SEMAM abraça projeto voluntário de reflorestamento em Teresina

A ação aconteceu em uma das áreas já mapeadas pela Prefeitura de Teresina, através da SEMAM, como áreas verdes de preservação na cidade Fotos(Ascom/Semam)

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SEMAM) em parceria com o projeto “Árvores do Amanhã” realizaram o plantio de 40 mudas nativas e frutíferas, na manhã dessa sexta-feira (27), em Teresina.

A ação aconteceu em uma das áreas já mapeadas pela Prefeitura de Teresina, através da SEMAM, como áreas verdes de preservação na cidade.

“A ideia é criar novos parques ambientais em toda Teresina. Luiza foi até a Secretaria no começo do ano e já abraçamos o projeto. Ficamos muito felizes em poder ajudar uma jovem tão engajada e preocupada com a preservação do nosso meio ambiente”, destacou a secretária Elisabeth Sá.

O objetivo do projeto, idealizado pela jovem Luiza Gutierres e que teve apoio imediato da SEMAM, através do seu Núcleo de Educação Ambiental (NEA), é conscientizar a população sobre os benefícios do reflorestamento para combater o desmatamento.

“Hoje estamos realizando nossa primeira ação de reflorestamento em Teresina. Fico muito feliz em poder ajudar a cidade onde minha família também mora. Esse é só o começo”, comemorou Luiza.

Margens do Rio Poti serão reflorestadas com duas mil árvores

As árvores desempenham um papel essencial para manutenção e qualidade dos nossos recursos hídricos, evitam o assoreamento, reduzem os efeitos de enchentes, entre outras importantes funções de equilíbrio ambiental. Nesse sentido, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Recursos Hídricos (SEMAM), em parceria com Instituto Educass (Educação, Social e Sustentabilidade), está realizando um trabalho de reflorestamento das margens do Rio Poti, onde serão plantadas aproximadamente duas mil árvores, ainda este ano.

A primeira etapa dessa ação foi iniciada com o plantio de 300 mudas de árvores em um trecho das margens do rio que fica próximo à Avenida Ulisses Marques, área da Universidade Federal do Piauí (UFPI). No local, foram inseridas espécies como Angico Preto, Sapucaia, Jotobá e Ipê, compatíveis com a recomposição da mata ciliar.
Outros pontos degradados que margeiam o Rio Poti também serão recuperados por meio dessa ação ambiental.

De acordo com o secretário da SEMAM, Olavo Braz, a manutenção das árvores será realizada diariamente nesta fase inicial. “Essa medida é indispensável para que as mudas possam adquirir condições necessárias para sobreviver, ou seja, para que suas raízes se fixem no solo da forma adequada”, explica.

Todo esse trabalho está sendo devidamente acompanhado pelo Ministério Público do Estado do Piauí, por meio da 24ª Promotoria de Justiça, que atua em defesa do meio ambiente.

Além de garantir a preservação da água dos rios, a vegetação atua como fonte de abrigo e alimento para fauna terrestre e aquática, favorecendo a estabilidade do nosso ecossistema.