Diretora de CMEI confecciona máscaras para quando alunos voltarem às aulas

A equipe gestora do Centro Municipal de Educação Infantil Santa Teresinha, localizado no Povoado Campestre Norte, teve uma boa ideia para receber os alunos quando retornarem à escola. Cada criança receberá uma máscara de proteção contra a Covid-19, doença que motivou a suspensão temporária das aulas em todo o país.

A diretora Hilneth Azevedo conta que mandou confeccionar 100 máscaras de tecido, coloridas e com imagens de desenhos animados para os alunos. Mesmo sem data certa para o retorno das atividades presenciais, a comunidade escolar já planeja formas de garantir a segurança das crianças quando puderem voltar à sala de aula.

“Estamos em fase de planejamento e preparação para a volta às aulas em breve. Cada aluno vai receber sua máscara, feita com carinho, para manter a proteção. Mas por enquanto temos que ficar em casa, nos cuidando e protegendo”, disse a diretora.

 

FWF confecciona mais de 4.500 mil máscaras para profissionais da saúde de Teresina

As instrutoras de corte e costura da Fundação Wall Ferraz (FWF) também estão unidas no combate do Covid-19. Desde o início da pandemia do novo Coronavírus, elas confeccionaram, de forma voluntária, mais de 4.500 mil máscaras para serem doadas aos profissionais de saúde que atuam nos hospitais de Teresina.

A ação está acontecendo em parceria com a Rede Pense Piauí, que possui materiais para a produção dos Equipamentos de Proteção Individuais – EPIs, mas que precisava da mão de obra de costureiras para a confecção das máscaras.

A artesã Adriana Borges é instrutora da Fundação Wall Ferraz há três anos e produziu voluntariamente mais de 1.100 mil máscaras para serem doadas aos profissionais de saúde do município. “Eu me sinto como uma verdadeira cidadã teresinense. Colaborar com o combate a esse vírus é uma sensação de dever cumprido. Eu pensei nos meus amigos e familiares que atuam na linha de frente da saúde, e que todos os dias precisam de equipamentos para se manterem seguros. Já que eu não posso colaborar financeiramente, eu contribuo com a minha força de trabalho”, declara a artesã.

A presidente da FWF, Heline Santos, ressalta que o órgão sempre trabalhou em parceria com instituições que têm o objetivo de melhorar a qualidade de vida dos teresinenses. Segundo ela, esse é um momento de unir forças no combate ao Coronavírus. “Esse é um trabalho muito significativo e que ajuda no enfrentamento da pandemia de forma efetiva. Gentilmente estamos cedendo nossa mão de obra para alcançar o maior número de pessoas possível”, comenta a presidente.

Estabelecimentos têm 15 dias para fornecerem máscaras aos trabalhadores de serviços essenciais

Estabelecimentos, órgãos e instituições de trabalho que prestam serviços essenciais têm um prazo de 15 dias para fornecerem máscaras de proteção de tecido aos seus trabalhadores. A obrigatoriedade entrou em vigor no dia 14 deste mês e está de acordo com a Nota Informativa do Ministério da Saúde, que prevê ainda o fornecimento de água, sabão e álcool em gel 70% aos trabalhadores.

A medida é para evitar a disseminação do novo coronavírus, que tem apresentado um período de ascensão em Teresina. “Essas medidas são necessárias para combater a proliferação do vírus na nossa cidade, sem comprometer o funcionamento das atividades essenciais e oferecendo aos trabalhadores e servidores públicos um mínimo de segurança possível. Para isso, os estabelecimentos terão um prazo de 15 dias para se adequarem e cumprirem essa determinação”, destacou o prefeito Firmino Filho.

Trabalhadores que precisem fazer uso de outros Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), devem recebê-los dos estabelecimentos, órgãos e instituições. Somente em casos especiais, comprovados e justificados, serão dispensados o uso de máscaras e de EPIs. Caso a determinação não seja cumprida, os órgãos e instituições sofrerão penalidades legais.

Em duas semanas, o número de casos confirmados de Covid-19 na capital cresceu mais de 500%, passando de 20 no domingo (05) para 122 neste último domingo (19). Segundo dados da Fundação Municipal de Saúde (FMS), até o momento, 137 residentes de Teresina testaram positivo para a Covid-19 e 7 óbitos foram registrados.

 

Decreto obriga estabelecimentos a fornecerem máscaras para trabalhadores de serviços essenciais

Trabalhadores da iniciativa privada e do serviço público de Teresina que prestam serviços essenciais deverão usar máscaras em seus locais de trabalho. A determinação está prevista no decreto Nº 19.647, assinado nesta semana pelo prefeito Firmino Filho, de acordo com Nota Informativa do Ministério da Saúde, determinando ainda o fornecimento de outros Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). A medida tem como objetivo evitar a disseminação do novo do coronavírus em Teresina.

“A dinâmica social, aliada a uma análise concreta sobre o quadro de evolução da pandemia em território nacional, e mais especificamente em Teresina, impõe a adoção de diversas medidas, de acordo com as necessidades locais, para que não haja comprometimento das atividades essenciais e, ao mesmo tempo, que os trabalhadores e servidores públicos possam exercer suas funções com o mínimo de segurança possível”, afirma o prefeito.

Por meio do decreto, os estabelecimentos, órgãos e instituições de trabalho deverão oferecer, obrigatoriamente, as máscaras de proteção de tecido, de acordo com a Nota Informativa do Ministério da Saúde, além de disponibilizarem o fornecimento de água, sabão e álcool em gel 70%.

Nos casos em que seja necessária a utilização de outros Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), os estabelecimentos, órgão e instituições serão obrigados a fornecê-los aos seus trabalhadores e servidores. Somente em casos especiais, comprovados e justificados, serão dispensados o uso de máscaras e de EPIs. Em caso de descumprimento do decreto, os órgãos e instituições sofrerão penalidades legais.

Confira aqui o decreto

Confira aqui o decreto

 

 

Costureiras de Centros de Produção de Teresina confeccionam máscaras para doação

Costureiras dos Centros de Produção de Teresina estão colaborando com a confecção de máscaras e toucas, que são equipamentos de proteção individual, para serem doadas nos hospitais municipais e estaduais da cidade. A ação é uma parceria da Secretaria Municipal de Economia Solidária (SEMEST) com uma empresa privada da capital, que fez a doação de tecidos para que sejam confeccionadas três mil máscaras e toucas e, assim, colaborar com medidas de contenção de transmissão do novo coronavírus.

Segundo Ricardo Bandeira, secretário municipal de Economia Solidária, costureiras de três Centros de Produção da capital estão envolvidas nesta atividade. “Recebemos esta doação de material, com máscaras e toucas já cortadas, só em ponto de acabamentos, para serem finalizadas por nossas costureiras e doadas nas Unidades de Saúde da nossa capital. Estão empenhadas neste serviço as costureiras dos Centros de Produção Padre Eduardo, na zona Norte, e Monte Horebe e Redonda, na zona Sudeste”, informa o secretário.

Ricardo Bandeira acrescenta que esta parceria demonstra a solidariedade do teresinense e o seu engajamento nesta luta contra esta pandemia. “É uma alegria para nós do poder público atuarmos em parceria com a iniciativa privada para colaborar com esta luta que é de todos nós, de conter a covid19, que tem um alto poder de transmissão. Temos 16 Centros de Produção na nossa capital e toda e qualquer inciativa neste sentido serão recebidas de portas abertas por nossas costureiras”, explica.

A previsão é que até amanhã sejam concluídas estas máscaras e toucas, que serão entregues pelo empresário que fez a doação para a Fundação Municipal de Saúde e Secretaria de Estado de Saúde do Piauí, para serem distribuídas conforme a demanda nos hospitais.

Para restringir a circulação e aglomeração de pessoas, por conta da pandemia do novo coronavírus, a Secretaria Municipal de Economia Solidária (SEMEST) está com atividades voltada ao público suspensas, com exceção do Banco Popular, que está fazendo o rodízio de funcionários para agilizar pagamentos de empréstimos já solicitados e fazer agendamentos. “Estamos preparando um formulário para o site da Prefeitura de Teresina para aquelas pessoas que necessitam solicitar empréstimos do Banco Popular possam fazer via internet, sem ter precisar se deslocar ao local”, ressalta o secretário.

Procon Teresina vai investigar planilhas de compra e venda de máscaras e álcool gel

Ascom/Semdec

Em fiscalização realizada na manhã desta quarta-feira (18), o Procon Teresina identificou que farmácias e distribuidoras aumentaram os preços de máscaras e álcool gel alegando aumento nos preços praticados pela indústria.

Os agentes de fiscalização do órgão chegaram a constatar que farmácias estavam vendendo o litro de álcool em gel entre R$30 e R$35 e que alguns locais desistiram de comprar máscaras depois que a indústria cobrou valores entre R$ 180 e R$ 250 em uma caixa com 50 unidades. Antes da pandemia do novo coronavírus, o produto era encontrado no valor de R$ 20.

De acordo com a coordenadora geral do Procon Teresina, Nara Cronemberger, o aumento é considerado abusivo, mas precisa ser investigado, pois todas as empresas alegaram os mesmos motivos para justificar aumento no preços destes itens.

“Identifiquei, com minha equipe, que não é só uma questão de má fé do empresariado, mas que é um problema que vem desde a origem da matéria prima, a demanda mundial pelo produto e fabricação de nível nacional. Os preços estão de fato abusivos e é papel do Procon Teresina investigar a relação entre o valor que os empresários locais compram o produto, com o valor que eles vendem. Estamos vivendo uma crise de saúde, abusos precisam ser investigados”, explicou a coordenadora.

Ainda de acordo com a coordenadora, as redes sociais e o e-mail do Procon Teresina têm recebido muitas denúncias e que os locais mais citados estão sendo fiscalizados. O aumento do preço de máscaras e álcool gel disparou em Teresina desde que a Organização Mundial da Saúde (OMS) decretou epidemia do novo coronavírus (COVID-19).

O gestor da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec), Venâncio Cardoso, pasta a qual o Procon Teresina é vinculado, garante que a fiscalização ocorrerá todo dia até o fim de março.

“O Procon tem recebido um número muito grande denúncias. A população está indignada pelos preços de alguns produtos, diante da situação do avanço mundial da doença. Nossa equipe se preparou para que essa fiscalização avance e que seja feita em mais de 40 estabelecimentos”, pontuou Venâncio.

O Procon Teresina adotou novos métodos de atendimento e funcionamento por causa da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). Com isso, o órgão passou a concentrar parte de suas atividades na fiscalização de fornecedores que vendem álcool gel e máscaras. O consumidor que se sentir lesado e desejar fazer denúncias e reclamações deve o fazer por e-mail. Para isso, é necessário que sejam enviados digitalizados documentos como RG, CPF (ou CNH), Comprovante de Residência e demais documentos relativos à reclamação. Todas as queixas, obrigatoriamente, devem ser enviadas em anexo. Os números de telefone do Procon Teresina são: (86) 3216-3041 e (86) 3216-3040.

 

Procon Teresina inicia fiscalização de fornecedores que vendem álcool em gel e máscaras

Ascom/Semdec

O Procon Teresina irá adotar novos métodos de atendimento e funcionamento por causa da pandemia do novo coronavírus (COVID-19). A decisão veio após o anúncio de medidas de prevenção da Prefeitura de Teresina apresentadas na manhã desta terça-feira. Com isso, o órgão deve concentrar parte de suas atividades na fiscalização de fornecedores que vendem álcool em gel e máscaras a partir desta quarta-feira (18).

De acordo com a Fundação Municipal de Saúde (FMS), oito casos suspeitos em Teresina estão sendo investigados. Para conter uma possível propagação do vírus na capital, o Procon Teresina, que trabalha com atendimento ao público, passará a realizar a esse tipo de trabalho pelo e-mail (proconteresina@gmail.com), seja para receber reclamações ou denúncias. Além disso, ficou determinada a suspensão de audiências de conciliação. As novas medidas de atendimentos valerão a partir da quinta-feira (19).

A equipe do órgão de defesa do consumidor estará nas ruas todo dia até o fim de março. Estão previstas no total, 40 visitas aos diversos tipos de fornecedores e estabelecimentos. “O Procon Teresina vai atuar no sentido de preservar os consumidores de fornecedores que estejam querendo lucrar ou ludibriar pessoas em um momento delicado para a saúde pública. Iremos começar as fiscalizações amanhã. Não podemos permitir que preços abusivos sejam praticados”, diz o gestor da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (Semdec), Venâncio Cardoso, pasta a qual o órgão é vinculado.

A coordenadora geral do Procon Teresina, Nara Cronemberger, explica que por causa das medidas de prevenção, denúncias e reclamações devem ser realizadas via e-mail a partir de agora, e não via redes sociais. “Nossas redes sociais estão recebendo denúncias e reclamações. Quero deixar claro que este não é o canal correto para fazer este tipo de ação. Nós estamos recebendo a partir de agora, denúncias e reclamações via e-mail, que é o proconteresina@gmail.com”, informa.

Nara acrescenta que se as pessoas querem apenas tirar dúvidas, devem ligar para o Procon Teresina. “Como estaremos funcionando de forma especial pelos próximos 15 dias, as fiscalizações a fornecedores serão intensivas, já que estamos percebendo um aumento abusivo nos preços de insumos como álcool em gel e máscaras”, explica.

Para fazer denúncias e reclamações por e-mail é necessário que sejam enviados digitalizados documentos como RG, CPF (ou CNH), Comprovante de Residência e demais documentos relativos à reclamação. Todas as queixas, obrigatoriamente, devem ser enviadas em anexo. Os números de telefone do Procon Teresina são: (86) 3216-3041 e (86) 3216-3040.