Pesquisa aponta queda de 18,09% no número de infectados com a Covid-19 em Teresina

Raíssa Morais

O número de positivados para a Covid-19 em Teresina caiu 18,09% esta semana em relação à etapa anterior da Pesquisa de Investigação Sorológica. No período entre 18 e 20 de setembro foram identificadas 126.873 pessoas com o vírus, enquanto na sondagem realizada na 19ª fase, esse número era de 154.721. Os dados foram apresentados durante videoconferência na manhã desta quinta-feira (24) pelo prefeito Firmino Filho, que mostrou também outros indicadores de que a capital continua em tendência de queda nos atendimentos e mortes por Coronavírus.

De acordo com a sondagem, a taxa de transmissão do vírus continua a flutuar próxima ao valor 1. “O R0, que indica o índice de contágio da Covid-19, é um dado estimativo, então ele oscila naturalmente. Fazendo o cálculo matemático dos resultados observados no inquérito sorológico, tivemos o R0 de aproximadamente 1,09. Já a partir do comportamento da curva de notificações das semanas epidemiológicas, o R0 ficou em 0,97”, explicou o prefeito.

A quantidade de pessoas com o vírus identificada na sondagem é quatro vezes maior que os 28.332 casos confirmados oficialmente pelo Centro de Operações de Emergência (COE) da Fundação Municipal de Saúde (FMS) no momento da coleta dos dados. A cidade possui 24.994 pessoas com infecção recente, o que significa que estão com o vírus ativo e na fase de transmissão. Já quanto à infecção remota, que representa o número de imunes, a quantidade foi de 51.891.

Nesta etapa da sondagem, a zona Norte lidera o ranking de casos de Covid-19 e aparece com 33% de pessoas infectadas com o Coronavírus. Em seguida aparece a zona Sul, registrando 30% dos casos. A zona Leste representa 19% dos casos, e a zona Sudeste confirmou 17% das pessoas da região com a doença.

A faixa etária entre 25 e 34 anos foi a mais infectada com o novo Coronavírus e apresentou 23% dos casos. Em seguida aparecem as idades entre 15 a 24 anos e 0 a 14 anos, com 20% e 17% dos casos, respectivamente. A faixa etária de 35 e 44 anos registrou 16% dos casos. Já as pessoas com idade entre 45 e 54 anos representam 11% dos casos positivos para a Covid-19. A faixa etária das pessoas entre 55 e 69 anos representaram 10% dos casos positivos. Nas pessoas com idade acima de 70 anos, a pesquisa registrou 2% de casos positivados.

Durante a videoconferência, o prefeito também apresentou dados relativos à assistência médica na rede de saúde da capital. Com relação aos atendimentos a Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), houve um crescimento de 23,5% se comparadas as médias móveis da etapa atual com a de 14 dias atrás. “Já vimos esse aumento antes. Observando o gráfico desse processo de queda nos atendimentos às síndromes gripais graves, podemos ver que tem altos e baixos. Mas é um dado que precisamos monitorar ao longo das próximas semanas, verificar com atenção se esse aumento é contínuo ou não,” destacou o gestor.

Segundo o levantamento, as taxas de ocupação dos leitos Covid seguem abaixo de 70%. “Mesmo com a desativação de muitos leitos Covid, ainda temos uma folga no sistema de saúde. As taxas de ocupação apresentaram um pequeno crescimento nesta etapa, mas isso se deve ao fato de estarmos desativando muitos desses leitos, convertendo-os para atendimentos de outra natureza, e não necessariamente que a demanda de pacientes com o Coronavírus tenha aumentado”, comentou Firmino.

O Painel Covid-19 também confirma uma redução no número de atendimentos por síndromes gripais e óbitos decorrentes da doença. “Quanto à evolução dos óbitos na cidade, estamos chegando no platô mínimo. A queda nos números de morte registradas continua de forma consistente. Já chegamos a ter uma média de 15 por dia, mas nossa média atual é de cerca de três óbitos diários. Continuaremos monitorando para verificar se esses dados se deterioram e, a partir daí, decidiremos nossos próximos passos, como temos feito desde o início. Mas esses resultados mostram que, até o momento, temos feito nossa retomada da melhor forma possível”, finalizou o prefeito.

Usuários de barcos na travessia Teresina-Timon são ouvidos em pesquisa de transporte

Ascom/Strans

Os usuários do sistema de transportes em barcos que fazem a travessia de Teresina a Timon estão sendo entrevistados nesta quarta-feira, 16, para a pesquisa de elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Sustentável de Teresina (PDMUS). A Prefeitura de Teresina está ouvindo os envolvidos no sistema de transporte para elaborar o PDMUS, principal instrumento de planejamento que vai nortear toda a política de transportes na capital pelos próximos 20 anos.

Várias pesquisas ainda serão realizadas para levantar dados de como o sistema de transporte de pessoas e cargas funciona em Teresina. Os levantamentos abordam as principais características dos deslocamentos, incluindo origem e destino, motivo da viagem, tempo de percurso, conexões com outros modos, facilidades e dificuldades na viagem.

Para o assessor técnico da Strans, Ricardo Freitas, as etapas de pesquisas são as mais importantes nessa fase de diagnóstico. “A população está sendo ouvida para poder expressar as suas necessidades e, com esses dados, teremos um diagnóstico real para subsidiar o planejamento de ações”, diz.

No processo de obter dados junto à população já foi realizada consulta pública com entidades, usuários e empresários do setor; pesquisa de origem destino nos terminais de integração e com ciclistas e caminhoneiros. Na pesquisa domiciliar foram levantados dados de 11 mil domicílios e ainda estão previstas as pesquisas de sobe e desce com usuários dos transportes coletivos; de origem e destino nos terminais de integração e de contorno com os motoristas nas BRs que dão acesso a Teresina.

Helder Paixão, coordenador da pesquisa, explica que a coleta de dados é analisada para compor o PDMUS. “Nossos formulários constam as formas de uso de cada tipo de transporte para compreender como cada um é utilizado. Esta semana iremos fazer outra pesquisa nas BRs de entrada da cidade com caminhões, carros e motos para identificar origem e destino”, adianta.

Plano Diretor
O Plano Diretor de Mobilidade Urbana Sustentável de Teresina (PDMUS) está sendo desenvolvido pela Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans) desde outubro do ano passado. Nesse plano, sob forma de lei, irão constar os objetivos, metas e ações relacionadas à mobilidade urbana, a curto, médio e longo prazo (5, 10 e 20 anos).

O PDMUS irá abranger todo o município de Teresina, zona urbana e rural, considerando a inserção da cidade na Região Integrada de Desenvolvimento (RIDE) da Grande Teresina.

Prefeitura faz pesquisa sobre qualidade do transporte público

O projeto Observatório do Transporte, da Prefeitura de Teresina, está em sua primeira fase, com a conclusão de um diagnóstico do transporte público coletivo urbano em Teresina. Após esta primeira etapa, com o levantamento dos principais problemas vivenciados na cidade, foi elaborado um questionário online para que os usuários falem das suas experiências e apontem quais desafios devem ser considerados prioritários.

A pesquisa será feita através de um questionário online, que pode ser acessado através do link http://bit.ly/questionarioteresina e conta com questões para identificar o perfil do usuário de ônibus, a sua avalição do sistema Inthegra e a percepção sobre o uso do transporte em meio à pandemia de Covid-19.

Por último o usuário irá apontar, por ordem de importância, os principais problemas do transporte público em Teresina, identificados na primeira etapa do diagnóstico. Esta primeira etapa foi feita através de análise do funcionamento do sistema e entrevistas com gestores públicos, empresários, funcionários e representantes dos usuários. Os problemas foram divididos nas categorias qualidade; monitoramento e planejamento; e operação, e envolvem questões como pontualidade, conforto, segurança, etc.

“O diagnóstico mostrou quais são os principais pontos do transporte público em Teresina que precisam ser melhorados. Depois fizemos um workshop com membros da administração pública, da sociedade civil e de acadêmicos relacionados à mobilidade, para discutir com eles quais destes problemas são prioritários. Agora estamos levando este debate à toda a população através do questionário online”, explica Cíntia Bartz, coordenadora da Agenda Teresina 2030, departamento da secretaria de planejamento, responsável pelo projeto.

“O transporte público e a mobilidade urbana são desafios enfrentados por toda cidade de médio ou grande porte no Brasil, que se tornaram ainda mais complexos em um momento de pandemia. A Prefeitura trabalha para ofertar o melhor serviço possível, e através deste questionário irá ouvir a população para entender os seus anseios encontrar as melhores soluções”, afirma o secretário de planejamento e coordenação, José João Braga.

Observatório da Mobilidade

O Observatório da Mobilidade é um projeto da Prefeitura de Teresina que foi selecionado para receber um financiamento de €500 mil euros da Agência Francesa de Desenvolvimento. A iniciativa foi uma das 16 escolhidas do programa Euroclima+, que financia projetos de desenvolvimento sustentável na América Latina. No Brasil, apenas Teresina e Santos foram aprovadas.

O projeto visa desenvolver uma plataforma para gerar e disponibilizar indicadores do transporte público, tornando-o mais transparente e também mais eficiente, através do uso dessas informações para organizar melhor a operação do sistema.

Número de pessoas com potencial de transmitir a Covid-19 volta a crescer em Teresina

Teresina apresentou um crescimento de 9% na quantidade de pessoas com potencial de transmitir a Covid-19 em relação à semana passada. Segundo dados da 17ª Pesquisa de Investigação Sorológica, realizada pela Prefeitura de Teresina entre 07 a 09 de agosto, a cidade possui 11.502 pessoas com o vírus ativo e na fase de transmissão do Coronavírus. O R-zero, que é taxa de transmissibilidade da doença, também aumentou, e após três semanas seguidas com tendência de queda, nesta semana chegou a 1,09.

“Embora a reabertura da economia tenha desacelerado um pouco a descida da curva, não trouxe um crescimento repentino da Covid-19, o que nos leva a crer que a doença está em um momento estacionário. No caso do valor do R-zero, por estarmos trabalhando com estatísticas, é natural vermos esse número subindo e descendo. Esta semana ele voltou a subir, mas não de uma forma significativa e sim dentro da margem de oscilação normal nesse indicador”, comentou o prefeito Firmino Filho.

A quantidade de positivados, segundo a pesquisa, é 10 vezes maior que os 17.630 casos confirmados oficialmente pelo Centro de Operações de Emergência (COE) da Fundação Municipal de Saúde (FMS) no momento da coleta dos dados. A cidade, nesta etapa da sondagem, registrou 172.969 pessoas com a doença. Este número teve uma queda de 5% em relação à semana passada, quando foram registrados 182.569 casos. Quanto ao número de imunes, a quantidade chegou a 90.290.

“Esta semana nos reuniremos com o COE para avaliar todos esses indicadores. Estamos no meio do processo de reabertura e sabíamos que o comportamento da doença mudaria, mas precisamos avaliar melhor. Vamos analisar também como a evolução da doença em outros municípios afeta a capacidade da rede de saúde em Teresina”, apontou Firmino.

A zona Leste aparece sem nenhum caso de positivado para a Covid-19 esta semana. A zona Sul lidera o ranking de casos e registrou 42% de pessoas infectadas com o Coronavírus. Em seguida aparece a zona Norte, com 33% dos casos. Já a zona Sudeste confirmou 25% das pessoas da região com a doença.

Esta etapa da sondagem também não registrou casos positivados nas pessoas com idade acima de 70 anos e nas crianças e adolescentes de 0 a 14 anos. A faixa etária entre 25 a 34 anos continua sendo a mais infectada com o novo Coronavírus e apresentou 33% dos casos. Já nas idades entre 15 a 24 anos, 35 a 44 anos, 45 a 54 anos e 55 a 69 anos, foi registrado 17% dos casos positivos para a Covid-19 em cada uma delas.

Confira AQUI o resultado.

Teresina segue tendência de queda e diminui número de positivados para a Covid-19

A cidade de Teresina segue a tendência de queda no número de pessoas positivadas para a Covid-19. Dados da 16ª pesquisa de investigação sorológica realizada pela Prefeitura de Teresina, no período de 31 de julho a 03 de agosto, demonstram que 182.569 pessoas estão com o novo Coronavírus na capital, o que representa uma queda de 8% em relação à semana anterior, quando foram registrados 197.963 casos.

A quantidade de positivados, segundo a pesquisa, é 12 vezes maior que os 15.502 casos confirmados oficialmente pelo Centro de Operações de Emergência da Fundação Municipal de Saúde (FMS) no momento da coleta dos dados. De acordo com o prefeito Firmino Filho, essa subnotificação da doença tem sido cada vez menor na cidade.

“Apesar de termos ainda uma subnotificação dos casos, podemos observar que, ao longo das várias etapas da pesquisa, esse índice vem caindo de forma bastante significativa.  Quando iniciamos as sondagens, no mês de abril, o número chegou a ser 118 vezes maior e reduziu para 12. Isso pode ser explicado pelo o aumento da testagem na cidade. Só a Fundação Municipal de Saúde faz uma média de 2 mil testes por dia, sem contar o que tem sido feito pela iniciativa privada. E essa testagem nos dá um panorama sobre a situação do vírus na capital”, comentou o prefeito

A pesquisa mostrou também que quantidade de pessoas com potencial de transmitir a Covid-19 também caiu 15% quando comparada com a sondagem anterior. Agora são 10.551 de pessoas com vírus ativo, quando na semana passada foram registradas 12.454 pessoas infectantes. A cidade conta ainda com 99.976 pessoas imunes à doença. A taxa de reprodução do vírus, o R-zero, também segue abaixo de 1 e ficou em 0,85.

“Observamos que a quantidade de positivados ativos fica cada vez menor que os positivados total, e a capacidade de propagação também tem caído. Hoje a quantidade de infectados, segundo a pesquisa, está em torno de 10 mil pessoas, basicamente o que tínhamos em maio, mas naquela época tinha pouca gente imunizada e hoje esse número chega a mais de 100 mil.  E mesmo após a abertura das atividades não houve movimento contrário na queda da curva, o que é bastante positivo”, avaliou o prefeito.

Quanto à disseminação do vírus pela cidade, a zona Leste voltou a pontuar na pesquisa e apareceu com 27% dos casos nesta etapa da sondagem, na semana anterior não foi registrado nenhum positivado nesta região. A zona Sudeste apresentou uma queda nos índices, com 9% dos positivados. A zona Sul também deu uma reclinada e registrou 32% de positivados para a Covid-19. Na semana anterior essa região preocupou ao apresentar 62% dos infectados. A zona Norte também apresentou queda nos números de positivados, 27%.

No que diz respeito à faixa etária, essa semana houve um aumento significativo na quantidade de pessoas positivadas entre 35 aos 44 anos, um índice de 45%. “Essa faixa corresponde à parcela da população economicamente ativa, e que cresceu o percentual de positivados, o que nos leva a crer que tem relação com a reabertura das atividades econômicas”, explicou Firmino.

O número também cresceu entre crianças e adolescentes de 0 a 14 anos, que aparecem entre 18% dos infectados, mesmo índice registado entre as pessoas de 25 a 34 anos. Em seguida, com 9%, estão as pessoas com 15 a 24 anos e 55 a 69 anos. Os idosos maiores que 70 anos estão entre os 3% dos infectados. O dado satisfatório diz respeito às pessoas com idade entre 44 a 55 anos, que não pontuaram nesta etapa da sondagem.

“Nessas duas próximas semanas vamos continuar monitorando a situação da cidade por causa da reabertura de muitas atividades, como por exemplo, os serviços administrativos. A pesquisa do período de 14 a 16 de agosto será decisiva para revermos números, como da rede hospitalar, entre outros aspectos, para termos uma nova avaliação sobre a doença em Teresina”, disse o prefeito.

Confira AQUI o resultado da pesquisa.

Taxa de transmissão da Covid-19 cai em Teresina e aumenta número de pessoas imunes

O número de pessoas imunes à Covid-19 em Teresina chegou 93.230 e é maior do que o total de infectantes, que é de 20.151. Os dados foram informados pelo prefeito Firmino Filho em videoconferência com a imprensa nesta quarta-feira e são relativos aos resultados da 14ª etapa da pesquisa de investigação sorológica, realizada entre os dias 17 a 19 de julho. Ele ressaltou que a doença não está mais em expansão na cidade, onde a taxa de transmissão do vírus, o R-zero, está em 0,61.

A sondagem apontou que quantidade de pessoas com o vírus ativo, com potencial de transmitir a doença, caiu 35%, passando de 30.788 na semana passada para 20.151. “O percentual de positivados com doença ativa tem ficado cada vez menor, o que nos permite dizer que cada vez menos existe espaço para o vírus se espalhar na cidade”, destacou o prefeito. A quantidade total de positivados também apresentou queda de 7%. Essa semana, foram identificadas 201.768 pessoas, contra 217.163 registradas na etapa anterior da pesquisa.

Mesmo com os dados positivos nesta etapa da sondagem, o prefeito informa que a doença ainda está em um patamar elevado e que é preciso ter respeito e disciplina às regras de isolamento. “É importante ressaltar que a doença não desapareceu, embora tenhamos uma menor quantidade de casos. Ainda temos que ter muita precaução e continuar com os cuidados, especialmente porque estamos na fase de transição, reabrindo as atividades econômicas”, lembrou Firmino.

A pesquisa realizada em parceria com o Instituto Opinar faz também a amostra da distribuição do vírus pela cidade. Nesta etapa houve uma queda bastante significativa na quantidade de casos na zona Sudeste, que aparece com apenas 5% dos positivados. Em seguida, com menos casos, aparece a zona Norte, com 24%. As zonas Sul e Leste, esta semana, estão com os maiores índices, 38% e 33%, respectivamente.

Quanto à faixa etária, nesta etapa da sondagem, mais uma vez não foram registrados casos positivos entre os maiores de 70 anos. Os adultos entre 35 a 44 anos representam os mais contaminados, com 29% dos casos. Em seguida, com 19%, aparecem as pessoas com idades entre 15 a 24 anos e 25 a 34 anos. Já o adultos entre 45 a 54 anos estão entre os 14% dos positivados. As crianças e adolescentes de 0 a 14 anos aparecem entre os 10% dos casos.

“No início existia muita gente positivada entre os jovens e adultos e aumentou muito entre a população mais velha. Uma tendência interessante é que o pessoal maior de 70 anos está ficando mais protegida e não tem pontuado nas últimas pesquisas. E um detalhe interessante é que de 0 a 14 anos, como as aulas estão paralisadas e a meninada está dentro de casa, tem apenas 10% dos positivados, e não tivemos nenhum óbito nessa faixa etária”, explicou o prefeito.

Confira AQUI o resultado da pesquisa.

Prefeito diz que curva da Covid-19 em Teresina está próxima da estabilidade

A décima etapa da pesquisa de investigação sorológica sobre o Coronavírus em Teresina apresentou a menor taxa de crescimento da doença desde o início da sondagem, ficando em 17%. O R0 (R-zero) também apresentou certa estabilidade e está em torno de 1. Os resultados, divulgados pelo prefeito Firmino Filho nesta quarta-feira (24) durante videoconferência com a imprensa, apontam que a capital pode estar no pico ou perto de alcançar o pico da Covid-19.

Desde quando a Prefeitura de Teresina iniciou a pesquisa, em parceria com o Instituto Opinar, em 16 de abril, os índices de crescimento dos casos de Covid-19 variaram entre 31% e 91% em diferentes etapas. A maior taxa foi de 91%, identificada entre a quarta e a quinta fase da pesquisa.

“Quando iniciamos as sondagens, ainda em abril, a quantidade de casos foi só aumentando, mas vem caindo a partir da sétima etapa. Agora, tivemos a menor taxa de crescimento e isso pode ser o indício de que estamos na parte da curva que está crescendo, mas com menos intensidade. Isso pode evidenciar que estamos no pico ou perto do pico da doença”, acredita o prefeito, ressaltando que será necessário aguardar o resultado das próximas pesquisas para confirmar essa tendência.

Ele também destacou a estabilidade no número de pessoas infectantes, que estão na fase ativa da doença, e do R0 (R-zero). “Entre 5 a 7 de junho, na oitava etapa da pesquisa, houve um crescimento do IgM positivo. Eram 41.340 pessoas infectantes, que caiu para 34.594 na nona etapa e agora teve um leve crescimento na décima fase, onde tivemos 36.456 casos. Isso mostra que seguimos a mesma tendência da nona etapa, nos levando a concluir que esse IgM está estacionado. Quanto ao R0, a taxa de reprodução do vírus, nessa etapa ficou em 1,06, como se estivesse estável. São dados que nos permitem dizer que estamos flutuando, mais uma evidência de que estaríamos no pico ou próximo dele”, explicou Firmino.

A pesquisa mostrou que o número de pessoas positivadas para a Covid-19 na capital chegou a marca dos 156.623 casos, número 35 vezes maior que a quantidade de casos oficiais divulgados pelo Centro de Operações de Emergência da Fundação Municipal de Saúde (FMS) no domingo anterior à pesquisa, que é de 4.420. Desse total de positivados atestados pela pesquisa, 36.496 estão com o vírus ativo e podem transmitir a doença. A sondagem aponta também que 69.188 pessoas estão na fase intermediária do vírus, ou seja, estão imunizadas ou desenvolvendo a imunidade, e outras 59.939 estão imunes à doença.

Sobre a amostra da distribuição do vírus por toda a cidade, a pesquisa demonstrou que as zonas Norte e Sudeste continuam com o crescimento no número de casos. A zona Norte aparece com 33% dos casos e a zona Sudeste, com 18%. Já a zona Sul apresentou uma queda nos casos e representa 31% dos positivados. A zona Leste segue uma tendência de estabilidade no número e aparece com 18%.

Quanto à idade, a faixa etária de 25 a 34 anos continua sendo a mais infectada, com 23% dos casos. Em seguida aparecem os jovens entre 15 a 24 anos, que são 19% dos positivados. Nas crianças entre 0 a 14 anos o índice de positivados está em 17%. Logo abaixo, com 16%, estão os adultos com 35 a 44 anos. Em seguida, com 12%, aparecem as pessoas com 45 a 54 anos. Já as idades de 55 a 69 anos aparecem entre os 10% dos positivados. Os maiores de 70 anos permanecem entre os 3% dos casos atestados positivos.

“Todos esses dados nos mostram que, eventualmente, estamos próximos de sair desse pico e nossa capacidade de responder à crise estará bem posicionada. Se tivermos a confirmação no decréscimo de casos de internações nas próximas semanas e de óbitos, já estaremos preparados para dialogar sobre a retomada gradual das atividades. Nesse período das duas ou três próximas semanas, seria importante intensificar o isolamento, nosso próprio esforço na reta final é necessário para garantir de fato esse distanciamento, sentimento que precisa ser partilhado também entre as instituições e a sociedade para que todos possam fazer um pacto. E neste caso, um lockdown forte não está descartado”, alertou o prefeito.

CONFIRA AQUI O RESULTADO DA PESQUISA.

Número de positivados para a Covid-19 cresce na capital e já são 94.182 casos

O número de pessoas positivadas para a Covid-19 na capital continua crescendo e já chega a 94.182 casos. É que o revela a oitava etapa da pesquisa de investigação sorológica realizada entre os dias 05 e 07 de junho em Teresina. Desse total, 41.388 estão com o vírus ativo e podem transmitir a doença. Estes dados foram informados nesta terça-feira (09) pelo prefeito Firmino Filho, em videoconferência com a imprensa.

A sondagem aponta também que 40.388 pessoas estão na fase intermediária do vírus, ou seja, estão imunizadas ou desenvolvendo a imunidade, e outras 12.454 estão imunes à doença. A pesquisa revela ainda que a quantidade de positivados é 41 vezes maior que os 2.304 casos confirmados oficialmente pelo Centro de Operações de Emergência da Fundação Municipal de Saúde (FMS) no domingo anterior à pesquisa.

“O grau de subnotificação é 41 vezes o número de casos oficiais confirmados. Desde a primeira etapa da sondagem, até agora, houve um crescimento gigantesco e ainda estamos no processo de crescimento da doença em Teresina, prova disso é que temos 41.388 pessoas com o vírus ativo e em fase de transmissão da doença. Tem uma pequena tendência de achatamento, mas nada confirmado, e é temerário fazer qualquer tipo de flexibilização”, explicou o prefeito.

Quanto a taxa de reprodução, denominada de R0 (R-zero), Firmino informou que foi feita uma releitura baseada nos dados do IgM positivo. “A sondagem mostra que passamos de 2,5, para 1,66 e agora estamos com 1,09. Esse grau de transmissibilidade tem diminuído, mas não chegamos na taxa ideal, que é menor do que 1. Portanto, a doença continua se propagando na cidade e não chegamos a uma taxa segura de estabilidade”, ressaltou.

Sobre a amostra da distribuição do vírus por toda a cidade, a pesquisa, que é realizada em parceria com o Instituto Opinar, demonstrou que a zona Norte continua liderando com o número de casos e representa 35% dos positivados. A zona Sul aparece em seguida, com 30%. A zona Sudeste tem apresentado uma tendência de queda no número de casos e, nesta etapa da pesquisa, representa 17% das pessoas positivas para a Covid-19. A zona Leste permanece com o mesmo percentual da sétima etapa, 17%.

No que diz respeito à faixa etária, as pessoas com idade entre 25 a 34 anos continuam liderando entre os positivados e representam 22%. Os jovens entre 15 e 24 anos estão logo em seguida, com 18%. Nas pessoas com idade entre 35 a 44 anos o índice de positivados está em 17%.  Logo abaixo, com 14%, estão as crianças e adolescentes nas faixas de 0 a 14 anos e os adultos com 45 a 54 anos. Já nas idades entre 55 a 69 a taxa está em 12%, a mesma apresentada na sétima etapa da sondagem, assim como entre maiores de 70 anos, que permanecem figurando entre os 3% dos casos atestados positivos.

“Nosso sentimento é de que a percepção da ameaça da doença ficou mais concreta por parte da população, no entanto, ainda não chegamos no momento de reversão da doença. Daí o nosso apelo para que as pessoas continuem com os cuidados necessários para se protegerem e evitarem a contaminação. Os números mostram que a quantidade de infectados continua crescendo. É em cima destes dados que estamos nos baseando para a tomada das nossas decisões, pois não trabalhamos com achismos e sim com dados técnicos”, enfatizou o prefeito.

Confira AQUI os dados da pesquisa.