Programa AABB Comunidade distribui cestas básicas para os alunos participantes

Ascom/Semec

Os alunos que integram o Programa AABB Comunidade em Teresina começaram a receber, nesta quarta-feira (05), cestas com alimentos, material de limpeza, além de um kit de higiene bucal. A ação solidária é financiada pela Fundação Banco do Brasil e a Federação Nacional de AABBs.

O Programa é uma parceria da Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Educação (Semec), com os órgãos ligados ao Banco do Brasil. Ao todo, 100 alunos das escolas municipais José Ommati e O. G. Rêgo de Carvalho participam de atividades educativas, esportivas e culturais no contraturno escolar. Enquanto todas as atividades presenciais estão suspensas, os alunos continuam seguindo uma programação de aprendizados, mas dessa vez de forma online.

Nívia Coelho, coordenadora do Programa no município, explica que a entrega acontece em dois dias, com horário marcado e seguindo as recomendações de segurança contra a disseminação do Coronavírus. “Fizemos uma força tarefa para organizar a distribuição das cestas, obedecendo todo o protocolo sanitário e sem aglomerações. O resultado está sendo bastante positivo. Avaliamos que os produtos beneficiarão pelo menos 500 pessoas, já que contamos com cada membro da família dos alunos”, ressaltou Nívia Coelho, coordenadora do Programa no município.

Seu Antônio Alves, avô da aluna Daiane Cristina, foi receber a cesta da família. “Estou desempregado e crio três netos. Essa cesta veio em boa hora”, agradeceu.

Para o vice-presidente da Federação Nacional de AABBs, Antônio Valente, o Programa AABB Comunidade traz um impacto positivo na vida dos alunos que participam. “A distribuição dos kits contribui para amenizar o período de crise e continuar oferecendo assistência a esses alunos e suas famílias”, finalizou.

Teresina Solidária encerra cadastros de famílias no próximo dia 20

O Teresina Solidária vai encerrar, no próximo dia 20, o cadastro de famílias na plataforma online disponibilizada para as associações de moradores e instituições religiosas inserirem, cada uma, até 50 famílias para receberem as cestas básicas. Até o momento, o Teresina Solidária já distribuiu 16.686 cestas.

Nesta etapa do programa, a Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) está atendendo às famílias em situação de vulnerabilidade e que não tiveram acesso ao auxílio emergencial do Governo Federal. Até agora, 1.418 famílias foram cadastradas. A equipe da Semcaspi recebe os cadastros e faz a análise das condicionalidades e verifica quais estão aptas a receberem o benefício.

As associações e entidades religiosas podem acessar a plataforma da Prefeitura de Teresina através do site associacao.semcasp.pmt.pi.gov.br e fazer o cadastramento. As instituições com dificuldades estão sendo atendidas pela Semcaspi. Os técnicos tiram as dúvidas e auxiliam no preenchimento dos dados.

“Na etapa anterior, nós entregamos as cestas básicas por categoria profissional. Agora, as associações e entidades religiosas estão sendo convidadas a participarem do processo, buscando aumentar o alcance do benefício à população. O sistema continua ativo e recebendo as inscrições até o dia 20 para que sejam analisadas por nossos técnicos. É importante destacar que as famílias aptas a receberem as cestas básicas não podem ter renda fixa e nem ter tido acesso ao auxílio emergencial do Governo Federal”, explica Janaína Carvalho, secretária da Semcaspi.

Cada associação ou entidade religiosa pode cadastrar até 50 famílias em situação de vulnerabilidade, que se enquadrem nos critérios. A medida foi estabelecida via decreto para ampliar o atendimento às pessoas que tiveram suas rendas impactadas devido à pandemia do novo Coronavírus.

Os técnicos da Semcaspi permanecem à disposição das associações de moradores e entidades religiosas para tirar dúvidas ou prestar mais informações sobre o Teresina Solidária através dos números 3131-4731 e 3131-4729.

Nova etapa do Teresina Solidária amplia rede para cadastrar famílias nas comunidades

Associações de moradores e entidades religiosas sem cadastro no Orçamento Popular também podem selecionar famílias para receberem cestas básicas do programa Teresina Solidária. A medida foi estabelecida via decreto para ampliar o atendimento as pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade financeira devido a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

O programa é desenvolvido pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e, nesta etapa, conta com uma estratégia dentro das comunidades para identificar famílias que se enquadram nos critérios necessários para receber o auxílio. As cestas são garantidas como ação de segurança alimentar com recursos públicos municipais e também com doações da sociedade civil.

“Além das associações cadastradas no Orçamento Popular, nosso sistema agora está aberto para todas associações e instituições religiosas devidamente regularizadas e com CNPJ. Estamos unindo esforços com lideranças que têm um trabalho edificado nas comunidades para identificar, nos seus territórios de atuação, aquelas famílias que estão dentro dos critérios para recebimento das cestas básicas”, explica Janaína Carvalho, secretária da Semcaspi.

As associações de moradores e instituições religiosas precisam acessar a plataforma da Prefeitura de Teresina através do site associacao.semcasp.pmt.pi.gov.br para cadastrar até 50 famílias. Os beneficiários não podem estar incluídos em outros programas ou benefícios de quaisquer dos entes federativos. A Semcaspi fará análise dos cadastros e entrará em contato com as entidades para que as famílias possam receber o benefício, de forma organizada, nos CRAS, CREAS ou Centros de Convivência da cidade.

“Estão aptas a serem cadastradas famílias que estão sem renda fixa e contínua por conta da pandemia e que não puderam receber o auxílio emergencial do Governo Federal. Uma equipe da Semcaspi está disponível para dar apoio as entidades e prestar esclarecimentos”, acrescenta a secretária. As pessoas podem tirar dúvidas através dos números (86) 3131-4731 e (86) 3131-4729.

Famílias são contempladas com duas unidades habitacionais pela SDU Leste 

Em mais uma ação social, a Gerência de Habitação da Superintendência de Desenvolvimento Urbano Leste (SDU Leste) entregou duas unidades habitacionais a famílias de baixa renda da região. A ação aconteceu na manhã desta terça-feira (26) e contou com a presença da gerente de habitação, Aldeane Veloso, da assistente social Marlene Siqueira e do engenheiro civil Paulo Nunes.

As famílias foram contempladas com as unidades habitacionais localizadas na Rua Cleson Lima, no bairro Madre Teresa, e na Rua Maria Socorro de Macêdo Claudino, no bairro Uruguai. As moradoras Ana Maria Santos Sales e Maria do Socorro da Silva tiveram suas casas danificadas, ficando desabrigadas. Segundo informações cedidas pela Gerência de Habitação da SDU, as unidades habitacionais foram construídas com recursos próprios do município.

“A entrega das casas é o reflexo da preocupação da Prefeitura em zelar pelo bem-estar social das famílias de baixa renda. Estamos aqui promovendo mais uma ação solidária e é muito gratificante ver a concretização do nosso trabalho e entender que, por meio dele, famílias têm uma nova chance de recomeçar suas vidas, de forma mais digna e segura”, frisou a gerente Aldeane Veloso.

A assistente social Marlene Siqueira explica os critérios que devem ser atendidos pelas famílias que desejam uma unidade habitacional. “Levamos em consideração famílias em situação de vulnerabilidade social. Pessoas com deficiência, pessoas idosas, de baixa renda, mães solteiras e maior número de integrantes na família também integram os critérios estabelecidos pela Gerência”, frisou.

 

Famílias de alunos participantes do PROFESP recebem kits de alimentação

Ascom/Semec

O 2º Batalhão de Engenharia de Construção (2° BEC) realizou a entrega de 40 kits de alimentos para famílias dos alunos da Escola Municipal Deputado Antônio Gayoso, atendidas pelo Programa Forças no Esporte (Profesp). A ideia é diminuir os impactos causados pelo novo coronavírus.

O PROFESP é um programa social desenvolvido pelo Ministério da Defesa em parceria com a Secretaria Municipal de Educação (SEMEC), os ministérios da Cidadania, da Educação e da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, com o objetivo de oferecer horas a mais de atividades educativas orientadas por professores e militares, utilizando o esporte a favor do aprendizado.

A entrega aconteceu de forma agendada, em dois momentos, o primeiro no dia 16 de abril e o segundo nessa quinta-feira (13), evitando assim aglomerações.

Escolas da Prefeitura distribuem merenda escolar para famílias de alunos

Os diretores das escolas da Rede Municipal de Ensino de Teresina estão distribuindo gêneros alimentícios que ficaram nas unidades de ensino desde a suspensão das aulas no mês de março. A merenda está sendo entregue aos pais que mais precisam e deve ajudar a manter as famílias em isolamento social, necessário para reduzir os riscos de transmissão do novo coronavírus.

A logística de distribuição dos alimentos foi planejada pelos conselhos escolares. O grupo contabilizou a quantidade de produtos para a montagem de kits e definiu os beneficiados, já que não serão suficientes para todas as famílias de alunos. Ao todo, vão ser entregues, até o fim da semana, 17.785 kits de merenda escolar. A prioridade são os inscritos no Programa Bolsa Família, principalmente com uma maior quantidade de crianças matriculadas.

Na Escola Municipal Casa Meio Norte, bairro Cidade Leste, a direção esvaziou o depósito e conseguiu montar 67 kits, que já foram distribuídos. “Analisamos data de validade, conservação, tudo para garantir que os kits cheguem da melhor forma para as famílias. Priorizamos aquelas que possuem mais alunos matriculados conosco. Essa ação chega em ótima hora para quem tanto precisa”, disse a diretora Osana Santos.

Segundo a secretária executiva de Gestão da Secretaria Municipal de Educação (Semec), Katia Dantas, os alimentos devem chegar para famílias que mais necessitam. “Os produtos possuem prazo de validade e não podemos deixar que estraguem, por isso os conselhos se reuniram e decidiram o melhor direcionamento para esses gêneros alimentícios. A distribuição é para quem realmente mais precisa, e está seguindo medidas de segurança. A direção da escola entra em contato com os pais e agenda o horário de entrega”, finaliza.

Gerência de Habitação da SDU Leste visita famílias que tiveram casas atingidas pelas chuvas

Em mais uma ação de solidariedade, os assistentes sociais da Gerência de Habitação da SDU Leste estão em campo, visitando famílias que tiveram suas casas atingidas pelas chuvas na última terça-feira (21). A ação está acontecendo em parceria com a Defesa Civil, que emitirá um parecer técnico sobre a situação das famílias visitadas.

Até o momento, os assistentes sociais visitaram famílias residentes nos bairros Ininga, Pedra Mole, Vila Madre Teresa (bairro Samapi), Noivos e Vila do Avião. Ao todo, 25 famílias receberam as visitas do órgão.

De acordo com a gerente de habitação da SDU, Aldeane Velozo, a ação tem o objetivo de promover um amplo diálogo com as famílias e fazer um pré-cadastro com todos os dados necessários. “Nos últimos dias Teresina enfrentou fortes chuvas em um curto espaço de tempo. Além de nos sensibilizarmos com a causa, estamos cumprindo essa missão solidária da Prefeitura de levar um acolhimento aos moradores. Nossa missão é orientá-los para que eles procurem um aluguel solidário que, posteriormente, serão incluídos no Programa Cidade Solidária”, ressaltou.

Também integrando as visitas, a assistente social Marlene Siqueira explicou como a ação está sendo feita. “Estamos visitando essas famílias para entender as suas realidades e fazer seus pré-cadastros com nome completo, endereço, telefones e documentos. É válido ressaltar que o Programa Cidade Solidária, responsável pela realocação das famílias em situação de risco, ocorre por meio da Família Solidária e do Residência Solidária”, explanou.

No programa Família Solidária, a pessoa acolhida indica outra família para lhe receber e a Prefeitura repassa uma ajuda de custo no valor de R$ 300,00. Já no programa Residência Solidária, a família deve indicar um imóvel, no valor de até R$ 300,00 para alugar, e a Prefeitura arca com o pagamento no prazo de até um ano.

O superintendente da SDU Leste, João Pádua, avaliou a importância do trabalho realizado pela Prefeitura. “Esse trabalho solidário feito pelos nossos assistentes sociais é extremamente valoroso. O monitoramento acontece rotineiramente, mas nesses períodos de chuva, a ação acontece de forma mais atuante e constante. Nossa missão é levar mais dignidade às famílias que tanto necessitam de ajuda do município”, afirmou.

A ação continuará acontecendo nos próximos dias. Os cidadãos que queiram solicitar orientações da Gerência de Habitação podem entrar em contato por meio do telefone (86) 99490-0864.

SDU Leste entrega duas unidades habitacionais a famílias de baixa renda

Ascom/Sdu Leste

Na manhã desta quarta-feira (15), a Gerência de Habitação da Superintendência de Desenvolvimento Urbano Leste (SDU Leste) entregou duas unidades habitacionais a famílias de baixa renda que estavam inseridas no Programa Família Solidária, no qual a pessoa acolhida indica outra família para lhe receber e a Prefeitura repassa uma ajuda de custo no valor de R$ 300.

As unidades habitacionais entregues estão localizadas na Rua Enoque Silveira, bairro Santa Isabel, e na Rua Tuiuti, bairro Parque Universitário. A primeira moradora, Antônia Rodrigues da Silva, é idosa e estava há três anos no Programa Família Solidária. Sua casa tinha uma estrutura precária, de taipa e com risco de desabamento. Já a segunda moradora, Cristiane Miranda de Melo, é mãe solteira de quatro filhos e está grávida do quinto, e estava inserida no Programa há dois anos.

Segundo a Gerente de Habitação, Aldeane Veloso, a entrega das casas é o reflexo da preocupação da Prefeitura em zelar pelo bem estar social das famílias de baixa renda. “Estamos aqui promovendo mais uma ação solidária. É extremamente gratificante ver a concretização do nosso trabalho e entender que, por meio dele, famílias tem uma nova chance de recomeçar suas vidas, de forma mais digna e segura”, declarou.

A assistente social Marlene Siqueira explica os critérios que devem ser atendidos pelas famílias que desejam uma unidade habitacional. “Levamos em consideração famílias em situação de vulnerabilidade social. Pessoas com deficiência, pessoas idosas, de baixa renda, mães solteiras e maior número de integrantes na família também integram os critérios estabelecidos pela Gerência”, frisou.

Assistentes sociais da SDU Sudeste continuam atendimento a famílias em situação de risco 

Devido às constantes chuvas em Teresina durante este período, a equipe de assistentes sociais da Gerência de Habitação da Superintendência de Desenvolvimento Urbano Sudeste continua em atuação. Diariamente são realizadas visitas domiciliares e cadastro de famílias em situação de risco.

Entre os moradores atendidos estão os da Vila Washington Feitosa. Foi detectada no local uma erosão causada pela passagem das águas pluviais. Segundo a Defesa Civil, ela não oferece riscos às residências, mas deve passar por aterro para contenção.

Para quem está com as residências comprometidas, a SDU Sudeste faz a remoção e inclui as famílias nos programas sociais da Prefeitura de Teresina. Um deles é o Cidade Solidária, com duas vertentes de atuação: o Família Solidária e o Residência Solidária.

No primeiro, a pessoa acolhida indica outra família para lhe receber e a Prefeitura repassa uma ajuda de custo no valor de R$ 300,00. No segundo, a família deve indicar um imóvel, no valor de até R$ 300,00, para alugar e a Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI), arca com o pagamento no prazo de até um ano.

“O atendimento às famílias em situação de risco é um trabalho que não pode parar. Portanto, a equipe de habitação continua atuando com base nas políticas públicas de proteção social do município, especialmente neste momento onde as pessoas de baixa renda estão mais vulneráveis às dificuldades enfrentadas em meio à pandemia de coronavírus”, destaca Erinelde Nunes, gerente de habitação da SDU Sudeste.

O superintendente da SDU Sudeste, Evandro Hidd, explica que alguns serviços continuam em funcionamento devido ao seu caráter essencial. “Mediante o decreto do prefeito Firmino Filho, muitas atividades de trabalho estão suspensas como forma de combate à propagação do coronavírus. Contudo, algumas consideradas essenciais para a população devem continuar em operação, como é o caso das equipes de habitação e de limpeza urbana da SDU. Visto essa necessidade, temos o cuidado de instruir os profissionais a tomarem todas as precauções e adotarem os protocolos de segurança na execução do trabalho”, enfatiza Evandro.

 

Defesa Civil: 160 famílias receberam atendimento emergencial no primeiro trimestre de 2020

Ascom/Semcaspi

Segundo o último relatório divulgado pela Defesa Civil Municipal, 160 famílias situadas em todas as zonas da capital, incluindo a rural, receberam atendimento através do órgão durante os primeiros três meses de 2020. O trabalho vem sendo intensificado devido ao período de chuvas e a necessidade da inclusão de grupos familiares no programa de acolhimento Cidade Solidária. As equipes referentes permanecem atuantes em quarentena, adotando medidas severas de distanciamento e higienização para que o serviço essencial continue sendo oferecido.

Além dos 160 atendimentos, registram-se também ações conjuntas, realizadas com os Centros de Referência de Assistência Social (CRAS) e com as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDU). Essas unidades também atuam junto à Defesa no Cidade Solidária, programa que busca realocar famílias cuja residência foi afetada por infortúnios, como alagamentos e incêndios; o relatório aponta 15 desabamentos por situações do tipo. As famílias vitimadas são acompanhadas pelo CRAS, em uma outra residência segura. Esse atendimento pode incluir a entrega de cestas básicas, kits de acolhimento e kits de higiene, conforme a situação de vulnerabilidade identificada.

“Durante o mês de março, com a intensificação das chuvas e o aumento do volume dos rios, principalmente o Poti, 121 famílias foram removidas por ocasião de alagamento”, destaca o tenente Antônio Linhares, da Defesa Civil Municipal. “Continuamos monitorando os níveis das águas, através dos boletins diários do Serviço Geológico do Brasil Geral (CPRM) e da constatação in loco, por meio das réguas de medição, localizadas nos referentes rios”.

O secretário de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Samuel Silveira, destaca que a Defesa Civil se trata de uma instituição que tem mostrado para a cidade o seu valor. “Incansavelmente, mesmo em momentos de maiores adversidades, como é o período no qual vivemos — do Coronavírus, ela tem trabalhado intensamente, sendo um apoio fundamental para as comunidades que residem em áreas de risco”.

“Mesmo em face da subida dos rios e das constantes chuvas, a Defesa não se mostrou inerte, e de uma forma proativa tem acolhido, tem sido sensível, e rapidamente chegado às ocorrências, fazendo com que as famílias sejam retiradas em momentos de alagamento, e dessa maneira, preservando até mesmo a vida de muitos dos nossos cidadãos”, detalha o secretário. A Defesa Civil Municipal pode e deve ser solicitada através de ligação gratuita para o 153. Mais informações sobre as ações da instituição podem ser conferidas no site e nas redes sociais da Semcaspi.