro Parque Alvorada, zona norte (11 de novembro)

Resultado: local continuou sendo alvo do descarte irregular de lixo, especialmente doméstico e podas de árvores, apesar da ação da equipe de educação ambiental.

– Mário Covas, zona Sul (18 a 20 de novembro)

Resultado: aguardando o período de uma semana para verificar se o local continuará limpo.

Equipes de Educação Ambiental conscientizam população da zona Sul sobre o descarte irregular de lixo

As equipes de Educação Ambiental da Coordenação de Limpeza Pública da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH) estarão, do dia 3 ao dia 5 de novembro, no Distrito Industrial e no Promorar, dando continuidade ao serviço de conscientização dos moradores sobre o descarte irregular de lixo. Novamente na zona sul, o projeto visa mapear pontos de acúmulo de lixo e monitorar áreas já limpas pela Prefeitura.

O mesmo trabalho já foi realizado no bairro Mocambinho, zona norte, no bairro Beira Rio, zona sudeste, no bairro Santa Cruz, zona sul, e no bairro Morada do Sol, zona leste de Teresina. Os resultados são considerados bastante positivos, reduzindo o descarte de lixo em local proibido.

“O trabalho de conscientização vai desde a sensibilização dos moradores da região quanto ao descarte irregular de lixo, à limpeza da área e fiscalização periódica do local. O objetivo dessas ações é reduzir os ‘lixões a céu aberto’, provocados pela própria população, que usa as vias públicas e os terrenos ainda não murados para o descarte de todo tipo de resíduos”, explica o coordenador de Limpeza da SEMDUH, Fabrício Amaral.

Nesta semana, a programação de educação ambiental começa hoje (3) na avenida Camaçari, no Distrito Industrial, para a limpeza, fiscalização e conscientização dos moradores. Na quinta-feira (4), as equipes estarão, juntamente com fiscais do Programa Lixo Zero, na Rua A do Distrito Industrial.

Para finalizar a semana, a equipe programou a limpeza e plantio de mudas para revitalização de um bueiro onde a população descarta lixo ocasionando problemas de drenagem. Além de causar prejuízos à saúde pública aumentando a proliferação de mosquitos, jogar lixo em local proibido também entope as galerias e provoca alagamentos durante as chuvas.

Os serviços desta semana incluem limpeza desses pontos críticos, panfletagem, sensibilização de casa em casa, carro de som com informes e a instalação de uma placa indicando que é proibido jogar lixo no local.

O secretário Edmilson Ferreira faz um apelo para que a população ajude a denunciar casos de descarte irregular de lixo. “Caso você veja alguém fazendo isso, filme, tire uma foto ou verifique alguma informação sobre essa pessoa e mande para o Whatsapp do Programa Lixo Zero (86 9.9402-3074). A denúncia é completamente anônima”, frisa.

Equipes estão mapeando locais de descarte irregular de lixo e conscientizando a população sobre o correto destino dos resíduos. Foto: (Semduh)

SAAD Sul realiza revitalização de locais de ponto de descarte de lixo irregulares na zona sul de Teresina

A Gerência de Serviços Urbanos (GSU) por meio da Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas Sul (SAAD Sul), vem cumprindo uma agenda de ações de revitalização de espaços de descarte irregular de lixo. O calendário contemplou o bairro Monte Castelo e agora segue para a av. 11 de julho no distrito industrial.

A revitalização conta com a limpeza do local, utilização de areia vegetal e plantio de mudas para a urbanização do espaço. Também é distribuído através da Prefeitura de Teresina um panfleto para conscientizar a população sobre os espaços públicos e manutenção de limpeza destes.

(Foto: Ascom/SAAD Sul)

O Superintendente da SAAD Sul, Juca Alves, ressaltou a importância de se preservar os espaços revitalizados, “Estamos estabelecendo ações de conscientização da população, para que se possa haver acordos coletivos na manutenção destes espaços. A SAAD Sul vem trabalhando para que mais espaços da nossa zona sul sejam revitalizados, sendo importante lembrar que existe fiscalização do descarte irregular de lixo gerando multas que variam de 360,00 reais a 3600,00 reais, ” concluiu Juca Alves.

(Foto: Ascom/SAAD Sul)

O Gerente da GSU, Islanilton Gomes, destaca que as ações são alinhadas à melhorias para a população da zona sul, “As equipes de limpeza e transbordo estão diariamente nas ruas da Zona Sul realizando as manutenções e ações como esta, para garantir a urbanização dos espaços públicos, assim alinhando nosso trabalho com o bem estar da população e garantindo melhorias para a população ” concluiu Islanilton Gomes.

(Foto: Ascom/SAAD Sul)

(Foto: Ascom/SAAD Sul)

Prefeitura pede que população sinalize o lixo de casas onde há pessoas com Covid

Com o agravamento da pandemia do novo Coronavírus, a Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh), faz um apelo para que a população tenha mais cuidado com o descarte do lixo, especialmente nas residências onde há moradores com Covid-19.

“Precisamos nos atentar para alguns cuidados extras para evitar transmitir o vírus para as pessoas que fazem a coleta. O simples ato de sinalizar o saco de lixo com uma fita vermelha já alerta a pessoa que vai coletar e reduz o risco de contaminação”, explica o secretário da Semduh, Edmilson Ferreira.

O gestor acrescenta que os moradores de casas onde há pessoas com Covid devem separar o lixo da pessoa que está com a doença, borrifar o interior das sacolas com água sanitária, depois devem juntar todos os sacos dentro de um saco maior, que será amarrado com uma fita vermelha para sinalizar que há risco de contaminação.

“Depois, ao fechar a sacola, o morador deve borrifar novamente a água sanitária (na parte externa da sacola) e só deve colocar o lixo na calçada próximo ao horário de passagem do caminhão de coleta. Se o morador coloca o lixo muito antes, pode acontecer de algum animal rasgar o saco e, dessa forma, o risco de contaminação aumenta. Além disso, o lixo espalhado nas vias provoca a proliferação de insetos, causa doenças e entope as galerias, causando alagamentos. Por isso, chamamos a atenção da população para só colocar o lixo para fora de casa próximo ao horário da coleta”, enfatiza o secretário.

A Prefeitura e a empresa contratada para a limpeza pública de Teresina têm seguido todos os protocolos para evitar a transmissão do coronavírus. Ainda assim, até o momento, 9,4% dos funcionários que trabalham no setor testaram positivo para Covid-19. “Esse fato nos deixa muito preocupados. Por isso, estamos fazendo mais esse apelo para que a população se sensibilize. Precisamos proteger esses funcionários porque a limpeza pública é um setor essencial”, completa o secretário.

Faxina de final de ano: lixo deve ser separado e objetos reaproveitáveis podem ser doados

Muitas pessoas aproveitam o final do ano para fazer uma faxina completa em suas casas. Com isso, descartam objetos que não serão mais utilizados em locais inapropriados. Segundo levantamento da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh), 60% do lixo jogado de forma irregular é feito por moradores que residem perto de pontos de descarte clandestinos. Essa má conduta pode ser mudada com um gesto de generosidade e respeito ao meio ambiente, por meio da coleta seletiva de lixo e de doações a cooperativas.

A técnica da Coordenação Especial de Limpeza Pública (CELIMP), Michelly Noleto, afirma que esse tipo de atitude deve acontecer no dia a dia e não somente na faxina de final do ano. “Quando separamos o lixo que produzimos, evitamos danos ao meio ambiente e quando doamos objetos que podem ser reaproveitáveis, estamos ajudando cooperativas que vivem disso”, afirma

Um tipo de material encontrado facilmente em pontos de descarte irregular clandestinos são móveis usados (sofás, colchões, televisões e camas). Estes objetos podem ser doados para associações que os reaproveitam, como o movimento Emaús Trapeiros localizado na Rua Todos os Santos, no bairro Samapi.

Alguns outros tipos de resíduos também podem ser descartados nos Pontos de Recebimento de Resíduos (PRR), como materiais de construção e demolição, podas de árvores, capina e varrição, pó de serragem, coco verde, carcaça de máquina de lavar sem o motor.

Denis Sena, coordenador do Programa Lixo Zero, explica que mesmo com todas as informações que as pessoas já têm e com o trabalho de fiscalização, ainda são encontrados muitos resíduos descartados irregularmente por carroceiros, pelas empresas e até mesmo pela população.

“Nós encontramos móveis velhos, materiais de construção, animais mortos, pneus usados, entre outros. A Prefeitura faz a limpeza, mas em alguns locais, em pouco tempo, volta a ficar cheio de lixo. Isso poderia mudar se as pessoas separassem o seu lixo e fizessem doações daquilo que não lhes serve mais”, comenta.

Para saber quais tipos de materiais devem ser descartados corretamente nos PRRs e onde eles estão localizados, assim como informações da coleta seletiva, a população pode entrar em contato pelo 3218-1126 ou pelo o site https://semduh.teresina.pi.gov.br/.

Número de notificações por descarte de lixo irregular cresce 587% em agosto

Ascom/Semduh

Um levantamento feito pelo Programa Lixo Zero, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh) apontou um aumento de 587% de notificações por descarte irregular de lixo no mês de agosto. O número de autuações também foi superior (4%) em relação as que foram registradas no mês de julho.

O coordenador do programa, Denis Sena, explica que o aumento se deu pela intensificação das fiscalizações nas principais avenidas da cidade a partir de denúncias da população e pelas rondas ostensivas das equipes.

“Foram realizadas 158 notificações e 289 autuações por descarte irregular do lixo em agosto. Realizamos uma fiscalização mais intensa nas avenidas de maior movimentação como Barão de Gurgueia, Miguel Rosa, Wall Ferraz, Joquei Clube, Dom Severino, Raul Lopes, Marechal Castelo Branco e João XXIII, por exemplo. Já em termos de descarte, as vias que apresentam maior número são as mais desertas como a Dr. José Moura Santos, Agricolândia, Celso Pinheiro, Deputado Sebastião Leal, Mestre Dezinho, entre outras”, explica o gestor.

Os dados também mostram que a zona Leste apresentou maior número de notificações (34%) e a zona Sul, mais autuações (32%). Em agosto, as infrações cometidas por pessoas físicas (50,87%) prevaleceram sobre as pessoas jurídicas (49,13%), um percentual incomum na média histórica registrada pelo programa Lixo Zero.

Denis Sena ainda explica que as empresas e munícipes que são flagrados cometendo esse tipo de irregularidade podem ser multados. Os valores variam de R$ 354 a R$ 3540. “É aberto um processo administrativo e na conclusão, a pessoa que foi autuada pode receber a penalidade pecuniária”, pontua.

Como denunciar
O teresinense pode denunciar situações de descarte irregular de resíduos sólidos por meio do aplicativo Colab.re, disponível gratuitamente para Android e IOS, ou pelo telefone do Programa Lixo Zero (86) 99410-1294.

Prefeitura reforça orientações sobre descarte de resíduos em período de pandemia

Com a pandemia de Covid-19, uma das dúvidas da população diz respeito ao descarte correto do lixo, em especial de pessoas infectadas pela doença que estão em isolamento domiciliar. Por isso, a Prefeitura de Teresina estabeleceu algumas regras que garantem a segurança da população e também dos trabalhadores envolvidos na coleta domiciliar.

A Vigilância Sanitária de Teresina estabeleceu em seu protocolo que o lixo de pessoas com Covid-19 deve ser descartado de preferência no banheiro, em lixeiro revestido de saco plástico, e com armazenamento reforçado. “Todos os resíduos devem ser colocados em dois sacos plásticos resistentes e bem fechados. Pedimos que eles só sejam preenchidos até atingir a capacidade máxima de 2/3, pois assim ele não fica muito pesado e não corre risco de rasgar”, esclarece a gerente Jeanyne Seba.

Ela orienta ainda que procedimento semelhante também seja tomado pelos outros moradores da casa, pois sempre há o risco de algum deles estar assintomático. “Por isso, também pedimos que as pessoas não descartem as máscaras em via pública. Caso precise trocar, elas podem levar um saquinho consigo, onde vão guardar a máscara usada para ser descartada em casa”, diz a gerente.

A coordenadora de limpeza pública da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (Semduh), Lílian Guimarães, explica que, no período de pandemia, o serviço de coleta domiciliar não parou, por ser considerado essencial para a cidade e reforça que cada morador é responsável por seu resíduo até o momento do recolhimento.

“É de extrema importância que coloquem as sacolas na porta de suas residências no dia e horário próximo à coleta. Assim, evitamos que animais ou terceiros rasguem esse lixo e espalhem pelas ruas. Em um momento delicado como o que estamos passando, todo lixo pode ser considerado como infectado e é importante que permaneça bem acondicionado até a coleta”, conclui.

 

SDU Leste executa limpeza em avenidas, ruas e praças de 11 bairros nesta segunda-feira (29)

Nesta segunda-feira (29), 11 bairros da zona Leste estão recebendo ações de limpeza da Gerência de Serviços da SDU Leste. Ruas, avenidas, praças e canteiros centrais são alvos das ações de zeladoria da Gerência, que trabalha diariamente para manter a cidade limpa.

Os bairros que recebem os serviços de limpeza são Santa Isabel, São João, Ininga, São Cristóvão, Pedra Mole, Jóquei, Fátima, Vila Maria, Taquari, Uruguai e Morada do Sol. Nos locais, os profissionais que compõem a equipe de limpeza estão executando serviços de roço, capina, varrição, transbordo e podas de árvores.

As equipes de capina estão atuando nas avenidas Zequinha Freire, Jânio Quadros, Senador Arêa Leão, Ininga, Gaioso e Almendra, Cajuína e Thomaz Tajra. Já as avenidas João XXIII, Raul Lopes, Universitária e Nossa Senhora de Fátima estão recebendo serviços de varrição. As podas acontecem na Avenida Jânio Quadros e as equipes de áreas verdes estão atuando na Praça da Academia do Taquari.

O gerente de Serviços Urbanos da SDU, Renato Lopes, explica que os serviços são essenciais para contribuir com a manutenção da limpeza das áreas verdes e públicas, ao tempo em que reforçou que os profissionais estão adotando todas as recomendações de saúde. “Sabemos do cenário que estamos enfrentando com a pandemia, mas a limpeza urbana não pode parar. Estamos executando os serviços de maneira segura, respeitando o distanciamento mínimo e utilizando os equipamentos de proteção individual”, destacou.

O superintendente João Pádua parabenizou a atuação da Gerência e frisou a relevância do apoio da população para evitar o descarte incorreto do lixo. “A ideia é que possamos atuar em conjunto para minimizar os transtornos causados aos próprios moradores. Sabemos que agir em conjunto é fundamental e por isso reforçamos o pedido de compreensão para que evitem descartar o lixo em locais inapropriados. Isso facilita a atuação das equipes de limpeza, que neste momento é fundamental”, disse.

 

PMT instala 30 câmeras para flagrar descarte irregular de resíduos

Com o intuito de reduzir a ação de disposição irregular de resíduos na capital, por parte dos munícipes, a Prefeitura de Teresina está instalando câmeras de videomonitoramento em tempo real em 30 pontos da cidade que serão fiscalizados pelo Programa Lixo Zero. Ao todo, já foram implantadas 22 câmeras e a previsão de instalação total do sistema é até o fim de janeiro.

De acordo com o assessor técnico da coordenação de limpeza da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH), Robispierre Leite, a Prefeitura conta com as equipes do Programa Lixo Zero atuando em vários pontos da cidade, mas que alguns locais apresentam ocorrência constante de descarte irregular necessitando de um monitoramento mais incisivo.

“Essas câmeras transmitem as imagens via rádio em tempo real para uma sala monitorada pela coordenação do Programa Lixo Zero. Um diferencial ainda melhor, é que as câmeras podem ser modificadas de lugar, então, quando conseguirmos solucionar o problema de um local, ela pode ser instalada em outro ponto. E assim sempre teremos 30 câmeras distribuídas pela cidade”, explicou Robispierre.

Denis Sena, coordenador do Programa Lixo Zero, destaca que as equipes de fiscalização atuam tanto com ações educativas, quando identificam que a disposição irregular é resultado de falta de instrução, ou ações punitivas, quando o infrator possui consciência do descarte irregular, como é o caso de descartes geralmente cometidos por pessoas jurídicas.

“O videomonitoramento já está em operação, ainda que a fase de implantação não esteja completa. Está sendo usado inicialmente como uma plataforma de apoio às nossas equipes em campo. Assim que constatamos uma situação de flagrante de descarte irregular pelas câmeras, caso não seja possível identificar o infrator pelos vídeos, acionamos nossas equipes que estão em campo para verificar o local e os resíduos descartados”, destaca Denis.

O Programa Lixo Zero ainda é responsável pelas penalidades decorrentes e condução do processo administrativo. “De acordo com o caso, o autor do descarte pode receber uma notificação preliminar, uma espécie de aviso seguido de orientação para adequação da situação, ou um auto de infração, sendo este utilizado em casos mais graves ou danosos ao meio ambiente, no qual a penalidade pecuniária pode variar de R$ 354,02 a R$ 3.540,27” completa o coordenador do Programa Lixo Zero.