Casa da Cultura de Teresina completa 26 anos com programação virtual ressaltando a memória afetiva

Josy Brito, diretora da Casa da Cultura

Desde 17 de março deste ano a Casa da Cultura de Teresina se encontra de portas fechadas devido à pandemia do novo coronavírus que assolou o mundo. O que não significa que a celebração de seu aniversário, neste 12 de agosto, passará em branco. Pelo contrário, o histórico endereço da Rua Rui Barbosa, reduto da arte piauiense há 26 anos, abrirá suas janelas virtuais para compartilhar com todos a data festiva e extravasar a memória afetiva daqueles cujas histórias se entrelaçam à própria história do lugar.

Através das redes sociais, o público poderá acompanhar uma programação especial pensada para o momento que a humanidade atravessa. Desde exposições de pinturas inéditas a depoimentos de funcionários e frequentadores saudosos, além da exibição de curtas realizados no curso de cinema, a Casa da Cultura será, ao alcance de um clique, a casa de cada um. Com o bordão “Entre, a Casa ainda é sua”, o objetivo é tanto comemorar os 26 anos completados, quanto diminuir, na segurança da conectividade, a ausência do contato presencial numa época de distanciamento social.

Na programação que será postada ao longo dia, uma série de vídeos feitos pela comunidade, instrutores de dança, teatro, música, resgatando a importância dessas quase três décadas de incentivo à cultura do estado piauiense. Bem como alguns curtas realizados pelos alunos do Curso de Cinema Pela Lente, apresentação do Balé da Cidade e grupos de capoeira. Fora a estreia da exposição “Corpos”, do artista plástico Gabriel Arcanjo.

A entusiasta diretora da Casa, Josy Brito, evoca a sinergia do grupo que forma a comunidade, interna e externa, da Casa da Cultura. “Essa verve de potência que aqui a gente tem em todos os segmentos. Nós temos um grupo que adora estar aqui, a comunidade que gosta de se fazer presente”. Durante os 168 anos da cidade, Josy reitera que fazer parte desse patrimônio é continuar possibilitando o “encontro entre público, artista e todas as vertentes juntas”, afirma.

O presidente da FMC, Luis Carlos Alves, destaca que o momento ainda é de cuidados e, por conta disso, vários espaços culturais estão se reinventando com fórmulas que reúnem arte, distanciamento e tecnologia. “Através das lives e dos encontros virtuais, a cultura continua se manifestando na nossa cidade porque os nossos artistas, apesar de estarem em casa, não param. Essa é a força da nossa gente”, destaca.

Até ser transformada na Casa da Cultura como hoje conhecemos, no dia 12 de agosto de 1994, o antigo Casarão da Praça Saraiva, além de residência de João do Rego Monteiro, o Barão de Gurgueia, no século XIX, já foi quartel, enfermaria, seminário da Diocese de Teresina, sede do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) e colégio, sendo tombado pelo Departamento do Patrimônio Histórico, Artístico e Natural do Piauí em 1986.

MEMÓRIA AFETIVA

Mantida pela Prefeitura de Teresina por intermédio da Fundação Monsenhor Chaves (FMC), a Casa da Cultura acumula histórias de pessoas que tiveram suas vidas marcadas por todo o trabalho desenvolvido nesses 26 anos de existência. E não somente da parte dos frequentadores, que terminam se tornando assíduos, “de casa”, para não perder o trocadilho – como também dos funcionários. Mesmo aqueles que não trabalham mais por lá.

Caso de Edilene Santos, funcionária da Casa entre 2005 e 2011. “Eu trabalhava ali na administração, mas eu era aquela pessoa muito envolvida com a magia do teatro, da música, da dança, das artes plásticas, do cinema. Vivi bons momentos. Tive a oportunidade de estar perto dos nossos artistas piauienses, construí amizades que até hoje eu encontro e batemos um bom papo”, conta.

Fernando Freitas, instrutor de dança, também possui uma relação com a Casa de muita vivência. “De muito compromisso, muito carinho com todas as pessoas que trabalham nessa Casa e todos que passaram por ela. Queria dizer que, acima de tudo, toda a minha gratidão e todo o meu respeito e meus parabéns pra Casa da Cultura.”

Diretora do balé e instrutora de sapateado, Chica Silva saúda a energia transformadora da Casa. “É um prazer ver a possibilidade que esse lugar tem de nos transformar, criar, desenhar um contexto que é totalmente diferente e possibilitar essa construção de um segmento artístico que é tão importante. Sou grata por fazer parte desse lugar”.

O diretor de teatro Adriano Abreu “reside” há seis anos na Casa com o Coletivo Piauhy Estúdio das Artes. “Nós construímos muitos espetáculos, muitos projetos de sucesso. Aqui residem vários grupos de teatro, de dança, de cinema, de artes visuais. É uma Casa muito importante para cultura do Piauí, pra cultura de Teresina”.

Para o também diretor de teatro Wander Lima, a Casa da Cultura se mistura à sua própria trajetória. “Foi aqui que eu comecei minha história artística e eu tenho certeza que ela também faz parte da vida de muitos teresinenses. A Casa está fazendo 26 anos, é um momento especial para todos nós”.

A memória afetiva proporcionada pela Casa não é vívida apenas naqueles que contribuem no seu dia a dia. O bacharel em Direito e professor de Filosofia  Marcelo Raynã, que foi aluno do curso de cinema ministrado por Monteiro Júnior, tece o fio de suas recordações com o Casarão da Praça Saraiva. “Nem lembro quantas vezes passei diante daquele imponente casarão fincado no coração da cidade. Entre tantas idas e vindas, resolvi entrar. Muitos veem a arte como um objeto. Foi só atravessar os enormes portões de madeira antiga e encarar aquela icônica escadaria para perceber que o objeto na verdade era eu. Um objeto inacabado no interior de uma casa que pulsava, que respirava: um organismo vivo que fala, que dança e que abraça.”

“Cabe a nós enquanto moradores, cidadãos teresinenses, abraçarmos o que a gente tem, cuidarmos do que a gente tem”, defende Moisés Chaves, ator e instrutor de teatro. “A importância da casa é enorme. Então, um exercício de cidadania prazerosa, amorosa com a minha cidade é amar o patrimônio público. Parabéns pra Casa da Cultura de Teresina, como cidadão teresinense que sou, amante da casa. Que ela continue sendo nossa, sua, minha. De todos nós”.

 

Classe artística deve se inscrever para participar de editais da Lei Aldir Blanc

A Lei Aldir Blanc vai destinar recursos para a cultura de Teresina com o objetivo de ajudar artistas que ficaram desamparados neste período de pandemia do novo coronavírus. Para isso, todos que participam da cadeia produtiva dos segmentos artísticos e culturais da capital devem se inscrever, online, no Sistema de Cadastro Cultural (Sicac), que já está disponível neste link.

A partir deste cadastro, a Prefeitura de Teresina, através da Fundação Municipal de Cultura Monselhor Chaves (FMCMC), vai receber os dados que servirão como base para o lançamento de editais que contemplem artistas e espaços culturais da capital. O superintendente da FMCMC, Paulo Dantas, explica que Teresina vai receber R$ 6.555 milhões para investir nestes projetos. “Nós estamos passando por um momento delicado e quem trabalha com cultura foi bastante prejudicado, essa verba vem para ajudar estas pessoas”, afirmou.

Podem realizar o cadastro artistas, produtores, técnicos, curadores, oficineiros e professores de escolas de arte, bem como espaços, grupos e instituições culturais.

Paulo Dantas explica ainda que Teresina ficará responsável pelos editais nas linhas 2 e 3 da Lei. A linha 2 está voltada para espaços artísticos e culturais. Já dentro da linha 3 devem ser realizados editais, chamamentos públicos e prêmios destinados a atividades, produções e capacitações culturais.

A linha 1 da Lei Aldir Blanc fica sob responsabilidade dos estados e prevê que seja concedido auxílio emergencial, com três parcelas de R$ 600 para a classe artística.

Conselheiros Municipais de Cultura tomam posse em Teresina

Fiscalizar e acompanhar os trabalhos realizados na área cultural são algumas das funções dos novos conselheiros municipais de cultura de Teresina, que tomaram posse na manhã desta segunda-feira (22). A solenidade, que oficializou a atuação dos novos membros para o biênio 2020/2022, aconteceu de maneira virtual, com a participação do prefeito Firmino Filho, do secretário da Fundação Monsenhor Chaves, Luis Carlos Alves, artistas, imprensa e convidados.

Para o prefeito Firmino Filho a cidade deve estar preparada para a nova realidade que se desenha a partir da pandemia do novo coronavírus. “É um momento difícil que estamos vivendo, a gente sabe que essa crise vai ter impactos em vários setores, e a cidade precisa estar aberta e preparada para essa nova realidade. No âmbito da cultura, temos que estar atentos aos novos potenciais e novas narrativas”. Ainda segundo ele, a cultura tem muitas iniciativas e o Conselho vem para dar continuidade.

“O Conselho é fundamental, pois são muitas as ações e iniciativas culturais. Que o órgão consiga plantar boas sementes e ao longo do tempo essas sementes possam frutificar”, completou o prefeito.

Foram empossados representantes da sociedade civil, eleitos em fóruns setoriais de cultura e representantes do poder público. Eleita entre os artistas, a representante titular do Teatro e Circo, Thallyta do Monte, realizou um discurso em que frisou a importância dos conselheiros e destacou desafios e missão dos novos membros.

“É fundamental que toda classe artística e sociedade em geral se apropriem do Conselho Municipal de Política Cultural e possam participar por meio de seus representantes. No atual contexto em que vivemos, nós conselheiros temos um grande desafio e uma nobre missão de construir, com a classe artística e poder público, políticas culturais para a nossa cidade, de modo democrático, contemplando todos os segmentos sociais”, afirmou Thallyta.

A principal atuação do Conselho Municipal de Política Cultural de Teresina é a construção do Plano Municipal de Cultura e aplicação no município de Teresina dos recursos da Lei Aldir Blanc, projeto de Lei 1075/2020, que prevê auxílio emergencial para o setor cultural durante a pandemia do novo coronavírus. O Conselho Municipal de Política Cultural de Teresina é um órgão colegiado, de formação igualitária entre o poder público e a sociedade civil, com caráter deliberativo, normativo e consultivo.

Representantes Sociedade Civil

Música
Titular: Micael Cruz Fidelis
Suplente: José Marques da Silva Mendes
Dança
Titular: Samuel Alves Nascimento
Suplente: Francisca das Chagas Silva
Artes Visuais
Titular: Suselaine Cabral da Silva Marinho
Suplente: Marysette Pacheco Alves de Oliveira
Teatro e Circo
Titular: Thallyta Castelo Branco de Vasconcelos
Suplente: Gerson dos Santos Carvalho
Patrimônio Imaterial
Titular: Jairo Gomes Araújo
Suplente: Maria do Carmo Teixeira Veloso
Literatura
Titular: João Henrique de Sousa Vieira
Suplente: Alex Sampaio Nunes
Comissão de Cultura da Ordem dos Advogados do Brasil/SECCIONAL PI – OAB
Titular: Thiago Anastácio Carcará
Suplente: Érico Percy Alcântara de Moraes

Representantes Poder Público

Fundação Monsenhor Chaves – FMC
Titular: Paulo Henrique Sousa Dantas
Suplente: José Afonso de Araújo Lima
Secretaria Municipal de Finanças – SEMF
Titular: José de Arimateia Pereira Silva
Suplente: Nilmar Rubens Mendes Leal
Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas – SEMCASPI
Titular: Elizabeth Nogueira da Silva
Suplente: Maria Guadalupe de Araújo Veloso de Lima Freitas
Secretaria Municipal de Educação – SEMEC
Titular: Ana Vitória de Carvalho Santos
Suplente: Silvana Uchôa de Castro
Secretaria Municipal de Economia Solidária de Teresina – SEMEST
Titular: Lorena Veras Sandes Freitas
Suplente: Reis de Maria B. de Sousa
Secretaria Municipal da Juventude – SEMJUV
Titular: Francisco Herbert Viana Marques
Suplente: Samara de Sousa Brito
Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação – SEMPLAN
Titular: Débora Cardoso Cavalcante
Suplente: João Costa da Silva
Secretaria Municipal de Comunicação Social – SEMCOM
Titular: Francisca Pinto Nievinski
Suplente: Adailton Mendes Silva Júnior
Superintendência de Desenvolvimento Urbano – SDU/Centro Norte
Titular: Rômulo Marques Carvalho
Suplente: Karla Beatriz Andrade de Medeiros Carneiro

Projeto Banda Escola realiza lives educativas para o público

Os alunos do Projeto Banda Escola de Teresina nunca interromperam suas atividades, que agora acontecem por meio de plataformas digitais. Com aulas três vezes por semana, com uma hora de duração cada, eles ainda têm acesso a lives semanais que complementam o conteúdo.

“As aulas agora são ministradas por meio de plataformas online. Dividimos as turmas por naipes e níveis. Os alunos com acesso mais difícil à plataforma, por limitações de internet, damos as instruções via whatsapp”, explica Gustavo Cipriano, coordenador do projeto.

Além disso, aos sábados, são exibidas lives pelo Facebook e YouTube do projeto, às 18 horas, com apresentações de bandas infanto juvenis do próprio Banda Escola em festivais, além de bandas de músicas de renome nacional, com comentários ao vivo de convidados profissionais da área.

Às quartas, há lives pelo Instagram, também às 18h, com temas relacionados aos estudos diários em diferentes instrumentos musicais, como percussão, metais, madeiras, entre outros. O conteúdo também é aberto para o público em geral, que pode acessar em @projetobandaescola.

O projeto Banda Escola é executado pela Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves, no âmbito das unidades escolares do município. Ele promove espaços lúdicos e de criação, sobretudo para jovens e adolescentes que estejam passando por dificuldades na escola e na comunidade, oferecendo-lhes uma nova perspectiva, possibilidades de socialização e o potencial de iniciação profissional em uma carreira artística na área da música.

O projeto cumpre um importante papel social e educativo ao colocar no mercado novos instrumentistas com sólida formação musical, prática e teórica, desempenhando um papel fundamental para a preservação e continuidade da produção cultural das bandas de músicas em várias cidades do estado, além de tirar as crianças de situações de risco e mantê-las ligadas à educação por meio das artes.

Fundação de Cultura divulga selecionados do edital de Capacitação Cultural para Artistas 

No atual cenário de calamidade pública por conta da pandemia da COVID-19, a Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC) divulga a lista de selecionados do edital de Capacitação Cultural para Artistas. Ao todo, foram 1.298 inscrições.

Entre os inscritos, 789 estavam com a documentação correta exigida no edital e 509 com a documentação errada. A comissão selecionou 300 candidatos para receber o auxílio financeiro no valor de R$ 500,00 por participante. De acordo com o superintendente da FMC, Paulo Dantas, a ideia é dar segmento ao edital.

“Nossa intenção é ajudar a classe artística teresinense. Com este edital, tivemos a oportunidade de contemplar 300 pessoas. Agora nosso objetivo é aumentar o leque de ajuda. Estamos vendo todas as possibilidades, para que mais pessoas sejam contempladas”, disse.

A partir de 24 de abril os selecionados pela Comissão de Triagem receberão através do WhatsApp, conforme número cadastrado durante inscrição, o(s) link(s) do(s) vídeo(s) de capacitação marcados na ficha de inscrição. Para o recebimento do auxílio, durante o período de 28 a 30 de abril, os escolhidos deverão, obrigatoriamente, gravar e enviar para o mesmo número que entrou em contato um vídeo com duração máxima de 1 minuto respondendo a seguinte pergunta: “Como essa capacitação contribuiu com sua carreira artística nesse período de quarentena?”.

O edital de capacitação cultural teve inscrições gratuitas e online. “Trouxemos um formato diferente de edital. Não visando apenas consumir a arte daquela pessoa, mas capacitá-la para que ela execute suas funções de maneira mais eficaz e objetiva no sentido de profissionalização”, afirma Paulo Dantas.

Confira aqui os selecionados

 

 

Palácio da Música e Sinfônica de Teresina se mobilizam em prol dos artistas nesta quarentena

O Palácio da Música e a Orquestra Sinfônica de Teresina estão se mobilizando na arrecadação de recursos para a compra de cestas básicas que serão distribuídas para artistas residentes em Teresina que não tenham nenhuma fonte de renda fixa. Os alimentos podem ser entregues no Palácio da Música, localizado à Rua Santa Luzia, nº 1241, Centro, ou em dinheiro via transferência bancária para a conta da Associação dos Amigos da Orquestra Sinfônica de Teresina (AAOST), agência do Banco do Brasil nº 4249-8, conta corrente 16916-1, CNPJ nº 07018687/0001-31.

Para isso, é necessário fazer um cadastro que dará informações necessárias para a entrega das cestas básicas. Neste primeiro momento, a prioridade é ajudar aqueles que não têm nenhuma outra fonte de renda fixa, aqueles que ganham somente sobre sua produção, que está totalmente afetada por causa da quarentena sugerida pela Organização Mundial de Saúde. O cadastro pode ser realizado AQUI.

Os artistas teresinenses estão impossibilitados de atuarem por conta da prevenção contra a disseminação do novo coronavirus, que tem se espalhado rapidamente pelo mundo inteiro.

A COVID-19 é uma doença causada pelo novo coronavírus, identificado pela primeira vez em dezembro de 2019, em Wuhan, na China. Os sintomas mais comuns são febre, cansaço e tosse seca. Alguns pacientes podem ter dores, congestão nasal, corrimento nasal, dor de garganta ou diarreia. Esses sintomas geralmente são leves e começam gradualmente. Algumas pessoas são infectadas, mas não apresentam sintomas e não se sentem mal. A maioria das pessoas (cerca de 80%) se recupera da doença sem precisar de tratamento especial. Uma em cada seis pessoas que recebe COVID-19 fica gravemente doente e desenvolve dificuldade em respirar. As pessoas idosas e as que têm outras condições de saúde como pressão alta, problemas cardíacos ou diabetes, têm maior probabilidade de desenvolver doenças graves. Pessoas com febre, tosse e dificuldade em respirar devem procurar atendimento médico.

FMC tem funcionamento especial e com atendimento virtual a alunos de oficinas

Diante de todas as recomendações da Organização Mundial de Saúde pela proliferação do COVID-19, a cultura em Teresina não para. Com funcionamento voltado para expediente interno e com um plano especial para funcionários, a Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves está trabalhando na elaboração de editais e, apesar de ter cancelado a realização de eventos e oficinas, mantém o atendimento com aulas via internet para alguns alunos.

De acordo com a Fundação Municipal de Saúde (FMS), até o início da tarde da última quarta-feira (18) não existia nenhum caso de COVID-19 confirmado em Teresina. No entanto, várias medidas estão sendo tomadas para prevenção por diversos órgãos da Prefeitura de Teresina. A Fundação Monsenhor Chaves, por exemplo, cancelou todos os eventos que aglomerem pessoas, bem como as oficinas.

“Nosso objetivo fim, que são eventos e oficinas que reúnem pessoas, está bloqueado. No entanto, estamos aproveitando esse tempo para a revisão de diversos editais que serão lançados em breve, mas buscando maneiras de evitar que sejam feitos presencialmente. É uma forma de preservar tanto a população como a nossa equipe”, destaca Paulo Dantas, gerente de promoção cultural.

As ações também estão voltadas para caráter educativo, principalmente nas oficinas. No projeto Banda Escola, que atende mais de 400 jovens, por exemplo, estão sendo reforçadas as ações de higiene para os alunos para que evitem o compartilhamento de instrumentos e que façam a higienização a cada vez que usarem e que procurem sempre locais arejados para o estudo.

“O estudo e a prática da música é algo que tem que ser frequente e nessa época em que as pessoas estão em casa, o instrumento pode ser uma boa companhia. Para que nossos alunos não parem, estamos oferecendo um acompanhamento via internet para que possam tirar dúvidas e peguem exercícios”, destaca Paulo.

 

Fundação de Cultura suspende eventos culturais por tempo indeterminado

Seguindo as recomendações propostas pelo Ministério da Saúde (MS), a Prefeitura de Teresina, por meio da Fundação Monsenhor Chaves (FMC), suspende temporariamente todos os seus eventos e oficinas para evitar aglomerações de pessoas.

Foram suspensos os eventos que acontecem no Palácio da Música, por exemplo, como os Concertos Matinais, que acontecem todos os domingos pela manhã, além das atividades da Orquestra Sinfônica de Teresina.

A medida vem sendo adotada por diversos órgãos para prevenir os riscos de transmissão direta do Covid-19. As datas de retorno das atividades serão informadas à população através do site e das redes sociais da FMC. Nos próximos dias a decisão sobre as suspensões será revista de acordo com a evolução da situação.

“Estamos em um momento no qual são necessários cuidados. É uma forma de amenizar os danos tanto para a população, quanto para os nossos servidores”, afirma o gerente de promoção cultural da FMC, Paulo Dantas.

Algumas precauções são importantes para evitar a propagação da doença e o Ministério da Saúde recomenda ficar atento aos seguintes cuidados:

– Evitar contato próximo com pessoas

– Lavar as mãos frequentemente com água e sabão

– Cobrir nariz e boca sempre que for espirrar ou tossir

– Manter ambientes  bem ventilados

– Não compartilhar objetos de uso pessoal como copos, garrafas e talheres

 

Biblioteca Abdias Neves inaugura novos espaços nesta quinta (12)

Nesta quinta-feira (12) a Biblioteca Municipal Abdias Neves, localizada no prédio da Cenajus, no centro da cidade, abre um novo espaço para reuniões de bibliotecários com a instalação das sedes da Delegacia Regional do CRB3- Conselho Regional de Biblioteconomia- e da Associação dos Bibliotecários do Estado do Piauí. A inauguração acontece dentro da programação do Dia do Bibliotecário, que vai até o dia 14 com bate-papos, mesas redondas e oficinas.

Mantida pela Prefeitura de Teresina por meio da Fundação Monsenhor Chaves, a Biblioteca Municipal Abdias Neves passou por uma reforma com a ampliação dos espaços, melhoria nas instalações e do acervo e conforto dos consulentes, bem como a criação de novos espaços como as salas de reuniões e uma galeria.

A inauguração do novo espaço acontece às 10h com direito a corte de bolo, além de uma programação para brindar o Dia do Bibliotecário. No dia 13, às 18h, acontece no IFPI Campus Central uma mesa redonda com o tema “Repositório Institucional e Visita MEC”, com Sônia Moutinho, Rigoberto Veloso, Edson Cavalcante e Renato Sampaio.

No dia 14, na Praça do bairro Nova Teresina, acontecem diversas atividades dentro do projeto Teresina em Ação, com troca de livros, oficina de restauração de livros, tira dúvida ABNT, bate-papo literário e Ônibus Bibliosesc, bem como pintura de rosto, teatro de bonecos e contação de histórias para as crianças.