Isolamento social varia de 41% a 51% na última quarta-feira (03) em Teresina

O índice de isolamento social em Teresina na última quarta-feira (03) variou entre 41,60% e 51,90%. Os dados são registrados pelas duas bases de dados usadas pela Prefeitura de Teresina: a Startup Inloco e as operadoras de telefonia celular, que disponibilizam informações de mais de um milhão de linhas telefônicas. Os índices figuram bem abaixo do recomendado pelas organizações de saúde para evitar a proliferação da Covid-19 na capital, que é de 73%.

O monitoramento também mostra o percentual de isolamento social por regiões da cidade, indicando que na quarta-feira a região Centro/Norte apresentou maior índice, com 42,12%, seguida da região Leste, com 41,99%, e Sul com 40,98%. O pior índice ficou com a região Sudeste, com apenas 40,49% de isolamento.

Apesar de todos os esforços feitos pela gestão municipal no sentido de frear o avanço da pandemia na cidade, os índices de isolamento continuam sem apresentar melhoras. “Pedimos o empenho e a compreensão de todos para que fiquem em casa e saiam somente em caso de extrema necessidade, pois o isolamento é a arma mais eficaz que temos para vencer essa batalha”, afirma o prefeito Firmino Filho.

Em Teresina o mês de junho iniciou com recorde no número de pacientes infectados pelo novo coronavírus. Apenas nas últimas 24 horas a capital ultrapassou a marca dos 100 casos confirmados de COVID-19. Segundo dados do painel epidemiológico da Fundação Municipal de Saúde (FMS), a capital registrou ontem (03) 109 novos casos da doença, totalizando 2.650 pacientes com o novo coronavírus desde o início da pandemia. Quanto aos óbitos, Teresina registrou seis novas ocorrências, totalizando 107 mortes.

 

 

Mais de 30 mil pessoas em Teresina estão na fase de transmissão da Covid-19

A sétima etapa da pesquisa de investigação sorológica, realizada entre os dias 29 e 31 de maio na capital, revela que 30.788 do total de positivados para a Covid-19 são infectantes, portanto, estão com o vírus ativo e podem transmitir a doença. Na fase intermediária encontram-se 30.703 pessoas, que estão imunizadas ou desenvolvendo a imunidade, e outras 10.551 estão imunes à doença. De acordo com o prefeito Firmino Filho, a pesquisa revela também que a quantidade de positivados é 41 vezes maior que os 1.771 casos confirmados oficialmente pelo Centro de Operações de Emergência da Fundação Municipal de Saúde (FMS) no domingo anterior à pesquisa.

“No período de um mês e meio a quantidade de pessoas infectadas na cidade foi multiplicada por 14,8, um crescimento explosivo. Passamos de 4.843 casos em abril para 72.042 pessoas que já foram infectadas pela Covid-19 na cidade”, afirmou o prefeito ao apresentar nesta quarta-feira os dados para a imprensa durante videoconferência.

“Nesta etapa da sondagem foi observado um crescimento de 44% no número de casos positivados em relação à sexta etapa, onde foram atestados 49.988 pessoas. A quantidade de infectantes, que está com vírus ativo e ainda não desenvolveu a imunidade, continua crescendo. Na quarta etapa tínhamos 5.794 e agora passou para 30.788, uma multiplicação superior a cinco vezes. Muita gente está transmitindo a doença. Mas a boa notícia é que houve uma queda na evolução da doença. Aparentemente não estamos mais no crescimento exponencial, ou seja, eventualmente estamos nos aproximando do platô do pico, da estabilidade”, destacou Firmino.

A pesquisa, realizada em parceria com o Instituto Opinar, faz também uma amostra sobre o comportamento do vírus na cidade. Nesta sétima sondagem, os dados mostram que o cenário segue a tendência da sexta coleta de dados e a zona Norte continua com o maior número de positivados, 33%. A zona Sul aparece logo em seguida, com 30%. A Sudeste permanece na faixa dos 20% de casos e a zona Leste continua com o menor percentual, 17%. “Os dados mostram que a doença está espalhada na cidade como um todo”, ressaltou o prefeito, acrescentando que as mulheres também continuam sendo maioria e representam 55% dos casos positivados para a Covid-19.

No que diz respeito à faixa etária, as pessoas com idade entre 25 a 34 anos lideram entre os positivados e representam 21%. Os jovens entre 15 e 24 anos e 25 a 34 anos apresentaram a mesma porcentagem e estão com 18% dos casos, cada. As pessoas com idade entre 45 a 54 anos o índice de positivados está em 14%. Em seguida, com 13%, estão as crianças e adolescentes nas faixas de 0 a 14 anos. Já nas idades entre 55 a 69 a taxa está em 12% e os maiores de 70 anos figuram entre os 3% dos casos atestados positivos.

“Em relação à faixa etária acontece um fenômeno reverso. No começo eram os jovens adultos que estavam numa maior proporção. Agora são os mais velhos, o que aumenta o risco e é mais preocupante”, avaliou o prefeito.

Confira AQUI os dados da pesquisa.

Isolamento social em Teresina foi de 55,70% no último domingo (31)

Teresina registrou índice de isolamento social de 55,70% no último domingo, dia 31 de maio, quando estava valendo o lockdown parcial no estado. Já no sábado, dia 30, o índice registrado foi de apenas 44,8% e na sexta-feira (29), antecipação do feriado de Corpus Christi, o índice foi de 46,5%. Os dados são da Startup Inloco, que realiza o georreferenciamento de smartphones na cidade, monitorando a localização dos usuários.

Ainda de acordo com a Startup, a região da cidade que apresentou maior índice de isolamento no fim de semana foi a Sul, com 56,53%, seguida da região Leste, com 55,47%, Centro/Norte com 55,35% e Sudeste com 52,85%.

Os números registrados continuam bem abaixo do percentual recomendado pelas autoridades de saúde, que é de 73%, para evitar a proliferação em massa do novo coronavírus na capital.

Nas últimas 24 horas Teresina registrou 56 novos casos e quatro óbitos por Covid-19. É o que mostra o boletim epidemiológico divulgado neste domingo (31) pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) e pela Secretaria de Estado da Saúde (Sesapi). Até agora, a capital soma 2.304 pessoas infectadas e 89 pacientes mortos pelo novo coronavírus.

“Caminho da retomada será construído de forma coletiva”, garante Firmino

O prefeito Firmino Filho apresentou nesta sexta-feira, durante videoconferência com jornalistas, sete critérios para a flexibilização do distanciamento social e a retomada das atividades econômicas na cidade. Ele anunciou a realização de uma consulta pública sobre o tema e destacou a importância do engajamento da sociedade civil, do poder público e da iniciativa privada como fundamental para a criação do “novo normal”. Firmino ressaltou também que as pessoas, ao voltarem ao trabalho, devem atuar considerando o risco constante.

“Na próxima semana, vamos abrir uma consulta pública para que a população possa participar e avaliar o planejamento para o retorno das atividades econômicas. Devemos atuar conjuntamente, compartilhando responsabilidades e mitigando riscos associados à Covid-19. É muito importante que possamos trabalhar na construção de uma ordem e orientações de todo o processo. Cada atividade deve ter seus protocolos específicos e cada empresa precisa ter um Plano de Segurança para guiar a rotina e o dia a dia. Para que a gente possa conviver com esse risco, que será permanente nesse novo normal, é essencial atender aos protocolos”, defendeu o prefeito.

Os sete critérios considerados durante o estudo para a retomada das atividades econômicas são: medir e monitorar a taxa de reprodução da doença; reduzir o número de internações; diminuir o número de óbitos; avaliar a capacidade de leitos de observação e enfermaria; considerar capacidade de leitos de UTI; fortalecer a capacidade de testagem; e ampliar a capacidade de rastreamento de contatos.

“Só abriremos quando existir uma segurança maior, com base na avaliação de várias questões, como a diminuição da curva de hospitalização, de casos e de mortes; a oferta de leitos de observação e de UTI, que deve ser de 30%, no mínimo; o fortalecimento da capacidade de rastreamento dos contatos; e o aumento da testagem, estratégia principal para a contenção da disseminação do vírus. O ideal dever ser, no mínimo, 1.000 testes por dia”, detalhou o prefeito.

Além das métricas, as fases de reabertura deverão acontecer conforme a relevância econômica das empresas e suas possibilidades de contaminação, que devem ser medidas conforme a aglomeração e a circulação de pessoas geradas pela atividade. “São sete indicadores e quatro fases, mas essas ações não dependem só do Poder Público. Alguns dependem do setor privado e outros, da sociedade. Devemos fazer tudo com responsabilidade para que não tenhamos retrocessos. E é fundamental que a gente possa assumir e compartilhar responsabilidades e riscos. Cabe ao poder público planejar, colocar visões de futuro e diretrizes para que a sociedade possa trilhar esse caminho. Novos hábitos deverão ser assumidos por toda a sociedade”, ressaltou.

Confira AQUI as métricas  para abertura das atividades econômicas.

Firmino Filho fala sobre situação da pandemia para conselheiros do Orçamento Popular

O prefeito Firmino Filho se reuniu, nesta quinta-feira (29), através de videoconferência, com conselheiros do Orçamento Popular, para tratar sobre o atual momento de pandemia e expor o cenário em que Teresina está inserida neste momento. O gestor recebeu apoio dos conselheiros em relação às ações já executadas na capital e respondeu às perguntas feitas por eles.

Sobre a retomada das obras do Orçamento Popular, o prefeito explicou que ainda não há uma data. “Nós só teremos uma retomada das atividades econômicas quando tivermos um cenário seguro para que isso aconteça”, afirmou, explicando que apenas obras emergenciais, essenciais e da área da saúde estão sendo executadas na capital.

Firmino disse ainda que a ideia neste momento é acelerar os projetos e processos licitatórios de obras que estão previstas para Teresina. “Isso é importante para que, quando as atividades retomarem, nós tenhamos um grande número de obras licitadas para iniciarmos, o que ajudará na retomada da economia”, disse.

O gestor apresentou aos conselheiros a situação de Teresina, mostrando dados e gráficos da pesquisa sorológica que vem sendo realizada há algumas semanas na capital. “Os dados nos mostram que estamos em um momento crítico e nas próximas semanas ainda enfrentaremos dias difíceis. Estamos em plena expansão da doença e retornar com as atividades agora seria uma grande irresponsabilidade. Dessa forma, é muito importante ainda que possamos reforçar o isolamento social”, pontuou.

Prefeito participa de live com representante do comércio de Maceió (AL)

O prefeito Firmino Filho participou na noite desta quarta-feira (28) de uma live com o presidente da Associação Comercial de Maceió (AL), Kennedy Calheiros, mediada pelo jornalista alagoano Carlos Melo. O encontro virtual tinha como tema o impacto da pandemia na economia das cidades nordestinas, fazendo parte de um projeto do portal de notícias alagoano Cada Minuto.

De acordo com o mediador, o prefeito foi convidado a participar da live porque Teresina vem apresentando bons resultados no combate à pandemia do novo coronavírus. “Queremos ouvir a experiência do prefeito da cidade, que também é economista, sobre a gestão nesse momento de crise”, disse o jornalista Carlos Melo.

O prefeito afirmou que Teresina adotou o isolamento social logo no início da pandemia, o que fez com que a cidade demorasse a apresentar elevado número de casos. “Resolvemos agir com antecedência, sem esperar o cenário se agravar, o que se mostrou uma decisão muito acertada. Conseguimos, por exemplo, evitar que nosso sistema de saúde entrasse em colapso como observamos em outras capitais do Nordeste, como São Luís, Recife e Fortaleza”, disse Firmino.

Kennedy Calheiros, presidente da Associação Comercial de Maceió, perguntou ao prefeito como a Prefeitura de Teresina pretende programar a retomada das atividades comerciais, ao que o gestor respondeu que ela deve acontecer de forma gradual e segura. “Nossa cidade ainda não atingiu o pico da doença, ainda estamos na curva crescente, o que indica que as medidas de proteção e isolamento devem permanecer. Nosso foco sempre foi e sempre será preservar vidas e vamos continuar trabalhando para isso. Estamos obedecendo aos protocolos dos órgãos de saúde, ouvindo estudiosos, analisando dados, conversando com empresários e trabalhadores, tudo isso para tomar as decisões certas nas horas certas”, disse o prefeito

Sobre perspectivas para o futuro, Firmino disse acreditar que toda crise também traz novas oportunidades. “É claro que essa crise sanitária provocou um caos na economia do mundo, mas acredito que ela também vai trazer boas oportunidades para o futuro. Esse é o momento em que precisamos nos reinventar, usar nossa criatividade e inteligência e, sobretudo, aproveitar as novas tecnologias em nosso benefício”, pontuou

Firmino também citou a necessidade de maiores investimentos, por parte dos governos e dos setores privados, em desenvolvimento da ciência, das universidades e centros de pesquisa. “Está mais do que provado que só investindo em ciência, em pesquisa e tecnologia estaremos munidos para enfrentar crises como essa com menores impactos. Tudo começa com a educação, é nela que devemos investir mais se quisermos ter melhores resultados”, disse.

Encerrando sua participação na live, o gestor municipal afirmou que Prefeitura e Governo do Estado vêm mantendo um bom diálogo sobre a gestão da crise no Piauí e que para as próximas semanas é esperada a expansão de novos leitos de UTI em Teresina. “Estamos trabalhando juntos e focados na preservação de vidas, pois a economia pode ser recuperada, uma vida perdida, não”, encerrou o prefeito.

Pesquisa identifica quase 6 mil pessoas imunes à Covid-19 em Teresina

A sexta etapa da pesquisa de investigação sorológica em Teresina mostrou que 49.998 pessoas já foram infectadas pela Covid-19 na capital. Desse total, 19.833 estão no estado ativo da doença, portanto, podem transmitir o vírus; outras 23.611 estão imunizadas ou desenvolvendo a imunidade; e 5.667 pessoas já estão imunes à doença. A sondagem revelou ainda que a quantidade de positivados é 40 vezes maior que os 1.260 casos confirmados oficialmente no domingo anterior à pesquisa.

Segundo o prefeito Firmino Filho, desde a quarta etapa da sondagem estão sendo realizados testes que distinguem os dois tipos de anticorpos para o vírus: o IgM e o IgG. “Os anticorpos IgM indicam infecção na fase ativa, recente. Já os anticorpos IgG também são uma resposta ao vírus, porém atuam na fase mais tardia da infecção, indicando já uma possível imunidade instalada contra o vírus. Inicialmente, eram realizados testes rápidos que detectavam os anticorpos totais das pessoas. Mas, passamos a realizar também os testes que fazem essa diferenciação das pessoas que estão infectantes das que foram infectadas há mais tempo, não transmitem mais o vírus e já tem uma defesa instalada. E esses dados são muito importantes e nos dão mais clareza sobre a situação do vírus na cidade e para a nossa tomada de decisões no enfrentamento à doença”, explicou.

Por meio da pesquisa, realizada em parceria com Instituo Opinar, é possível afirmar também que o vírus já está em toda a cidade, sem diferenciação de regiões. Nesta etapa, o número maior de casos está na zona Norte, com 35%. A zona Sul aparece em seguida, com 28%. A zona Sudeste permanece com 23% dos positivados e a zona Leste segue com o menor percentual, de 15%. “Isso mostra a evolução da doença, que iniciou pela zona Leste, depois seguiu para a Sudeste, e ficou por um tempo com a zona Sul apresentando os maiores índices de positivados. E agora, cresce bastante o número de casos pela zona Norte”, informou.

Quanto à faixa etária, a pesquisa mostra que já não há tanta diferença de contaminação entre as idades, com percentuais variando entre 15% e 18%.  O maior percentual está entre as idades de 15 a 24 anos e 35 a 44 anos, sendo de 18%.  Em seguida aparecem as pessoas com idade entre 25 e 34 anos, representando 17 % dos casos.  Na faixa de idade entre 45 e 54 anos o índice de positivados está em 16%. Já o número de casos entre crianças e adolescentes com idade entre 0 e 14 anos está em 11%. “A população maior de 70 anos na cidade corresponde a 3%  e o número de positivados chega a 5%. Isso é preocupante. A vida dos nossos idosos continua sendo colocada em risco”, lembrou Firmino.

Sobre a taxa de propagação do novo Coronavírus em Teresina, esta etapa da pesquisa apresentou crescimento e está em 1,89. “Em relação à taxa de reprodução do vírus, o conceito denominado de R0 (R-zero), que corresponde ao número médio de contágio causado por cada pessoa, houve crescimento considerável. A média mundial varia entre 2% e 2,5%, segundo a Organização Mundial de Saúde, e o ideal, que nos garante uma segurança para a flexibilização na quarentena, é que esta taxa esteja menor do que 1. Portanto, precisamos perseverar, fortalecer as medidas preventivas e volto a afirmar que a nossa grande arma continua sendo o isolamento social”, destacou o prefeito Firmino Filho.

A pesquisa leva em consideração uma população estimada em 864.845 habitantes em Teresina.  Os números da sondagem são baseados pelos índices positivos dos testes para Covid-19, e são levadas em consideração comorbidades ou doenças prévias, além do quadro atual de saúde do entrevistado. Também são apresentadas as características demográficas coletadas. A última etapa da sondagem aconteceu entre os dias 22 e 24 de maio.

Confira AQUI os dados da pesquisa.

Isolamento social em Teresina fica entre 47,2% e 55% no sábado (23)

Dados gerados pela startup InLoco

O índice de isolamento social de Teresina ficou entre 47,2% e 55% no sábado (23), segundo dados levantados pela startup recifense InLoco e pelas operadoras de telefonia celular que operam na cidade. Os percentuais, que vêm caindo nas últimas semanas, estão bem abaixo dos 73%, mínimo necessário para evitar uma maior disseminação do coronavírus, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

O monitoramento realizado pela InLoco também mostra dados por regiões da cidade, segundo o qual a zona leste de Teresina foi a que apresentou o maior índice de isolamento social, 48,01%; seguida da zona centro-norte, que apresentou um percentual de 46,83%. Logo depois vem a zona sudeste da cidade, com 46,50%; seguida da zona sul, com 46,02%.

Se observarmos por bairros, os locais da cidade em que a população mais respeitou as determinações para ficar em casa foram Matinha (52,40%), Joquei (54,25%), Centro (54,90%), Ininga (54,25%) e Parque Jacinta Andrade (52,40%). Os bairros onde a população menos respeitou o isolamento social foram Angelim (45,40%), Santa Cruz (45,40%), Santa Maria (45,47%), Água Mineral (45,75%) e Alegre (45,75%).

A Prefeitura de Teresina tem trabalhado com duas bases de dados, gerados por georeferenciamento, uma delas é disponibilizada pela sturtup recifense InLoco e a outra por meio de dados colhidos pelas operadoras de telefonia celular. Elas geram informações do tráfego da população que vive em Teresina, a partir dos smartphones destas pessoas. A identidade de cada usuário é preservada, sendo gerados apenas os dados de deslocamento dos aparelhos.

Dados gerados pelas operadoras de telefonia

Isolamento social em Teresina fica em 44,4% na quinta-feira

O índice de isolamento social em Teresina ficou em 44,4%, na última quinta-feira (21), segundo levantamento realizado pela startup recifense InLoco. O percentual mínimo necessário para diminuir a disseminação do novo coronavírus é 73%, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Na capital, que já alcançou percentuais acima dos 60%, esse índice vem apresentando queda nas últimas semanas. Quando analisado por regiões da cidade, os dados mostram que a zona leste apresenta o maior índice de pessoas que ficaram em casa, na quinta-feira, com 45,67%; seguida da zona centro-norte, com 44,44%. Logo depois vem a zona sudeste, com 43,25%; seguida da zona sul, com 42,72%.

Se analisarmos por bairros, os que apresentaram maior percentual de isolamento social foram Mocambinho (46,13%), Noivos (45,95%), Nova Brasília (45,90%), Alto Alegre (45,85%) e Promorar (45,80%). Já os bairros em que a população menos ficou em casa foram Angélica (34,60%), Portal da Alegria (35,25%), Monte Verde (35,40%), Aroeiras (36,14%) e Parque São João (37,15%).

A Prefeitura de Teresina também tem trabalhado com os dados oferecidos pelas operadoras de telefonia celular, com o monitoramento de mais de 1,4 milhões de linhas telefônicas. Com base nos índices, nesta quinta-feira, o isolamento social na capital ficou em 53,9%.

Os feriados e domingos costumam ser os dias de maior índice de isolamento social, por isso, alguns feriados municipais estãos sendo antecipados pela Prefeitura de Teresina, com a aprovação da Câmara Municipal, como o feriado de Nossa Senhora da Conceição, comemorado em 8 de dezembro, e antecipado para esta sexta-feira (22).