SAMU recebeu dois trotes por semana durante a pandemia em Teresina

Ascom/FMS

Entre março e julho deste ano, o SAMU de Teresina recebeu, em média, dois trotes por semana, totalizando 40 deslocamentos de ambulâncias para ocorrências falsas. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (07) pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), que alerta que o telefone é disponibilizado para que as pessoas liguem em caso de urgência e que o uso inadequado prejudica o serviço.

O caso só é considerado trote quando a pessoa liga para o 192 e passa uma informação falsa que gera envio desnecessário de ambulâncias ao local solicitado. “Isso é criminoso e prejudica o nosso trabalho de salvar vidas, onde o tempo é precioso”, afirma a diretora do órgão, Francina Amorim. Ela informa ainda que foi implantado moderno sistema de call center e linhas telefônicas digitais que permitem o registro dos números que acionaram indevidamente o SAMU.

Segundo o levantamento, no período da pandemia, o órgão recebeu 25.755 chamados para o 192. Em comparação com esse total, o percentual de trotes é baixo, mas causa prejuízos ao SAMU. “A nova rotina do serviço já se encontra mais exaustiva em decorrência da pandemia. Os servidores têm que utilizar mais equipamentos de proteção individual e cumprem novos protocolos de higienização a cada atendimento. Diante desse cenário, ainda existem pessoas atrapalhando esse serviço de urgência. É lamentável e é um crime”, conta a servidora da estatística, Patrícia Marques.

O SAMU é um programa do Governo Federal, administrado pela Prefeitura de Teresina, que presta socorro em casos de urgência e emergência. Atualmente, dispõe de nove ambulâncias básicas, quatro ambulâncias avançadas, duas motolâncias, e uma central de regulação, local que atende os chamados do 192 e reúne profissionais telefonistas, médicos reguladores e operadores que se comunicam constantemente com as ambulâncias através do sistema de rádio.

Prefeito lamenta morte do Diretor Clínico do Samu

O prefeito Firmino Filho, por meio de nota, lamentou o falecimento do diretor clínico do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU), José Ivaldo de Oliveira. Ele estava internado em leito de UTI, desde o final de junho, em decorrência de complicações da Covid-19.

“Perdemos um pessoa muito importante no combate ao Coronavírus em Teresina. Dr. José Ivaldo era diretor médico do SAMU e atuou fortemente no enfrentamento da doença na nossa cidade. Estava em um dos comandos da nossa linha de frente e foi responsável por salvar várias vidas, especialmente nos últimos meses. Dr. Ivaldo tinha muitos amigos, dentro e fora do SAMU Teresina”, disse o prefeito.

José Ivaldo tinha 48 anos e trabalhava nas ambulâncias do SAMU desde 2004, onde prestou um grande serviço para toda a sociedade teresinense. A sua trajetória no órgão foi marcada pelo compromisso profissional, pela dedicação e pelo respeito aos colegas. O seu comprometimento e atuação humanitária contribuíram para que o SAMU Teresina fosse referência no atendimento móvel de urgência de todo o país.

Equipes do SAMU atendem uma média de 100 pacientes por dia em Teresina

Entre março e junho deste ano o SAMU de Teresina contabilizou atendimento a 10.357 pessoas em situação de urgência, o que representa uma média de 101 ocorrências por dia. Desse total, as urgências clínicas foram os casos mais recorrentes (4.409). Os casos de Covid-19 ficaram em segundo lugar no ranking, sendo registrada assistência a 1.800 pessoas com quadro suspeito ou confirmado da doença.

Segundo Patrícia Marque, servidora do setor de estatística do órgão, durante a pandemia houve aumento em 300% das ligações para o 192, se comparado ao mesmo período do ano passado. “O SAMU também atendeu 1.354 pessoas vítimas de acidente de trânsito, além de usuários em situação de urgência psiquiátrica, obstétrica e traumática. As equipes também realizaram a transferência de pacientes graves de um hospital para outro”.

A diretora geral do órgão, Francina Amorim, informa que o SAMU adotou novos protocolos durante a pandemia do coronavírus. “Foram realizadas várias medidas para aperfeiçoar o serviço, como acréscimo de duas ambulâncias específicas para atender sintomáticos gripais, reforço da higienização das viaturas, pulverização das vestimentas dos socorristas, treinamento das equipes e afastamento dos servidores que integravam o grupo de risco para a doença”.

Ela explica ainda que o SAMU tem se destacado a nível nacional e que o serviço contribui significativamente para aumentar a sobrevida dos pacientes. “O nosso SAMU foi o primeiro do Brasil a implantar núcleo de segurança do paciente e foi pioneiro no Nordeste a criar projeto de Libras. Além disso, tem materiais de alto custo e que são utilizados em poucos SAMUs do país, como medicamento que reverte infarto agudo do miocárdio”.

O SAMU é um programa do Governo Federal, administrado pela Prefeitura de Teresina, que presta socorro em casos de urgência e emergência. Atualmente, dispõe de 09 ambulâncias básicas, 04 ambulâncias avançadas, 02 motolâncias e 01 central de regulação, local que atende os chamados do 192 e que reúne profissionais telefonistas, médicos reguladores e rádio-operadores que se comunicam constantemente com as ambulâncias através do sistema de rádio.

 

SAMU de Teresina produz vídeos em Libras sobre a pandemia do Coronavírus

Foto: Renato Bezerra

A partir dessa quarta-feira (01), o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) de Teresina passa a levar informações sobre a Covid-19 para a população surda. Trata-se da nova versão do projeto Libras na Saúde, que irá disponibilizar vídeos sobre a pandemia em Libras no canal “FMS Teresina” do Youtube e no Instagram @samuteresina.

A proposta é que os surdos tenham acesso aos dados sobre prevenção da Covid-19, sintomas e tratamento disponibilizado na rede de saúde. “Nesse momento, a grande arma contra o vírus é a informação e queremos deixar a comunidade surda ainda mais informada. O conhecimento levado pode salvar vidas”, explica Patrícia Marques, servidora do SAMU e idealizadora do projeto.

Antes da pandemia, o projeto ensinava língua de sinais aos profissionais do SAMU para facilitar a comunicação com o surdo, no momento da urgência. “Eles aprendiam sinais específicos de libras voltados para a área da saúde. Mas as aulas foram temporariamente suspensas em razão dessa crise sanitária instalada no mundo”, finaliza.

De acordo com Francina Amorim, diretora geral do SAMU, o projeto Libras na Saúde conta com o apoio da gestão. “O SAMU não se restringe ao atendimento assistencial e tem vários projetos sociais voltados para comunidade. Com a produção de vídeos em Libras, queremos quebrar barreiras comunicacionais e promover a inclusão social”.

O SAMU é um programa do Governo Federal, administrado pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina e que presta socorro em casos de urgência clínica, obstétrica, traumática e psiquiátrica. Atualmente, o órgão dispõe de 9 ambulâncias de suporte básico, 4 de suporte avançado e 4 motolâncias, que ficam estrategicamente distribuídas na cidade.

Segue link do primeiro vídeo publicado no canal FMS Teresina no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=09JZsBgUYk8&feature=youtu.be

SAMU tem nova ambulância avançada para transferir pacientes com Covid-19

Ascom/FMS

A Prefeitura de Teresina incorporou à frota do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) mais uma ambulância de suporte avançado específica para atender pessoas com quadro grave da Covid-19 e que necessitam ser transferidas de um hospital para outro. Agora, o órgão passa a contar com 4 ambulâncias avançadas, 9 básicas e 4 motolâncias.

O novo veículo tem todos os equipamentos de uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e irá agilizar as ocorrências. Recentemente, foi também acrescentada uma ambulância de suporte básico exclusiva para atendimento da Covid-19.

“Com essa frota ampliada, temos mais veículos à disposição da população em meio à pandemia do Coronavírus. Percebemos que o volume de chamados tem aumentado significativamente e a Fundação Municipal de Saúde (FMS) não tem medido esforços para qualificar o serviço pré-hospitalar”, explica a diretora do SAMU, Francina Amorim.

Todo o restante da frota pode atender casos decorrentes de Covid-19 ou outras urgências. “Esses veículos estão aptos a fazerem atendimento em via pública ou em domicílios e somente as viaturas avançadas também realizam transferência de pacientes graves entre os hospitais, quando há necessidade”, ressalta o diretor médico do SAMU, José Ivaldo.

O SAMU é um programa do Governo Federal, administrado pela FMS de Teresina e que presta socorro em casos de urgências clínicas, obstétricas, psiquiátricas e traumáticas. Para usufruir do serviço, é necessário ligar para o 192. O médico-regulador analisa o caso informado e classifica se é necessário o envio de ambulância básica ou avançada até o local; ou, ainda, se apenas presta orientações ao solicitante.

Enfermeira vence a Covid-19 e retorna para o trabalho no SAMU em Teresina

Ascom/FMS

Diagnosticada com a Covid-19, a enfermeira Laurimary Caminha Veloso conseguiu se recuperar da doença. Ela apresentou sintomas leves e recebeu o tratamento pela rede pública de saúde de Teresina. Nesta quinta-feira (21), sob aplausos dos colegas de profissão, retornou ao seu trabalho no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU).

Nas suas redes sociais, Laurimary fez uma postagem agradecendo o apoio recebido durante o tratamento. “Estou feliz por estar de volta (ao SAMU). Tive que ficar em casa, porém não me senti sozinha. Agradeço o ‘bom dia’, ‘como você está?’, ‘se alimente bem’, e ‘boa noite’. Não tem preço, a qualquer hora o cuidado e o carinho estavam presentes”, afirma.

Ela relata que sentiu dor de cabeça, tosse seca e desconforto na garganta e foi atendida na própria Unidade Básica de Saúde do Mocambinho, onde trabalha, mas depois foi direcionada para outro estabelecimento. “Fiquei em isolamento domiciliar por 14 dias e fazendo o tratamento indicado. Hoje, eu me sinto bem e tranquila para retornar ao trabalho. Peço que todos se cuidem e cumpram as medidas recomendadas pelas autoridades de saúde”.

A diretora do SAMU, Francina Amorim, conta que a equipe de socorristas ficou emocionada com o caso. “Todos estávamos preocupados com a servidora. Desde o início da pandemia do novo coronavírus, temos implementado várias medidas para proteger servidores e cuidar de quem precisa. A gestão da Fundação Municipal de Saúde (FMS) não tem medido esforços para nos dar todo o suporte necessário nessa missão”, declara.

SAMU pulveriza vestimentas dos socorristas para evitar contaminação pelo Coronavírus

Ascom/FMS

A partir de agora, os socorristas do SAMU de Teresina serão submetidos a processo de pulverização de toda a sua vestimenta especial, o que inativa o Coronavírus em até um minuto. A ação é realizada antes da retirada dos equipamentos de proteção individual (EPIs) utilizados durante atendimentos a pacientes com Covid-19. Com a inciativa, a Prefeitura de Teresina visa diminuir o risco de contaminação dos servidores.

“O SAMU disponibiliza os EPIs necessários para que os profissionais façam os atendimentos. Mas um dos principais riscos de contaminação dos servidores é na desparamentação, que é a hora da retirada desses EPIs. Eles podem levar as mãos contaminadas aos olhos, boca e nariz e se infectarem. Por isso, temos realizado cursos periódicos sobre o tema e agora estamos com essa ação inovadora de pulverização”, explica a diretora geral do órgão, Francina Amorim.

A operação de desinfetar os EPIs dos servidores é feita com bombas de pulverização. “O produto borrifado foi adquirido pelo SAMU, é biodegradável, não-tóxico e utilizado para combater infecções causadas por microrganismos multirresistentes. Isso é mais uma ação estratégica para conter esse vírus que tem potencial letal, contribuindo com a proteção dos profissionais”, ressalta a diretora de Enfermagem do órgão, Eronice Morais.

O SAMU é um programa do Governo Federal, administrado pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) e que presta atendimento em casos de urgência clínica, traumática, obstétrica e psiquiátrica. Atualmente, são 12 ambulâncias que ficam estrategicamente distribuídas na cidade, sendo 9 de suporte básico e 3 de suporte avançado, além de quatro motolâncias. Para acionar o serviço, basta a população ligar para o número gratuito 192.

Serviço de telefonia do 192 do SAMU é restabelecido em Teresina

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) informa que já foi restabelecido o funcionamento total da linha 192 do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). Assim, em casos de urgência clínica, obstétrica, traumática ou psiquiátrica, as pessoas residentes em Teresina, Piripiri e Campo Maior podem ligar exclusivamente para esse número gratuito.

Na tarde desta segunda-feira (04), a linha 192 apresentou problema em decorrência de furtos de fios telefônicos. Por esse motivo, o SAMU tinha disponibilizado à população um telefone alternativo. “Os técnicos da Operadora Oi e da Tecnologia da Informação da FMS atuaram de maneira ágil e o serviço já está funcionando plenamente”, afirma a diretora do SAMU, Francina Amorim.

O SAMU é um programa do Governo Federal, administrado pela FMS e que presta socorro em casos de urgência e emergência. Para acionar o serviço, a população deve ligar para o número 192 e o seu primeiro contato é com telefonista, em seguida, com médico regulador, que classifica se é necessário o envio de ambulância ou se faz orientações médicas.

SAMU atende 17 vítimas de acidente de trânsito por dia no carnaval

Ascom/FMS

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) realizou 425 atendimentos no carnaval, no período entre sábado (21) e quarta-feira de cinzas (26). Desse total, 167 corresponderam a pessoas em situação de urgência clínica, 16 eram vítimas de agressão física, e 86 se envolveram em acidentes de trânsito, revelando uma média de 17 acidentados por dia. O dado foi divulgado nesta quinta-feira (27), pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina.

O levantamento mostrou o perfil das pessoas vítimas de acidente de trânsito, atendidas pelo SAMU nesse período carnavalesco. A maioria dos atendimentos (28%) correspondeu a pacientes do sexo masculino, com idade entre 20 e 34 anos de idade. “Essas pessoas jovens, em idade reprodutiva, podem ficar com sequelas e ter a sua vida profissional e pessoal comprometida ou mesmo irem a óbito. É preciso a colaboração de todos para mudar essa realidade”, afirma o presidente da FMS, Charles Silveira.

Segundo a diretora geral do SAMU, Francina Amorim, uma das medidas para reduzir os acidentes é a conscientização das pessoas quanto ao cumprimento da legislação. “O uso de equipamentos de proteção, por exemplo, pode evitar danos irreversíveis ou mesmo o óbito. É necessário utilizá-los sempre, mesmo que os condutores façam pequenos trajetos no trânsito”, informou. Ela explica ainda que, caso ocorra acidente de trânsito, deve-se manter a calma e acionar o Serviço.

Neste período do carnaval, a FMS informa que o SAMU também registrou atendimento a 29 pessoas em situação de urgência psiquiátrica, 17 gestantes em urgência obstétrica e 30 pessoas que levaram queda da própria altura. Houve ainda uma pessoa vítima de afogamento, um de choque elétrico e duas vítimas de envenenamento. As ambulâncias de suporte avançado também realizaram a transferência de paciente com quadro de saúde grave entre hospitais da rede de saúde da capital.

O SAMU é um programa do Governo Federal, administrado pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) e que presta atendimento em casos de urgência clínica, traumática, obstétrica e psiquiátrica. Atualmente, são 11 ambulâncias que ficam estrategicamente distribuídas na cidade, sendo oito de suporte básico e três de suporte avançado, além de quatro motolâncias, que são motos pilotadas por técnicos de enfermagem. Para acionar o serviço, basta a população ligar para o número gratuito 192.