Secretaria da Mulher realiza evento com serviços voltados para o público feminino no Anita Ferraz

A Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) realizou neste sábado (07), o evento “Bem Me Quero” – Amor e carinho por você e pela vida. A celebração foi realizada no Centro de Aprendizagem Carlos Novaes, no bairro Anita Ferraz, zona Leste de Teresina. Durante o evento, foram oferecidos serviços e atendimentos pelo Centro de Referência da Assistência Social (CRAS), Comissões da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil/Secção Piauí, Fundação Wall Ferraz e Fundação Municipal de Saúde.

De acordo com a Secretária Gabriela Rodrigues, a ação teve como objetivo fazer uma busca de mulheres para orientar outras mulheres em zonas descentralizadas na capital para falar dos serviços de gênero, saúde, assistência social e justiça oferecidos pela Prefeitura de Teresina. “Uma linda manhã com atividades para nossas mulheres teresinenses promovida pela SMPM”, avalia a secretária. “Uma forma de acolhermos mais mulheres e mostrar a necessidade do autocuidado e os serviços que ela pode obter em situação de vulnerabilidade ou violência”, pontua.

É o caso de Maria Raimunda, moradora do bairro Elmano Ferrer, que foi até o evento obter orientações pelo CRAS. A presença e atendimento dos profissionais contribuíram para que ela possa acessar benefícios e possa garantir a segurança alimentar da família. “É muito bom quando um evento assim olha para a gente com humanidade”, conta.

Além disso, foram oferecidos serviços odontológicos, como avaliação gratuita e aplicação de flúor pelos profissionais da Coife Odonto. A clínica esteve presente nos Serviços Florescer, e agora, retoma a parceria durante os eventos do Bem Me Quero.

Jaisa da Silva, tem 25 anos, e aprovou as ações oferecidas pela Fundação Wall Ferraz, como cortes de cabelo, pedicure e manicure. Durante as rodas de conversa, a mulher pretende ingressar no Serviço Florescer para poder ter acesso aos cursos e capacitações oferecidos pelo Serviço. “É uma forma da gente garantir a profissionalização para mulheres e ingressar no mercado de trabalho”, finaliza.

Fotos: Ascom/SMPM

Servidoras da SMPM participam de formação sobre direitos das mulheres trans e travestis

As servidoras e funcionárias da Secretaria de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) participaram na manhã desta segunda-feira (18) da capacitação mensal oferecida pelo Grupo de Convivência de Travestis e Transexuais (GPTrans), veiculada à Superintendência de Direitos Humanos – Gerência de Enfrentamento à LGBTfobia – SASC, chamada “Respeitar é preciso”. A capacitação, realizada no Centro de Formação Odilon Nunes, contou com a presença de representantes dos direitos LGTQIA+ e funcionárias dos serviços da SMPM.

Durante a ocasião foi alinhado como melhorar o atendimento às mulheres trans e travestis no Serviço Florescer e no Centro de Referência Esperança Garcia (Creg). Além disso, foi debatido sobre a legislação vigente na capital para proteger todas as mulheres em situação de vulnerabilidade e violência de gênero.

Neste mês, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) estabeleceu que a Lei Maria da Penha se aplica aos casos de violência doméstica ou familiar contra mulheres transexuais. O colegiado considerou que a lei trata de violência baseada em gênero, e não no sexo biológico.

A decisão do STJ é inédita e abre precedente para que outros casos semelhantes tenham o mesmo entendimento. Embora alguns tribunais inferiores já tenham decisões parecidas, ainda há muitos casos em que as medidas protetivas e demais dispositivos da Lei Maria da Penha são negados às mulheres trans.

A secretária Gabriela Rodrigues reforça que as capacitações qualificam os serviços da capital para ampliar o debate sobre direitos humanos. “Trouxemos todas as funcionárias dos serviços para que a gente possa atender cada vez mais mulheres, sejam elas cis ou trans, mas saibam que podem contar com nossos atendimentos”, reforça a secretária.

Para a coordenadora do Creg, Roberta Mara, o propósito da capacitação é suprir as carências de conhecimento e termos, além de saber do que há de instrumento legal para atender o segmento específico. “Sabemos da dificuldade em direcionar, pois não há equipamento público específico para atender a demanda trans”, explica a coordenadora. “Mas mesmo que incipiente o momento foi de valia acerca do que há de conquista e também para sabermos das terminologias, logo trabalhamos com gênero”, finaliza.

Foto: Divulgação (SPMP)

Mulheres em situação de rua recebem serviços e participam de roda de conversa da SMPM

A equipe da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM), levou na manhã de terça-feira (29), uma roda de conversa sobre os serviços oferecidos pela Secretaria, para mulheres que vivem em situação de rua atendidas pelo Centro POP, da Prefeitura de Teresina. Além disso, foram doados roupas, calçados e kits com absorventes e preservativos.

 

Foto: Ascom SMPM

Na ação, ao todo 28 kits foram distribuídos, somado a isso ouve um momento de escuta dessas mulheres. “O intuito é apresentar os serviços da secretaria da mulher. Muitas dessas mulheres, por viverem nas ruas, acabam naturalizando o processo da violência, e resolvemos explicar os tipos de violência e como elas podem buscar os mecanismos de apoio com o Centro de Referência da Mulher em Situação de Violência – Esperança Garcia (Creg)”, relatou Danyela Batista, do apoio técnico da articulação da SMPM.

O encontro também proporcionou informação e cuidados com a saúde da mulher. “Foi mais uma troca de experiências, aproveitamos o momento para falar e prevenir a pobreza menstrual, onde disponibilizamos absorventes para essas mulheres que muitas vezes não têm condição de adquirir com recursos próprios”, frisou Danyela Batista.

Mulheres podem procurar serviços

A secretária da Mulher, Karla Berger, destaca que a Prefeitura de Teresina junto com a SMPM possui serviços específicos para atender mulheres que possam estar em situação de violência capital, e um deles é o Creg.

“Contamos com o Creg que atende mulheres em situação de violência doméstica, familiar e de gênero, residentes em Teresina, com idade de 18 a 59 anos, oferecendo assistência jurídica, social e psicológica”, destaca Karla. “As mulheres podem ser encaminhadas pela rede de enfrentamento a violência contra a mulher ou acessar diretamente o serviço que fica no Centro de Teresina”, complementa a secretária.

SMPM inicia projeto de atendimento odontológico para mulheres em situação de violência e vulnerabilidade

Tornar as pessoas mais feliz através do autocuidado. Essa é a proposta do Projeto “Sorriso a curva mais bonita do corpo”, que a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) em parceria com a rede de clínicas odontológicas Coife Odonto Teresina iniciaram na manhã desta sexta-feira (26). Os atendimentos odontológicos beneficiaram, primeiramente, as mulheres em situação de violência acolhidas pelos Centro de Referência Esperança Garcia- CREG.

As assistidas receberam os serviços clínicos voltados para a promoção da saúde, com ações para prevenir doenças bucais na sede da rede no Centro. “Estou em busca, a cada dia, de melhorias para nosso serviço e sinto-me feliz por ajudar a levantar a autoestima, proporcionando qualidade de vida para as nossas mulheres”, afirma a secretária da Mulher, Karla Berger.

O gerente administrativo da Coife Odonto, Jonathan Emanuel, explica que a rede de franqueados disponibilizará profissionais para realizarem os procedimentos de avaliação inicial, aplicação de flúor e higienização. Para ele, quem participa do programa, não só receberam o seu sorriso de volta, mais sua autoestima, a vontade de voltar a vida.

“Essa ação faz muito bem e sempre estamos promovendo esse tipo de atendimento tanto nos bairros como no interior. Temos seis franqueados, sendo cinco em Teresina e uma no Maranhão”, justificou.

“Nós mulheres que somos vítimas de violência doméstica, quanto mais tivermos profissionais com esse olhar de cuidado, nos sentiremos amparadas”, relatou Rosana Freitas* que há oito meses é atendida no CREG.

A coordenadora de monitoramento dos Florescer, Caroline Leal reforça que os atendimentos de aplicação de flúor também serão estendidos para todos os filhos das assistidas nos serviços. “Caso a mulher necessite fazer procedimentos após essa avaliação, a empresa irá fornecer um valor diferenciado para ela que está em situação de vulnerabilidade ou enfrentando alguma situação de violência”.

Os serviços clínicos serão disponibilizados também nas quatro unidades do serviço Florescer que atende mulheres em situação de vulnerabilidade social e suas crianças na faixa de 1 a 2 anos e onze meses, atingindo cerca de 500 mulheres.

O cronograma dos atendimentos odontológicos segue sendo realizados das 8 às 12h nas sedes do Florescer Norte nos dias: 29/03, Salobro: 30/03, Sudeste: 31/03 e Sul: 01/04.

*Nome fictício no intuito de preservar a imagem da assistida no CREG.

Foto: Divulgação (SMPM)

Evento irá homenagear artesãos e mulheres em shopping da capital

Neste sábado (19), se comemora o Dia do Artesão, e para celebrar a data, ocorrerá no Teresina Shopping, no Bairro Noivos, na zona Leste de Teresina, o “Viva a Arte”, evento que este ano tem como tema “artesãos que criam, mulheres que fazem”. Ainda dentro da programação, ocorrerão diversas atividades gratuitas voltadas para celebrar o Mês da Mulher, as mesmas irão iniciar às 18h e seguem até às 22h.

Durante o evento, terão sorteios de prêmios, talk shows com Cláudia Claudino e Jousy Lima, além de show com Lene Alves e banda, e o melhor do forró raiz com a banda As Fulô do Sertão, além da apresentação do Coral das Mulheres Empreendedoras. Para quem for ao shopping, o local já está disponibilizando uma feirinha com exposição de diversos produtos feitos por 18 artesãos da capital.

De acordo com Jousy Lima, uma das organizadoras do “viva a arte”, o evento que ocorre todos os anos, tem como objetivo principal homenagear as mulheres empreendedoras, porém por conta do Dia do Artesão, resolveram anexar essa homenagem extra as pessoas que trabalham com artesanato em Teresina. Jousy Lima lembra ainda que o evento é realizado pela Associação Federação das Microempresas do Piauí e da Associação de Pequenos Empreendedores do Estado do Piauí, com o apoio de diversos parceiros.

“Serão oportunidades de parabenizarmos as mulheres e ainda valorizar o artesanato local, além de curtir o bom som das mulheres que se destacam na música teresinense. Vai ser uma linda festa, por isso é importante que a população, principalmente as mulheres compareçam ao shopping para prestigiar o evento”, conta Jousy Lima.

Entre os parceiros, está a Prefeitura Municipal de Teresina (PMT), que através da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC), está garantindo parte da estrutura do evento, bem como levando as atrações culturais. Para Ênio Portela, presidente da FMC, essa atividade é de grande importância para o município, pois segue uma linha de apoio ao pequeno empreendedor, apoio que segundo ele, é cobrado constantemente pelo prefeito Dr. Pessoa.

“Teresina tem muitos homens e mulheres empreendedores, a Prefeitura de Teresina vem se destacando por estar ligada diretamente ao apoio a esses profissionais. Por uma determinação do prefeito Dr. Pessoa, vários órgãos da gestão municipal vem realizando atividades que venham a valorizar o pequeno empreendedor, dando mais visibilidade para que eles possam fechar negócios que levem renda para suas famílias”, conta Ênio Portela.

Lene Alves e Banda é uma das atrações do evento.

PROGRAMAÇÃO

18h – Solenidade de Abertura

18:30h – Apresentação Cultural com As Fulô do Sertão

19h – Talk Show – Tema A Mulher e o Empreendedorismo – Dra. Cláudia Claudino

19:30h – Sorteio de Brindes

19:40h – Lene Alves e Banda

20h – Talk Show – Tema Artesanato no Piauí – Jousy Lima

20:30h – Sorteio de Brindes

20:40h – Lene Alves e Banda

21h – Apresentação do coral das Mulheres Empreendedoras

21:30 -Encerramento Show Lene Alves e Banda

Prefeitura promove 2ª edição do “Invista-se” que oferece roupas gratuitas a mulheres em situação de violência

Cores, estilos e sorrisos invadiram o Centro de Referência Esperança Garcia (CREG) com a realização do “Invista-se”, projeto de empoderamento femininino, uma iniciativa da Prefeitura de Teresina, oferecido por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM). A ação de autocuidado e beleza aconteceu nesta sexta-feira (18) na sede do CREG, no Centro, e ofereceu gratuitamente roupas e acessórios para mulheres em situação de violência atendidas pela unidade.

No espaço foi montado uma loja com mais de 200 peças de roupas novas à disposição, expostas em mesas. Ao todo, 49 mulheres assistidas participaram de uma roda de conversa sobre autoestima e empoderamento, em seguida, cada uma delas foi oportunizada com um look completo a sua escolha, tamanho e necessidade.

Está é a segunda edição do “Invista-se”. O projeto surgiu de um desejo da própria Secretária da Mulher, Karla Berger. “O Invista-se partiu da minha percepção de especialista em moda. Noss equipe pensou muito – de fazer com que essas mulheres tenham a sensação de participarem de uma experiência de autocuidado onde elas escolhem as roupas que vão se sentir bonitas, empoderadas e isso traz uma sensação de bem-estar. É um momento em que acabam esquecendo dos problemas que passam”, destacou Karla Berger.

Parceria

O “Invista-se” homenageia às mulheres e contou com a parceria e apoio da loja Vivanne, das empresárias Viviane Feitosa e Vanessa Feitosa. Um mix de todos os produtos da marca, tecidos planos e o jeans de variados modelos e tamanhos foram disponibilizados. A ação possui um viés social que faz nascer um espaço de reflexão e fortalecimento da autoestima das mulheres atendidas pela SMPM.

Para Viviane é uma satisfação fazer parcerias assim. “Trabalhamos o empreendedorismo feminino e para nós e muito importante hoje está aqui ajudando muitas mulheres na autoestima com moda. Trouxemos um mix de todos os produtos da empresa e é uma parceria que vamos fidelizar”, ressaltou a empresária.

Frequentadora há um ano o CREG, Maria dos Santos*, estava animada em poder escolher novas roupas. “Estou muito agradecida é algo que renova minha vida, o look que ganhei já quero ‘inaugurar’ hoje no aniversário do meu filho”, disse. “O CREG nos deu uma acolhida diferente que levantou nossa autoestima. Eu tenho três filhos e não tenho como estar comprando roupas novas porque eu penso em comprar o que comer para eles, isso para mim foi maravilhoso”, afirmou Francisca Barbosa.*

Em 2021 cerca de 400 mulheres foram beneficiadas no serviço Florescer com o primeiro “Invista-se”. “Essa parceria da PMT com a iniciativa privada é muito bem-vinda, queremos que os empresários se envolvam com a Secretária da Mulher e as demais secretarias com projetos como esse”, finalizou Karla Berger.

*Nomes fictícios usados para preservar a imagem das assistidas.

8 de março: mulheres são fundamentais na educação de Teresina

“É difícil tentar decifrar essas mulheres nesse intenso universo de emoções, força e sensibilidade. E mais difícil ainda é entender que a mulher quebrou barreiras, enfrentou o mundo, não perdeu o seu valor e não abriu mão do mais importante, que é ser mulher”. Como diz o poema de autoria da servidora Vera Linda, da Secretaria Municipal de Educação (Semec), pouca gente conhece as histórias de luta e superação que marcam o 8 de março, Dia Internacional da Mulher.

Em Teresina, elas estão dia a dia quebrando barreiras para enfrentar o preconceito e construir uma cidade melhor. Na educação, são maioria. A Semec, por exemplo, é construída majoritariamente por mulheres. São 3.526 servidoras em cargos administrativos, na sala de aula, planejando, avaliando, cozinhando e cuidando de todos os aspectos que envolvem o processo ensino aprendizagem.

Maria de Lourdes é uma dessas guerreiras. Com 70 anos de idade e 45 dedicados à educação pública municipal, dona Lourdes, merendeira da Escola Municipal Mascarenhas de Morais, é a servidora com mais tempo de casa. E ela nem pensa em se aposentar.

“Trabalho na mesma escola desde 1986 e faço tudo cantando, sorrindo, porque amo o que faço. Ajudei a chamar os primeiros alunos, fico muito feliz quando vejo ex-alunos com suas vidas feitas, família e o mesmo carinho comigo. Me considero uma batalhadora, mas uma batalhadora extremamente feliz. Conheço meus meninos pelo nome, sei como gostam da comida, não quero deixar nunca esse lugar, pois sei que sou parte fundamental dele, assim como ele é tudo para mim”, disse dona Lourdes, conhecida e querida por toda a comunidade escolar.

O que é o 8 de Março?

Foi em 1908, nos Estados Unidos, a primeira comemoração do Dia da Mulher, quando quase 2 mil delas aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política do país. Somente em 1945 a Organização das Nações Unidas (ONU) assinou o primeiro acordo internacional que afirmava princípios de igualdade entre homens e mulheres. Nos anos 60 o movimento feminista se fortaleceu, em 1975 comemorou-se oficialmente o Ano Internacional da Mulher e em 1977 o “8 de março” foi reconhecido oficialmente pelas Nações Unidas. Na escola, bem como em todos os outros espaços sociais, esse é um dia para reforçar a história das mulheres na conquista de seus direitos e dicutir as violências sofridas até hoje.

Jovens mulheres enfrentam desafios para se dedicarem a música

Quem acompanha a música, sabe das dificuldades que sempre foi encontrar mulheres instrumentistas, já que elas ainda estão em um número bem pequeno, isso comparado ao universo masculino que ainda domina o mercado musical. Na capital do Piauí, um projeto que é desenvolvido pela Prefeitura Municipal de Teresina (PMT), por meio da Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves (FMC), na periferia da cidade, vem mudando essa realidade, pois está colocando cada vez mais um número maior de jovens mulheres no mercado de trabalho.

O Projeto Banda Escola atua diretamente em oito comunidades, beneficiando dezenas de crianças e jovens, muitos destes de famílias carentes e que não dispõem de recursos para financiar cursos na área da música, que custam caro e geralmente são realizados em locais distantes. Além dos alunos do sexo masculino, o projeto conta com 30 jovens mulheres, sendo que algumas delas já atuam profissionalmente no mercado, tendo até exemplo de uma ex-aluna que hoje é professora e se dedica a repassar seus ensinamentos para os jovens.

Brenda Souza foi aluna do professor Micael Fidelis na Banda Escola Heitor Villa-Lobos, que atua no bairro Piçarreira. Foto: Ascom FMC

Brenda Souza foi aluna do professor Micael Fidelis na Banda Escola Heitor Villa-Lobos, que atua no bairro Piçarreira zona leste de Teresina. Ela começou meio que tímida, mas com o passar dos tempos, foi se destacando e atualmente é professora da banda na qual foi aluna. Brenda destaca que por atuar diretamente na periferia, o projeto funciona como uma espécie de proteção aos jovens em situação de risco e que muitos são os casos onde os jovens saíram da criminalidade e hoje vivem da música.

“Hoje, assim como antigamente, a cultura, a banda de música, tem um papel fundamental na formação profissional e da integridade de caráter das crianças, já que a maioria delas vivem em situação de risco de vulnerabilidade social. As jovens atendidas pelo projeto vivenciam algo novo, uma experiência que muda vidas, e isso é muito gratificante para quem trabalha diretamente nessa linha de frente”, conta Brenda Souza, evidenciando a importância do Projeto na vida de diversas crianças e adolescentes das mais diversas comunidades da cidade.

PRECONCEITO E DESAFIOS

Irislene Rocha – Aluna da Banda Escola Maria Yeda Cada, na Vila Irmã Dulce. Foto: Ascom FMC

Outro exemplo de superação vem da Banda Escola Maria Yeda Cada, na Vila Irmã Dulce, zona Sul de Teresina, onde estuda a jovem Irislene Rocha, de 22 anos, aluna do Professor Vitalino Luz, e que desde os nove anos de idade, vem lutando pelo sonho de tocar um instrumento musical. Irislene toca saxofone, ela conta que o primeiro desafio foi enfrentado dentro de sua própria casa, onde seu pai era totalmente contra a ideia de ver uma mulher tocando um instrumento musical.

Sem se abater com as críticas, Irislene correu atrás de seus sonhos e conquistou uma formação técnica na sua área musical. Casada com um músico, ela aguarda a chegada do primeiro filho, e garante que continuará como aluna no projeto, mas que em breve pretende buscar novos desafios, assim como fez a jovem Brenda Sousa.

“Meu pai veio de outra geração, onde naquele tempo o marxismo era dominante, mas todo esse preconceito foi embora quando ele me viu tocando pela primeira vez, fato que fez ele passar a sentir orgulho de me ter como filha, já que eu também comecei a ganhar dinheiro com a música”, conta Irislene Rocha, que após receber a aprovação do pai, teve que enfrentar desafios para tocar em eventos, já que ela não possuía o seu próprio saxofone.

Ana Maria, com 18 anos, já sabe a importância do seu papel dentro da Banda Escola e para toda a sociedade, aluna das turmas de saxofone tenor, ela já observou que existem um aumento de mulheres participantes do projeto. Ela conta que a sociedade machista e patriarcal a qual estamos inseridos, ser uma mulher instrumentista é ocupar mais um espaço e levar a representatividade feminina em todos os espaços.

Alunas da Banda Escola Aurélio Melo, no Vale do Gavião. Foto: Ascom FMC

“Como mulher, eu vejo que no projeto , vamos conseguir dominar esses espaços, na banda em que toco por exemplo, o número de mulheres é um tanto superior a quantidade de homens, inclusive tem uma maestrina mulher. Me sinto feliz por poder fazer parte de tudo isso, e ver cada vez mais, nós mulheres de todos os lugares estaremos no mercado lutando de igual para igual com o homens”, frisa Ana Maria.

Atualmente o Projeto Banda Escola funciona nos bairros Dagmar Mazza, Parque Itararé, Piçarreira, Santa Maria da Codipi, Mocambinho, Vale do Gavião, Porto Alegre e na Vila Irmã Dulce. A ideia do prefeito Dr. Pessoa e do presidente da FMC, Ênio Portela, é fortalecer ainda mais essa ferramenta, inclusive a levando para comunidades rurais, para contribuir ainda mais com o enriquecimento cultural da juventude teresinense.

Mulheres determinadas que controlam o trânsito por toda a Teresina

Lugar de mulher é onde ela quiser e na Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) não poderia ser diferente. Tem mulher trabalhando no administrativo, no atendimento ao público, no vídeomonitoramento de trânsito e tem mulher competente na Gerência de Operações e Fiscalização de Trânsito de Teresina, que faz parte da Diretoria de Operações e Fiscalização de Trânsito (DOFT).

Fotos: Ascom Strans

Carla Sales, gerente da DOFT, fala sobre a reação do cidadão teresinense nas ruas quando se deparam com uma mulher na função de agente de trânsito.

“Nas ruas eles admiram quando nos veem. Tem admiração e muito respeito pelo cidadão teresinense nas ruas e também dentro do ambiente de trabalho por parte dos colegas agentes de trânsito”, enfatiza a gerente.

Silmara Santana é agente de trânsito desde 2007. Já Raimunda Percy começou a trabalhar na fiscalização em 2006 e Carla Sales está há 17 anos na profissão. Ao todo são 134 agentes de trânsito em todo a Teresina, porém, apenas 15% desses servidores são do sexo feminino. Em Teresina são 20 agentes de trânsito e dentre elas uma mulher comanda o operacional nas ruas, a frente da Gerência de Operações e Fiscalização de Trânsito da Strans. A realidade mostra que a profissão ainda é dominada pelo sexo masculino, mas, as nossas agentes afirmaram ter tudo para mudar.

Segundo a gerente de Operações e Fiscalização de Trânsito da Strans, Carla Sales, as mulheres que trabalham como agentes de trânsito, em alguns momentos, tem uma aceitação melhor da população devido à paciência e o “jeito de mulher” ao conversar, explicar e mostrar o porquê da autuação.

“A nossa profissão não é amada, ela é respeitada, mas estamos ali pra autuar e ai quando uma mulher vem e mostra que não somos donos da razão, mas temos que fazer o nosso trabalho, eles aceitam mais a punição”, ressalta Carla Sales.

A gerente fala sobre o orgulho da profissão. “Eu olho pras meninas e falo, incentivo, eu tenho muito orgulho e admiração, eu tenho orgulho por eu ser uma agente de trânsito”, destaca.

As mulheres ganham cada vez mais espaço na sociedade, não importa se a profissão é predominantemente masculina, as mulheres trabalham igualmente e exercem bem o seu papel. A Strans tem orgulho destas servidoras que desempenham tão bem o seu papel, com farda ou não, na rua ou no administrativo, a mulher tem espaço e reconhecimento pela Prefeitura de Teresina.

SMPM leva campanha educativa em bares e restaurantes para falar sobre assédio

No mês de fevereiro, a equipe da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), está percorrendo bares e restaurantes de Teresina e realizou panfletagem para falar da campanha “Assédio: isso não é brincadeira” com os proprietários dos locais. O objetivo está voltado para conscientizar a sociedade e prevenir que esse tipo de violência aconteça.

O primeiro dia da visita ocorreu nesta quinta-feira (24), e foi executado de forma descentralizada atingindo as regiões Leste e Centro. A secretária da Mulher, Karla Berger falou da importância de conscientizar as pessoas sobre o assédio e pelo fim dessa violência contra a mulher.

“É preciso mostrar ações em locais que as mulheres frequentam e alertar sobre como procurar ajuda”, relata a secretária. “A campanha tem o objetivo de sensibilizar e mobilizar a sociedade pelo fim da violência contra as mulheres, ainda mais com o assédio tão presente em nossos dias em locais públicos e privados”, disse.

Os banheiros femininos receberam colagens de materiais. Além disso, a equipe da SMPM  divulgou os serviços especializados da rede de atendimento à mulher em situação de violência e os mecanismos de denúncia existentes.

O Presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes do Piauí (Abrasel/PI), Eduardo Rufino afirmou que a iniciativa é de extrema importância. “Com certeza a Abrasel apoia a campanha. Achamos importante mostrar que as mulheres podem se defender de algumas maneiras, inclusive na justiça, para tentar não serem assediadas”, frisou.

“Toda ação é válida e um dos objetivos da campanha é mostrar os canais de denúncias”, justificou Enya Maria, do Núcleo de articulação da SMPM, reafirmando que a blitz é importante até porque os bares são frequentados pelo público feminino.

Na sexta-feira (25), a ação acontecerá nas zonas Norte, Sul e Sudeste. Durante o mês de fevereiro, nas redes sociais da SMPM estão ocorrendo uma série de postagens, lives e vídeos educativos sobre a conscientização do assédio.