Mulheres do Amor de Tia Sudeste debatem sobre os desafios enfrentados durante o isolamento

Ascom SMPM

“Os desafios da mulher durante o isolamento social”. Essa foi a temática da roda de conversa realizada na manhã desta segunda-feira (14) com as mulheres assistidas pelo Amor de Tia Sudeste. O objetivo do encontro era discutir os impactos do isolamento social, devido à pandemia do Coronavírus, na vida das mulheres, tendo em vista que os períodos de crise tendem a intensificar as desigualdades existentes dentro da sociedade, sejam de renda, etnia ou gênero.

“Percebemos que essas desigualdades se tornam mais latentes e fortes em período de crise. No caso das mulheres, a sobrecarga de trabalho se intensifica ainda mais, elas precisam assumir o controle da casa e das crianças, é uma dupla jornada. Sabemos que esses papéis não devem recair somente na mulher, por isso é importante entender o reconhecimento dessas desigualdades, esse é o primeiro passo para transformá-las”, explicou Caroline Leal, assistente social da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres.

Para a comerciante Íris de Abreu, mãe da pequena Iara de apenas dois anos, que é acompanhada pelo serviço desde março de 2020, a atividade funcionou como uma excelente forma de desabafo. “É sempre bom a gente conversar com outras pessoas, principalmente nesse período de pandemia, para sair também um pouco dessa rotina de isolamento e da sobrecarga de afazeres, o que não tem sido fácil”, relatou.

Já para a Ana Maria da Silva, que participa do serviço desde novembro de 2019, as rodas de conversa abrem muito a mente e funcionam como um espaço de acolhimento.  “Muitas vezes a gente não confia em conversar certos assuntos com algumas pessoas, mas aqui me sinto muito à vontade pra falar qualquer coisa, tenho total liberdade, e eu gosto muito. São momentos bastante esclarecedores e produtivos, que sempre faço questão de participar e aprender cada vez mais”, afirmou.

Amanhã (15), às 9h30, será realizada mais uma roda de conversa, com a mesma temática, na unidade do Amor de Tia da região Norte, localizado na Rua Antônio Pedro, bairro Matadouro. O Amor de Tia é um serviço vinculado à Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres, que atende mulheres em situação de vulnerabilidade ou violência em Teresina. Também são desenvolvidas atividades integrativas com crianças de 1 ano a 2 anos e nove meses.

SMPM reúne secretarias que irão prestar serviços no Amor de Tia Sul II

Neste mês de setembro, a Prefeitura de Teresina fará a entrega da primeira unidade da zona rural do Serviço Amor de Tia, que atenderá mulheres em situação de vulnerabilidade ou violência, acolhendo também suas crianças. Para isso, foi realizada nesta terça-feira (08), uma reunião de alinhamento técnico com representantes das secretarias municipais que irão promover ações de forma conjunta dentro do serviço.

O Amor de Tia Sul II, localizado no Povoado Salobro, foi projetado para atender 100 mulheres e 100 crianças, nos turnos manhã e tarde. Além de trabalhar o empoderamento feminino, o serviço envolve diversas políticas, como saúde, assistência social e o componente econômico.

Para a Secretária Executiva da SMPM, Maria Helena Santos, o momento de inauguração da nova unidade marca a efetividade de expansão do Serviço Amor de Tia na cidade de Teresina e contar com  parcerias e novas atividades é sempre muito importante.

“Sempre tivemos em mente essa ideia de expandir o serviço para mais mulheres e agora isso se efetivará mais uma vez. Essa unidade na zona rural vai ser trabalhada com um olhar diferente, ela tem uma característica diferente da zona urbana, então requer um olhar específico, e agregar outras secretarias com novas propostas é sempre válido e bastante relevante”, destaca.

A unidade da zona rural contará com uma novidade, a academia popular. “O espaço será destinado ao atendimento às mulheres, com o objetivo de trabalhar a autoestima, estimular o bem-estar e uma melhor qualidade de vida”, pontua o secretário executivo da Semel, Francinélio Ribeiro. Ainda, segundo o mesmo, a academia também ficará aberta para a comunidade.

No momento inicial, por conta da pandemia será realizado apenas o monitoramento com as crianças, para as mães participarem das atividades oferecidas pelo serviço. Com as crianças, as atividades só serão iniciadas no espaço de acordo com o cronograma da Secretaria Municipal de Educação (SEMEC).

O Serviço da Prefeitura de Teresina, coordenado pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM), deve contar ainda com a parceria da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC), Secretaria Municipal de Esporte e Lazer (SEMEL), Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI) por meio do Centro de Referência e Assistência Social (CRAS), Secretaria Municipal de Educação (SEMEC), Fundação Wall Ferraz (FWF) e  Fundação Municipal de Saúde (FMS).

Prefeitura implanta “Alô Mulher Teresina” para atender mulheres vítimas de violência

O prefeito Firmino Filho lançou nesta terça-feira (14) o “Alô Mulher Teresina”, uma experiência inovadora no país. Trata-se da implantação de uma central telefônica que vai oferecer uma rede de serviços para as mulheres em situação de vulnerabilidade social e vítimas de violência. Os atendimentos através do call center serão voltados também para área de saúde mental, assistência social e protagonismo feminismo com o objetivo de estimular a ressocialização e uma maior independência financeira das mulheres.

O Alô Mulher Teresina funcionará de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, através do número 0800 033 0302, e tem a possibilidade de atender, inicialmente, até 480 ligações por dia. O serviço dispõe também de um ramal de emergência que poderá ser acionado pelas mulheres em caso de alguma urgência.

Durante solenidade virtual, o prefeito Firmino Filho destacou a importância do novo serviço. “Temos trabalhado para ampliar o acolhimento às mulheres, especialmente durante a pandemia, período em que percebeu-se aumento nos casos de violência doméstica. Então, essa iniciativa vem se somar a outras ações do município para proteger e garantir, de forma inovadora, os diretos das mulheres de Teresina”.

A Secretária Nacional de Mulheres, Cristiane Britto, parabenizou a Prefeitura de Teresina pela iniciativa e destacou que o município é uma vitrine para todo o Brasil. “Teresina é um exemplo de como a rede de atendimento as mulheres pode funcionar de forma harmoniosa e eficaz”, elogiou.

De acordo com a Secretária Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Macilane Gomes, um dos destaques do novo serviço é a articulação de várias secretarias municipais, que irão prestar atendimento através de uma equipe especializada e com um acompanhamento em tempo real. “São oito pastas envolvidas nesse trabalho. É muito importante que a gente possa proporcionar um maior suporte num momento de fragilidade que as mulheres estão passando”.

O teleatendimento poderá ter ser feito em até três fases, dependendo da gravidade da situação de cada mulher. Ela poderá ser atendida por especialista por meio de ligação de voz ou vídeo. Esse serviço também contará com um ramal de emergência que poderá ser acionado pelas mulheres em caso de alguma urgência.

O sistema teleatendimento foi desenvolvido pela empesa OPT Tecnologia em Comunicação. “Esse é um canal que conta com a mais moderna tecnologia de comunicação. Quem ligar, não precisa ter crédito ou sinal de internet. A mulher pode fazer a ligação de qualquer local e ter acesso a um atendimento especializado segundo sua necessidade”, explica o CEO fundador da OPT, Dante Brazão.

O “Alô Mulher Teresina” será coordenado pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) e contará ainda com a parceria da Secretaria Municipal de Cidadania Assistência Social e Políticas Integradas (SEMCASPI), Fundação Municipal de Saúde (FMS), Secretaria Municipal de Economia Solidária (SEMEST), Fundação Wall Ferraz (FWF), Empresa Teresinense de Processamento de Dados (PRODATER), Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo (SEMDEC) e Secretaria Municipal de Administração (SEMA).

Guarda Maria da Penha registra 11 descumprimentos de medidas protetivas

A Guarda Maria da Penha,  executado por uma patrulha da Guarda Civil Municipal, já flagrou 11 descumprimentos de medidas protetivas desde o início de sua operação, em junho . O projeto atende mulheres vítimas de violência que são assistidas pelo Centro de Referência Esperança Garcia.

O trabalho de capacitação, iniciado em janeiro deste ano, buscou não só delegar procedimentos às equipe da Guarda, mas oferecer uma compreensão aprofundada do fenômeno da violência contra a mulher. 

“O serviço segue os princípios dos direitos humano e possui alguns eixos estratégicos como o monitoramento das medidas protetivas, a capacitação continuada da Guarda Municipal e a produção de material informativo”, explica a secretária de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas, Janaína Carvalho. 

A estratégia consiste em visitas de 8 a 10 mulheres por dia, dependendo da gravidade dos casos. O monitoramento acontece nos três turnos, durante todos os dias e é realizado por um trio de guardas, sendo uma, obrigatoriamente, mulher. Os descumprimentos das medidas protetivas são mediados e repassados ao CREG, que notifica o órgão competente para que sejam tomadas as devidas providências. 

“Esse é um trabalho relevante para a cidade de Teresina, especialmente para as mulheres que são atendidas na Esperança Garcia. É um trabalho feito pelos guardas municipais, demonstrando todo o apego que eles têm pela proteção à mulher”, destaca o comandante da GCM, coronel John Feitosa. 

Além das patrulhas diárias, as mulheres atendidas também podem contar com o 153, canal de contato gratuito com a Guarda Municipal, disponível para toda a população da capital.

Mais de 250 mulheres recorreram ao Esperança Garcia para orientação sobre violência no isolamento

Um total de 141 mulheres procurou pela primeira vez o Centro de Referência Esperança Garcia (CREG) para pedir orientação em caso de violência durante esse período de isolamento social em virtude da pandemia do novo Coronavírus. Desde o início da pandemia a unidade, que é vinculada à Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM), faz o uso do sistema de teleatendimento para atender mulheres vítimas de violência na capital e contabilizou até o dia 12 de junho de 2020 total de 283 atendimentos.

Segundo a coordenadora do CREG, Roberta Mara, além das 141 mulheres que procuraram a unidade pela primeira vez, também foram solicitados 84 atendimentos a mulheres que já são vinculadas à unidade, entre outros tipos de atendimentos.

“Os atendimentos são realizados mediante as especificidades de cada caso por profissionais especializados, como psicólogas, assistentes sociais e membros da área jurídica. Os mais solicitados durante esse período foram os referentes à área jurídica, que envolvem orientações sobre denúncias e requerimentos de medidas protetivas. Mas também são realizados acolhimentos de suporte psicológico, que auxiliam na fragilidade emocional das mulheres, e, por último, o social, que oferece apoio às mulheres em situação de vulnerabilidade”, esclareceu a coordenadora.

De acordo com a gerente de Enfrentamento à Violência da SMPM, Lidiane Oliveira, é necessário ter um olhar atento a esses dados, como também monitorar a situação dessas mulheres após esses atendimentos. Além de destacar o período de isolamento social como um fator para o aumento nos atendimentos da unidade, a profissional atribuiu os números significativos à implantação do contraturno, que permite a realização de atendimento nos turnos manhã e tarde e também aos fins de semana e feriados.

“O Centro de Referência passou a funcionar ainda nesse período de distanciamento social de forma mais ampla, aumentando o suporte a essas mulheres que precisam de atendimento ou orientação. É importante destacar que a unidade não é um canal de denúncia, ela oferece orientação às mulheres em situação de violência. Para isso temos profissionais capacitados, uma equipe multidisciplinar para o suporte necessário”, afirmou a gerente.

Nas redes sociais, a SMPM (@smpmteresina) vem realizando desde o início desta semana uma campanha de incentivo para às mulheres procurarem ajuda no Centro de Referência Esperança Garcia ou em alguma instituição de apoio a mulheres vítimas de violência. Na oportunidade, estão sendo postados vídeos curtos de outras mulheres que estimulam a realização de denúncias e a procura pela unidade.

Caso queiram realizar notificações formais de denúncia, as mulheres vítimas de violência devem procurar a Central de Atendimento à Mulher, pelo número 180, que atualmente é o principal canal de denúncia. Em Teresina, as mulheres também podem procurar as Delegacias da Mulher, que ficam localizadas nas regiões Centro Sul, Sudeste e Norte, pelos respectivos telefones: (86) 3233-2323 / (86) 3220-3858 / (86) 3216-1572 / (86) 99454-3940.

O Centro de Referência Esperança Garcia (CREG) atende mulheres em situação de violência na cidade de Teresina, oferecendo assistência social, psicológica e jurídica. Durante o período de isolamento por conta da pandemia, a unidade está realizando atendimentos por ligações ou via whatsapp através do número: (86) 99416-9451.

SMPM apresenta plano de enfrentamento a violência contra mulheres durante a pandemia

As políticas públicas para mulheres desenvolvidas em Teresina durante a pandemia foram apresentadas no diálogo virtual ‘Conexão Mulheres Brasil’. A reunião, promovida pela comissão piauiense da Associação Brasileira de Mulheres na Carreira Jurídica, teve o objetivo de conectar as secretarias de políticas para as mulheres no âmbito federal, estadual e municipal, além de várias entidades ligadas à rede feminina de defesa à mulher.

Segundo a secretária da SMPM, Macilane Gomes, após determinação de distanciamento social, a equipe da secretaria elaborou um plano estratégico de enfrentamento à violência denominado ‘Teresina Para Elas’. Este plano compreende alguns eixos estratégicos como a comunicação, buscando atender as especificidades e necessidades das mulheres neste contexto.

“Pensamos em como poderíamos fazer para as informações circularem, até chegar no público alvo, então veio a ideia das lives, rádio, gravação de vídeos, e assim estamos atuando com várias formas de comunicar. Outra estratégia utilizada foi a de articulação com a Rede de enfrentamento à violência contra à mulher para conhecer como as outras instituições também estão trabalhando neste momento”, enfatiza a secretária.

Segundo a Secretária Nacional de Políticas para as Mulheres, Cristiane Britto, as estratégias envolvidas no enfrentamento à violência contra a mulher em todo o Brasil devem ser pensadas também para as mulheres que possuem pouco ou nenhum tipo de acesso à comunicação. “Queremos levar soluções para as mulheres que não têm nenhuma condição de fazer uma denúncia. Estamos avançando para propiciar comunicação até por rádio, se for preciso, mas nós precisamos chegar a essas mulheres invisibilizadas. Isso é fazer cercear uma violação de direitos humanos. A falta de acesso a um meio para fazer uma denúncia é uma violação, precisamos combater isso”, destacou a Secretária Nacional.

Além de enfatizar a importância de fortalecer os meios de comunicação no enfrentamento à violência, a Secretária Nacional Cristiane Britto, falou ainda sobre o Plano de Combate ao Feminicídio, projeto que teve seu lançamento adiado devido à pandemia, mas deve ser retomado no segundo semestre. Ela também destacou as ferramentas de denúncia à violência, assim como a importância das delegacias virtuais nesse processo, onde a mulher não precise se dirigir à delegacia para efetivar alguma denúncia.

As mulheres de Teresina que sofrerem algum tipo de violência e precisarem de orientações, podem entrar em contato também com o Centro de Referência Esperança Garcia (CREG). A unidade está realizando atendimentos por ligações ou via Whatsapp através do número: (86) 99416-9451, nos dois turnos, manhã e tarde e também aos finais de semana. O local disponibiliza assistência social, psicológica e jurídica a essas mulheres.

 

Mulheres acompanhadas pelo Centro de Referência são beneficiadas com cestas básicas

Cerca de 40 mulheres acompanhadas pelo Centro de Referência Esperança Garcia (CREG), unidade vinculada à Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM), foram beneficiadas com cesta básicas, kits de higiene e de limpeza. A atividade solidária conjunta aconteceu entre a Ação Social Arquidiocesana (ASA) em parceria com a Fundação Banco do Brasil.

Na próxima terça-feira (16), o serviço contará com uma nova atividade beneficente. Na oportunidade serão entregues nove cartões às mulheres para a realização de compras de alimentos no valor de R$ 50,00 a serem utilizados em uma rede de supermercado específica da capital.

De acordo com a coordenadora do Centro de Referência, Roberta Mara, a ação social acontece num momento muito importante, prestando assistência necessária às mulheres em situação de vulnerabilidade.  “É uma assistência a mais que a gente possibilitou. Além da situação de violência doméstica, muitas estão em situação de vulnerabilidade, então esse benefício vai ajudar bastante”, destacou a coordenadora.

Para M.L*(abreviação do nome por sigilo e segurança), que está sendo acompanhada pelo serviço há dois anos, o benefício veio em um momento ideal, por conta da situação financeira que enfrenta atualmente.

“Sou diarista e estou desempregada, tenho dois filhos para cuidar, eu realmente estava precisando muito dessa cesta básica e demais utensílios. Graças a Deus ainda existem pessoas que ajudam os necessitados, sou muito grata ao CREG, por tudo que já fizeram por mim”, afirma M.L*.

O Centro de Referência Esperança Garcia (CREG) atende mulheres em situação de violência na cidade de Teresina, oferecendo assistência social, psicológica e jurídica. Durante o período de isolamento por conta da pandemia, a unidade está realizando atendimentos por ligações ou via whatsapp através do número: (86) 99416-9451, agora em dois turnos, manhã e tarde e também aos finais de semana.

Guarda Maria da Penha inicia monitoramento de medidas protetivas de mulheres vítimas de violência

Tiveram início nesta segunda-feira (01) as visitas realizadas pela Guarda Maria da Penha para o acompanhamento e monitoramento de medidas protetivas de mulheres em situação de violência doméstica de Teresina e que são acompanhadas pelo Centro de Referência Esperança Garcia (CREG).

As ações de monitoramento beneficiam 57 mulheres com medidas protetivas, e que tiveram a determinação judicial homologada antes do período de isolamento. De acordo com Macilane Gomes, secretária Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM), o serviço é mais um mecanismo importante para a proteção de mulheres em toda a capital.

“Agora, com o acompanhamento da Guarda, teremos esse trabalho de proteção especial às mulheres com medidas protetivas. Existe toda uma articulação da rede de atendimento, e esse serviço vem fortalecer essa rede de proteção às mulheres. O acompanhamento vai acontecer de forma assistemática. Por dia, foi programada a visita da equipe a oito mulheres, mas em situação de urgência elas também podem acionar o plantão da Guarda Maria da Penha através do número 153”, explica a secretária.

O projeto Guarda Maria da Penha é coordenado pela SMPM e Secretaria de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi). A equipe é composta por dois guardas, um homem e uma mulher, que foram capacitados para a realização do trabalho. Além do monitoramento às mulheres vítimas de violência, outra novidade é a extensão do teleatendimento realizado pelo Centro de Referência Esperança Garcia (CREG).

“Diante dessa situação de isolamento social, tivemos um aumento na procura dos serviços. Então já tínhamos essa proposta de atender nos dois turnos, por conta da alta demanda. A partir de agora, nossas profissionais estão realizando atendimentos e orientando as mulheres no período da manhã, tarde e também aos finais de semana”, relata a coordenadora do CREG, Roberta Mara.

O Centro de Referência Esperança Garcia atende mulheres em situação de violência em Teresina, oferecendo assistência social, psicológica e jurídica. Durante o período de isolamento, a unidade realiza atendimentos por ligações ou via Whatsapp pelo telefone (86) 9 9416-9451, de segunda à sexta e aos finais de semana nos turnos manhã e tarde.

Prefeitura lança Guarda Maria da Penha para atender mulheres em situação de violência


A partir de agora, a Guarda Civil Municipal passa a ter também a missão de cuidar das mulheres em situação de violência doméstica. Nesta sexta-feira (29), a Prefeitura lançou o serviço Guarda Maria da Penha, disponibilizando uma equipe exclusiva para fazer o monitoramento das medidas protetivas a 57 mulheres acompanhadas pelo Centro de Referência Esperança Garcia.

Segundo o prefeito Firmino Filho, neste momento em que a pandemia do Coronavírus ameaça a todos, tem sido observado também o aumento da violência doméstica contra a mulher. “Estamos no meio dessa grave crise epidêmica e, infelizmente o seu mais importante instrumento de enfrentamento, que é o isolamento social, tem permitido o aumento da violência contra a mulher. Além do apoio do Centro de Referência Esperança Garcia, estamos oferecendo também o serviço da Guarda Maria da Penha, reforçando o trabalho de enfrentamento desse tipo de violência”, destacou.

A iniciativa será coordenada pela Secretaria de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi) e pela Secretaria Municipal de Políticas Públicas Para Mulheres (SMPM). A equipe é composta por dois guardas: um homem e uma mulher, que foram capacitados para a realização do trabalho.

“O acompanhamento será feito de forma sistemática, com visitas diárias às residências das mulheres assistidas pelo serviço”, explicou a secretária municipal de Políticas para as Mulheres, Macilane Gomes, ressaltando que, inicialmente, serão acompanhadas pela Guarda apenas aquelas mulheres que tiveram a decisão judicial de medida protetiva homologada antes do período de isolamento.

O secretário da Semcaspi, Samuel Silveira, afirma que o projeto é mais um importante instrumento de proteção às mulheres, principalmente nesse momento de isolamento social causado pela pandemia, onde os casos de violência têm se intensificado. “Com a implantação da Guarda Municipal Maria da Penha, estamos ampliando a rede de proteção às mulheres para reduzir os índices de violência doméstica na capital e também construir práticas educativas de respeito e proteção aos direitos das mulheres”, disse.

Desde o início do isolamento social, o Centro de Referência Esperança Garcia modificou sua forma de atendimento às mulheres. A maioria daquelas que precisam de ajuda passou a utilizar o WhatsApp para buscar orientações ou fazer denúncia. “É uma situação em que a mulher está junto com o agressor e o contato pelo WhatsApp facilita essa conversa, essa busca por informações e formas de denúncias”, ressaltou a coordenadora do Centro, Roberta Mara.

O Centro de Referência Esperança Garcia (CREG) atende mulheres em situação de violência em Teresina, oferecendo assistência social, psicológica e jurídica. Durante o período de isolamento, a unidade realiza atendimentos por ligações ou via Whatsapp pelo telefone: (86) 9 9416-9451, de segunda à sexta, das 8h às 14h.

SMPM discute melhorias para o teleatendimento das mulheres em situação de violência

Com objetivo de discutir mecanismos de aperfeiçoamento para o teleatendimento à mulher em situação de violência na cidade de Teresina, a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM) realizou um encontro virtual com a participação da especialista e doutora em violência de gênero, Wânia Pasinato.

Durante a conversa, a especialista destacou que passar do atendimento presencial para o teleatendimento não é um processo fácil. “É um processo de adaptação. O atendimento remoto é um desafio para todos, não temos essa prática no Brasil, exceto no ligue 180. Temos experiências muito pontuais de atendimento que sejam feitos de forma remota, com acolhimento e encaminhamento das mulheres”, destacou a especialista.

Os atendimentos às mulheres estão sendo realizados pelo Centro de Referência Esperança Garcia (CREG). A coordenadora do Centro, Roberta Mara, afirma que desde a adoção das medidas de isolamento, foi verificada uma maior procura pelo Whatsapp, onde houve também uma intensa demanda por orientações de denúncia. “É uma situação em que a mulher está junto com o agressor e o contato pelo Whatssap facilita essa conversa, essa busca por informações e formas de denúncias”, ressaltou a coordenadora.

Na reunião foram apresentadas sugestões para ampliação do teleatendimento durante o período de pandemia, de padronização do atendimento remoto para trazer o respaldo institucional assim que as mulheres entrarem em contato, criação de novas plataformas para auxiliar no atendimento, como aplicativos de celular, entre outras propostas.

Também participaram do encontro, a secretária de Políticas para as Mulheres, Macilane Gomes; a gerente de Enfrentamento à Violência da SMPM, Lidiane Oliveira, assim como psicólogas e demais membros da rede de atendimento à mulher da SMPM que estão atuando nesse contexto de pandemia.