Número de atendimentos nas UBSs de Teresina cresceu 74% em quatro meses

Foto: Renato Bezerra

As Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Teresina registraram um aumento de 74% no número de atendimentos. Foram 174.008 pessoas atendidas no mês passado, enquanto que em abril foram verificados 44.525 atendimentos na Atenção Básica. Com relação a casos de pessoas com suspeita de terem contraído o novo coronavírus, o número foi quase 10 vezes maior, tendo passado de 10.282 atendimentos no mês de abril para 98.849 em julho.

“Durante a pandemia o serviço foi adaptado para atender os diversos problemas de saúde da população. Teresina tem 90 UBS, sendo que 26 delas foram remanejadas para atender exclusivamente casos suspeitos de Covid-19, com seus dias e horários de funcionamento estendidos. Agora, o atendimento é de domingo a domingo, de 7h às 19h”, informa Kledson Batista, diretor de Atenção Básica da FMS.

Desde o início da pandemia do novo coronavírus até o dia 5 de agosto foram realizados 58.984 testes rápidos nas Unidades Básicas exclusivas para atendimento Covid-19. Deste total, 29% dos resultados foram positivos e 71% negativos para o vírus. As equipes de saúde da Atenção Básica realizaram de março até o momento, 22.828 buscas ativas de pessoas que tem tiveram contato com infectados.

Há ainda 64 UBS que atendem casos de saúde que não sejam síndromes gripais, ofertando consulta médica e de enfermagem, além de serviços de vacina, coleta de exame, curativo e entrega de medicamentos. Essas unidades também registraram um aumento nesse tipo de atendimento: foram 34.176 em abril e 73.915 em julho deste ano. “As Equipes de Saúde da Família também continuam atendendo os diversos problemas de saúde da comunidade”, ressalta o diretor.

Esta semana houve também o retorno da realização do exame preventivo do colo de útero nas UBS, também conhecido como Papanicolau. “O procedimento detecta infecções e alterações nas células do colo do útero e havia sido suspenso em decorrência da pandemia”, lembra Kledson Batista.

Teresina atinge melhor índice de isolamento social entre as capitais do país

Teresina atingiu neste sábado (07) o maior índice de isolamento social entre as capitais do país, com 49,18%. O resultado é consequência das medidas mais rígidas de isolamento adotadas pela Prefeitura de Teresina  para conter o avanço do novo coronavírus.

O Piauí também ficou em primeiro lugar entre os estados da Federação. Os dados são da startup InLoco, que realiza o georreferenciamento de smartphones monitorando a localização dos usuários quando se conectam à internet pelo celular.

“Quero agradecer aos teresinenses pela contribuição para que pudéssemos atingir esse percentual e diminuir os riscos de contaminação. Sem o apoio da nossa gente não poderemos vencer esse vírus. É preciso que todos nós façamos o dever de casa, cuidando de nós, das nossas família e de toda a população”,  disse o prefeito Firmino Filho.

Os dados da startup também mostram o índice de isolamento social por regiões da cidade e, no sábado, a população da região Centro-Norte foi a que mais respeitou as determinações para ficar em casa, com um percentual de 49,76%. Em seguida vem a zona Leste com 49,22%; logo após a Sul, com 48,24% e, por último, a zona Sudeste, com 46,62%.

Já entre os bairros, os que mais respeitaram o isolamento social foram Saci (57,70%), Nova Brasília (57,60%), Cabral (56,40%) e Real Copagre  (54,90%). Já os bairros onde se obteve os menores percentuais de pessoas que ficaram em casa foram Parque Juliana (35%), Monte Verde (41,35%), Bom Princípio (42,10%) e Flor do Campo (42,60%).

Nesta segunda (03), a Prefeitura dá início a mais uma etapa de reabertura das atividades comerciais da capital. Na etapa 2 da fase 2, estão autorizadas a funcionar, entre outras,  as atividades do comércio varejista de roupas e calçados,  shoppings e centros comerciais e lojas de departamento. Esses estabelecimentos devem funcionar quatro dias por semana,  seis horas diárias e respeitando os protocolos de distanciamento e uso de máscaras e álcool em gel.

Vigilância Sanitária alerta população sobre cuidados na reabertura dos shoppings

Com o funcionamento dos shoppings previsto para o período de terça a sexta, das 14h às 20h, a Vigilância Sanitária de Teresina  dá algumas orientações para quem precisa ir aos centros de compras. Os cuidados são necessários para evitar a disseminação do novo coronavírus nessa nova fase da retomada das atividades econômicas.

O principal alerta é que as pessoas evitem aglomerações. Como frisa a gerente de Vigilância Sanitária da Fundação Municipal de Saúde (FMS), Jeanyne Seba, os clientes devem ser objetivos durante as compras para permanecer o mínimo tempo possível nestes locais. “Desta forma, vamos evitar que muitas pessoas permaneçam nos shoppings por muito tempo, o que formaria um ambiente propício para a transmissão do vírus”, alerta. “Este ainda não é um momento de lazer. Por isso, toda a parte de lazer e alimentação permanece fechada no momento”, acrescenta.

Ela explica que se deve evitar também o contato excessivo com os produtos. Provas de maquiagem e de roupas, por exemplo, não são recomendadas. “O consumidor pode optar por marcas já conhecidas, que já saiba o número. Assim não precisa experimentar a roupa na loja. Caso seja extremamente necessário, a orientação é que esteja sempre de máscara, protegendo  os olhos e, quando for vestir, não passe a roupa pelo seu rosto, e higienize a mãos em seguida. Se for sapato, coloque uma proteção”, aconselha a gerente. As lojas por sua vez foram orientadas a somente devolver as roupas à exposição após quarentena e higienização com vapor quente.

Em cumprimento ao protocolo específico estabelecido pela FMS, os centros de compras adaptaram seus espaços para a adoção de medidas como a disponibilização de pias e/ou álcool 70% para a lavagem das mãos, tapetes sanitizantes e aferição de temperaturas nas entradas, além de sinalizações educativas sobre a obrigatoriedade da máscara dentro dos shoppings. 

O uso de máscaras nestes locais segue obrigatório. Elas devem ser trocadas a cada três horas, ou quando estiverem úmidas, sendo retiradas pelas hastes e acondicionadas em sacos plásticos, com higienização das mãos antes e depois do procedimento. “Pedimos à população para que siga as regras dos estabelecimentos e só vá quando estritamente necessário. O momento ainda é de cautela”, orienta Jeanyne Seba.

Estádio Lindolfo Monteiro acolheu 140 pessoas durante a pandemia

Foto: Renato Bezerra

Como parte do plano de enfrentamento ao novo coronavírus, o estádio Lindolfo Monteiro tornou-se lar para 140 pessoas em situação de rua ao longo dos últimos três meses. O abrigo montado pela Prefeitura de Teresina no local garante atendimento de saúde e várias ações necessárias para proteger essa parcela da população contra os riscos da pandemia da Covid-19.

“O trabalho social com pessoas em situação de rua se fortaleceu nessa pandemia. As ações já ofertadas foram ampliadas, garantindo o acolhimento 24 horas no cumprimento de medidas de proteção a esse público. Vamos garantir essas ações enquanto for necessário. De forma articulada com a FMS, temos oferecido um conjunto de ações que garantem dignidade e proteção social”, afirma Janaína Carvalho, secretária Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas. 

Com a transferência do público idoso para uma nova instituição de longa permanência no mês de junho, o espaço abriga, hoje, um total de 25 pessoas. Elas permanecem recebendo atendimento à saúde, alimentação, higiene e assistência social, além da participação em atividades socioeducativas, como roda de conversa sobre diversos temas.

O coordenador do abrigo, Édson Araújo, destaca que o trabalho assistencial será continuado para evitar o possível retorno às ruas. “Nossa equipe já trabalha com a possibilidade de tentar o restabelecimento dos vínculos familiares e uma série de outras ações para esse público”, informa.

Teresina registra mais 8 óbitos por Covid-19 e 329 casos confirmados da doença

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) registrou no sistema a morte de 8 pessoas vítimas da Covid-19 em Teresina, nesta quinta-feira (30). Houve ainda mais 329 novos casos confirmados da doença. Desde o início da pandemia, no mês de março, até agora, a capital contabiliza um total de 705 óbitos, 17.105 infectados pelo novo Coronavírus  e 3.313 recuperados da Covid-19.

A FMS esclarece que os 8 óbitos ocorreram entre os dias 27 e 30 de julho e só foram computados no sistema de notificação nesta quinta-feira (30). Desse total, 6 vítimas eram do sexo masculino e 6 tinham doenças crônicas. Essas pessoas residiam nos bairros Primavera (89 anos) , Parque Piauí (84 anos) , Vila Bandeirante (54 anos) , Piçarreira (87 anos), Lourival Parente (47 anos), Memorare (84 anos) Buenos Aires (55 anos)  e Mocambinho (84 anos) . 

A coordenadora do Centro de Operações em Emergências (COE) da FMS, Weslany Santana, alertou que, nesta quinta-feira (30), foram computadas as mortes de dois homens, um com 47 anos e outro com 84 anos, que não tinham doenças crônicas. “A estatística mostra que mais de 80% das pessoas que morrem com Covid-19 têm doenças crônicas e são idosos, mas há registro também de cidadãos sem comorbidades e jovens que são fatalmente afetados pelo vírus”.

Ela lamentou os óbitos e afirmou ainda que a população pode acompanhar o mapeamento dos casos de Covid-19 na capital, por meio do site www.painelcovid19teresina.pmt.pi.gov.br. “A plataforma permite que o cidadão obtenha dados como a quantidade atualizada de óbitos, de casos confirmados, trazendo a informação por faixa etária, sexo e se tinha comorbidades. Além disso, é possível ver a lista de bairros onde há registro de pessoas que adoeceram após contato com o vírus”.