Guarda Municipal intensificará trabalho de fiscalização durante período de lockdown 

A Guarda Municipal de Teresina, que vem realizando trabalho de fiscalização de estabelecimentos e aglomerações para garantir o distanciamento social necessário durante a pandemia, intensificará sua atuação durante o período de lockdown que começou hoje (02) e segue até o domingo (06). Durante esses quatro dias, o funcionamento dos serviços essenciais também passará por uma série de restrições. 

O comandante da GCM, Coronel John Feitosa, explica que, além das rondas de fiscalização e do atendimento às denúncias, serão realizadas barreiras com atenção especial voltada para a zona Rural de Teresina. A ação contará com o apoio do Batalhão de Polícia Rodoviária Estadual. 

“Algumas pessoas estão se deslocando para utilizarem bares e consumirem bebida alcoólica nessa região. Esse é um trabalho que vai ser permanente, para que possamos manter esse índice de isolamento sempre crescente, até chegar num patamar considerado ideal”, explica. 

As medidas mais rígidas adotadas durante os fins de semana vêm se provando eficazes no aumento dos índices de isolamento social. Porém, os percentuais mais positivos ainda se mostram abaixo dos 70% recomendados pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A lista de tipos de estabelecimentos permitidos durante cada dia de lockdown pode ser conferida no site da Prefeitura de Teresina. 

A população pode contribuir ficando em casa, respeitando as recomendações sanitárias e entrando em contato com a Guarda Civil Municipal para reportar descumprimentos. Os telefones 153, (86) 3215-9317 ou (86) 99438-0254 estão disponíveis para recebimento de denúncias. 

CLIQUE AQUI E CONFIRA O DECRETO 

 

Firmino defende reabertura de Teresina a partir de 7 de julho após lockdown mais rígido

Mais de três meses após os primeiros casos de Covid-19 em Teresina, o prefeito Firmino Filho acredita que a cidade pode iniciar a retomada das atividades econômicas a partir do próximo dia 7 de julho. Ele defende um lockdown mais rígido por, no mínimo, oito dias, para conter a disseminação do vírus, que nas últimas semanas vem apresentando uma curva de crescimento menor. Na última etapa da pesquisa sorológica, a taxa ficou em 17%, cenário mais positivo que outras fases da sondagem, quando o índice variou entre 31% e 91%.

Segundo o prefeito, a estabilidade da taxa de contágio, o chamado R-0 (R-zero) também é um indício de que a cidade já atingiu o pico da doença e pode começar a planejar sua reabertura a partir do próximo mês. “Temos defendido o lockdown já há algum tempo para melhorar outros critérios necessários para a reabertura, como a taxa de internação e de mortalidade pela Covid, que ainda preocupam”, explica, ressaltando que também é essencial que tanto o município quanto o Estado possam concluir os investimentos nos hospitais de campanha instalados na capital para garantir mais leitos de UTI e de enfermarias.

Firmino ressaltou que vem discutindo o fechamento da cidade, ou lockdown, com o Governo do Estado, Ministério Público Estadual, Ministério Público do Trabalho, além dos setores produtivos da cidade, como comércio e indústria, e representantes de entidades sindicais e dos trabalhadores. “Precisamos desse esforço final para ultrapassar essa fase de crescimento da doença. Ampliamos nossa capacidade de responder à crise, mas é muito importante que haja um pacto coletivo entre instituições e a sociedade para reforçar as medidas de isolamento social”.

A partir da experiência de outras cidades que retomaram parte de suas atividades econômicas, o prefeito Firmino Filho acredita que Teresina também tem condições de iniciar a retomada, oferecendo condições razoáveis de segurança para todos, sem o risco de um novo pico da doença após a reabertura. “Tudo deve ser feito de forma coordenada, em fases e com forte engajamento da população”, reforça.

A Prefeitura tem adotado várias medidas de enfrentamento à pandemia. Uma das primeiras foi a reorganização e ampliação do serviço de saúde, de forma a garantir atendimento a todas as pessoas afetadas pela Covid-19, além de ações para avaliar e controlar a disseminação do vírus. Contratação de mais profissionais, instalação de novos leitos de UTI, implantação de três hospitais de campanha, testagem de pessoas sintomáticas e rastreamento de contatos dos infectados foram algumas das medidas que permitiram Teresina alcançar uma posição diferenciada em comparação com outras capitais da região Nordeste.

Isolamento social em Teresina foi de 55,70% no último domingo (31)

Teresina registrou índice de isolamento social de 55,70% no último domingo, dia 31 de maio, quando estava valendo o lockdown parcial no estado. Já no sábado, dia 30, o índice registrado foi de apenas 44,8% e na sexta-feira (29), antecipação do feriado de Corpus Christi, o índice foi de 46,5%. Os dados são da Startup Inloco, que realiza o georreferenciamento de smartphones na cidade, monitorando a localização dos usuários.

Ainda de acordo com a Startup, a região da cidade que apresentou maior índice de isolamento no fim de semana foi a Sul, com 56,53%, seguida da região Leste, com 55,47%, Centro/Norte com 55,35% e Sudeste com 52,85%.

Os números registrados continuam bem abaixo do percentual recomendado pelas autoridades de saúde, que é de 73%, para evitar a proliferação em massa do novo coronavírus na capital.

Nas últimas 24 horas Teresina registrou 56 novos casos e quatro óbitos por Covid-19. É o que mostra o boletim epidemiológico divulgado neste domingo (31) pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) e pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi). Até agora, a capital soma 2.304 pessoas infectadas e 89 pacientes mortos pelo novo coronavírus.

Firmino considera o lockdown em Teresina após queda na taxa de isolamento

Com o resultado das pesquisas indicando que Teresina tem mais de 12 mil infectados pelo novo coronavírus e a queda das taxas de isolamento social, o prefeito Firmino Filho avalia que é hora de considerar a possibilidade de adotar lockdown na capital. Ele informou também que a Prefeitura está estudando novas penalidades para os comerciantes que estão insistindo em descumprir os decretos municipais.

Para o prefeito, os dados da quarta etapa da pesquisa de investigação sorológica, que será realizada no próximo final de semana, serão decisivos para a definição de novas medidas. “Se o número de infectados continuar crescendo na mesma proporção das semanas anteriores, vamos buscar iniciar o debate e o planejamento sobre um eventual lockdown ainda neste mês de maio”, afirmou o prefeito, ressaltando que vai procurar o governador Wellington Dias, que tem a autoridade para adotar a medida ou, eventualmente, a Justiça.

A terceira etapa da pesquisa mostrou que a cada semana o número de casos da Covid-19 cresce uma média de 60% e Firmino acredita que novas determinações são necessárias.  “Já suspendemos o transporte coletivo e estamos estudando várias medidas mais duras para dificultar o trânsito na cidade, dificultar o acesso ao Centro e a saída das várias regiões, fechando ruas, avenidas e pontes, se necessário”, informou.

A criação de novas penalidades para os comerciantes que estão descumprindo os decretos municipais será outra iniciativa da Prefeitura para conter a disseminação do novo coronavírus. Uma das medidas poderá ser a suspensão do alvará de funcionamento por 30 ou 60 dias, após o retorno das atividades econômicas, de acordo com cada infração. “A suspensão pode ser até de forma definitiva nos casos de reincidência”, adiantou Firmino Filho.