Coronavírus: Teresina amplia número de lavatórios públicos para higienização das mãos

Para conter a propagação do coronavírus, a Prefeitura de Teresina ampliou a quantidade de lavatórios públicos espalhados na cidade. Agora, já são 52 equipamentos em funcionamento em todas as regiões da capital. O objetivo é estimular a higienização das mãos, como uma das principais formas de prevenção ao contágio pela Covid-19. A estrutura é equipada com duas pias, torneiras com água corrente, sabão líquido, papel toalha e lixeira.

Os lavatórios são instalados em locais onde há maior circulação de pessoas, especialmente lotéricas, correspondentes bancários e mercados públicos. Na zona Sudeste, foram colocados 16 equipamentos, sendo sete no Mercado do Dirceu I, três no Mercado do Dirceu II, dois no Mercado do Renascença, um no Mercado do Gurupi, e um no Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) Sudeste III.

“Apesar das medidas implantadas e da fiscalização, a zona Sudeste é uma das regiões da cidade que tem registrado as menores taxas de isolamento social. Nesse sentido, os lavatórios se tornam ainda mais necessários, como um lembrete àquelas pessoas de que estão expostos ao risco e que precisam obedecer às recomendações de saúde para sua própria segurança”, ressalta Isaac Meneses, superintendente da SDU Sudeste.

A zona Leste conta com 10 lavatórios localizados na Praça da Morada do Sol, Mercado do Peixe, SDU Leste, Ponte Estaiada e no Hospital de Campanha Padre Pedro Balzi. Na zona Sul, os dez lavatórios foram instalados nos Mercados do Parque Piauí, Piçarra, Vermelha, na SDU Sul e nos cemitérios Santa Cruz e Dom Bosco. Já a zona Norte possui 16 equipamentos nos Mercados do Mafuá, São Joaquim e Central.

Mais de 80% dos óbitos por covid-19 são de pessoas com comorbidades

Levantamento da Fundação Municipal de Saúde (FMS) mostrou que 57 pessoas que vieram a óbito por Covid-19 em Teresina – 86,36% do total – apresentavam algum fator de risco que levaram ao agravamento da infecção. As mais predominantes são as doenças cardiovasculares crônicas, que inclui a hipertensão, presentes em 72% dos casos.

Outras doenças com grande predominância entre os casos de morte por infecção pelo novo Coronavírus foram diabetes, presente em 42,42% das ocorrências; doenças renais, 9,09%; problemas de imunidade, 9,09%; obesidade, 7,58%; e doença pulmonar crônica com 4,55%. “Lembramos da possibilidade que alguns pacientes tenham apresentado mais de uma comorbidade ao mesmo tempo”, ressalta o infectologista Kelsen Eulálio.

Um exemplo de comorbidade que pode estar associada a outras é o diabetes, como explica o infectologista. “Com maior frequência, os diabéticos têm outras alterações metabólicas e comorbidades como obesidade, hipertensão, doenças cardiovasculares, e doença renal crônica. Desta forma, eles se tornam pacientes mais debilitados, com reserva funcional e a capacidade de resposta do organismo diminuída.”, alerta Kelsen Eulálio.

No caso das doenças pulmonares crônicas, bem como entre tabagistas, o médico explica que a redução da função do pulmão torna a pessoa muito mais suscetível ao ataque do novo Coronavírus, que ataca agressivamente este órgão. “Em relação às doenças cardíacas é a mesma situação. O coração funciona de forma reduzida e qualquer sobrecarga prejudica ainda mais”, diz o médico.

Segundo boletim divulgado ontem pela FMS e Sesapi, Teresina já soma 69 óbitos pelo novo Coronavírus, além de apresentar um total de 1.982 casos confirmados. Dados do Painel Covid-19 indicam que a curva da capital segue em ascensão, com um aumento de 87% no período de 24 de abril a 24 de maio de 2020.

FMS mantém ações de combate ao Aedes aegypti e recolhe mais de 26 mil pneus em Teresina

Ascom/ FMS

A Gerência de Zoonoses da Fundação Municipal de Saúde (FMS) recolheu 26.662 pneus em vias públicas e pequenas borracharias, de janeiro a abril. O recolhimento faz parte das ações de prevenção e combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de dengue, zika e chikungunya. Até o dia 25 de maio, Teresina notificou 492 casos de dengue, 53 casos de chikungunya e oito casos de zika.

“A Gerência de Zoonoses da FMS realiza o recolhimento de pneus em ruas e avenidas da cidade e em pequenas borracharias diariamente. Esse trabalho é contínuo e fundamental para evitar a proliferação do Aedes aegypti. O material recolhido é encaminhado para reciclagem. Fazemos também o monitoramento de cemitérios, hortas comunitárias, terrenos e sucatas, onde instalamos armadilhas para o esgotamento de ovos do mosquito. Somente este ano, um total de 205.820 ovos foram recolhidos. São trabalhos que não podem parar, pois apenas em 2019 foram retirados mais de 1,2 milhão de ovos do Aedes nesses locais”, diz Oriana Bezerra.

A prevenção à dengue segue também com as visitas de rotina dos agentes de endemias aos domicílios, em toda a cidade: “A única alteração é que, por medidas de segurança em função do novo Coronavírus, a vistoria está restrita à área externa das residências. Por isso, sugerimos que as pessoas aproveitem o período de distanciamento social e verifiquem suas residências, quintais e jardins, em busca de potenciais criadouros do Aedes”, orienta a gerente.

De acordo com Oriana Bezerra, é importante também vistoriar as áreas de lazer dos edifícios, ralos de banheiros, calhas e marquises, além de providenciar a retirada de qualquer objetivo que possa acumular água e vir a se transformar em criadouro do mosquito.

Alô Saúde realiza mais de 17 mil atendimentos e passa a funcionar aos domingos

Ascom/FMS

O Alô Saúde Teresina, serviço de atendimento por telefone de pessoas com problemas de saúde básicos, passa, a partir desta semana, a atender também aos domingos. Em um mês de funcionamento, já foram realizados 17.135 atendimentos, dos quais 3.839 foram por sintomas relacionados às síndromes gripais. Para ser atendido, basta ligar para 0800 291 0084, das 8h às 20h. (mais…)

UBS Lourival Parente reforça importância do hábito de lavar as mãos

Combinada ao isolamento social, a higiene das mãos é uma das medidas mais eficazes para prevenção da Covid-19. A Unidade Básica de Saúde (UBS) do Lourival Parente, zona Sul, instalou uma pia na entrada da unidade para que todos possam higienizar as mãos antes de entrar e, assim, poder prevenir a disseminação do novo Coronavírus. Todas as unidades de saúde de Teresina estão empenhadas em prevenir a Covid-19.

“É de suma importância a lavagem das mãos com água e sabão, principalmente neste momento de pandemia.  Durante todo o dia nossas mãos são expostas aos mais diversos tipos de bactérias e microrganismos, seja em casa, no trabalho e, principalmente, nas ruas. Por conta disso, uma higienização constante é considerada mais do que essencial”, diz Thiago Ibiapina, coordenador da UBS Lourival Parente.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), o simples ato de lavar as mãos reduz em até 40% o risco de contrair doenças como gripe, diarreia, infecção estomacal, conjuntivite e dor de garganta. É a rotina mais simples e eficaz na prevenção e controle da disseminação de microrganismos e deve ser realizada sempre após tossir, espirrar, mexer com dinheiro, usar o banheiro, limpar o nariz e cumprimentar pessoas.

“Gostei muito na iniciativa da unidade. Estou acostumada a sempre lavar as mãos, imagino que essa limpeza impede muitas infecções”, diz a usuária da UBS do Lourival Parente, Viviane Pinheiro. A UBS Lourival Parente atende em média 50 pessoas por dia, com três Equipes de Saúde da Família.

Odontólogos da FMS são treinados e realizam testes rápidos na população

Mais de 15 equipes de odontologia foram treinadas para realizar testagem rápida para Covid-19 nas áreas que oferecem o serviço, como Unidades Básicas de Saúde (UBS) exclusivas para atendimento de síndromes gripais e alguns órgãos da própria Prefeitura, dentre outros. Com a pandemia do novo Coronavírus, os serviços odontológicos ambulatoriais foram suspensos nas unidades de saúde municipais, atendendo apenas casos de urgência em seis UBS´s.

“Muitos odontólogos também estão ajudando na gestão dos serviços e coordenação de UBS. Temos nove dentistas coordenando Unidades Básicas de Saúde, nove na notificação dos casos de Covid-19, além dos que estão na triagem de pacientes sintomáticos gripais, juntamente com os enfermeiros. Também temos 36 dentistas na recepção/acolhimento administrativo da população no setor do SAME das UBS”, explica Dante Freitas, gerente de Saúde Bucal da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

De acordo com o gerente, a FMS tem 317 dentistas em atividade. “Todos eles estão trabalhando no enfrentamento à Covid-19. Reforçando o trabalho das unidades de saúde e da gestão da FMS, nos atendimentos de urgência e também no Zap Odonto”, explica.

Durante o período de combate à Covid-19, a Atenção Básica Municipal está atendendo apenas casos de urgência na área de saúde bucal, como dor de dente intensa, inchaço bucal, edemas e traumas dentários.

“O ambiente odontológico tem alto risco de exposição ao novo Coronavírus, por isso suspendemos os procedimentos eletivos. Caso haja necessidade de atendimento, antes de se deslocar a uma UBS, o paciente pode ligar para o serviço Zap Odonto, para que o dentista passe as orientações pré-consulta de urgência para amenizar a situação do momento”, comenta Dante Freitas.

O Zap Odonto consiste no atendimento via Whatsapp por meio do número (86) 98179-2576. O serviço funciona de domingo a domingo, nos horários da 7h às 21h. Os pacientes podem buscar esclarecimentos sobre uma possível demanda de urgência odontológica e podem ser encaminhados para o ponto mais próximo de atendimento, caso haja necessidade. Além disso, o dentista pode fazer condutas não farmacológicas de alívio da dor.

Teresina conta com seis Unidades Básicas de Saúde (UBS) para atendimentos odontológicos de urgência: a UBS Alto da Ressurreição (zona Sudeste), UBS Saci (zona Sul) e UBS Buenos Aires (Zona Norte), nos horários de 7h às 21h todos os dias da semana. E as UBS Vale do Gavião (zona Leste), UBS Porto Alegre (zona Sul), UBS Cristo Rei (zona Sul), nos horários de 7h às 18h de segunda a sexta-feira.

Teresina tem 92 novos casos de Covid-19 em um dia e se aproxima dos 2.000 infectados

O boletim epidemiológico de Covid-19 divulgado na quarta-feira (27) registrou a ocorrência de 92 novos casos de infecção pelo novo coronavírus e três mortes causadas pela doença em Teresina, no período de 24 horas. No total, a capital soma 1.982 casos e 69 óbitos desde o início da pandemia de Covid-19.

Dois dos pacientes cujos óbitos foram registrados no boletim epidemiológico eram do sexo masculino: um deles tinha 69 anos, doença pulmonar, residia na zona Sul e estava internado em hospital privado; o outro tinha 71 anos, hipertensão, era residente da zona Sudeste e estava internado no Hospital Getúlio Vargas.

A paciente do sexo feminino faleceu dia 25 de maio, mas só teve a confirmação que foi por Covid-19 nesta quarta-feira (27). Tinha 54 anos, hipertensão e havia sofrido um AVC, residia na zona Norte e estava internada em hospital particular.

Os casos mais graves da doença que levaram a óbito demonstram os dados apontados na sexta etapa da pesquisa de investigação sorológica, que constatou que 68% dos teresinenses que testaram positivo para Covid-19 têm algum tipo de comorbidade. As doenças crônicas mais recorrentes são hipertensão, com 25%; obesidade, com 14%, e diabetes, que aparece em 12% dos entrevistados. O estudo foi encomendado pela Prefeitura de Teresina e realizado entre os dias 22 a 24 de maio, pelo Instituto Opinar.

“A pesquisa traça o perfil da pandemia de Covid-19 em Teresina e revela a necessidade de aumentar a prevenção, sobretudo no caso de pessoas que possuem comorbidades, pelo risco do agravamento da doença. Nossa recomendação é para que as pessoas fiquem em casa o máximo possível e, caso apresentem algum sintoma de Covid-19 – como tosse, dor de garganta e febre – liguem para o Alô Saúde Teresina, por meio do número 0800 291 0084, ou procurem uma das 19 Unidades Básicas de Saúde dedicadas exclusivamente ao atendimento de síndromes gripais”, orienta “Wesllany Santana, do Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COE), da Fundação Municipal de Saúde de Teresina (FMS).

68% dos teresinenses com Covid-19 têm comorbidades, diz pesquisa

Dados da sexta etapa da pesquisa de investigação sorológica, encomendada pela Prefeitura de Teresina e realizada entre os dias 22 a 24 de maio, apontam que 68% dos teresinenses que testaram positivo para Covid-19 têm algum tipo de comorbidade. As doenças crônicas mais recorrentes são hipertensão com 25%, obesidade com 14% e diabetes, que aparece em 12% dos entrevistados.

Outras comorbidades registradas entre os pacientes foram problemas cardíacos (5%), enfisema pulmonar (2%), asma (3%) e lúpus (1%). Além disso, 3% dos testados positivos eram gestantes e 3% já tiveram AVC. Os números são preocupantes porque estes grupos são mais suscetíveis a apresentar sintomas graves da Covid-19, podendo evoluir para complicações ou até mesmo óbito.

“É necessário redobrar os cuidados com a saúde, principalmente aquelas pessoas que fazem parte do grupo de risco. A nossa recomendação e das autoridades de saúde é para seguir as normas de higiene e de distanciamento social a fim de evitar a disseminação desse vírus”, alerta o infectologista Kelsen Eulálio, da Fundação Municipal de Saúde (FMS).

O estudo destacou ainda que os sintomas mais frequentes entre as pessoas testadas positivas para o novo Coronavírus são a dor de cabeça e a ausência de sensação de gosto e cheiro, que aconteceu em 55% e 56% dos casos, respectivamente.

Além disso, 51% dos testados positivos apresentaram febre, 48% tiverem dor no corpo e 43% tiveram coriza. Dor de garganta foi um sintoma sentido por 37% das pessoas infectadas com o vírus nessa fase da pesquisa, assim como a tosse, que alcançou o mesmo percentual; e 35% declararam ter sentido dor nas juntas. A falta de ar, que representa um sintoma grave da Covid-19, foi sentida por 20% desse público.

Iniciada em 16 de abril, a pesquisa sorológica tem por objetivo conhecer a situação da pandemia do Coronavírus na capital. “Cada etapa da pesquisa nos permite traçar o retrato da pandemia de Covid-19 em Teresina e desenvolver as políticas públicas mais efetivas para combater o novo Coronavírus. O nosso objetivo é aperfeiçoar cada vez mais o sistema e beneficiar a comunidade”, ressalta Manoel de Moura Neto, presidente da FMS.

Ele orienta que as pessoas com sintomas de Covid-19 devem procurar uma das 19 Unidades Básicas de Saúde dedicadas exclusivamente ao atendimento de síndromes gripais. Há ainda os hospitais de bairro e as três UPAs para atender casos de urgência. Em caso de dúvidas, elas podem ligar para o Alô Saúde Teresina, por meio do número 0800 291 0084, em que podem receber atendimento de médicos da Estratégia de Saúde da Família.

Pesquisa identifica quase 6 mil pessoas imunes à Covid-19 em Teresina

A sexta etapa da pesquisa de investigação sorológica em Teresina mostrou que 49.998 pessoas já foram infectadas pela Covid-19 na capital. Desse total, 19.833 estão no estado ativo da doença, portanto, podem transmitir o vírus; outras 23.611 estão imunizadas ou desenvolvendo a imunidade; e 5.667 pessoas já estão imunes à doença. A sondagem revelou ainda que a quantidade de positivados é 40 vezes maior que os 1.260 casos confirmados oficialmente no domingo anterior à pesquisa.

Segundo o prefeito Firmino Filho, desde a quarta etapa da sondagem estão sendo realizados testes que distinguem os dois tipos de anticorpos para o vírus: o IgM e o IgG. “Os anticorpos IgM indicam infecção na fase ativa, recente. Já os anticorpos IgG também são uma resposta ao vírus, porém atuam na fase mais tardia da infecção, indicando já uma possível imunidade instalada contra o vírus. Inicialmente, eram realizados testes rápidos que detectavam os anticorpos totais das pessoas. Mas, passamos a realizar também os testes que fazem essa diferenciação das pessoas que estão infectantes das que foram infectadas há mais tempo, não transmitem mais o vírus e já tem uma defesa instalada. E esses dados são muito importantes e nos dão mais clareza sobre a situação do vírus na cidade e para a nossa tomada de decisões no enfrentamento à doença”, explicou.

Por meio da pesquisa, realizada em parceria com Instituo Opinar, é possível afirmar também que o vírus já está em toda a cidade, sem diferenciação de regiões. Nesta etapa, o número maior de casos está na zona Norte, com 35%. A zona Sul aparece em seguida, com 28%. A zona Sudeste permanece com 23% dos positivados e a zona Leste segue com o menor percentual, de 15%. “Isso mostra a evolução da doença, que iniciou pela zona Leste, depois seguiu para a Sudeste, e ficou por um tempo com a zona Sul apresentando os maiores índices de positivados. E agora, cresce bastante o número de casos pela zona Norte”, informou.

Quanto à faixa etária, a pesquisa mostra que já não há tanta diferença de contaminação entre as idades, com percentuais variando entre 15% e 18%.  O maior percentual está entre as idades de 15 a 24 anos e 35 a 44 anos, sendo de 18%.  Em seguida aparecem as pessoas com idade entre 25 e 34 anos, representando 17 % dos casos.  Na faixa de idade entre 45 e 54 anos o índice de positivados está em 16%. Já o número de casos entre crianças e adolescentes com idade entre 0 e 14 anos está em 11%. “A população maior de 70 anos na cidade corresponde a 3%  e o número de positivados chega a 5%. Isso é preocupante. A vida dos nossos idosos continua sendo colocada em risco”, lembrou Firmino.

Sobre a taxa de propagação do novo Coronavírus em Teresina, esta etapa da pesquisa apresentou crescimento e está em 1,89. “Em relação à taxa de reprodução do vírus, o conceito denominado de R0 (R-zero), que corresponde ao número médio de contágio causado por cada pessoa, houve crescimento considerável. A média mundial varia entre 2% e 2,5%, segundo a Organização Mundial de Saúde, e o ideal, que nos garante uma segurança para a flexibilização na quarentena, é que esta taxa esteja menor do que 1. Portanto, precisamos perseverar, fortalecer as medidas preventivas e volto a afirmar que a nossa grande arma continua sendo o isolamento social”, destacou o prefeito Firmino Filho.

A pesquisa leva em consideração uma população estimada em 864.845 habitantes em Teresina.  Os números da sondagem são baseados pelos índices positivos dos testes para Covid-19, e são levadas em consideração comorbidades ou doenças prévias, além do quadro atual de saúde do entrevistado. Também são apresentadas as características demográficas coletadas. A última etapa da sondagem aconteceu entre os dias 22 e 24 de maio.

Confira AQUI os dados da pesquisa.