Obesidade é identificada em 12% dos infectados pela COVID-19

Dentre os fatores de risco para o agravamento da COVID-19, a obesidade tem se mostrado um dos mais predominantes. A sétima fase da pesquisa sorológica realizada pela Prefeitura de Teresina revelou que este já é o terceiro fator de risco predominante entre as pessoas diagnosticadas com a doença, com uma ocorrência de 12%.

Os dados se refletem nos números de atendimento das Unidades Básicas de Saúde (UBS), onde o problema também ocupa o terceiro lugar entre os fatores de risco mais presentes. Dados da Diretoria de Atenção Básica da Fundação Municipal de Saúde (FMS) mostram que, entre os casos de síndromes gripais já atendidos pelas UBS, 330 foram com pessoas obesas, o que corresponde a 3,8%. Entre os óbitos já notificados na capital, a obesidade ocupa o quarto lugar entre as comorbidades mais registradas, e esteve presente em 8% dos pacientes que faleceram por COVID-19.

A obesidade caracteriza-se pelo índice de massa corporal (relação entre o peso e a altura do paciente) acima de 35. Um dos fatores que contribuem para o agravamento da COVID-19 em pessoas com esta condição é que, como explica o infectologista da FMS, Kelsen Eulálio, a obesidade severa pode afetar os pulmões, o que faz o paciente ter dificuldade para respirar normalmente, ou mesmo sofrer apneia do sono e problemas de oxigenação.

Além disso, a obesidade, por si só, causa um estado de inflamação crônica no corpo. “Esta condição afeta o funcionamento das células e de suas superfícies, que interrompem sua função natural de barreira protetora e facilitam o ataque de vírus como o coronavírus”, explica Kelsen Eulálio. “O excesso de peso tem efeitos negativos no sistema imunológico, como a diminuição da produção de proteínas vitais para defender o corpo contra possíveis infecções”, alerta o infectologista.

O infectologista ressalta ainda que a obesidade geralmente está por trás de muitas das condições pré-existentes que foram definidas como de alto risco para a possível disseminação do coronavírus. “Trata-se de um fator conhecido para o desenvolvimento de hipertensão e doenças cardiovasculares. Ao mesmo tempo, alguns estudos sugerem que pessoas obesas têm três vezes mais risco de ter diabetes”, explica Kelsen Eulálio.

Por isso, ele ressalta que todas as pessoas precisam cuidar da sua saúde nesse momento de pandemia, principalmente as que fazem parte do grupo de risco. “É preciso manter boa alimentação, hidratação e fazer exercício físico dentro das suas próprias casas, além de seguir as normas recomendadas pelo Ministério da Saúde para evitar proliferação do Coronavírus”.

A FMS orienta que as pessoas com sintomas de Covid-19 devem procurar uma das 19 Unidades Básicas de Saúde dedicadas exclusivamente ao atendimento de síndromes gripais. Há ainda os hospitais do município e as três UPAs para atender casos de urgência. Em caso de dúvidas, elas podem ligar para o Alô Saúde Teresina, por meio do número 0800 291 0084, em que podem receber atendimento de médicos da Estratégia de Saúde da Família.

Covid-19: 2.157 infectados e 82 mortes em Teresina

Teresina acumulou, nas últimas 24 horas, mais 90 novos casos de pessoas infectadas com o novo Coronavírus e sete óbitos causados pela doença. Segundo dados do boletim epidemiológico de Covid-19, a capital já totaliza 82 mortes e 2.157 pessoas infectadas pelo vírus. Os números foram divulgados pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) e pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi) nesta sexta-feira (29).

Constam no boletim, óbitos de seis pacientes do sexo masculino. Um tinha 58 anos, com diabetes melitus e hipertensão arterial, residente na zona Sudeste, que estava internado em hospital privado; outro tinha 66 anos, era hipertenso, morava na zona Leste e estava internado no Hospital Getúlio Vargas; outro, tinha 70 anos, sem comorbidades, residia na zona Sul e estava internado no HUT. O quarto paciente tinha 87 anos, havia sofrido AVC isquêmico, morava na zona Sul e estava internado no Hospital de Urgência de Teresina. O quinto tinha 83 anos, Alzheimer, era residente na zona Norte e estava internado no Hospital da Primavera.

O boletim noticiou também a morte de duas pacientes do sexo feminino: uma, de 85 anos, tinha diabetes e imunodependência, morava na zona Sul e estava internada no Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela; e a outra tinha 69 anos, hipertensão arterial sistêmica, residia na zona Norte e estava internada em hospital da rede particular.

Enquanto o número de casos cresce de forma significativa, aumenta também o percentual de ocupação de leitos de UTI, destinados para os pacientes que desenvolvem o estágio mais grave da doença. Os dados da FMS apontam uma taxa de ocupação de mais de 74% dos leitos de UTI destinados exclusivamente para a Covid-19. Por outro lado, os índices de isolamento social tem caído nos últimos dias, chegando a ficar inferiores a 45%.

Estudo traça perfil de infectados com novo Coronavírus em Teresina

Dados da quarta etapa da pesquisa de investigação sorológica, encomendada pela Prefeitura de Teresina ao Instituto Opinar e realizada entre os dias 08 e 10 de maio, apontam o perfil das pessoas que testaram positivo para Covid-19. O estudo verificou que cerca de 16% tinha hipertensão, 11% eram obesos e 7% tinham diabetes. Pessoas com outras comorbidades como asma, doença cardíaca ou que tiveram AVC representaram 2% do total de casos positivos, cada.

A sondagem destaca também que, dentre as pessoas testadas positivas para Covid-19, a maioria (64%) apresentou dor de cabeça, 48% teve febre e dor no corpo, 43% coriza, 36% dor de garganta e dor nas juntas, 13% declarou não sentir gosto ou cheiro dos alimentos e 8% apresentou tosse. A falta de ar, que representa um sintoma grave da Covid-19, foi sentida por 20% desse público.

De acordo com o presidente da Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina, Manoel de Moura Neto, a pesquisa sorológica pretende conhecer a situação da pandemia do Coronavírus na capital. “É dessa forma que iremos traçar o retrato da pandemia de Covid-19 em Teresina e certamente os resultados contribuirão para a criação de políticas públicas mais efetivas nessa área. O nosso intuito é aperfeiçoar cada vez mais o sistema e beneficiar a comunidade”, ressalta.

O médico infectologista da FMS, Kelsen Eulálio, alerta que pessoas com doenças crônicas são mais suscetíveis a apresentar sintomas graves da Covid-19, podendo evoluir para complicações ou até mesmo óbito: “As pessoas precisam redobrar os cuidados com a saúde, principalmente aquelas que fazem parte do grupo de risco. A recomendação do Ministério da Saúde é também seguir as normas de higiene e de distanciamento social para evitar proliferação desse vírus”.

Levantamento feito pela Fundação Municipal de Saúde, junto ao e-SUS, apontou que Teresina possui mais de 171 mil pessoas com doenças crônicas e que estão no grupo considerado de risco para a Covid-19. São pessoas que já recebem os acompanhamentos das equipes de atenção básica. A maior parte delas são hipertensos (87.693), diabéticos (29.325), acamados (21.465) e 12.492 pessoas com doenças respiratórias crônicas. Além disso, tem outros 9.486 pacientes com doenças cardíacas crônicas, 7.556 doentes renais crônicos e 3.191 que tem ou tiveram câncer. Além desses, outras 70.481 pessoas são idosas e 8.781 gestantes.

Isolamento social evitou morte de pelo menos 600 pessoas em Teresina, diz matemático

Pelo menos 600 pessoas poderiam ter morrido em Teresina por causa da Covid-19 se a Prefeitura não tivesse adotado o isolamento social de forma precoce. Caso os moradores estivessem circulando normalmente pela cidade, sem nenhuma medida restritiva, o total de infectados chegaria a 100 mil. Os cálculos são do professor doutor em Matemática, Jefferson Leite, com base nos registros oficiais de mortes e casos notificados.

Como não há testes suficientes para toda a população, os órgãos de saúde acreditam que os casos notificados na cidade não correspondem à realidade. Prova disso, é que um levantamento de investigação sorológica, com testes para a Covid-19, encomendado pela Prefeitura de Teresina, apontou que para cada uma pessoa infectada na cidade, existem outras 62 não notificadas.

A pesquisa evidencia que existe uma relação entre o crescimento exponencial dos infectados e a necessidade do isolamento social no combate à Covid-19, como adiantou o professor Jeferson Leite, que é doutor em Matemática Aplicada com ênfase em Modelos Matemáticos em Epidemiologia.

“O número de casos depende do percentual de isolamento que a cidade consegue atingir.  Segundo as projeções matemáticas, se o índice de isolamento social se mantiver na média de 55%, teremos cerca de 4,2 mil pessoas infectadas com a Covid-19. Se a taxa chegar em 60%, o número cai para 3,7 mil casos, podendo ficar em 2,8 mil casos se o percentual chegar a 70%”, frisou Jefferson Leite.

Considerando estas projeções, as estratégias adotadas pela Prefeitura foram decisivas para barrar o crescimento exponencial do novo coronavírus. Teresina iniciou as medidas restritivas junto com outros estados como São Paulo e Ceará, mas na curva epidemiológica, a capital saiu na frente com uma semana de antecedência, o que resultou em uma situação melhor do que outras cidades brasileiras. Segundo os dados do Ministério da Saúde, Teresina tem a menor curva de evolução dos casos do novo coronavírus entre as capitais do Nordeste, ao lado de Salvador (BA).

Mesmo com o cenário positivo, o prefeito Firmino Filho faz um alerta: “Encerramos o mês de abril com uma grande queda no índice de isolamento social em Teresina, quando registramos, no dia 30, que apenas 43% das pessoas ficaram em casa. Isso mostra que a população começa a sentir uma falsa segurança em relação à doença e passa a descumprir as recomendações estabelecidas pelas autoridades. É preciso agir com responsabilidade e, se for preciso, endurecer ainda mais as medidas para cuidar da vida das pessoas e minimizar os danos decorrentes do coronavírus”, disse.

Em um mês, o número de casos confirmados de Covid-19 em Teresina passou de 19 para 485. Esse aumento representa um percentual de 2.453% entre os meses de maio e abril. Da mesma forma, o número de mortes causadas pela doença passou de 02 para 14, um acréscimo de 600%.

Desde o dia 17 de maio, a Prefeitura de Teresina estabeleceu as primeiras medidas restritivas com o objetivo de conter o avanço do vírus na capital, quando foram decretadas a suspensão das aulas nas escolas públicas municipais, dos eventos culturais, eventos esportivos ou qualquer outro evento que gere aglomeração de pessoas em ambientes fechados ou abertos. Nas semanas seguintes, um novo decreto estabeleceu o fechamento do comércio e da indústria, mantendo abertos apenas alguns estabelecimentos que prestam serviços essenciais à população, como padarias, farmácias, supermercados, postos de gasolina, bancos e lotéricas.

Em live, prefeito traça perfil dos infectados pela Covid-19 em Teresina

A maioria dos infectados com o novo coronavírus em Teresina são jovens, com idade entre 15 e 34 anos. A constatação foi feita a partir da pesquisa de sondagem sorológica feita pelo Instituto Opinar, a pedido da Prefeitura de Teresina. O perfil foi traçado pelo estatístico Rodrigo Melo e pelo virologista Marcelo Adriano durante live nas redes sociais com o prefeito Firmino Filho na tarde deste sábado (02).

Durante a live, foram apresentados todos os pontos do levantamento que apontou que Teresina deve ter cerca de 7.600 pessoas infectadas com o novo coronavírus. Ao analisar os dados, os especialistas constataram ainda que, na faixa etária de 0 a 14 anos, apesar de representar 22% da população da capital, o percentual de infectados era zero. “O que podemos observar é que essa faixa etária é mais controlada pelos pais e, como teve a suspensão das aulas, eles ficaram mais protegidos de serem infectados. Apesar disso, eles são importantes vetores de transmissão. Por outro lado, os jovens na faixa de 15 a 34 anos, que representam 39% da população, concentram 54% dos casos positivos”, pontuou o virologista Marcelo Adriano.

A maioria dos casos positivados na pesquisa foi de pessoas que residem na zona Leste da capital. Apesar deles representarem apenas 19% da população, 38% atestaram positivo para a doença. A zona Norte concentra 29% da população da capital, mas registrou apenas 15% dos casos. “Encomendamos essa pesquisa para traçar esse perfil e sabermos o comportamento do vírus em Teresina. Ela foi feita em duas etapas (16 a 19 abril e 24 a 26 de abril), testando 900 pessoas em cada etapa. Os números, além de traçar o perfil, revela que temos ainda muita subnotificação e isso também vai nortear as ações que deveremos adotar para garantir o isolamento social e, assim, reduzirmos a velocidade de propagação do vírus, podendo salvar vidas”, pontuou o prefeito.

Marcelo Adriano explicou ainda que uma pessoa pode transmitir o vírus para outras 2,5 pessoas, em um intervalo de 14 dias. “Tivemos as pesquisas feitas em um intervalo de sete dias, de uma para outra. Isso aumentaria em 125% o número de casos e o aumento que tivemos foi de cerca de 60%. Ou seja, as medidas de isolamento adotadas foram eficazes para que não tivéssemos alcançado um número grande de infectados”, explicou.

Segundo o estatístico Rodrigo Melo, o levantamento apontou ainda que 31% dos casos positivos foram detectados entre profissionais com carteira assinada e funcionários públicos. “Entre os empresários, autônomos e profissionais liberais, o percentual ficou em 38%, já os estudantes, aposentados e trabalhadores do lar confirmaram 15% dos positivos, enquanto desempregados contabilizaram também 15% dos positivados”, pontuou.

Outro dado importante da pesquisa é sobre o índice dos pesquisados que possuíam alguma doença pré-existente. O levantamento apontou que 15% deles eram hipertensos, 15% obesos e 8% eram pacientes asmáticos.

Entre os positivos, 77% deles afirmaram sentir dores de cabeça, 62% relataram dores de garganta, 54% dor no corpo, 46% febre, coriza e dor nas juntas e outros 23% sentiram falta de ar. O percentual é superior a 100% porque algumas pessoas relataram sentir mais de um sintoma da doença.

O prefeito Firmino Filho finalizou destacando que as pesquisas por amostragem já estão sendo adotadas em outras cidades do Brasil e do mundo, como um norteador para as ações a serem executadas e afirmou que outras etapas da pesquisa já começaram a ser feitas em Teresina e os resultados serão apresentados tão logo sejam finalizadas.