Prefeitura de Teresina participa de reuniões sobre a ExpoTeresina 2022

A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Planejamento (Semplan) e a Secretaria Municipal de Agropecuária, por determinação do Prefeito Dr. Pessoa, esteve reunida com o presidente da Associação Piauiense de Criadores de Zebu (APCZ), André Nogueira para dar início às articulações sobre a ExpoTeresina deste ano. O evento atrai expositores de todo o estado, demonstrando a potencialidade pecuária dos produtores locais.

“Em comparação com a Expoapi, que acontece no final do ano, a ExpoTeresina também funciona como um encontro para mostrar todo o potencial agropecuário do Estado, mas tem o diferencial de ser realizada durante o período junino onde é possível agregar ainda mais da cultura teresinense em um evento. Funcionando como uma vitrine do que há de melhor no meio rural, tendo suas edições passadas como parâmetro de sucesso, busca valorizar as potencialidades”, André Nogueira, presidente da APCZ.

Durante o evento ocorre a oferta de serviços que já são disponibilizados pela PMT nos demais meses do ano, como oficinas profissionalizantes, maquiagem e pintura de rosto.

“As edições passadas foram um sucesso considerando o número de pessoas que participaram e os serviços prestados à população, a Prefeitura de Teresina, na gestão do Dr Pessoa, está buscando trazer neste ano um evento que tenha ainda mais qualidade para todos”, explica João Henrique Sousa, Secretário de Planejamento.

“Além de celebrar a nossa cultura, é um momento em que passamos pela transição de medidas restritivas dentro da pandemia. Pensando nisso, todos os detalhes são pensados para que seja uma edição histórica”, concluiu André Nogueira.

Foto: Divulgação

Nova Casa da Cultura segue aberta ao público com seis exposições 

A Casa da Cultura, que desde o ano passado passou a funcionar no prédio histórico conhecido como Casa Carlotinha, está aberta ao público com uma série de exposições abordando não só a cultura local, mas também mundial. O objetivo dessas exposições é desenvolver um olhar sensível, além do desenvolvimento do gosto pela arte e manter viva a história teresinense.

As exposições apresentadas são dos acervos da casa, que contam com a Coleção do Jornalista Carlos Castelo Branco, o Trabalho Fotográfico de José Medeiros, a Sala de Geologia e Patologia, Sala de Numismática, com moedas dos cinco continentes do mundo, além de Porcelanas e a exposição de telas de artistas piauienses, entre outras. O passeio pela Casa da Cultura é uma ótima opção para turistas ou para os próprios teresinenses que desejam conhecer um pouco mais sobre a Teresina do passado.

Para Marilene Evangelista, diretora da casa, expor ao público a história de Teresina, bem como apresentar um acervo tão rico em conteúdo, trabalho e arte é extremamente gratificante, pois explora as possibilidades de expressões e interpretações da diversidade cultural como uma forma de ver, viver e se conectar com a cultura de um povo.

“A abertura e exposição desses acervos na Casa da Cultura valoriza a história local. A Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC), através do presidente Ênio Portela e do prefeito Dr. Pessoa, tem trabalhado para manter viva nossa história, por isso fazemos um convite a população para conhecer o espaço e prestigiar o acervo”, conta Marilene Evangelista, informando ainda que devido a pandemia da Covid-19, o limite máximo para visitação foi reduzido, sendo que o visitante deve ter em mãos o passaporte de vacinação e fazer o uso de máscara.

O projeto Casa da Cultura foi criado em 1994 com o intuito de manter intacta a memória da cidade, o mesmo dispõe de um museu que contém um vasto acervo museológico, se tornando um grande atrativo para turistas, estudantes e os próprios teresinenses que buscam conhecer um pouco mais sobre a história da cidade. A mesma funciona de segunda à sexta-feira, das 08 às 13h, na Rua Elizeu Martins, 1426, no bairro Centro (em frente a Praça João Luís Ferreira).

Informações para visitantes

Taxa de serviço:  R$: 2,00 por pessoa
Agendamento de visitação: (86) 99402-5428 – telefone ou (86) 98864-2231 – whatsapp

Ponte Estaiada é palco de exposição de fotos de mulheres indígenas venezuelanas

O mezanino do Complexo Ponte Estaiada, recebe  nesta sexta-feira (17) uma exposição de fotos de mulheres indígenas venezuelanas, da etnia warao. A atividade está sendo realizada em alusão ao dia internacional do migrante, comemorado neste sábado, dia 18 de dezembro.

Fotos: Geirlys Silva

A exposição que segue até o domingo (19), é uma iniciativa da Cáritas Arquidiocesana e conta com o apoio da Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), ficará aberta ao público nesta sexta-feira, das 09h às 18h e no sábado e domingo a visitação pode ser realizada das 09h às 19h. Os registros foram feitos pelos fotógrafos Cristiane Machado, Geirlys Silva e Max Bonfim.

“Nossa intenção é dar visibilidade a essas mulheres que migraram para a nossa cidade em busca de uma vida melhor, sendo obrigadas a largarem seu local de origem por não terem nem mesmo o básico comer”, pontua a assessora de Comunicação da Cáritas Arquidiocesana de Teresina, Cristiane Machado.

Atualmente existem 64 famílias venezuelanas morando em Teresina, nos abrigos do CSU do Buenos Ayres, no Poti Velho e no Centro de Treinamento do Emater. Essas famílias chegaram à capital há aproximadamente dois anos, devido ao agravamento da crise econômica e social naquele país. A Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), é a responsável em acompanhar e prestar o suporte necessário a esse grupo de migrantes na cidade.

Exposição de carros antigos é a atração deste domingo (21), na Ponte Estaiada

Se você é apaixonado por carros antigos não pode deixar de ir à Ponte Estaiada neste domingo (21). No estacionamento menor será realizada uma exposição de carros do grupo “Ferrugem nas Veias”. A atividade que inicia às 9h e segue até às 14h, contará com a exibição de diversos modelos de carros, desde os antigos dos anos 50 até os colecionáveis dos anos 90, chamados novos clássicos.

Entre os modelos mais charmosos que estarão em exposição terá o Lincoln, Gol Gti, Kadett Gsi conversível, Omega Cd, Opala, Dodge Charger de 1975, Landau de 1982 e o Jipe Universal que foi o primeiro veículo Willys a ser montado no Brasil, em 1954.

(Foto: Ascom/Semdec)

O presidente do grupo Ferrugem nas Veias, Márcio Almeida, comenta que a sua paixão por carros começou ainda criança. “Acho que quase toda criança tem essa paixão e ela vai aumentando ainda mais com o tempo. Quando eu cresci e pude comprar um carro comprei o Maverick, pois meu pai já tinha possuído um, e me chamou bastante atenção desde a primeira vez que eu ouvi o ronco do motor. Daí por diante não parei, é uma paixão que entra no sangue e não sai mais ”, conta Márcio que hoje possui seis carros antigos.

Ainda de acordo com Márcio, no mês de dezembro a ponte Estaiada será transformada em um verdadeiro complexo de diversão. “Nesses dias estaremos participando de um evento realizado pela Prefeitura de Teresina e diversos parceiros. Durante o evento serão realizadas várias atividades como, oficinas de esculturas para crianças, trem de passeio, feira de artesanato, food trucks, um momento de diversão e lazer para toda a família”, pontua.

(Foto: Ascom/Semdec)

Segundo a gerente de Turismo da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), Mércia Brito, por ser um local com uma beleza ímpar, arejado e arborizado, os espaços do Complexo Turístico Mirante da Ponte Estaiada vem sendo requisitado por muitas pessoas para a realização de eventos, como amantes de ciclismo e carros antigos.

“Os apreciadores do antigomobilismo se reúnem com suas famílias em alguns domingos, e assim a população de Teresina e os visitantes podem contemplar a exposição de belíssimos carros antigos, o que vem se tornando mais um potencial atrativo turístico em Teresina”, finaliza a gerente.

Exposição “THE do Passado” segue aberta até o próximo sábado (25)

Iniciou nesta segunda-feira (20), no Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório, a exposição “THE do Passado”, que busca resgatar a história da nossa cidade. O evento faz parte da 15º Primavera dos Museus que está acontecendo em todo Brasil através do Instituto Brasileiro de Museus (Ibram).

Para Adriano Carvalho, curador da exposição “THE do Passado”, esse ato é um resgate da história de Teresina que poucos conhecem, e é uma ferramenta para que a população possa valorizar e preservar nosso patrimônio histórico.

“A proposta da exposição é mostrar uma Teresina que não existe mais, para que as pessoas possam conhecer essa Teresina que se encontra esquecida e que a gente possa a partir desse momento pensar numa preservação e valorização desse patrimônio cultural local”, pontuou Adriano Carvalho.

A exposição THE do Passado ficará disponível no Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório dos dias 20 à 25 de setembro, de segunda à sexta das 9h às 12h da manhã e de 13h às 17h.

O Museu Dom Paulo Libório fica localizado na Rua. Olavo Bilac, 1481 – Centro (Sul) e é mantido pela Prefeitura Municipal de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves.

Para mais informações sobre os projetos culturais que acontecem na cidade nos acompanhe pelo nosso site https://cultura.teresina.pi.gov.br ou através das nossas redes sociais.

Casa da Cultura recebe exposição de maestro medalhista da ONU

Na intenção de retratar a essência e beleza das coisas simples, o maestro, compositor, artista plástico, historiador, pesquisador e escritor Beetholven Cunha, irá expor sua obra “Entre Paisagens Bucólicas: Vernissage ” durante este final de semana (17/09 e 18/09) na nova Casa da Cultura de Teresina.

Fotos: Ascom FMC

Beetholven é pernambucano da cidade de Goiana, e tem suas obras executadas por todo o Brasil e em outros países. Piauiense de coração, ele desenvolveu uma brilhante carreira no Estado durante 15 anos onde foi maestro titular da Camerata Teresinense, diretor e fundador do grupo de música experimental Gmuco, do coral infanto-juvenil da cidade de Teresina e do projeto/grupo de dulcistas Sopro Divino.

Foi durante a pandemia que o artista voltou a trabalhar com artes plásticas. Entusiasmado com a exposição, Beetholven descreve positivamente suas expectativas para as noites de exposição.

“Eu sou formado em música mas voltei a trabalhar com artes plásticas durante a pandemia. Esse trabalho é resultado de 9 meses de trabalho, minha expectativa é a mais positiva possível, quero reencontrar amigos, além de conhecer pessoas novas que queiram ver as paisagens bucólicas”, conta Beetholven Cunha.

A entrada para a exposição é gratuita e tem início às 19:30h na sede da nova Casa da Cultura de Teresina.

Com investimentos da Prefeitura Municipal de Teresina, através da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, a nova Casa da Cultura está localizada na rua Elizeu Martins, esquina com 7 de setembro, número 1426, Centro, em frente à praça João Luís Ferreira, e dispõe um museu que contém um vasto acervo museológico, se tornando um grande atrativo para turistas, estudantes e os próprios teresinenses que buscam conhecer um pouco mais sobre a história da cidade.

Para mais informações sobre apresentações e projetos culturais que acontecem na cidade nos acompanhe pelo nosso site https://cultura.teresina.pi.gov.br ou através das nossas redes sociais.

Com obras de 11 artistas, Galeria do Mercado Central abre nova exposição

A Galeria de Artes do Mercado Central, que funciona no Centro de Teresina, abre espaço para nova exposição com o gênero paisagem, trazendo obras de diversos artistas teresinenses. A exposição conta com obras de artistas como Fátima Campos, Grupo Mel de Abelha, Willians Martins, Gabriel Arcanjo, Nelson Barbosa, Sol, dentre outros que trazem o gênero paisagem com variedade muito grande como fotografia, pinturas a óleo, vídeos, super 8, vídeo digital e colagens.

De acordo com o diretor da Galeria de Artes Visuais do Mercado Central, Guga Carvalho, a nova exposição está muito atrativa e segundo ele, é uma oportunidade da população ter contato com artistas locais e com o próprio espaço do mercado.

Mercado Central de Teresina (Foto: Ascom/FMC)

“Essa exposição é muito interessante, pois ela trata sobre o gênero paisagem, sendo vários trabalhos de artistas de Teresina. Essa paisagem é investigada de várias maneiras, então é muito interessante ver como os artistas trabalham a partir desse ponto e o mercado é sempre um convite para ser visitado pois não tem só a exposição, tem o mercado como um todo, pontuou.

A exposição será exibida até o dia 3 de outubro de 2021, a visitação é gratuita e funciona de 10h às 16h de segunda à sexta e aos sábados de 10h às 13h30. É uma ótima opção cultural para quem vai ao Centro ou para aqueles que fazem compras no próprio Mercado Central.

A Galeria de Artes do Mercado Central é um espaço cultural mantido pela Prefeitura Municipal de Teresina, por meio das ações da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves.  Para mais informações sobre novas exposições, acesse o site cultura.teresina.pi.gov.br ou siga as redes sociais da fundação.

(Foto: Ascom/FMC)

(Foto: Ascom/FMC)

(Foto: Ascom/FMC)

(Foto: Ascom/FMC)

Exposição Teceloas das Redes segue aberta na Galeria do Mercado Central

A exposição Teceloas das Redes trata sobre o saber-fazer da Tecelagem Manual das Redes de Dormir de Pedro II Fotos(Ascom/FMC)

Localizada em um dos mercados mais tradicionais de Teresina, a Galeria de Artes Visuais do Mercado Central, no Centro da capital, está recebendo uma exposição que tem por objetivo destacar um ícone da cultura nordestina: as redes.

A exposição Teceloas das Redes trata sobre o saber-fazer da Tecelagem Manual das Redes de Dormir de Pedro II, município que fica ao Norte do Piauí e que é referência na fabricação de redes.

Com curadoria de Ivanilda Amaral, que estudou a prática do uso de redes para dormir em seu mestrado em patrimônio, ela tenta passar com a exposição o empreendedorismo com desenvolvimento da economia criativa, que gera trabalho e renda, frente aos desafios econômicos da crescente industrialização e a manutenção de práticas tradicionais na produção de redes.

Resultado da construção do inventário participativo que ela fez na cidade de Pedro II, a exposição apresenta 12 redes e dois teares e mostra toda a cadeia de produção do produto. Da colheita do algodão até a venda das redes. Para ela, o local combina com a exposição e seus objetivos, já que o Mercado Central de Teresina é referência na venda de redes.

“A Galeria oferece excelentes condições para divulgação e visibilidade, tem uma equipe incrível, além disso, é claro, da lindeza secular do lugar, que combina com a secularidade da rede de Pedro II. Soma-se a tudo o fato de que é em mercado público onde as teceloas comercializam seus produtos, então, primamos pelas raízes e originalidade da tradição”, comenta a curadora Ivanilda Amaral.

Para Guga Carvalho, diretor da Galeria de Artes Visuais do Mercado Central, a exposição mostra uma tradição nossa e reforça a importância da Galeria para os teresinenses. “A Galeria é um espaço democrático de acesso à cultura, tem acessibilidade, tem equipe educativa e está em um local de fácil acesso. É muito importante mantermos espaços assim, principalmente neste período de pandemia onde a arte ajuda a superar as dificuldades”, reforça Guga Carvalho.

A Galeria do Mercado Central tem abrigado e dado a oportunidade para artistas de Teresina e da região exporem seus trabalhos, o espaço funciona de segunda a sexta-feira das 10 às 16h e é mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC). Para mais informações sobre o calendário de exposições na galeria, basta acessar o site cultura.teresina.pi.gov.br ou seguir as redes sociais da galeria ou da FMC.

Museu Dom Paulo Libório abre exposição virtual sobre santos juninos

O mês mais nordestino do ano é carregado de festividades, tradição, culinária e música. Este ano, com as restrições causadas pela pandemia, o período foi aberto sem festa, mas não sem arte e os santos juninos estão sendo homenageados em uma exposição do Museu Municipal de Arte Sacra Dom Paulo Libório.

Santo Antônio, São João e São Pedro são os protagonistas da exposição virtual promovida pelo museu no seu canal do Youtube. Essa é uma iniciativa para manter os visitantes próximos ao local que está fechado por conta das restrições de combate ao coronavírus.

Para a diretora do museu, Fernanda Fernandes, o momento é desafiador, mas também enriquecedor e o museu está dando um grande passo. “Mesmo com a suspensão temporária das visitas presenciais devido a pandemia do Covid-19, a casa se adaptou e continua a realizar suas exposições, agora, de forma virtual. É fundamental destacarmos que todas as etapas foram elaboradas respeitando sempre os protocolos de segurança: a equipe é reduzida, o uso de máscaras e álcool em gel é obrigatório, bem como o distanciamento social também foi sempre respeitado para garantir a segurança dos colaboradores. Contamos com as visualizações e sugestões de todos para cada vez mais aprimorarmos nossa relação com a comunidade!”, conta Fernanda Fernandes.

A primeira exposição virtual do museu foi realizada no mês de maio, durante a semana de museus, e teve como tema cruzes e crucifixos. As exposições são idealizadas pelo pesquisador e curador do Museu Dom Paulo Libório, Adriano Carvalho.

“Escolhemos esse tema para celebrar a tradição e a religiosidade desse período tão marcante para os nordestinos. A exposição é composta por peças em gesso e madeira policromada dos séculos 18, 19 e 20”, explica Adriano Carvalho.

Mantido pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, o Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório fica localizado na Rua Olavo Bilac, 1481, no cruzamento com a Rua 24 de Janeiro, no Centro de Teresina. A exposição segue disponível virtualmente na página Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório, no youtube.

Galeria do Mercado Velho abre exposição A MA RIA nesta quarta (10)

Inicia nesta quarta-feira (10) e segue até o próximo dia 25 de março, na Galeria do Mercado Central, no Centro de Teresina, a Exposição A MA RIA, do artista plástico Marcos Pê, que fala sobre Maria, que para o artista é o prefácio da vida de todos. O pródromo da existência do afeto.

Marcos Pê conta que Maria é o primeiro nome subjacente a qualquer mulher. É um feminino além do gênero. “Mulher Maria ou Maria Mulher é sempre uma referência automática à poesia, resistência e uma vocação natural para as lutas. Maria também é o sexo forte, a fé da adoração dos rosários e dos joelhos postos. Maria é ventre, germina, floresce, brota. Nada combina mais com Maria do que vida”, diz Marcos Pê, afirmando ainda que nada combina mais com arte do que Maria.

O artista é natural de Cajazeiras (PB) e reside em Teresina-PI desde 1983. Além de artista plástico, ele é publicitário. Ilustrou vários livros: No altar da poesia, Um mar de poesia, Cantadores, Cancela Velha, Outros mares, Invernia, O que é poesia, Inspiração e outros.

Como diretor de arte do longa-metragem João, foi também responsável pela reconstrução artística das sequências de dramatização.

A Exposição A MA RIA é financiada através de recursos da Lei Federal Aldir Blanc, executada pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Cultural Monsenhor Chaves. Para acompanhar mais ações desenvolvidas na Galeria Cultural do Mercado Central, basta acessar o site fcmc.teresina.pi.gov.br ou seguir as redes sociais da Fundação Cultural Monsenhor Chaves.

A Galeria do Mercado Central funciona de segunda a sexta das 9h às 17h e aos sábados das 9h às 13h, no Mercado Central de Teresina.