Teresina registra redução nas internações por síndromes respiratórias

Teresina apresentou, pela segunda semana consecutiva, uma queda no número de internações por síndrome respiratória aguda grave (SRAG), que são infecções respiratórias graves causadas por diversos agentes, entre eles o novo coronavírus. No mesmo período, houve também redução no número de pessoas atendidas por síndromes gripais. Os dados podem sinalizar uma possível regressão da Covid-19 em Teresina.

De acordo com o Painel de Dados Covid-19 da Fundação Municipal de Saúde (FMS), que contabiliza atendimento na rede pública e privada, a redução nas internações por SRAG pode ser percebida a partir da semana epidemiológica iniciada no dia 28 de junho. “De 766 internações registradas na semana epidemiológica 26, o número caiu para 742 na semana 27 e 691 na semana 28, que se encerrou no último dia 11 de julho. Isso representa uma queda de 3% e 7% respectivamente”, aponta Câncio Júnior, diretor técnico da Empresa Teresinense de Processamento de Dados (Prodater).

Fenômeno semelhante de queda foi observado no quantitativo de atendimentos por síndromes gripais. “Observamos um decréscimo de 7% entre as semanas 26 e 27, e outro de 21% entre as semanas 27 e 28”, afirma Câncio Júnior. No mês de junho Teresina chegou a picos de 3.303 atendimentos diários. Agora, o gráfico mostra uma média de 2.480 atendimentos por dia na primeira metade do mês de julho.

Para o infectologista Kelsen Eulálio, membro do Comitê de Operações Emergenciais da FMS, esta alteração na curva pode ser um sinal de uma possível regressão da Covid-19 em Teresina. “No município, o número de atendimentos de casos de síndrome gripal apresentou tendência crescente até metade da última semana de junho, passando a diminuir a partir desse período. Os casos de SRAG também apresentaram tendência de queda a partir do início de julho, o que parece ser um indicativo de que ultrapassamos o pico da curva epidêmica em Teresina”, avalia o médico.

Os dados se relacionam com os resultados mais recentes da pesquisa sorológica que tem sido realizada semanalmente pela Prefeitura de Teresina. A 12ª etapa revelou uma queda na taxa de contágio, que atualmente está em 0,72. Além disso, foi atestado que o número de casos positivados para a doença diminuiu 6% em relação à etapa anterior: foram 156.623 confirmados, contra 167.175 casos na semana anterior.

Diante do cenário atual da pandemia, a Prefeitura de Teresina está tomando medidas no sentido de manter os índices de isolamento social e contribuir para a diminuição das taxas relacionadas ao novo coronavírus, como a restrição de atividades durante os fins de semana e da circulação de veículos no centro da cidade, reduzindo assim a possibilidade de formação de aglomerações.

FMS promove treinamento sobre o manejo de oxigênio do paciente com Covid-19

Foto: Ascom FMS

Na internação por Covid-19, o controle da absorção do oxigênio pelo corpo, por meio de aparelhos ou mesmo pela mudança de posição do paciente, pode promover uma evolução considerável no quadro de saúde. Por isso, o Hospital de Campanha Pedro Balzi, vinculado à Fundação Municipal de Saúde (FMS), está promovendo um treinamento para seus servidores sobre técnicas que facilitam esse processo. A ação começou hoje (08) e segue até sexta-feira (10), no próprio hospital, nos horários de 9h, 15h e 21h.

O treinamento aborda dois temas principais. Um deles é a oxigenoterapia, que é quando o paciente é levado a respirar uma quantidade maior de oxigênio do que a existente no ar. “É comum que os pacientes com Covid-19 evoluam para quadros de insuficiência respiratória, que é quando ficam com uma quantidade de oxigênio no sangue muito baixa. Uma estratégia terapêutica adotadas para corrigir essa insuficiência é a oferta de oxigênio”, explica o fisioterapeuta Saulo Carvalho.

Essa suplementação do gás é feita por diversas maneiras, como o uso de máscaras, cateter nasal, ou mesmo através da ventilação mecânica por meio de respiradores. “Nós esclarecemos quais as técnicas recomendadas para pacientes com Covid-19, de acordo com a natureza da doença, bem como das demandas individuais de cada caso, de forma a não ofertar oxigênio de forma reduzida nem excessiva”, afirma o fisioterapeuta.

Durante a ação, os profissionais de saúde também serão orientados sobre os benefícios da posição prona – que é quando os pacientes são posicionados de barriga para baixo – no tratamento da infecção pelo novo coronavírus. Saulo explica que isso acontece porque a posição favorece a interação entre o oxigênio fornecido pelo respirador e o sangue que chega aos pulmões do paciente. “Muitos deles têm um problema que a gente chama de distúrbio da relação ventilação perfusão, quando o ar e o sangue vão para áreas diferentes do pulmão, impossibilitando o contato e a troca gasosa, que é fundamental para o corpo. Além disso, quando posicionamos o paciente de barriga para cima o pulmão pode ser comprimido pelo peso de outros órgãos, o que não acontece na posição prona, quando o pulmão fica ‘em cima’ e facilita a troca”.

O fisioterapeuta ressalta que estes protocolos, quando feitos corretamente e de forma precoce, evitam complicações como a intubação de pacientes, pois uma melhor respiração leva a uma resposta rápida do organismo à doença.

O curso é aberto para toda a equipe multidisciplinar que atua no Hospital de Campanha Pedro Balzi: médicos, fisioterapeutas, enfermeiros e técnicos de enfermagem, com várias opções de horários para contemplar os diferentes turnos de plantões. “A gente elaborou um cronograma de capacitação para a equipe, com o objetivo de melhorar a assistência ao paciente e a qualificação do profissional para o atendimento específico dos pacientes de Covid-19”, diz a diretora Gina Nogueira.

 

HUT registra queda em cirurgias e vítimas de acidentes de trânsito durante a Semana Santa

O Hospital de Urgência de Teresina (HUT) registrou uma queda de 22% na quantidade de cirurgias e de 33% na entrada de vítimas de acidentes de trânsito, durante a Semana Santa. A variação está diretamente relacionada às medidas de distanciamento social orientadas por autoridades de saúde, devido à pandemia de Covid-19.

Em relação ao número de cirurgias, foram realizados 114 procedimentos durante a Semana Santa deste ano. No mesmo período do ano passado, foram 146. Já sobre a entrada de vítimas de acidentes, o HUT contabiliza 82 registros este ano. Na Semana Santa de 2019, foram 123 pessoas atendidas por este motivo.

Realizado pelo setor de Estatística do HUT, o levantamento avalia os registros na unidade de saúde entre a última quinta-feira (9) até às 8h da manhã desta segunda (13) e compara com o mesmo período do ano passado.

“Os números deixam claro a eficiência do distanciamento social em um momento de pandemia e nos dá folga para planejar as ações voltadas para pacientes com Covid-19, caso o HUT venha a recebê-los”, avalia o diretor geral, Rodrigo Martins, que também destaca queda de 22% na quantidade de atendimentos.

Agressões físicas e internações

Na Semana Santa, o HUT também registrou queda na quantidade de vítimas por agressão física em 12% e diminuição de 21% no número de internações na unidade de saúde. “Vale ressaltar que ainda continuamos com nossos leitos de UTIs todos ocupados com pacientes. Portanto, é necessário continuar seguindo o isolamento social”, afirma Rodrigo Martins.

Teresina é pioneira ao implantar leitos para internação de pessoas com risco de suicídio

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) iniciou a implantação de oito novos leitos psiquiátricos no Hospital da Primavera, zona norte de Teresina, destinados, prioritariamente, à internação de pessoas com alto risco para suicídio. A adequação do espaço, prevista para ser concluída em 70 dias, fará de Teresina a capital pioneira no Brasil a implantar leitos específicos para esse cuidado. O dado foi divulgado pela Gerência de Saúde Mental, após pesquisa junto às outras capitais brasileiras.

O presidente da FMS, Charles Silveira, afirma que a ação vai beneficiar a população que está em sofrimento mental. “Nesse momento, estamos fortalecendo essa rede de assistência. Nos próximos dias iremos expandir o PROVIDA, ambulatório que atende quem tentou suicídio, e inaugurar o novo CAPS da zona Sudeste. Ainda queremos conscientizar a população de que todos, com conhecimento e atitude acolhedora, podem contribuir com a prevenção do suicídio”, afirmou o gestor.

Para ter acesso aos leitos psiquiátricos do Hospital da Primavera, a pessoa deverá estar em situação de urgência psiquiátrica, como tentativa de suicídio, e ser atendida em hospitais públicos de Teresina. “Nesses casos, se houver necessidade, os médicos desses locais poderão solicitar a transferência do paciente para ser internado no Hospital da Primavera e receber cuidados mais intensivos antes de ter alta médica”, explica a gerente de saúde mental da FMS, Luanna Bueno.

O suicídio é um grave problema de saúde pública, que pode ocorrer por vários fatores e, segundo a Organização Mundial de Saúde, 90% dos casos estão atrelados a transtornos mentais. “É preciso discutir e quebrar tabus, porque não falar sobre suicídio é tão nocivo quanto falar de maneira errada. A gente não pode divulgar casos isolados, mas pode falar sobre doenças mentais e onde buscar tratamento. Temos uma rede extensa que presta esse tipo de serviço”, finaliza Luanna Bueno.

Conheça a atual rede de assistência à saúde mental da FMS:

PROVIDA  – ambulatório especializado que atende especificamente pessoas que tentaram suicídio e que fica localizado dentro do Centro de Saúde Lineu Araújo. O local funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e atende por demanda espontânea.

Sete Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) – atendem pessoas com transtornos mentais severos e possuem equipe composta por psiquiatra, psicólogo, enfermeiro, terapeuta ocupacional, assistente social e equipe de apoio. Nestes locais, são realizadas atividades em grupo, atendimentos individuais, oficinas terapêuticas e atendimento à família.

90 Unidades Básicas de Saúde – podem atender casos de transtornos mentais leves e possuem médicos e enfermeiros capacitados para esse tipo de atendimento. Se houver necessidade, na própria Unidade a pessoa faz a marcação para se consultar com psicólogos e psiquiatras nos ambulatórios espalhados em Teresina.

SAMU 192 – Em caso de urgência psiquiátrica, como surto psicótico ou tentativa de suicídio, a população pode acionar o SAMU, por meio do número gratuito 192 ou ir por meios próprios para o Hospital Areolino de Abreu, que possui psiquiatras 24 horas e é o hospital referência em atendimento de urgência psiquiátrica. Outra opção é se dirigir aos CAPS.

ONGs:  Centro de Valorização da Vida (CVV) – telefone 188; Centro Débora Mesquita (CDM) – telefone: (86)99827-3343/ 98894-5742;  e Grupo Apoio Contato e Esperança (GRACE) – telefone: (86)3237-0077/3237-0202 são organizações filantrópicas que contribuem com a prevenção e posvenção do suicídio em Teresina.

Criança acompanhada há mais de dois meses pelo HUT recebe alta

Ascom/HUT

Roxele Santos tem nove anos e gosta muito de brincar. Um dia, brincando de “cabra cega” com seu primo, subiu na grade de casa e sofreu um acidente, sendo internada no Hospital de Urgência de Teresina (HUT). Depois de mais de dois meses, Roxele vai passar o Natal em casa com sua família, pois recebeu alta do longo tratamento na Clínica Pediátrica do hospital.

A garota, que mora no município de José de Freitas, caiu com o muro da casa, e sofreu uma lesão no dorso do pé com exposição óssea. Ela passou por cinco cirurgias, todas realizadas no HUT, incluindo a amputação de um dedo e enxertos de pele. “No começo foi difícil, ela chorava muito querendo ir para casa e tinha acompanhamento da psicóloga. Quando ela estava começando a se recuperar veio a perda do dedo, exatamente no dia das crianças”, conta a mãe, Roxana Maria da Silva. “Com o tempo fomos nos acostumando, ela melhorou e agora podemos voltar para casa e levar nossa vida normal. Eu agradeço muito a equipe do hospital por isso”, relata ela.

Para o acompanhamento de Roxele e as outras crianças, a equipe da clínica pediátrica do HUT realiza um trabalho de atendimento humanizado, de forma a tornar o processo de internação mais alegre e menos doloroso. “É um desafio diário, porque diferente do adulto a criança não tem entendimento, ela vê o profissional de branco e já chora, por exemplo. Então a gente tem que trabalhar de forma diferenciada, e com o passar dos dias eles passam a nos ver com outros olhos”, conta a gerente da Clínica Pediátrica do HUT, Carla Janaína. Ela explica que este processo contribui para a recuperação da criança, graças à influência dos momentos de alegria e bem estar.

Foi assim que Roxele fez de seu cantinho na enfermaria um pedaço de sua casa: com brinquedos, casa de boneca e desenhos. “A gente fez artesanato com as enfermeiras, rezamos o terço todos os meses, participamos das festinhas aqui no hospital”, conta a mãe, referindo-se aos eventos lúdicos que regularmente acontecem na clínica. A equipe promove festas de datas comemorativas como dia das crianças e natal, além de rodas de conversa com as mães e o Cine Pipoca, projeto mensal que reúne as crianças internadas para assistirem um filme juntas.

A menina inicialmente não queria sair da cama, mas após uma conversa com a equipe ela mudou de ideia, e desde então passeava pelos corredores, brincando, tirando fotos e fazendo novas amizades. Agora, ela faz planos para aproveitar o fim do ano junto com sua família em sua cidade natal. “Tô com saudades dos meus amigos da escola, quero ver meu irmãozinho e meu priminho que nasceu e só vi por foto”, comemora a menina.

O HUT oferece atendimento de urgência e emergência pediátrico 24 horas por dia. “O setor de pediatria conta com 34 leitos e 54 profissionais, entre médicos e enfermeiros, que atendem especialidades como clínica e cirurgia pediátrica, ortopedia e cirurgia plástica”, informa o diretor técnico Péricles Cerqueira. O espaço conta ainda com uma brinquedoteca com livros e brinquedos para as crianças.

Voluntários do Projeto Risoterapia levam música e alegria para pacientes internados no HUT

Ascom/HUT

Os pacientes internados no Hospital de Urgência de Teresina (HUT) receberam essa semana a visita dos voluntários do Projeto Risoterapia. O grupo é formado por 80 integrantes e tem como missão levar amor para as pessoas internadas nos hospitais. Durante as visitas, os integrantes do projeto passeiam pelas enfermarias levando música e muita alegria.

De acordo com Augusto Pinheiro, um dos idealizadores do Risoterapia, as visitas são focadas no paciente, a fim de melhorar a qualidade de vida, minimizando, assim, os efeitos da internação.

“O sorriso libera endorfina e dá uma sensação de alívio. Existem estudos científicos que comprovam que a serotonina e a endorfina, hormônios do bem-estar e do prazer, contribuem para acelerar a recuperação dos pacientes. Além disso, durante os momentos de felicidade, as pessoas se confraternizam e reforçam os laços de amor e amizade”, destacou.

O diretor geral do HUT, Rodrigo Martins, explicou que o Hospital sempre apoia ações como essa, pois ajuda a quebrar a rotina e minimizar o estresse da internação. “É um momento de esquecer que está internado e se confraternizar com a família, amigos e profissionais de saúde. Essas ações humanizam nossa assistência e ganhamos mais confiança dos pacientes para dar continuidade ao tratamento”, explicou o diretor.