Feira livre do Dirceu I vai passar por adequações para funcionamento

Ascom/ SDU Sudeste

Em função da pandemia de Covid-19, a feira livre do Dirceu I, na zona Sudeste de Teresina, passará por adequações. O funcionamento que acontecia durante o domingo, agora acontecerá no sábado, em locais demarcados.

Na próxima sexta-feira (22), equipes da Superintendência de Desenvolvimento Urbano – Sudeste e da Guarda Municipal estarão nos locais para delimitar os espaços em que as barracas devem ser montadas. Cerca de 128 barraqueiros são cadastrados para atuar na feira.

Além das novas medidas, também devem ser respeitadas as normas de uso obrigatório de máscara de proteção, distanciamento social de no mínimo dois metros e higienização das mãos e superfícies.

Isaac Meneses, superintendente da SDU Sudeste, ressalta que as medidas são necessárias para evitar a formação de aglomerações. “Para que o funcionamento das feiras livres seja mantido como atividade essencial, é muito importante que haja o cumprimento rígido das normas pelos barraqueiros e consumidores. A SDU Sudeste está trabalhando para tornar esse comércio o mais organizado e seguro possível e vai atuar intensivamente na sua fiscalização”, informa o superintendente.

SDUs demarcam espaços em feiras livres e orientam colaboradores


A feira livre é um dos setores de comércio autorizados a funcionar neste período de pandemia em Teresina. Para evitar aglomerações nesses locais, as Superintendências de Desenvolvimento Urbano (SDUs) de cada região da cidade implantaram uma nova distribuição e organização das barracas, deixando mais espaço livre para circulação. Com essa medida, as pessoas que vão fazer compras podem circular com mais segurança.

O superintendente Executivo da SDU Centro Norte, Márcio Sampaio, ressalta que organização das barracas nas feiras livres está sendo realizada de acordo com as orientações a Organização Mundial de Saúde (OMS). “Fizemos a demarcação nos Mercados do São Joaquim e do Mafuá. Estamos trabalhando para a segurança de todos que circulam e que trabalham no local. Além da organização e higienização, levamos uma pessoa da FMS para explicar para os colaboradores dos mercados a necessidade dessas medidas para a saúde de todos”, acrescenta.

A engenheira Araci Parente, da SDU Centro Norte, explica que a demarcação foi feita nas áreas de feiras livres para evitar que as pessoas que estão fazendo compras fiquem muito próximas uma das outras. “Organizamos as barracas para que as pessoas possam fazer as compras com mais tranquilidade e segurança”, acrescenta.

Araci reforça que, além da demarcação, os feirantes receberam as orientações de limpeza e de organização no acondicionamento do lixo. “Conversamos com todos eles e mostramos a importância de todas as medidas para evitar a disceminação do Covid 19”, explica.
A engenheira explica que conta com a colaboração dos feirantes no sentido de respeitar a delimitação previamente marcada. “Mostramos ainda a importância de nova organização nas feiras. Além disso, ressaltamos a necessidade do uso dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), assim estaremos nos protegendo e cuidando também da segurança das pessoas que vão às compras. Vamos fazer também um trabalho de fiscalização a fim de assegurar a proteção de todos”, alerta.

Já na zona Sudeste, as feiras livres dos bairros Dirceu I e Renascença, que já tiveram os espaços demarcados, são alvos constantes de fiscalização. Os agentes da Gerência de Controle e Fiscalização (GCF), em parceria com a Guarda Municipal, fazem vistorias nos locais, orientando sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras, higienização das mãos e superfícies e distanciamento entre barracas, vendedores e clientes.

Além disso, assistentes sociais da Gerência de Habitação também fizeram o cadastro socioeconômico dos barraqueiros e monitoram a situação das famílias. “Como se trata de uma atividade essencial, que possui permissão para funcionamento, é muito importante que estejamos atentos ao cumprimento das normas nas feiras. O objetivo principal é evitar aglomeração e promover a conscientização tanto de barraqueiros quanto de consumidores”, alerta Isaac Meneses, superintendente da SDU Sudeste.