Trânsito na Ponte Wall Ferraz será totalmente liberado neste sábado (1º)

Ascom/Sdu Sul

A partir de meio dia deste sábado (1°) as máquinas que estão trabalhando na Ponte Wall Ferraz vão deixar o local e o trânsito será totalmente liberado. O superintendente da SDU Sul, Paulo Lopes, informou que um novo desvio no trânsito deve acontecer a partir do dia 10 de fevereiro, quando as máquinas precisarão voltar ao local para concluir o trabalho.

“Tivemos que fazer uma readequação na forma como estava sendo trabalhada por conta das chuvas intensas dos últimos dias. O terreno que estávamos encontrando não tinha a consistência esperada, e para dar as condições corretas, precisamos colocar uma argamassa. E essa argamassa precisa de um tempo para ganhar a firmeza necessária. Por isso, faremos um intervalo de uma semana”, explicou Paulo Lopes.

Essa escavação serve para a implantação de estacas que são necessárias para a construção de um muro de proteção na parte de baixo da ponte mais antiga. Toda essa ação faz parte do projeto de construção da Marginal Poti Sul, avenida que vai ligar a Marechal Castelo Branco a vários bairros da zona Sul da capital, e ainda as zonas Leste e Sudeste, através das alças de acesso nas pontes Wall Ferraz e Anselmo Dias.

Ao todo, a Via Sul terá cerca de 20 quilômetros de extensão com três pistas de rolamento de cada lado, um canteiro central de seis metros de largura, calçada do lado da floresta fóssil também de seis metros e outra de três metros do lado das residências, toda iluminada e com ciclovia.

Ainda segundo Paulo Lopes, o serviço que será realizado a partir de 10 fevereiro deve ser mais rápido, portanto, o desvio ficará por menos tempo.

Liberado trânsito nas alças de ligação da Ponte Wall Ferraz com a Via Sul

A SDU Sul retirou, nesta quarta-feira (15), o bloqueio que impedia a passagem de veículos nas alças de acesso da Ponte Wall Ferraz com a Via Sul, permitindo a ligação com a Avenida Marechal Castelo Branco. Agora os veículos vindos das zonas Leste e Sudeste, pela Ponte Wall Ferraz, já podem acessar a alça e chegar até Marechal Castelo Branco através da Via Sul. Da mesma forma, quem vem pela Via Sul, pode acessar a Avenida Higino Cunha, no sentido da zona Sul.

De acordo com o superintendente da SDU Sul, Paulo Lopes, esse primeiro trecho da Via Sul está praticamente concluído, faltando somente a implantação da iluminação, que acontecerá ainda este mês. “A Via Sul é, sem dúvida, uma das mais importantes obras de mobilidade urbana de Teresina atualmente. A liberação dessas alças de acessos facilitará bastante a ligação das zonas Sudeste e Leste com a zona Norte, através da Marechal Castelo Branco”, destacou Paulo Lopes.

A construção da outra alça, que vai permitir o acesso à ponte através da Via Sul, também já está sendo viabilizado. Atualmente, a construtora está trabalhando na segunda etapa da obra, que representa a ligação entre as pontes Wall Ferraz e Anselmo Dias. Parte da via, inclusive, já recebeu pavimentação asfáltica. Também já foi dado início as primeiras ações da terceira etapa, que vai da Anselmo Dias a Avenida Manoel Ayres Neto, no bairro Vamos Ver o Sol.

Ao todo, essas três etapas representam um investimento de cerca de R$ 65 milhões em aproximadamente oito quilômetros de avenida com pistas largas, canteiro central, calçadas, iluminação e sinalização.

Alça da ponte Wall Ferraz é interditada para recuperação

Ascom SDU Sul

Em virtude do aumento das águas do Rio Poti, decorrência das fortes chuvas nos últimos dias na capital, a alça da Ponte Wall Ferraz foi interditada pela Superintendência de Desenvolvimento Urbano Leste (SDU Leste), que faz uma nova avaliação do local para dar início aos reparos necessários.

O órgão municipal está agindo por meio dos profissionais técnicos da Gerência de Obras e Serviços, em parceria com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Habitação (SEMDUH).

De acordo com o superintendente executivo da SDU Leste, engenheiro Ângelo Cavalcante, o trecho interditado já está recebendo o preenchimento superficial de asfalto pela SEMDUH. “Os serviços que estão sendo executados pela SEMDUH tem o intuito de evitar com que as águas infiltrem no local e piorem a situação. Paralelo a isso, manteremos a parte isolada por segurança”, explicou.

Posteriormente, quando as águas do rio baixarem, a SDU Leste fará uma intervenção, recuperando o local fissurado, que sofreu erosão, para fazer uma recuperação na base do aterro. “Pelo que analisamos, a estrutura da ponte não apresenta risco. Entretanto, estamos monitorando periodicamente. Após esse período de atuação da SEMDUH executaremos os serviços de recuperação da base para resolver o problema de forma definitiva”, completou.