Coronavírus: Teresina amplia número de lavatórios públicos para higienização das mãos

Para conter a propagação do coronavírus, a Prefeitura de Teresina ampliou a quantidade de lavatórios públicos espalhados na cidade. Agora, já são 52 equipamentos em funcionamento em todas as regiões da capital. O objetivo é estimular a higienização das mãos, como uma das principais formas de prevenção ao contágio pela Covid-19. A estrutura é equipada com duas pias, torneiras com água corrente, sabão líquido, papel toalha e lixeira.

Os lavatórios são instalados em locais onde há maior circulação de pessoas, especialmente lotéricas, correspondentes bancários e mercados públicos. Na zona Sudeste, foram colocados 16 equipamentos, sendo sete no Mercado do Dirceu I, três no Mercado do Dirceu II, dois no Mercado do Renascença, um no Mercado do Gurupi, e um no Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) Sudeste III.

“Apesar das medidas implantadas e da fiscalização, a zona Sudeste é uma das regiões da cidade que tem registrado as menores taxas de isolamento social. Nesse sentido, os lavatórios se tornam ainda mais necessários, como um lembrete àquelas pessoas de que estão expostos ao risco e que precisam obedecer às recomendações de saúde para sua própria segurança”, ressalta Isaac Meneses, superintendente da SDU Sudeste.

A zona Leste conta com 10 lavatórios localizados na Praça da Morada do Sol, Mercado do Peixe, SDU Leste, Ponte Estaiada e no Hospital de Campanha Padre Pedro Balzi. Na zona Sul, os dez lavatórios foram instalados nos Mercados do Parque Piauí, Piçarra, Vermelha, na SDU Sul e nos cemitérios Santa Cruz e Dom Bosco. Já a zona Norte possui 16 equipamentos nos Mercados do Mafuá, São Joaquim e Central.

Hospital do Promorar promove concurso educativo sobre higienização das mãos

Ascom/FMS

A higienização das mãos é uma medida simples que pode evitar diversas doenças. Com o intuito de conscientizar os profissionais de saúde sobre a importância da medida, o Núcleo de Segurança do Paciente (NSP) do Hospital e UPA do Promorar promoveu um concurso cuja premiação foi hoje (21) durante as atividades da Semana de Enfermagem do local.

A Semana de Enfermagem do Hospital do Promorar  iniciou ontem (20) com atividades relaxantes para os profissionais de Enfermagem (enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem) e contou hoje (21) com uma palestra sobre Segurança do Paciente. O objetivo é sensibilizar para o processo de melhoria na qualidade do cuidado da saúde, a partir da gestão de risco e incidentes no serviço, qualificando os profissionais para investigar e minimizar estes problemas, promovendo assim uma maior segurança do paciente que venha a ser atendido nos hospitais.

Como explica a coordenadora do NSP, Raquel Rodrigues, a ação é a conclusão de uma série de treinamentos in loco em cada setor do hospital, orientando cada profissional sobre as técnicas adequadas de higienização das mãos. “Podemos evitar a maior parte das infecções hospitalares relacionadas à assistência com essa medida aparentemente simples, que é a higienização adequada”, disse. “Para contribuir e colaborar com isso a gente estimulou os profissionais a fazerem um vídeo sobre o tema valendo uma quantia simbólica como prêmio e aberta a todos os profissionais”, afirmou a enfermeira.

A vencedora do concurso foi a técnica de Enfermagem Raíza Silva, que produziu uma paródia descontraída com letra educativa. “Eu me surpreendi com essa temática e pensei ‘se é para fazer bem feito, vamos divulgar de uma maneira impactante’, então, pensei em uma forma que chamasse atenção das pessoas e de uma maneira que também fixasse na mente”, relatou.

“A higienização das mãos, que pode ser dividida em fricção com o álcool ou lavagem, é de extrema importância no serviço de saúde e fora, e previne tanto a infecção do paciente como a do profissional, que seria a infecção cruzada. E com essa campanha podemos disseminar a ideia”, comentou Raíza Silva.

É função do Núcleo de Segurança do Paciente promover a articulação dos processos de trabalho e das informações que impactem nos riscos ao paciente, além de articular com diferentes áreas intrahospitalares que trabalhem com riscos na instituição de saúde, considerando o paciente como sujeito e objetivo final do cuidado em saúde. O paciente precisa estar seguro, independente do processo de cuidado a que ele está submetido.