Ministério da Saúde disponibiliza aplicativo com informações oficiais sobre o Covid-19

Divulgação

Oferecer uma fonte confiável de informações oficiais sobre o Covid-19. Foi com esse propósito que o Ministério da Saúde lançou o aplicativo Coronavírus SUS, que fornece todas as informações sobre a doença Covid-19. O aplicativo está disponível para aparelhos iOS e Android nas respectivas lojas virtuais de aplicativos.

Por meio do App os usuários são orientados a procurarem ou não um serviço de saúde a partir de informações pessoais fornecidas pelo usuário. As informações fornecidas pelo aplicativo incluem medidas de prevenção, notícias atualizadas sobre a evolução da pandemia no Brasil, descrição de sintomas e localização dos serviços de saúde mais próximos do usuário por meio de localização imediata por satélite.

Outros recursos interessantes do App oferecem o recurso de checar notícias falsas, informações para viajantes e explicações sobre as atitudes para se evitar o contágio da doença e como se tratar caso isso aconteça. Na página inicial do aplicativo é possível também acionar um questionário que permite uma avaliação da probabilidade de contração do vírus pelo usuário.

“É importante ressaltar que o aplicativo é uma ótima ferramenta para a gente se manter bem informado sobre a doença, mas não devemos esquecer que a prevenção contra a transmissão do coronavírus exige cuidados simples no dia a dia, como a forma correta de lavar as mãos, espirrar e tossir”, afirma Manoel Moura, presidente da Fundação Municipal de Saúde.

Ministério da Saúde visita HUT e avalia a possibilidade de ampliação do serviço de atendimento domiciliar

Ascom/HUT

A Equipe Multiprofissional de Atendimento Domiciliar (EMAD) do Hospital de Urgência de Teresina (HUT), que é gerido pela Fundação Municipal de Saúde, recebeu na manhã de hoje, 27, a visita da enfermeira Débora Benchimol, da coordenação geral de Atenção Hospitalar e Domiciliar do Ministério da Saúde (MS). De acordo com Débora o objetivo é conhecer o trabalho desenvolvido pela EMAD e ver as necessidades para planejar uma ampliação para o serviço.

“Como já vimos que o município de Teresina necessita de mais equipes, estamos aqui para dar esse apoio. Isso trará uma melhor assistência para os usuários do SUS. O gestor local, conhecendo as necessidades de cada área, pode definir onde as novas equipes podem ficar vinculadas. Estamos aqui para conhecer e apoiar a implantação de novas equipes”, explicou Débora Benchimol.

Após a apresentação dos indicadores da EMAD, a representante do Ministério da Saúde ressaltou o trabalho realizado pela Equipe. “Gostei muito dos indicadores apresentados. A EMAD do HUT pode servir de modelo para as novas equipes”, ressaltou.

Esse tipo de assistência está disponível para os pacientes do HUT desde 2014 e somente este ano já realizou 1.881 visitas domiciliares. A Equipe acompanha uma média de 50 pacientes por mês. Dentre os principais tipos de casos que se encaixam no perfil de atendimento da Equipe estão o Acidente Vascular Cerebral e o Traumatismo Craniano. De acordo com a coordenadora do Núcleo Interno de Atenção Domiciliar (NIAD), Erilene Pontes, por conta da gravidade dos pacientes o tempo de internação acaba sendo bastante prolongado.

“Nossa missão é proporcionar uma assistência especializada para esse paciente com a mesma qualidade que é oferecida no hospital, porém no conforto do seu lar. Isso significa mais qualidade de vida para o paciente e para as famílias durante todo o processo de recuperação”, disse a coordenadora do NIAD.

O diretor geral do HUT, Dr. Rodrigo Martins destacou a importância do trabalho da EMAD.  “O processo de desospitalização pela EMAD diminui o tempo de internação do paciente e aumenta a rotatividade dos leitos. Isso significa um aumento na capacidade de atendimento, pois quanto menor for o tempo de internação, maior será nossa capacidade de receber novos pacientes”, comentou o diretor.

 

A EMAD do HUT é composta por dois médicos, dois enfermeiros, quatro técnicos de enfermagem e um fisioterapeuta. Todos os profissionais receberam treinamento específico do Programa de Atenção Domiciliar do Ministério da Saúde para atendimento de baixa e média complexidade em domicílio.

 

A Atenção Domiciliar é uma estratégia de desospitalização do Ministério da Saúde voltado aos pacientes que possuem quadro clínico estabilizado, mas que necessitam de cuidados continuados que podem ser fornecidos no ambiente domiciliar. São pacientes que estão em pós-operatório, portadores de ostomias, úlceras, acamados e/ou que necessitam de atendimento fisioterápico, entre outros.

 

Projeto da UBS Boa Hora é selecionado para divulgação pelo Ministério da Saúde

O “Idade Ativa – Atividades para a Melhor Idade”, executado pela Unidade Básica de Saúde (UBS) João Cirilo Boa Hora, foi selecionado para divulgação na página do projeto “Mapeamento de Experiências Exitosas Estaduais e Municipais no Campo do Envelhecimento e Saúde da Pessoa Idosa”. É uma iniciativa que integra, desde 2013, a agenda anual da Coordenação de Saúde da Pessoa Idosa (COSAPI/DAPES/SAS) do Ministério da Saúde, em parceria com o Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT/Fiocruz).

Tem como foco conhecer e dar visibilidade a boas práticas de municípios e estados no campo da saúde da 3ª idade. “Com isso, espera-se incentivar os gestores a fomentarem estratégias e ações que contribuam para qualificar o cuidado à pessoa idosa no Sistema Único de Saúde”, explica Lívia Viana, enfermeira da equipe 235 da Estratégia Saúde da Família, que atua na UBS.

O Projeto traz na programação em encontros semanais, todas as sextas-feiras, às 08h, na Unidade de Saúde. Os idosos passam por uma bateria de exames e participam de atividades de alongamento, flexibilidade, equilíbrio e força muscular, com baixo impacto e intensidade moderada, de forma a evitar lesões. Além disso, são orientados sobre questões pertinentes para a idade, como alimentação saudável, importância das práticas corporais e risco de quedas.

“A inatividade física é um dos fatores de risco mais importantes para as doenças crônicas, associadas a uma dieta inadequada e uso do fumo”, justifica Lívia Viana. “É bastante prevalente entre os idosos, sendo preciso lembrar que saúde não é apenas uma questão de assistência médica e de acesso a medicamentos”, afirma ela.

A enfermeira relata que considera muito gratificante ver a atividade sendo reconhecida como exitosa e ser divulgada a nível Nacional. “É o que nos impulsiona a continuar realizando e divulgando nossas experiências de que é possível oferecer um serviço além da rotina e de qualidade no SUS”. Ela explica que grande parte das iniciativas inscritas envolvem práticas de promoção da saúde, estabelecimento de novos arranjos institucionais e novas perspectivas sobre o envelhecimento.

CDC visita FMS para conhecer programa de excelência em síndromes neuroinvasivas

Publicação

Nesta quarta (23) e quinta (24), uma equipe de neuroepidemiologistas do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos (CDC) será acompanhada por técnicos da Coordenação Geral de Vigilância das Arboviroses do Ministério da Saúde e da Associação Brasileira de Profissionais de Epidemiologia de Campo (ProEpi).

O Centro, que tem o nome original de “Centers for Disease Control and Prevention” (Atlanta, Estados Unidos), é o maior do mundo em pesquisa de doenças infectocontagiosas e está na capital para conhecer nosso programa de vigilância das encefalites virais e outras síndromes neuroinvasivas. O projeto foi implantado em Teresina em 2013, em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde do Piauí e com o Instituto Evandro Chagas.

A recepção será feita pelo presidente da FMS, Charles Silveira, pela diretora de vigilância em saúde da FMS, Amariles Borba, pela Gerente de Zoonoses, Oriana Bezerra, pelo neurologista responsável pelo programa, Marcelo Adriano, e por toda a equipe técnica do setor de epidemiologia.

O programa de vigilância das síndromes neuroinvasivas ganhou destaque nacional e internacional ao detectar os primeiros casos de encefalite pelo vírus do Nilo Ocidental do país e ao demonstrar que os vírus dengue, zika e chikungunya tem papel importante na causa de doenças neurológicas ao infectarem o sistema nervoso.  Durante a programação, serão visitadas as instalações da Diretoria de Vigilância em Saúde da FMS, o Hospital de Urgências de Teresina (HUT), o Instituto de Doenças Tropicais Natan Portela, o Hospital Universitário da UFPI e o Laboratório Central de Saúde Pública, Dr. Costa Alvarenga.

FMS recebe quase duas mil novas doses de vacina contra o sarampo

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) recebeu novas doses da vacina tríplice viral, que protege contra o sarampo e outras doenças. Foram 1980 doses, distribuídas entre 19 salas de vacina de todas as zonas da cidade e disponíveis a partir desta segunda (23).

Em razão da grande procura, os postos de Teresina tiveram redução no estoque. Assim, o Ministério da Saúde, responsável por adquirir e distribuir o material aos municípios, providenciou o reabastecimento para suprir a demanda.

Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS, lista os grupos que devem receber as doses. “As crianças devem tomar a ‘dose zero’ entre os seis e 12 meses de vida e depois fazer o seguimento com o calendário vacinal (uma aos 12 meses e outra aos 15 meses)”.

As pessoas que não se vacinaram nessa faixa etária poderão fazê-lo até os 49 anos, sendo que entre um e 29 anos pode tomar duas doses, de 30 a 49 anos tomar uma dose e maiores de 50 anos não devem se vacinar. Os profissionais de saúde, independentemente da idade, devem tomar duas doses. A vacina só é contraindicada para gestantes e pessoas com baixa imunidade, como pacientes em tratamento contra o câncer ou portadores de doenças que enfraquecem o sistema imunológico (como a gripe), já a vacina é feita com vírus vivo e atenuado, o que pode causar alguns efeitos colaterais.

O sarampo é uma doença viral aguda, altamente contagiosa e que pode levar a complicações graves e óbito. “A pessoa pode apresentar febre, tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido e mal-estar. Em torno de 3 a 5 dias, outros sintomas podem aparecer, como manchas vermelhas no corpo”, informa Amariles Borba. “A sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo a outras pessoas”, esclarece a diretora.

PONTOS DE DISTRIBUIÇÃO DE VACINAS SARAMPO – 23/09/2019

ZONA NORTE

. Hospital da Primavera

. UBS Santa Maria Codipi

. Hospital Buenos Aires

. Centro Integrado de Saúde Lineu Araújo

. UBS Ceci Fortes

 

ZONA SUDESTE

. Hospital do Dirceu

. UBS Renascença

. UBS Alto da Ressurreição

. UBS Carlos Alberto

. UBS Todos os santos

 

ZONA LESTE

. Hospital do Satélite

. UBS Santa Isabel

. UBS Ininga

. UBS Piçarreira

 

ZONA SUL

. UBS Parque Piauí

. Hospital do Promorar

. UBS Vermelha

. UBS Lourival Parente

. UBS Vila Irma Dulce

FMS aguarda Ministério da Saúde fazer resposição da vacina de sarampo

Em razão da grande procura, os postos de vacinação de Teresina tiveram redução no estoque da vacina Tríplice Viral, que protege contra sarampo, caxumba e rubéola. Nesse momento, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) aguarda a reposição pelo Ministério da Saúde, responsável por adquirir e distribuir vacinas aos municípios brasileiros. A previsão é que os postos sejam abastecidos nos próximos dias.

A recomendação de especialistas da FMS é de que as pessoas continuem buscando os postos de vacinação para atualização do seu cartão de vacina. “Estamos aguardando reposição dessa importante vacina, mas é necessário lembrar que temos outras vacinas em estoque, disponíveis para todas as faixas etárias e que são altamente seguras, pois passam por rigorosos critérios de qualidade”, explica Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde.

Amariles Borba alerta a população sobre os sintomas do sarampo, doença viral aguda e contagiosa. “A pessoa pode apresentar febre, tosse, irritação nos olhos, nariz escorrendo ou entupido e mal estar. Em torno de 3 a 5 dias, outros sintomas podem aparecer, como manchas vermelhas no corpo. A sua transmissão ocorre quando o doente tosse, fala, espirra ou respira próximo a outras pessoas”.

É importante esclarecer quem deve tomar a vacina tríplice viral: as crianças devem tomar a “dose zero” entre os 6 meses e 1 ano de idade e, depois, devem fazer o seguimento com o calendário vacinal (uma dose aos 12 meses de idade e  a segunda dose aos 15 meses).

As pessoas que não se vacinaram nessa faixa etária (12 e 15 meses de idade), podem se vacinar até os 49 anos de idade, sendo que entre 1 ano e 29 anos, pode tomar duas doses da vacina, de 30 a 49 anos tomar uma dose e maiores de 50 anos não devem se vacinar. Os profissionais de Saúde, independente da idade, tomar duas doses.

Locais que tem vacina do sarampo, entre 20 a 50 doses e ficarão disponíveis enquanto durarem os estoques:

Zona leste-

1. Unidade Básica de Saúde Dr. José Adaik Fonseca de Castro / Taquari

2.UBS Cidade Jardim

Zona sudeste –

1. UBS Nossa Senhora da Guia

2. UBS Carlos Alberto Cordeiro

3.UBS Raimundo Soares Oliveira/Firmino Filho

4. UBS Ivan Sobral /Novo Horizonte

5.UBS Helvido Ferraz/Todos os Santos

6. Dr. Gil Martins /Usina Santana

7.UBS Taboca do Pau Ferrado

8. UBS Dr.Chagas Martins/ Estaca Zero

9. UBS Atalaia

Zona norte –

1.UBS Real Copagre

2.UBS Santa Maria da Codipi

3. UBS Dr. Evaldo Carvalho /Nova Brasília

4. UBS Adelino Matos

5.UBS Dr. Antônio Benicio Ferreira Silva /Poty Velho

6.UBS Dr. Marcos Guedes /Nova Teresina

7. UBS Valdinar Pereira /Mocambinho

8. UBS do Buenos Aires

9. UBS do Jacinta II

Zona sul –

1.UBS Dr. José Cândido /Carolina Silva

2.UBS Dra.Virginia Castelo Branco /Santa Clara

3. UBS Dr Fernando Gomes Lima /Portal da Alegria

4.UBS Nossa Senhora da Paz /Vila da Paz

5. UBS Dr. Sérgio Luís Chantal Nunes/Três Andares

6. UBS Parque Piauí