Potencial turístico de Teresina é apresentado durante Encontro de Negócios na feira Piauí Rio

A Prefeitura de Teresina, através da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Semdec), participou da Rodada de Negócios, um dos principais eventos realizados, nesa quinta-feira, 15, durante a Feira Piauí Rio, organizada pelo Sebrae/PI, que teve início ontem e segue até dia 18 deste mês, no Rio de Janeiro (RJ).

Durante o Encontro de Negócios, evento que aconteceu no Centro Sebrae de Referência do Artesanato Brasileiro (CRAB), diversas agências de turismo do Piauí apresentaram às operadoras opções de pacotes turísticos com destinos no Piauí. Teresina, a porta de entrada do turismo do Estado, Serra da Capivara, Rota das Emoções, entre outros municípios, foram os principais roteiros ofertados.

(Foto: Semcom)

A feira é oportuna, pois, é nesse momento que, de fato, os negócios se iniciam. “É aqui que as operadoras têm contato com as agências, conhecem o potencial turístico do nosso Estado, da nossa capital, das nossas riquezas, e fazem os pacotes turísticos e vai movimentar a riqueza turística do nosso Estado”, disse o secretário da Semdec, Marcelo Eulálio.

Para a representante da Miracéu Turismo, agência da capital, Milena Castro, a feira veio em um momento importante com o retorno do mercado turístico. ‘Essa apresentação do Piauí para o Rio de Janeiro é muito importante não apenas da exposição do Estado, mas também esse contato direto com os operadores e isso é o que faz com que possamos ter futuros contatos”.

(Foto: Semcom)

O encontro de fornecedores com compradores deve gerar uma elevação do fluxo turístico do Rio de Janeiro para Teresina o que deve repercutir na receita turística e na quantidade de pessoas que visitam a cidade anualmente.

“Como monitoramos isso fazendo pesquisa, e hoje está em 8%, com certeza nos primeiros anos esse percentual se elevará”, disse Enéas Barros, coordenador especial de turismo da Semdec.

(Foto: Semcom)

(Foto: Semcom)

(Foto: Semcom)

(Foto: Semcom)

Povoado Santa Luz recebe a 1ª Feira de arte e agricultura familiar rural

Neste sábado (24) aconteceu a primeira feira de arte e agricultura familiar rural. A inauguração aconteceu no povoado Santa luz e movimentou a comunidade. A feira contou com venda de produtos artesanais, de agricultura familiar, exposição de animais, campeonatos de futebol masculino e feminino, além de comidas típicas.

Durante o evento, houve apresentação de zumba, instruções da Defesa Civil para evitar queimadas durante o período de BR-O-bró, Leilão e apresentação musical com muito forró pé de serra. A feira segue até às 17h desse sábado e no domingo (26) acontece das 8:00h às 17:00h.

Foto: Lucas Dias / Semcom

A idealização do projeto partiu da Primeira Dama Samara Conceição, que pretende realizar o evento uma vez ao mês, em forma de rodízio por toda a zona rural.

“Estávamos vendo muitas feiras acontecendo na zona urbana, e pensamos em trazer para zona rural, que tem grandes produtores e muitas riquezas. O nosso projeto é expandir para todas as localidades da zona rural. O próximo evento ainda não tem localidade definida, mas será realizada no mês de outubro”, disse a Primeira Dama.

Foto: Lucas Dias / Semcom

Elimar Pereira, artesã e moradora do povoado, ressaltou a felicidade em poder estar expondo os seus produtos para a própria comunidade.

“É muito importante para nós. A prefeitura está de parabéns por dar esse grande incentivo a nós que somos pequenos e micro produtores. A pandemia nos prejudicou muito, e todo evento realizado para movimentar a economia local é uma grande ajuda. Estou muito feliz”, pontuou.

A feira contou com o apoio da Secretaria Municipal de Produção Agropecuária (SEMP), Fundação Municipal Chaves (FMC), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SEMDEC), Fundação Wall Ferraz (FWF), Fundação Municipal de Saúde (FMS), SAAD RURAL, Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SEMEL) e Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SEMAM).

O secretário municipal de Produção Agropecuária, Edvaldo Marques, falou sobre a importância de promover qualificação para os produtores da zona rural.

“Estamos reunindo todos os produtores da localidade e estamos trabalhando para organizá-los para que a gente possa oferecer a eles cursos para qualificar a produção agrícola e melhorar a comercialização desses produtos”, destacou.

A Fundação Wall Ferraz, esteve presente com uma equipe oferecendo diversos serviços para a comunidade.

“É uma alegria participar de momentos como esse. Momentos de dignidade e esperança para o povo. É nítido o olhar diferenciado da prefeitura para a zona rural e por isso a Fundação Wall Ferraz não poderia ficar de fora. Estamos oferecendo serviços de cidadania e de beleza, como design de sobrancelha e corte de cabelo para a população”, ressaltou o presidente da FWF, Maikon Silva.

O prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, falou sobre a importância da Zona rural de Teresina e que muito mais será feito durante a sua gestão.

“Eu e meu secretariado temos como obrigação olhar para o todo. A zona Rural estava esquecida, e nós vamos dar a assistência necessária para essas comunidades. Queremos trazer condições dignas para esse povo, como ambulâncias, água e energia de qualidade. Precisamos dar condições de cultivo para os produtores das zonas rurais, que são muito importantes para a nossa Teresina, e é isso que vamos fazer”, concluiu o Prefeito.

Foto: Lucas Dias / Semcom

Semest apoia feira de artesanato realizada no Shopping Riverside

A feira apoiada pela Secretaria Municipal de Economia Solidária de Teresina (Semest), faz parte do calendário de comemoração pelos 169 anos da Cidade. A feira promovida pela Associação dos Pequenos Empreendedores do Estado do Piauí (ASPEPI), conta com a participação de 36 artesãos. E acontece nos dias 26 a 28 de agosto no Shopping Riverside.

A feira de artesanato teve recursos de fomento da emenda parlamentar 03/2021- da vereadora Cida Santiago. O evento é visto por alguns expositores como uma vitrine para a exposição e divulgação do trabalho dos artesãos da Capital, como é o caso do artesão de arte sacra, Cláudio Fontineles. “Essa feira é importante porque está engrandecendo a cultura do nosso Estado e da Capital, principalmente. Os poderes públicos estão despertando mais para essa questão da arte “, ressaltou o artesão.

Foto: Ascom/Semest

Para a secretária de Economia Solidária, Gessy Fonseca, apoiar eventos que promovam o empreendedorismo e o artesanato é fundamental para o desenvolvimento econômico de Teresina. “Os micro e pequenos empreendedores aquecem a nossa economia, e apoiar eventos que divulguem, incentivem e gerem oportunidades de trabalho é fundamental para o crescimento e desenvolvimento econômico da Capital.” disse a secretária.

Com apenas 15 anos de idade, a empreendedora Rebeca Franco, que foi acompanhada com a sua mãe, para expor seu trabalho na feira, fala da importância do apoio da Semest. “Não somente para mim, mas para todo empreendedor, essas feiras são uma oportunidade. Como eu, muitos empreendedores não possuem loja, então é uma oportunidade para o cliente conhecer nosso produto e ter mais confiança. Nos ajuda a vender, nós entregamos nossos cartões de visitas e ganhamos reconhecimento, isso é muito bom.” falou com entusiasmo a jovem empreendedora.

Para oferecer alternativas de crédito, com taxas e juros abaixo do mercado, o Banco Popular de Teresina participou do evento, e apresentou para os artesãos as linhas de crédito disponíveis para quem deseja empreender, aumentar e investir nos seus negócios.

Foto:Asom/Semest

Feira da Climatizada, promovida pela Semest, gera oportunidades de trabalho e renda para artesãos de Teresina

A Secretaria Municipal de Economia Solidária de Teresina (Semest) vai promover nesta semana, de 3 a 6 de agosto, a feira da Rua Climatizada. A estrutura da feira foi realocada para a Praça Rio Branco, por conta das reformas realizadas pela Prefeitura de Teresina, para melhorar o deslocamento dos transeuntes do centro da Cidade.

As feiras da Rua Climatizada, são realizadas mensalmente, e mesmo com a pandemia e a restrição dos números de artesãos que expõem seus produtos, a organização estima que a Feira gere o montante de R$30 a R$40 mil por mês, a quantia duplica no mês de dezembro.

A artesã, Edna Barbosa, fala da importância do evento para os artesãos de Teresina. “A feira da Climatizada nos oportuniza gerar renda, através da comercialização dos nossos produtos artesanais. Cerca de 90% dos artesãos que participam da feira tiram sua renda, exclusivamente, daqui`, ressalta.

A secretária municipal de Economia Solidária, Gessy Fonseca, reforça a importância das feiras apoiadas e coordenadas pela Semest, para a retomada da economia.

“Nosso planejamento consiste em gerar oportunidades de trabalho, para que empreendedores e artesãos possam ter uma renda, ter um espaço para expor, divulgar e comercializar seus produtos. E mesmo com a restrição do número de expositores, por conta das medidas sanitárias para prevenção a Covid-19, a Feira da Climatizada vai gerar oportunidade de trabalho e renda para 40 famílias “, destaca a Secretária.

Mercado do Produtor se prepara para receber evento promovido pela SAAD/Leste

O bairro Vale do Gavião, zona leste de Teresina, será palco para a Primeira Feira do Mercado do Produtor, que será realizada nos dias 7, 8 e 9 de maio, de 8h às 17h. O evento é promovido pela Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas (SAAD/Leste) com apoio da Secretaria Municipal de Economia Solidária- Semest.

De acordo com o gerente de Serviços Urbanos (GSU) Renato Lopes, a SAAD/Leste participou com a melhoria estrutural e com a limpeza profunda da região, obedecendo a uma logística que garanta a segurança tanto de usuários quanto de permissionários.

“É um mercado com pouca visibilidade e movimentação desde sua construção, em 2016. A SAAD/Leste entrou com a pintura, limpeza, capina, retirada de entulhos e do mato, realizando também a terraplanagem das ruas, deixando-as transitáveis e melhorando os acessos. Tudo para que a feira possa acontecer da melhor forma possível. Fizemos as instalações das barracas, stands e a Semest ficou com a tarefa de organizar toda a feira, que vai oferecer confecções em geral, artesanato, vendas de frutas e verduras, carnes, laticínios, temperos, pastel e caldo de cana”, explicou Renato Lopes.

O Superintendente da SAAD/Leste, James Guerra, destacou que o órgão prossegue implementando melhorias e diversos serviços na zona Leste da capital. “É só a primeira etapa para as reformas dos mercados públicos da zona leste. Acreditamos que essa feira será de grande importância para aumentar a visibilidade do local e para o fortalecimento do mercado do agricultor familiar”, frisou Guerra.

A Secretaria de Meio Ambiente também estará presente no evento com a distribuição de mudas, entre espécies frutíferas e nativas. O Mercado do Produtor, situado na avenida Luzia de Andrade, do bairro Vale do Gavião, possui uma área ampla e ventilada, distribuída em 538 metros quadrados e atende aos moradores do Residencial Zequinha Freire, Jardim do Uruguai, Wilson Martins, Sigefredo Pacheco I e II, Miriam Pacheco e Loteamento Viva a Vida.

O evento é promovido pela Superintendência de Ações Administrativas Descentralizadas (SAAD/Leste) com apoio da Secretaria Municipal de Economia Solidária- Semest. Foto: Ascom (SAAD/Leste)

Elementos cotidianos de casa ajudam no aprendizado com as aulas à distância

Surpreender com aulas criativas é uma das principais estratégias utilizadas pelos professores das escolas da Prefeitura de Teresina para manterem os alunos focados na aprendizagem, especialmente quando não estão fisicamente em sala de aula. Após dois meses do regime de atividades não presenciais na Rede Municipal de Ensino, todas as tarefas passaram a ser o famoso “para casa” e os alunos encontram formas de utilizar esse ambiente como laboratório.

Um exemplo são os alunos do 7º ano da Escola Municipal Parque Itararé, que foram desafiados pela professora de história, Maria Eunice, a montarem uma espécie de feirinha em casa. A ideia era praticar o conteúdo aprendido sobre as feiras medievais, que marcaram a história econômica e cultural de diversos povos.

“Essa atividade oferece aos alunos a possibilidade de aprender história de forma instigante e dinâmica. Mesmo à distância, podemos criar aulas diferentes, que tornem o aprendizado significativo”, disse a professora.

Após estudar o conteúdo e realizar pesquisas, cada aluno buscou em casa produtos que poderiam ser utilizados na simulação da feira. Até os pais viraram clientes. Os vídeos compartilhados entre a turma rendeu muitos elogios da professora. “Brincaram com a imaginação, usando elementos cotidianos, como produtos de beleza, potes descartáveis, alimentos e plantas, entre outros. Foi diversão e aprendizado sem sair de casa”, destacou.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (Semec), mais de 90 mil alunos estão acompanhando diariamente a programação de aulas não presenciais. Para alunos do Ensino Fundamental, as atividades são transmitidas pela TV e ficam disponíveis na plataforma online hospedada no site da Secretaria, além de grupos de WhatsApp e material impresso para os alunos que não possuem acesso à internet. Na Educação Infantil as tarefas são impressas e entregues aos pais. Todas as atividades estão sendo registradas pelas escolas para serem contabilizadas no calendário escolar deste ano.

 

SDU Sudeste orienta feirantes do Dirceu I para prevenção contra o coronavírus

Ascom/SDU Sudeste

A Superintendência de Desenvolvimento Urbano – Sudeste, em parceria com a Guarda Municipal e a Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans), esteve neste sábado (23) na feira livre do Dirceu I para orientar feirantes sobre a prevenção à Covid-19. Pela primeira vez em 30 anos, a feira, que acontece tradicionalmente aos domingos, passou a funcionar no sábado em cumprimento ao decreto estadual de isolamento social.

Na sexta-feira (22) foi realizada a demarcação dos locais onde as barracas seriam montadas. Já hoje, a equipe da SDU Sudeste esteve presente para orientar na organização dos espaços e sobre a obrigatoriedade do uso de máscaras, bem como sobre o distanciamento entre feirantes e população. Os espaços foram demarcados com cones e fita zebrada a 50 cm da barraca, para manter a distância de 2 m entre eles.

Na ação, a equipe também estava constantemente fazendo a higienização das mãos com álcool em gel tanto dos feirantes, como da população que entrava e saía da feira.

Ascom/SDU Sudeste

Jurandir de Oliveira trabalha na feira há 10 anos vendendo frutas. Para ele, a medida é bem-vinda no combate ao coronavírus. “É uma iniciativa para melhorar a organização e nos orientar com relação a essa doença e os cuidados que devemos ter. Além disso, é uma forma de fazer com que as normas de saúde sejam obedecidas, deixando a todos mais protegidos”, declara o feirante.

Segundo Isaac Meneses, superintendente da SDU Sudeste, a mudança no dia de funcionamento da feira obedece ao decreto estadual Nº 19.984, que autoriza apenas o funcionamento de serviço essenciais no domingo (24), e visa garantir a manutenção dessa atividade comercial. “É muito importante que a população esteja consciente de que, nesse momento, é necessário cumprir com rigor as normas de saúde. Sabemos da importância das feiras livres como fonte de renda e, por isso, estudamos as melhores estratégias para mantê-las em pleno funcionamento, mas sempre com segurança”, ressalta o superintendente.

Produtores rurais participam da Feira de Agricultura Familiar nesta sexta-feira (28)

Ascom/Semcaspi

“Antes a gente lutava muito. Produzia, mas se acabava ali na areia porque não tinha como a gente sair para vender. Depois que começou a feira, melhorou muito”, afirma Rosinete Pinheiro de Sousa, de 60 anos. Ela participa da Feira da Agricultura Familiar do Município desde 2016, mas trabalha com horticultura há 15 anos no Povoado Ave Verde. Em março, a feira completa quatro anos de existência e, ao longo destes anos, tem sido a principal fonte de renda para muitas famílias teresinenses que residem na zona rural.

Toda sexta-feira, o dia de trabalho da Francisca Ribeiro de Araújo Lima, de 47 anos, começa bem cedo. A horticultora acorda às 3h da manhã para finalizar a organização da sua mercadoria e aguardar o carro da Prefeitura de Teresina, que vai buscá-la no Assentamento Alegria. “A gente começa a se organizar na praça 5h30, 6h os clientes já estão chegando. Dependendo do que a gente traz, eu faço R$400 ou R$500 por feira. Eu tenho dois filhos e meu marido que trabalha comigo. Da feira eu sustento minha família”, afirma Francisca.

As feiras têm como objetivo incentivar a comercialização dos produtos agroecológicos produzidos nas comunidades rurais que integram o Projeto de Transição de Produção Convencional para Produção Orgânica no município de Teresina e gerar renda para as famílias. O cronograma do evento é dividido em dois locais. Na segunda e na última sexta-feira do mês acontece na Praça Rio Branco e na primeira e penúltima sexta-feira é a vez da Universidade Federal do Piauí receber os agricultores.

A presidente da Comissão Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica (CMAPO), Carlota Joaquina de Sousa Rosal, destaca que a realização das feiras livres possibilita desenvolvimento sustentável e maior segurança alimentar para os consumidores. “As feiras de base agroecológica, na Praça Rio Branco e na UFPI, se configuram como um espaço de comercialização, de troca de experiência e de acesso à cultura. Essas feiras contribuem muito para a melhoria de vida das famílias agricultoras de nosso município e dos consumidores teresinenses, pois oferece produtos de isentos de agrotóxicos”, explica.

A assistente social Conceição Andréa Lopes Teixeira, da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e coordenadora da CMAPO, explica que o trabalho realizado nas comunidades utiliza metodologias participativas que buscam o envolvimento dos produtores de modo mais consciente na transição da forma tradicional de produzir alimentos para a forma agroecológica.

“Nós fomos vendo quais as comunidades que tinham potencialidades, pois a legislação de orgânica não permite produção em área urbana por conta da condição da área, como índices de contaminação do solo, presença de esgotos e poluição do ar. Também foi utilizada uma metodologia de diagnóstico rápido-participativo; com o processo, eles percebem que são seres participantes e sujeitos da ação. Nós os incentivamos e, hoje, todas as comunidades têm associações formalizadas e mantém um caixa para terem independência financeira”, afirma.

O trabalho da assistência social junto às famílias que trabalham com agroecologia em Teresina engloba diversas áreas que envolvem diretamente sociedade, sustentabilidade e alimentação saudável, visando garantir direitos que dão dignidade à vida dessas pessoas e trabalha com a perspectiva de promover relações sociais justas e saudáveis. Conceição Andréa Lopes ainda destaca que a agroecologia é um posicionamento político que se preocupa com as relações sociais e o meio ambiente.

“A agroecologia preza pela preservação da saúde dos trabalhadores e pela não existência de exploração de trabalho, por isso apoia a produção familiar. A agroecologia é regida por princípios. Um deles trata diretamente das relações, entre horticultores e horticultoras, agricultores e agricultoras, em que as condições individuais e de grupo têm que ser respeitadas. A alimentação saudável e a preservação do meio ambiente possibilitam que os agricultores produzam mais, dessa forma, eles terão uma condição financeira melhor e também uma melhor qualidade de vida”, finaliza a assistente social.

Há mais de 20 anos trabalhando com cultivo no Assentamento Alegria, Domingos Mariano de Sousa participa do projeto há quatro anos. Para ele, a produção agroecológica é muito importante tanto para quem consome como para quem produz e também para o meio ambiente. “Hoje trabalhamos de forma mais saudável, bom para a natureza, bom para se alimentar e bom para quem trabalha porque a gente trabalha com segurança. Somos responsáveis por alimentar as pessoas com um alimento saudável, que é muito bom para quem produz como para quem vai consumir um produto limpo”, declara o agricultor.

Recentemente, o prefeito Firmino Filho entregou a obra de revitalização do campo agrícola com sistema de irrigação do Assentamento Alegria, e há mais dois campos sendo revitalizados. Na ocasião, o prefeito também oficializou a entrega de 10 triciclos e materiais de plantio, por meio de convênio com a Fundação Banco do Brasil, que irá beneficiar todas as comunidades assistidas pelo projeto. As comunidades rurais que fazem parte do Projeto são: Vale da Esperança, Camboa 1, Camboa 2, Ave Verde, Assentamento 17 de Abril, Cerâmica Cil, Alegria, Soim 1, Soim 2 e Serra do Gavião.

A Feira da Agricultura Familiar é organizada pela Comissão Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica (CMAPO), órgão vinculado administrativamente à Superintendência de Desenvolvimento Rural de Teresina (SDR), e pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), através da Gerência de Segurança Alimentar e Nutrição (GSAN), em parceria com o Ministério da Agricultura, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA) e Universidade Federal do Piauí (UFPI).

Feira da Agricultura Familiar acontece na Praça Rio Branco

Ascom/Semcaspi

Nesta sexta-feira (14), está acontecendo mais uma edição da Feira da Agricultura Familiar de Teresina. A feira é realizada quinzenalmente na Praça Rio Branco, das 8h às 14h, e reúne diversos produtores de comunidades da zona rural do município para expor e vender produtos agroecológicos, como folhagens, legumes e derivados da macaxeira. O objetivo do projeto é incentivar a produção de base agroecológica, desenvolvimento sustentável e gerar renda para pequenos produtores, além de incentivar o consumo de alimentos saudáveis.

Ana Diva Macêdo, gerente de Segurança Alimentar e Nutricional (GSAN) da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), explica que os alimentos são cultivados sem nenhum tipo de agrotóxico em compromisso com a segurança alimentar. “As feiras são uma ótima oportunidade para que os pequenos produtores que trabalham no projeto de transição agroecológica possam comercializar seus produtos e também para que a população possa ter acesso a alimentos de qualidade por um preço acessível. Acreditamos que esse projeto pode contribuir para uma sociedade mais justa e sustentável”, afirma a gerente.

A Feira da Agricultura Familiar é uma realização da Coordenação da Comissão Municipal de Agroecologia e Produção Orgânica de Teresina (CMAPO). O projeto da comissão desenvolve atividades voltadas para o processo de transição agroecológica com 10 comunidades rurais de Teresina, dentre as quais estão Serra do Gavião, Soim, Ave Verde, Vale da Esperança e Camboa. A CMAPO é formada por servidores da Semcaspi, Superintendência de Desenvolvimento Rural (SDR) e colaboradores do Governo Federal como INCRA, MAPA, UFPI e outras instituições do Estado.

Ascom/Semcaspi

Museu Dom Paulo Libório promove Feira de Artesanato

O Museu de Arte Sacra Dom Paulo Libório abre as portas nos dias 13 e 14 de fevereiro para a Feira de Artesanato “Arte no Museu”, das 9h às 17h, com entrada gratuita. Além da exposição de peças, também irão acontecer oficinas gratuitas.

Serão expostas para comercialização peças bordadas e em crochê, como almofadas, tapetes, bolsas, bonecas, laçarotes, tiaras, flores e chaveiros, dentre outros produtos. As oficinas acontecem das 9h às 11h e serão ministradas por Lúcia de Fátima, Clara Guimarães e Vanessa, tendo como tema customização carnavalesca.

O Museu Dom Paulo Libório, mantido pela Prefeitura de Teresina, através da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMCMC), reúne um acervo de mais de 2 mil peças, entre livros, imagens sacras, alfaias, oratórios, paramentos e mobiliário que pertencem ao mundo religioso. Ele fica localizado na Rua Olavo Bilac, 1481, Centro/Sul.