Hospital de Campanha do HUT está pronto para receber pacientes com Covid-19

Rômulo Piauilino

O Hospital de Campanha João Claudino, anexo HUT (Hospital de Urgência de Teresina), já está com estrutura pronta para receber os primeiros pacientes de Covid-19. No início da manhã desta terça-feira, o prefeito Firmino Filho visitou os dois primeiros módulos onde serão disponibilizados inicialmente 24 leitos de UTI. No total, o hospital de campanha tem capacidade para atender 60 pacientes com estado grave da doença.

“Toda a rede de atenção hospitalar de Teresina está em seu limite máximo. Os especialistas dizem que é necessário ter, pelo menos, 30% dos leitos de UTI disponíveis para ter uma segurança no atendimento dos pacientes com Covid-19. Portanto, a entrega desse hospital é um passo importante. Sabemos que a cidade entrou no pico da doença na segunda quinzena de junho e que o Estado do Piauí vai entrar na segunda quinzena de julho. Precisamos estar preparados para qualquer eventualidade”, disse Firmino durante a visita.

O diretor geral do HUT, Rodrigo Martins, explica que as escalas do hospital de campanha, com as equipes de saúde, já foram montadas e contam com médicos, enfermeiros, fisioterapeutas e técnicos. Os pacientes que serão atendidos na unidade provisória devem chegar regulados da rede municipal. “O hospital de campanha é uma extensão do HUT, que vai receber esses pacientes, realizar exames e encaminhá-lo ao anexo para os devidos cuidados”, informou.

Ao todo, o hospital de campanha João Claudino Fernandes vai contar com 60 leitos de UTIs distribuídos em 5 módulos. Além disso, no próprio HUT, já estão disponíveis 48 UTIs destinadas a pacientes diagnosticados com Covid-19.

PMT já convocou 620 profissionais para reforçar assistência a pacientes com Covid-19

Desde o registro dos primeiros casos de coronavírus em Teresina, a Prefeitura já realizou 620 convocações de novos profissionais de saúde nas mais diversas áreas para atuar em várias frentes da rede municipal. A expectativa é que haja mais contratações, de acordo com a necessidade de ampliação do serviço de assistência para pacientes com Covid-19.

“A gente vem dando prioridade ao trabalho de reorganização e de ampliação dos serviços de saúde para o enfrentamento da Covid-19. O número de pessoas infectadas ainda está crescendo de forma significativa e precisamos fazer o que estiver ao nosso alcance para atender a população da melhor forma possível”, ressaltou o prefeito Firmino Filho.

Os novos profissionais foram convocados para atuar nos dois hospitais de campanha, um deles já em funcionamento, além do hospital anexo ao HUT, que funcionará exclusivamente com leitos de UTI. Eles também irão reforçar as equipes de outros outros setores, como hospitais de bairro, UPAs e a rede de Atenção Básica.

Até o momento, foram assinados 213 contratos, em caráter temporário enquanto durar a pandemia. Foram contratados 14 auxiliares de administração, 51 enfermeiros, 4 farmacêuticos, 16 fisioterapeutas, 42 médicos, 4 nutricionistas, 2 psicólogos, 67 técnicos em enfermagem, 4 técnicos em patologia clínica e 9 técnicos em radiologia. As informações são do chefe do Núcleo de Planejamento, Recrutamento e Seleção de Pessoas da FMS, João Luciano de Castro e Sousa.

Uma das profissionais convocadas recentemente é a enfermeira Jáyra Morais. Contratada no mês passado, ela foi lotada na Atenção Básica da FMS e está atuando na testagem domiciliar dos contatos de pessoas que já foram infectadas pelo novo coronavírus. Para ela, estar realizando um trabalhador essencial e poder fazer a diferença é gratificante. “Estar na linha de frente é um desafio diário. Manter-me longe da família, talvez, seja o mais difícil. Mas este trabalho é minha parcela de contribuição para sociedade, é como eu posso ajudar a população que passa por um momento medo e incerteza”, relata a profissional de saúde.

SAMU tem nova ambulância avançada para transferir pacientes com Covid-19

Ascom/FMS

A Prefeitura de Teresina incorporou à frota do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) mais uma ambulância de suporte avançado específica para atender pessoas com quadro grave da Covid-19 e que necessitam ser transferidas de um hospital para outro. Agora, o órgão passa a contar com 4 ambulâncias avançadas, 9 básicas e 4 motolâncias.

O novo veículo tem todos os equipamentos de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e irá agilizar as ocorrências. Recentemente, foi também acrescentada uma ambulância de suporte básico exclusiva para atendimento da Covid-19.

“Com essa frota ampliada, temos mais veículos à disposição da população em meio à pandemia do Coronavírus. Percebemos que o volume de chamados tem aumentado significativamente e a Fundação Municipal de Saúde (FMS) não tem medido esforços para qualificar o serviço pré-hospitalar”, explica a diretora do SAMU, Francina Amorim.

Todo o restante da frota pode atender casos decorrentes de Covid-19 ou outras urgências. “Esses veículos estão aptos a fazerem atendimento em via pública ou em domicílios e somente as viaturas avançadas também realizam transferência de pacientes graves entre os hospitais, quando há necessidade”, ressalta o diretor médico do SAMU, José Ivaldo.

O SAMU é um programa do Governo Federal, administrado pela FMS de Teresina e que presta socorro em casos de urgências clínicas, obstétricas, psiquiátricas e traumáticas. Para usufruir do serviço, é necessário ligar para o 192. O médico-regulador analisa o caso informado e classifica se é necessário o envio de ambulância básica ou avançada até o local; ou, ainda, se apenas presta orientações ao solicitante.

Fisioterapia é fundamental para o tratamento de sintomas respiratórios na COVID-19

A COVID-19 é uma doença que afeta principalmente os pulmões. Por isso, sintomas ligados à respiração, como saturação de oxigênio e frequência respiratória, devem ser acompanhados constantemente. Esta é a tarefa do fisioterapeuta, que acompanha os pacientes que fazem uso de respiradores e evita complicações.

Diante desta necessidade, a Prefeitura de Teresina está reforçando o quadro de fisioterapeutas da linha de frente de enfrentamento ao novo coronavírus. Até ontem (08), foram contratados 15 profissionais por processo seletivo emergencial. Eles foram lotados no Hospital de Urgência de Teresina (HUT), UPA do Renascença e o novo Hospital de Campanha Padre Pedro Balzi, em regime plantonista. Hoje (09), a FMS está convocando mais oito profissionais para a rede hospitalar.

Nos hospitais, os profissionais de fisioterapia ficam a cargo da ventilação mecânica, que se torna necessária em casos mais graves da doença. “Estamos aptos a fazer ajustes, como correção de problemas de sincronia entre a respiração do paciente e o respirador, e também no processo de retirada do aparelho, quando os exames mostram que ele já está em condições para isso”, explica a fisioterapeuta Laís Freitas, que atua na área de COVID da UPA do Promorar.

Já a necessidade da ventilação é indicada por uma avaliação dos sinais vitais do paciente, como saturação de oxigênio, temperatura, pressão arterial, frequência cardíaca e frequência respiratória. Avaliação esta que também é feita pelo fisioterapeuta, sempre em coordenação com médicos e enfermeiros. “Caso aconteça alguma alteração, nós podemos interceder na prevenção de agravamentos no quadro do paciente, evitando danos que podem ser irreversíveis”, informa Laís Freitas.

Eles podem ainda realizar exercícios com o paciente para melhorar a capacidade pulmonar, promovendo assim uma melhora mais rápida, com menor uso de medicamentos e mais chance do paciente ter altas sem sequelas, ou mesmo evitar que ele necessite de suporte ventilatório. Para isso, eles fazem uso da fisioterapia respiratória, técnica que tem a função de recuperar e prevenir disfunções relacionadas ao processo de respiração.

Ao mesmo tempo, o paciente passa por exercícios de fisioterapia motora, para evitar problemas decorrentes de internações prolongadas. “Procuramos iniciar este trabalho o mais cedo possível, respeitando a clínica e limitações do paciente”, ressalta Laís Freitas. Os exercícios têm como objetivo fazer com que o paciente recupere a força muscular perdida nesse período de imobilização.

Mais de 100 pacientes de 24 cidades do MA foram atendidos em Teresina com Covid-19

Um total de 135 pacientes com Covid-19 vindos de 24 cidades do Maranhão já foram atendidos em Teresina. Após realização de exames e avaliação médica, 47 foram internados na rede de saúde da capital piauiense e os demais orientados a permaneceram em isolamento domiciliar. Os dados foram divulgados pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) nesta quarta-feira (27) e são referentes aos meses de março a maio.

“O nosso receio é de que aumente a procura espontânea de pacientes maranhenses aos serviços de saúde na nossa cidade. Nós sabemos que o SUS tem princípios organizacionais, funcionando com divisão de competências e o atendimento a pacientes com sintomas gripais, por exemplo, deve ser assegurado por cada município aos seus moradores”, afirma o presidente da FMS, Manoel de Moura Neto.

O presidente da FMS alerta ainda que esses pacientes poderiam ser atendidos em suas regiões de origem e, caso necessário, seriam regulados para outros hospitais de sua região ou para Teresina, dependendo da existência de pactuação. “Isso seria benéfico para o paciente, que é atendido com a rapidez que o caso requer, sem sofrer desgaste com o deslocamento, e igualmente benéfico à rede de saúde”, completa.

Até a presente data, o estado do Maranhão já registra 22.786 casos de Covid-19 e 784 óbitos decorrentes de complicações da doença. Já o estado do Piauí tem 3.966 casos confirmados e 134 óbitos. Em Teresina, são 1.890 casos confirmados e foram computados 66 óbitos de residentes da capital. Os dados de Teresina são atualizados diariamente pela equipe do Comitê de Operações Emergenciais em Saúde Pública (COE) da FMS.

Os usuários atendidos em Teresina vieram de São Luís, Codó, Caxias, Pedreiras, Anapurus, Bacabal, Balsas, Parnarama, Presidente Dutra, São Mateus do Maranhão, Alto Alegre do Maranhão, Barra do Corda, Buriti, Coelho Neto, Dom Pedro, Lago da Pedra, Lima Campos, Matões do Norte, Santa Inês, São Bernardo, São Domingos do Maranhão, São João dos Patos, Timbiras e Timon.

Mais de 25% das internações por Covid-19 em Teresina são de pacientes de outras localidades

Uma porcentagem de 25,12% das internações por suspeita de COVID-19 em Teresina são de pacientes vindos de outras cidades. Os dados, que abrangem o total de leitos públicos, privados e filantrópicos existentes na capital, correspondem ao período de março – quando iniciaram os registros da doença na cidade – até 13 de maio de 2020.

Segundo informações da Diretoria de Regulação Avaliação e Auditoria da Fundação Municipal de Saúde (FMS), até 13 de maio foram registradas 625 internações de casos suspeitos de infecção pelo novo Coronavírus nos hospitais de Teresina. Destas, 468 são de pessoas residentes na capital e 157 de outras cidades. “A maior parte das internações (142) são de pessoas do interior do Piauí, mas há também registros de 12 casos oriundos do Maranhão, dois casos de Rondônia e um do estado do Amazonas”, informa Manoel de Moura Neto, presidente da FMS.

Somente nos primeiros dias do mês de maio, Teresina registrou 42 internações de pessoas residentes em outros municípios, o equivalente a 27,1% dos 155 casos. Destes, 3% vieram de cidades do Maranhão, o que corresponde a quatro casos.

Segundo dados do Censo hospitalar da FMS, Teresina tem atualmente 584 leitos exclusivos para atendimentos de casos suspeitos de infecção pelo novo Coronavírus, sendo 419 leitos de enfermaria e 165 de UTI. Na data de hoje (18), a capital apresenta uma taxa de ocupação de 66,67% dos leitos de UTI destinadas a tratamento de pacientes diagnosticados com Covid-19. O levantamento revela ainda que 49,16% das enfermarias Covid-19 e 45,63% dos leitos de observação destas unidades de saúde estão ocupados.

Hospitais públicos e privados deverão informar diariamente sobre pacientes com síndrome gripal

Os hospitais da rede pública municipal, estadual, federal e privada de Teresina deverão, a partir de agora, apresentar diariamente informações dos pacientes com síndromes gripal e respiratória aguda grave ao Centro de Operações de Emergência em Saúde, sob a coordenação da Fundação Municipal de Saúde (FMS). A obrigatoriedade consta em decreto assinado pelo prefeito Firmino Filho e tem como objetivo garantir informações atualizadas sobre atendimentos e sobre a disponibilidade de leitos, permitindo uma melhor gestão dos serviços de saúde durante a pandemia do Novo Coronavírus.

“Nossa intenção é melhor orientar os gestores, a fim de que se evite o colapso dos serviços de saúde na nossa cidade”, explica o prefeito. O decreto determina que os hospitais preencham o censo hospitalar diário, informando o quantitativo de atendimento das últimas 24h de pacientes atendidos com síndrome gripal (SG) e síndrome respiratória aguda grave (SRAG), além do número de leitos de observação, estabilização, internação e Unidade de Terapia Intensiva e Semi-Intesiva. A determinação também deve ser cumprida por clínicas privadas.

As informações deverão, de forma obrigatória, ser fornecidas diariamente às 13h. “A situação ainda demanda o emprego urgente de medidas de prevenção, controle e contenção de riscos, danos e agravos à saúde pública. Portanto, esse decreto é mais um esforço da administração municipal no enfrentamento à crise sanitária causada por esta pandemia”, ressalta o prefeito Firmino Filho.

As informações devem ser lançadas na plataforma online disponibilizada pela Prefeitura de Teresina, denominada “Sistema de Controle e Notificações Virais”, por meio do site http://conv.fms.pmt.pi.gov.br, observadas as especificações do formulário próprio.