Programa Lagoas do Norte investiu mais de R$ 123 milhões na segunda fase

Trabalhando para implantar sistemas eficientes de drenagem e garantir qualidade de vida para a população de quase 100 mil pessoas, o Programa Lagoas do Norte investiu mais de R$ 123 milhões nos últimos oito anos. Os recursos aplicados pela Prefeitura de Teresina são oriundos de financiamento junto ao Banco Mundial para obras, ações e projetos realizados em uma área formada por 13 bairros da região Norte da cidade.

Na fase atual do programa, o principal foco das intervenções é a construção de sistemas de drenagem para controlar o nível das águas, protegendo os imóveis, principalmente aqueles que ficam mais próximos das lagoas, que são os mais atingidos pelas enchentes.

No total, estão sendo aplicados cerca de R$ 22 milhões em obras nas lagoas do Mazerine, Oleiros, Piçarreira e São Joaquim. Também estão sendo construídos equipamentos como quiosques, academias, quadra, campo de futebol, playgrounds, prédio administrativo, arborização, bancos, lixeiras, pistas para caminhada e ciclofaixas.

“As obras de drenagem e o cuidado com as lagoas já amenizaram muito os impactos das chuvas na região e hoje não se vê mais casas alagadas, cena bem comum antes do programa. É importante falar também dos benefícios das ações na área social. O programa segue atuando e construindo equipamentos para proteger as famílias, garantindo moradia segura e mais qualidade de vida”, ressaltou o prefeito Firmino Filho.

Também nesta segunda fase, o Lagoas do Norte somou diversas outras ações, como a construção do Parque Ambiental Matias Matos, no Mocambinho, a reforma do Parque Ambiental Encontro dos Rios, além da reforma completa da quadra poliesportiva localizada na Avenida Boa Esperança. Também foi feita a reforma da Casa de Punaré, que abriga meninos e adolescentes em situação de vulnerabilidade, construção da Praça dos Orixás em homenagem às religiões de matrizes africanas e o Residencial Parque Brasil, com 1.022 unidades habitacionais destinadas aos beneficiários do programa e famílias em situação de vulnerabilidade social.

Obras de esgotamento sanitário também fazem parte do trabalho, onde foram aplicados mais de R$ 1,6 milhão antes da subconcessão da Agespisa para a empresa Águas de Teresina. No momento, está em execução o Canal do Matadouro, que antes era usado para deposição de lixo e caminho irregular para as águas das chuvas. “Estão sendo aplicados mais de R$ 2,48 milhões no canal, que vai melhorar a drenagem da região e também terá todos os equipamentos para a promoção da saúde e lazer da população”, comenta Márcia.

Outra área de atuação do programa é o desenvolvimento econômico, com a elaboração de um diagnóstico em vários setores de negócios já estabelecidos na cidade. Essa iniciativa foi reconfigurada por conta da pandemia e agora está destinada a fortalecer os negócios que sofreram com a crise econômica.

“Temos um grande potencial para a realização de obras, ações e projetos no Programa Lagoas do Norte. Nos três eixos de atuação, temos conseguido levar melhorias significativas à vida das pessoas. O trabalho continua no mesmo ritmo, investindo também na criação de uma rede de novos procedimentos mais eficientes em várias secretarias municipais”, finalizou Márcia Muniz, diretora geral do programa.

 

Lagoas do Norte faz investimento de R$ 20 milhões e mantém ritmo de obras acelerado

O Programa Lagoas do Norte, executado pela Prefeitura de Teresina, acelerou o ritmo das obras de drenagem que estavam em andamento antes da pandemia da Covid-19. Atualmente, as equipes estão concentradas nas lagoas do Mazerine e São Joaquim, onde estão sendo investidos cerca de R$ 20 milhões. Na manhã desta terça-feira, o prefeito Firmino Filho esteve na região verificando o andamento dos trabalhos.

“As obras ganham mais velocidade agora que as famílias ganharam uma moradia mais digna, tanto as que escolheram o residencial Parque Brasil, que já inauguramos, como as que optaram por indenização ou pela casa comprada pela Prefeitura. No residencial, construímos 1.022 unidades habitacionais para as pessoas que estavam em situação de risco, em área de alagamento”, disse o prefeito Firmino Filho.

Também serão contempladas nessa etapa as lagoas da Piçarreira e Oleiros, que integram o sistema de captação natural da água da chuva. Com essas obras, elas poderão se comunicar entre si, e a água poderá seguir seu curso natural.

“Quando as lagoas enchem, o sistema de bombeamento situado na avenida Boa Esperança trabalha para evitar que a água transborde, retirando o excedente e jogando no rio Parnaíba. É esse sistema completo que tem diminuído os níveis de enchentes e inundações. Com as obras que estão sendo realizadas, haverá melhoria significativa na drenagem, protegendo as pessoas”, ressaltou Márcia Muniz, diretora geral do Lagoas do Norte.

Na lagoa do São Joaquim está sendo feito um trabalho de implementação da drenagem. Após essa fase, a região será dotada de equipamentos públicos como pavimentação, áreas para caminhada, passarelas, academia, iluminação e bancos. Já na lagoa do Mazerine está sendo finalizada a parte de drenagem e a galeria está concluída. A quadra que já existia está sendo completamente reformada e será coberta. Também está prevista a construção de quiosques, playground, bancos, espaço para caminhada e iluminação.

O próximo passo será levar a obra para a região do Inferninho, situada entre as lagoas da Piçarreira e São Joaquim, uma faixa de areia estreita com habitações em condições precárias. Antes, as famílias que residiam nessa região tinham suas casas alagadas quando os níveis das lagoas subiam. Elas já foram contempladas com novas habitações e agora o Lagoas do Norte fará a drenagem e a urbanização do local.

Lagoas do Norte orienta terceirizados sobre medidas de higiene e distanciamento no ambiente de trabalho

O Programa Lagoas do Norte está preparando suas unidades para o retorno gradual das atividades. Além das medidas físicas para manter a higiene e o distanciamento entre os servidores, o programa promoveu duas rodadas de orientação acerca das medidas necessárias para evitar a proliferação da Covid-19 no ambiente de trabalho.

Ao todo, 21 servidores terceirizados participaram da orientação, que foi realizada pela educadora ambiental do PLN Márcia Alencar. “Nós dividimos em dois grupos e fizemos a reunião na parte aberta da administração do Parque. Explicamos o que é a Covid-19, seus sintomas, o que são comorbidades, os cuidados necessários, a higienização do ambiente e das mãos, orientamos sobre o uso correto das máscaras, sobre a importância do trabalho em equipe e as novas modalidade de trabalho, que é o home office, o que é o trabalho de campo e falamos sobre descentralização do trabalho”, disse Márcia.

Assim como os servidores terceirizados passaram por esse treinamento, os demais funcionários também receberam todas as orientações para a retomada das atividades.

“Os órgãos da Prefeitura de Teresina que trabalham com obras de engenharia estão retomando suas atividades, para isso estamos preparando tanto o ambiente físico, como os servidores. O Programa Lagoas do Norte também está inserido nesse contexto. Por isso, elaboramos um protocolo que prevê todas essas medidas para contenção da Covid-19, com orientações aos servidores no ambiente interno e nos trabalhos de campo, além das visitas às obras”, pontuou Márcia.

Esse protocolo foi elaborado em conformidade com as medidas já preconizadas pela Fundação Municipal de Saúde e está sendo analisado pelo COE (Comitê de Operações Emergenciais).

SDU Centro Norte monitora lagoas e estações de bombeamento

Ascom/SDU Centro Norte

Por conta da intensidade das chuvas, a Superintendência de Desenvolvimento Urbano (SDU) Centro Norte está com equipes 24 horas fazendo o monitoramento das estações de bombeamento da região. As equipes de manutenção percorreram as estações de bombeamento da Boa Esperança, do Dique do Mocambinho, do Piscinão e a estação que fica na Avenida Duque de Caxias, nas proximidades do supermercado Atacadão. Além disso, foram fechadas as comportas para evitar alagamentos nas áreas que ficam mais próximas do rio.

A gerente de Obras e Serviços da SDU, Patrícia Santos, afirma que a verificação no sistema de bombas está sendo feita diariamente a fim de evitar que o nível da água suba. “Estamos com as nossas bombas trabalhando diuturnamente, fazendo o escoamento das águas dos rios, com isso estamos conseguido evitar problemas nesse período chuvoso”, disse.

A engenheira ressalta ainda que está sendo feito o controle das estações elevatórias e das bombas. “Fazemos todos os dias o controle das cheias com relação às lagoas da zona Norte. Já fechamos as comportas que estão viradas para o rio Poti, para evitar alagar as áreas do Mocambinho, São Joaquim e Vila São Francisco”, acrescenta.

Além disso, as equipes de manutenção estão sempre de plantão para atender as necessidades. “Por conta o trabalho preventivo, as estações estão com o nível bom, mas mesmo assim estamos fazendo o monitoramento diário no local e cada vez que é identificado algum tipo de problema enviamos as equipes para resolver”, acrescenta.

As limpezas das galerias e bueiros estão sendo feitas diariamente, inclusive com a retirada de aguapés, assim as águas das chuvas estão tendo facilidade para escoamento. “Precisamos contar com a colaboração das pessoas no sentido de não jogar lixo nas ruas, pois essa sujeira se desloca com a chuva, chegando às galerias e entupindo-as, dificultando assim o escoamento da água da chuva”, disse.

O descarte irregular de lixo é um dos principais agravantes para o entupimento desses canais, e é importante que o cidadão denuncie o descarte irregular e colabore com uma cidade mais limpa. A população pode denunciar o descarte irregular de lixo por meio do telefone (86) 3215 7465 ou do aplicativo Colab, que fornece aos teresinenses a possibilidade de acrescentar imagens e local da infração.

Programa Lagoas do Norte resolve adiar eventos no parque em decorrência do coronavírus

A direção do Programa Lagoas do Norte decidiu, na manhã desta segunda-feira (16), pelo adiamento dos eventos públicos que estavam programados para acontecer no Parque Lagoas do Norte. A decisão tem como objetivo proteger a população e os funcionários do programa da disseminação do coronavírus, já considerada pandemia pela Organização Mundial de Saúde.

Estavam programados para acontecer até o fim de abril o 1º Salão Kids, a Paixão de Cristo, durante as comemorações da Samana Santa, e o Justiça Itinerante, com a prestação de serviços em parceria com o Tribunal de Justiça.

Segundo a diretora do programa, Márcia Muniz, a Prefeitura tem uma legislação já sancionada com protocolo estabelecido para atendimento de pacientes com suspeita da doença. “Tomamos essa decisão de forma preventiva, buscando colaborar com as orientações que vem sendo dadas em nível nacional e municipal”, afirma.

A Fundação Municipal de Saúde orienta que a população deve ficar em alerta para as medidas de prevenção, que incluem higienizar mãos com água e sabão ou com álcool em gel; cobrir nariz e boca ao tossir ou espirrar; não tocar nos olhos, nariz e boca com mãos sujas e manter cartão de vacina atualizado. Já no ambiente hospitalar, se tiver algum caso suspeito, a equipe deve usar os equipamentos de proteção individual, preconizados pelo Ministério da Saúde.

Lagoas do Norte e Banco Mundial alinham cronograma para próximas obras em Teresina

Os técnicos do Banco Mundial e do Programa Lagoas do Norte se reuniram em Teresina para delinear o cronograma de início e andamento das próximas obras que serão realizadas na região de atuação do programa. Elas contemplam intervenções de drenagem, para minimizar os problemas de alagamentos, de urbanização no entorno das lagoas dos Oleiros, Piçarreira e São Joaquim e ainda a reestruturação dos diques dos rios Parnaíba e Poti.

Ao todo, estão contratados R$ 37 milhões, investidos em obras em andamento e outras que ainda serão começadas. Como é o caso da obra que iniciou pela Lagoa do Mazerine e se estenderá por uma das margens das lagoas dos Oleiros, Piçarreira e São Joaquim. Também está em andamento a obra do Canal do Matadouro, que tem como foco a drenagem da água pluvial e a urbanização do entorno, com a instalação de equipamentos de convivência comunitária e prática de esporte e lazer. Ainda serão iniciadas também as obras nas margens opostas da Lagoa da Piçarreira e Oleiros.

O projeto de reestruturação dos diques dos rios Parnaíba e Poti está sendo elaborado por uma empresa contratada pelo Programa Lagoas do Norte e segue a orientação de apresentar pelo menos três alternativas para cada trecho trabalhado, observando os aspectos estruturais, sociais e ambientais. Esse projeto deverá ser apresentado no início do segundo semestre e, com base nele, será estudada a melhor alternativa para reestruturar os diques.

“O Programa Lagoas do Norte tem uma sequência de obras a serem executadas. São obras que têm como principal objetivo trabalhar a drenagem e interligação dessas lagoas, fazendo com que a água das chuvas siga seu caminho e não cause mais danos à população. Como consequência disso, implementamos os equipamentos públicos no entorno dessas lagoas, possibilitando que a população tenha melhoria da sua qualidade de vida”, destaca Márcia Muniz, diretora geral do PLN.

Lagoas do Norte elabora implementação de circo que vai atender 500 crianças da zona norte

A magia e todo o encantamento que o circo proporciona vão ser realidade na vida de 500 crianças da zona norte de Teresina. O Programa Lagoas do Norte está elaborando a implementação e o financiamento do Circo Social, um projeto que oportunizará o ensino da arte circense a crianças em situação de vulnerabilidade que moram na região dos 13 bairros atendidos pelo programa.

Esta semana o PLN enviou a São Paulo o assessor técnico que está à frente da elaboração desse projeto, Allan Cronemberger, além do coordenador de Teatro da FMC, Kaio Vieira, e o diretor do Teatro João Paulo II, Francisco de Castro, da Fundação Monsenhor Chaves, órgão municipal que será o gerenciador do projeto. Segundo Allan Cronemberger, o objetivo da viagem é conhecer experiências exitosas de Circo Social em SP.

“Circo social é uma ferramenta que poderá ser articulada entre as pastas de cultura, educação e assistência social da cidade. Pretendemos atender 500 crianças e adolescentes e seus familiares em suas atividades que utilizam a arte e cultura como meio de fortalecer fatores protetivos dessas famílias”, explica Allan.

Além da elaboração técnica desse projeto, o Programa Lagoas do Norte está financiando também um estudo para que se possa conhecer a realidade dessas crianças e adolescentes, quais são os níveis de escolaridade e o ambiente escolar, a violência e as vulnerabilidades sociais à sua volta. A partir desse diagnóstico serão traçadas estratégias para incentivo de participação desse público nas aulas que serão disponibilizadas no circo.

Também em parceria com a Fundação Monsenhor Chaves, o PLN está financiando a expansão do projeto Banda Escola. Duas escolas da zona norte passam a integrar o projeto: escolas municipais Antônio Dilson Fernandes e José Nelson Carvalho, ambas com alunos de 1º ao 9º ano e situadas na zona norte de Teresina.

Para buscar a implementação desse projeto, o Programa Lagoas do Norte abriu processo licitatório e fez a compra de 17 tipos de instrumentos musicais. O investimento foi de R$ 260 mil. Porém, o apoio à ampliação do projeto Banda Escola não se resume ao financiamento para compra dos instrumentos, contempla também a realização de consultorias específicas. Essas consultorias têm a finalidade de monitorar e contribuir para o impacto dessa ação para a comunidade, para os jovens e suas famílias.

Mais que obras

Constituído de três vertentes de ação, o Programa Lagoas do Norte vai além de obras físicas que buscam acabar com os problemas de alagamentos pelas chuvas e melhorar a qualidade de vida da população que vive no entorno de lagoas e dos rios Poti e Parnaíba. Um dos seus componentes tem o objetivo de garantir que essa população tenha acesso a cultura e cidadania.

Entre as ações já realizadas com o financiamento direto do programa, destacam-se a elaboração e implantação do Plano Municipal de Prevenção da Violência (Vila Bairro Segurança), o Diagnóstico da Violência Contra a Mulher em Teresina e o apoio para a implementação do Plano Municipal de Políticas Públicas para Mulheres. Além disso, vem financiando e prestando consultoria para a elaboração do Plano Municipal de Cultura.

 

Programa Lagoas do Norte orienta população que mora em áreas ribeirinhas

A população que mora em áreas ribeirinhas – margens de lagoas e rios – na zona norte da cidade e que vive em casas com condições precárias estão mais sujeitas aos efeitos das chuvas. As lagoas tendem a encher e algumas casas podem ser atingidas, além do risco de desabamentos. Por conta disso, o Programa Lagoas do Norte orienta que, nesses casos, a população procure a Defesa Civil e a Superintendência de Desenvolvimento Urbano Centro/Norte.

A Defesa Civil está monitorando mais de 50 áreas de risco em toda Teresina. Na região de abrangência do PLN, os bairros Vila Apolônia e Parque Alvorada fazem parte desse monitoramento. O órgão orienta quanto aos riscos da permanência nestas áreas, serviços de atendimento emergencial realizado pelo órgão e ainda sobre os requisitos para inclusão de famílias em situação de vulnerabilidade no Programa Cidade Solidária, um dos serviços assistenciais do município. Qualquer ocorrência de alagamento ou risco de desabamento deve ser feita pelo número 153.

As equipes da SDU Centro/Norte também estão monitorando a situação de casas em toda a região. Cinco famílias já foram encaminhadas para o Programa Cidade Solidária da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Política integradas (Semcaspi). Na SDU, a população pode entrar em contato através do número (86) 3215-7462.

A SDU também mantém o serviço de bombas que auxiliam no controle do nível das águas das lagoas da região. Quando as lagoas enchem, as bombas são acionadas e essa água é levada para o rio. As equipes fazem monitoramento 24 horas por dia nas quatro estações.

 

SDU retirou 30 carradas de aguapés das lagoas em janeiro

Ascom/SDU Centro-Norte

No mês de janeiro, a Superintendência de Desenvolvimento Urbano – SDU Centro/Norte fez a retirada de 30 carradas de aguapés de lagoas espalhadas por vários pontos da zona norte de Teresina.

Foram contemplados locais como as lagoas da Avenida Izidorio França , da Avenida Rio Poti (córrego da cerâmica), do Mocambinho (Próximo ao Parque Lagoas do Norte), Nova Brasília (na Rua Campo Maior), ao lado do Atacadão (Rua Lili Lopes), do Alto Alegre (Rua Sapucaia) e bomba da Vila Mocambinho III (piscinão).

A gerente de Obras e Serviços da SDU Centro Norte, Patrícia Santos, explica que a retirada desses aguapés é necessária para evitar que haja a obstrução das estações de bombeamento. “Estamos fazendo esse trabalho de retirada periodicamente, com isso conseguimos garantir o bom funcionamento das estações”, disse.

Além da retirada dos aguapés, continua sendo feito o controle das estações elevatórias e das bombas. “Com as chuvas, o aumento de água que passa pela estação elevatória é grande, por isso o monitoramento é feito diariamente, inclusive com a retira dos aguapés que se acumulam nas estações, assim evitando maiores problemas nesse período chuvoso”, acrescenta.

Estão sendo monitoradas as Estação da Boa Esperança, do Dique, do Piscinão do Mocambinho e ainda da estação na Avenida Duque de Caxias, localizada próximo ao Atacadão. As três estão com o nível normal, por esse motivo não está sendo necessário o funcionamento de todas as bombas. “Essas estações estão com o nível bom, mas mesmo assim estamos fazendo o monitoramento diário no local”, acrescenta.

Parque Lagoas do Norte é arborizado com mudas de Angico e Flamboyant

Melhorar a arborização dos parques ambientais de Teresina tem sido uma das ações executadas pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMAM), favorecendo o conforto térmico, sombreamento e embelezamento desses espaços, que têm sido cada vez mais ocupados pela população. Desta vez, o Parque Lagoas do Norte foi escolhido para receber 150 mudas de árvores, entre as espécies Angico e Flamboyant, inseridas na manhã desta sexta-feira (17).

O plantio de árvores foi uma forma de dar cumprimento à compensação ambiental do Corso do ano de 2019. A ação foi acompanhada pela ONG Mais Vida, responsável pelos cálculos das emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) gerados durante o evento e, consequentemente, responsável por emitir o certificado de realização da medida compensatória.

Lideranças comunitárias da zona Norte também estiveram presentes e contribuíram com o trabalho de inserção das mudas de plantas. O presidente do Comitê de Acompanhamento do Programa Lagoas do Norte, Albertino Ribeiro, participou da ação e considera que medida deve trazer muitos benefícios para os frequentadores do parque.

O secretário da SEMAM, Olavo Braz, pontua que o órgão deve potencializar ainda mais o trabalho de arborização de Teresina, dando continuidade, por exemplo, à criação de bosques, plantio em parques ambientais e áreas similares e distribuição de mudas. “Estamos buscando investir cada vez mais na arborização da nossa cidade, tanto em ações de plantio quanto distribuição de árvores pela cidade”, destaca.

A quantidade de mudas de árvores plantadas nessa compensação ambiental foi estabelecida a partir de um cálculo baseado no protocolo de GEEs do Instituto CO2 Zero, cujos dados do volume emitido no referido evento foi levantado pela SEMAM e ONG Mais Vida.