Prefeito apresenta ações de enfrentamento da Covid-19 para Rede de Controle

O prefeito Firmino Filho apresentou, para representantes da Rede de Controle do Piauí, as ações de enfrentamento à pandemia do novo coronavírus e os números que têm justificado as medidas adotadas pela Prefeitura de Teresina até o momento. A reunião por videoconferência aconteceu nesta terça-feira (02).

“Desde o começo vivemos um cenário de muitas incertezas. Mas tivemos bons resultados com as medidas que adotamos já no final de março. Nosso principal foco era diminuir a velocidade de propagação do vírus e preparar a estrutura hospitalar para atender a população através da expansão de leitos, por isso o isolamento social. Agora, acreditamos que é possível ter um bom desempenho sobre a crise e nos mantemos otimistas sobre o que virá”, destacou o prefeito.

Durante a conversa, o gestor municipal apresentou os números de casos positivados e óbitos da Covid-19, a efetividade do isolamento social para combater a proliferação da doença, bem como a atual situação dos leitos disponíveis em Teresina. O cenário da transmissão do novo coronavírus na cidade, segundo as pesquisas sorológicas que estão sendo realizadas em parceria com o Instituto Opinar e o plano de retomada das atividades econômicas na cidade também foram destacados.

O secretário de Controle Externo do Tribunal de Contas da União no Piauí, Luís Emílio Xavier dos Passos, ressaltou os esforços feitos pelo município e comemorou a pretensão do aumento no número de leitos de UTI no Piauí. “Os indicadores apresentados nos dão a entender que estamos nos aproximando de um momento mais favorável e que o sistema de saúde está sendo estruturado para oferecer atendimento as pessoas, já que existe a perspectiva de dobrar o número de leitos, sendo 130 pela Prefeitura de Teresina e outros 60 do Governo do Estado”.

Para Kelston Lages, procurador regional dos Direitos do Cidadão, é fundamental haver transparência sobre todas as ações realizadas pelo poder público. “Já tivemos reuniões com o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Manoel Moura Neto, e sempre são muito produtivas. Devido a pandemia, todos os órgãos estão vivendo fora da normalidade e há um afrouxamento da legislação, e ele deve acontecer sempre em favor da população. Por isso, existe a necessidade de que todas as informações, incluindo receitas e despesas, sejam disponibilizadas no portal da transparência para população e os órgãos de controle”, enfatizou.

O prefeito Firmino ressaltou que a Fundação Municipal de Saúde tem obrigação de atender as demandas dos órgãos de controle e que todas as decisões tomadas são fundamentadas em informações de estudos, pesquisas e critérios técnicos que beneficiam a população. “Aquele que tem compromisso tem atitude precavida. Apesar das incertezas, buscamos o que é mais interessante para o interesse público”, concluiu.

Em conferência, prefeito tira dúvidas de lideranças comunitárias da zona sudeste

Na noite desta segunda-feira (25), o prefeito Firmino Filho conversou, por meio de vídeo conferência, com lideranças comunitárias da zona sudeste da capital e tirou dúvidas sobre as ações adotadas para conter a disseminação do novo coronavírus.

Durante a conversa, os líderes comunitários questionaram o prefeito sobre diversos temas, entre eles a possibilidade de reabertura do comércio e retorno de atividades. Além disso, perguntaram sobre a realidade do número de infectados na capital e o que será feito para evitar ainda mais o crescimento de pessoas contaminadas pela Covid-19.

Firmino destacou que a capital precisa do engajamento de todos teresinenses para conseguir conter o número de casos e, consequentemente, voltar com as atividades normais no intervalo de tempo menor possível. “O empenho dos líderes comunitários torna-se essencial nesta luta que é de todos. À medida que conseguirmos melhorar a situação na nossa cidade, iremos afastar o nosso inimigo invisível que, infelizmente já vitimou muitos dos nossos familiares e amigos”, pontuou o prefeito de Teresina.

Ele tem realizado reuniões por videoconferência com as lideranças, ouvindo as demandas e sugestões para o enfrentamento da doença. Na reunião de hoje destacou ainda as ações de assistência dada às famílias durante a pandemia, bem como a importante da pesquisa sorológica realizada em todos os bairros da capital que tem feito o mapeamento das pessoas infectadas. Firmino apontou que a pesquisa já está em sua sexta etapa e vem mostrando um cenário preocupante em relação ao número de infectados. “Todos os esforços que fizemos até aqui, no sentido de buscar o isolamento social, foi para que pudéssemos reduzir a curva de infecções e também de mortes. O trabalho que vem apresentando resultados positivos, mas não podemos afrouxar. É preciso que cada um possa fazer sua parte, conversando, sensibilizando sua família, seus amigos, sua comunidade. Essa é uma luta que é de todos”, frisou.

O prefeito orientou os moradores sobre o uso do Alô Saúde disponibilizado para pessoas com sintomas leves da Covid-19 ou com outros problemas simples de saúde que podem ser atendidas por telefone na capital. O serviço está disponível através do telefone 0800 291 0084 e funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h.

Prefeitos discutem os desafios fiscais em tempos de Covid-19 durante conferência da Comunitas

O prefeito Firmino Filho, junto com o prefeito de Santos (SP), Paulo Alexandre Barbosa; a prefeita de Caruaru (PE), Raquel Lyra, e o prefeito de Niteroi (RJ), Rodrigo Neves, participou, nesta sexta-feira (22), de uma conferência virtual organizada pela Comunitas. No evento, que contou com a moderação do secretário executivo da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Gilberto Perre, os gestores trocaram experiência sobre as ações que vêm executando em suas cidades, durante a pandemia da Covid-19, tendo como tema central o desafio fiscal dos municípios durante a Covid-19.

Firmino Filho afirmou que nos meses de maio e junho a queda de receita em Teresina deve chegar a 45% e que o desafio é administrar a cidade e enfrentar a pandemia apesar dessas perdas. “Em abril, a queda na receita já foi de 37%, mas temos a obrigação de manter o essencial funcionando. Estamos mantendo apenas o básico, e isso vai permitir que a gente tenha um tipo de redução de despesa”, disse.

Os prefeitos admitem que tem feito falta uma presença mais forte do governo federal, tanto no apoio à saúde quanto à economia dos estados e municípios. “Se não tivermos o apoio do governo federal, prefeituras vão quebrar. Em Niterói, teremos uma queda na receita de R$ 400 milhões, até o final do ano. O Senado aprovou uma ajuda aos municípios, através da qual nossa cidade vai receber entre R$ 40 e R$ 50 milhões e isso não é nem metade do que necessitamos. Ou seja, se não tivermos o apoio do governo federal, enfrentaremos uma grande crise, além da sanitária”, disse o prefeito de Niterói.

Firmino Filho afirmou que, até o momento, o que tem chegado de apoio do governo federal em Teresina é o auxílio emergencial, que tem ajudado famílias carentes e pessoas desempregadas. Como forma de complementar isso e auxiliar quem não conseguiu ter acesso a esta ajuda financeira, a Prefeitura tem desenvolvido algumas ações junto às categorias desamparadas.  “Antes de o auxílio ser liberado, nós distribuímos cerca de 100 mil cestas básicas para famílias carentes. Estamos trabalhando por categorias, como taxistas, mototaxistas e agora nós vamos trabalhar junto com as  associações de moradores para identificar quem ainda está de fora desse auxilio emergencial”, pontuou.

Os gestores comentaram ainda sobre as novas formas de oferecer serviços essenciais, como saúde e educação, à sociedade e da necessidade que os gestores estão tendo de se reinventar neste momento. “Nós estamos nos reinventando todos os dias, buscando uma nova forma de fazer educação, de oferecer serviços de saúde. Agora, por exemplo, nós vamos passar a trabalhar com a telemedicina para além do apoio psicológico à população, ou seja, é um jeito novo de oferecer estes serviços”, disse a prefeita de Caruaru.

Psiquiatra orienta como manter a saúde mental durante a pandemia

A crise gerada pela Covid-19 tem um forte impacto na vida das pessoas, com mudanças bruscas no dia a dia que afetam também a saúde mental. Para discutir este assunto, o prefeito Firmino Filho conversou com o psiquiatra Luciano Luz em live no Instagram nesta segunda-feira (04).

Durante a conversa, o prefeito questionou o motivo de muitas pessoas não cumprirem o isolamento social, apesar de ser uma medida essencial para conter a contaminação pelo novo coronavírus. O especialista explicou que a negação, um dos mecanismos de defesa do indivíduo, blinda o organismo no primeiro momento. “Só após a negação, é que o indivíduo segue para a contemplação, fase em que ele passa a acreditar que aquilo realmente existe. Mas, infelizmente, algumas pessoas só reagem mediante a concretude da coisa”, acrescentou o especialista.

No final do mês de abril, Teresina apresentou um dos piores índices de isolamento social, quando 43% da população ficou em casa. A estatística pode ter relação com uma reação comum entre as pessoas, que estão sempre buscando alguma recompensa. “Nosso cérebro é movido à novidade, socialização e busca por entretenimento, e para driblar a sensação de estar privado de liberdade, o indivíduo começar a burlar o confinamento. Isso não é linear, porque trabalhamos com recompensas. Assim que conquistamos o que queremos, ficamos satisfeitos”, disse.

Segundo o psiquiatra, neste período de quarentena, as pessoas transitam por momentos em que ficam mais deprimidas, ansiosas e mais irritadas. Para enfrentar essa situação, é importante que elas não se prendam apenas à pandemia, para que não desenvolvam um pensamento obsessivo. “É preciso lidar com outras coisas, se distrair, extrair o que a pessoa tem de criatividade e fazer uma reflexão sobre o que pretende executar depois da pandemia. E, o mais importante, acreditar que com o isolamento, isso logo vai acabar. Vamos instigar a esperança, mas todos precisam contribuir”, ressalta o médico.

O psiquiatra disse ainda que é necessário estar preparado para o período pós pandemia, onde haverá mais pessoas doentes e ainda o agravamento daquelas que já estavam em tratamento. “Teremos um grande aumento nos casos de depressão, nos níveis de ansiedade e teremos que enfrentar alguns desafios no tocante a pensamentos suicidas”, lamentou o médico.

O prefeito Firmino Filho frisou a importância de cuidar da saúde mental das pessoas neste período de quarentena. “Com uma nova rotina e novos hábitos, mais pessoas podem adoecer e doenças psíquicas podem se agravar, por isso é fundamental cuidar não só do corpo, mas também da mente”.

As pessoas que precisam de ajuda nesse período podem contar com três alternativas da Prefeitura de Teresina: psicólogos pelo telefone 0800 291 0084,  assistência nos sete Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) para pessoas com transtornos mentais graves e, ainda, o Provida, específico para atender quem tenta suicídio.

Prefeito se reúne com vereadores para falar sobre ações de combate à pandemia em Teresina

Através de videoconferência realizada na manhã desta terça-feira (28), o prefeito Firmino Filho se reuniu com os vereadores para apresentar um balanço das ações realizadas pela Prefeitura de Teresina no combate ao Novo Coronavírus. A capital já confirmou 271 casos da COVID-19 e registrou nove óbitos.

Na conferência, os vereadores elogiaram as ações adotadas pela Prefeitura e alguns questionaram o prefeito sobre os estudos para iniciar a flexibilização do isolamento social. Firmino informou que foi criada uma comissão que está discutindo com representantes dos empresários e trabalhadores algumas estratégias para a retomada das atividades econômicas em Teresina. “Precisamos ter total segurança para fazer essa reabertura, que deve ser lenta e gradual”, ressaltou.

Ele informou que está aguardando os resultados de uma pesquisa por amostragem, com testes para a COVID-19, para ter uma noção de como o vírus está atuando na cidade. O prefeito também informou aos vereadores sobre as baixas taxas de isolamento na capital, única medida para conter a disseminação do Novo Coronavírus. “Todos estes dados serão essenciais para alinharmos as nossas decisões, sempre pensando no melhor para o povo teresinense”.

O prefeito falou sobre a importância do diálogo com os vereadores. “Neste momento, precisamos nos unir para buscarmos a melhor forma de preservarmos a vida. Com as medidas certas, poderemos vencer o nosso maior inimigo. Precisamos fazer a nossa parte”, disse durante a videoconferência com os parlamentares.

Prefeito reúne secretariado por videoconferência para avaliar ações de combate ao coronavírus

O prefeito Firmino Filho reuniu a equipe de secretários, executivos, diretores e coordenadores dos órgãos públicos municipais para avaliar as ações de combate ao coronavírus implementadas pela Prefeitura de Teresina. A reunião aconteceu por videoconferência, como vem acontecendo em obediência à orientação de evitar as aglomerações.

O chefe do executivo municipal fez um panorama da situação da pandemia em todo o mundo. “Esse vírus chegou ao Brasil através dos aeroportos internacionais. Hoje, ele deixa um rastro de destruição, onde contabilizamos milhares de casos e centenas de óbitos. Um vírus pelo qual nenhum país do mundo estava com seu sistema de saúde preparado, seja ele público ou privado. O nosso foco é achatarmos essa curva, fazendo com que a gente possa reduzir picos de contágio e, assim, evitar que nossa gente venha a óbito por essa doença”, pontuou.

Durante a reunião, o prefeito pediu empenho dos gestores na realização de ações que venham a contribuir com a prestação de serviços para a população, mesmo em tempo de isolamento social. Ele citou algumas ações que estão sendo realizadas no âmbito da saúde, assistência social e segurança alimentar que estão impactando, sobremaneira, na vida de centenas de teresinenses que estão sendo assistidos pela Prefeitura, através das ações dos mais diversos órgãos.

Os secretários de cada pasta também tiveram a oportunidade de relatar as ações que vem adotando para prestar assistência aos teresinenses. As ações estão sendo executadas em várias áreas, como saúde, assistência social, cultura, esporte, capacitação e incentivo a geração de renda.

Por outro lado, o reforço também foi no pedido de redução de custeio da máquina administrativa, sobretudo nesse período de queda de receitas devido ao desempenho da economia ter ficado prejudicado devido à necessidade de fechamento dos estabelecimentos comerciais que não prestam serviços essenciais. “O que precisamos garantir é a prioridade no pagamento da folha salarial e também os recursos necessários para enfrentarmos essa pandemia. Essa é uma das maiores crises da nossa geração, do mundo. Os impactos econômicos serão grandes, mas nosso trabalho deve ser sempre voltado a preservar vidas. Vamos sair do outro lado mais pobres, mas vivos e fortalecidos para enfrentar o pós pandemia”, finalizou.