PRODATER e SMPM discutem balcão da mulher trabalhadora

PRODATER e SMPM discutem balcão da mulher trabalhadora. Foto (Ascom/Prodater)

Hoje (30) o gerente de desenvolvimento, Hudson Moura, e o desenvolvedor de sistemas, Rondinele de Castro, estiveram em reunião com a secretária da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), Karla Berger, e o assessor técnico da SMPM, Marcos Paulo, para discutir sobre as primeiras ações a serem realizadas para o Balcão da Mulher Trabalhadora.

O Balcão da Mulher Trabalhadora é um projeto que está sendo desenvolvido para auxiliar as políticas de inclusão das mulheres teresinenses no mercado de trabalho e a PRODATER está junto com a SMPM e a prefeitura de Teresina nesse projeto.

O gerente de desenvolvimento, Hudson Moura, falou sobre a parceria. “A PRODATER junto com a SMPM realizou hoje uma reunião de alinhamento sobre o escopo e a execução do projeto do balcão da mulher trabalhadora, que é um projeto que visa auxiliar as políticas de inclusão da mulher dentro de Teresina”, comentou.

SMPM realiza roda de conversa sobre saúde mental no Florescer Sul

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), levou nesta quinta-feira, 12, uma roda de conversa sobre saúde mental até o serviço Florescer Sul, no bairro Promorar, em alusão a campanha Janeiro Branco: “A Vida Pede Equilíbrio”.

Fotos: Ascom SMPM

A técnica do núcleo de articulação, Betina Barros, explicou a importância da ação durante a campanha Janeiro Branco.

“No evento de hoje reforçamos a importância de falar sobre saúde mental durante todo o ano, reforçando a temática abordada pelo Janeiro branco 2023, que é: a vida pede equilíbrio. Discutimos com as mulheres do florescer estratégias e hábitos que podemos adotar no dia a dia para que possamos estar bem, uma vez que o nosso bem estar interfere diretamente nas nossas atividades diárias, pois saúde vai além da ausência de doenças”, enfatizou ela.

A Larissa Sousa ressaltou a necessidade de falar sobre e praticar o autocuidado. “Falamos aqui sobre a importância do autocuidado e do autoconhecimento, destacando que até mesmo fatores externos podem afetar diariamente o nosso bem-estar. E esse cuidado com a nossa mente também faz diferença na nossa qualidade de vida e foi isso que tentamos passar para essas mulheres hoje”, destacou ela.

Durante a roda de conversa também foi realizada uma dinâmica com as mulheres com o intuito de mostrar as mulheres sua importância, a necessidade de olharem a si mesmas com mais amor, carinho e cuidado.

A SMPM irá levar para todas as unidades do serviço Florescer rodas de conversa para discutir e falar abertamente sobre a importância da saúde mental, durante todo o mês de janeiro. O próximo encontro será no Florescer Salobro, na zona rural da capital.

Serviço Florescer abre inscrição para receber mulheres em situação de vulnerabilidade

A prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para as Mulheres (SMPM), abriu as inscrições para o ingresso de mulheres em situação de vulnerabilidade no serviço Florescer.

A coordenadora do Florescer Sul, Laryssa Sousa, explica como as mulheres da região podem se inscrever no serviço. “Estamos fazendo esse acolhimento e inserindo novas mulheres, que são mulheres na comunidade, juntamente com suas crianças, se for o caso. Elas podem vir aqui no serviço Florescer e a partir daí vamos desenvolvendo as atividades durante o ano.”, explicou .

Para o processo de inscrição é necessário que as mulheres levem até o serviço disponível em sua região alguns documentos. A coordenadora do Florescer Salobro, na zona Rural de Teresina, Francisca Araújo, destaca quais são eles, “Para que as mulheres possam inscrever a gente solicita que elas levem a sua identidade, o CPF, um comprovante de residência e caso ela queira inscrever seu filho é necessário que traga a certidão de nascimento da criança.”, completou.

As inscrições começaram no dia 04 janeiro e seguem durante todo o ano de 2023, enquanto tiverem vagas, elas podem ser feitas nas sedes do serviço Florescer nas respectivas regiões da cidade. Confira o horário de funcionamento:

– Florescer Norte: de 8h às 11h e de 13h às 16h
– Florescer Sul: de 8h às 11h e de 13h às 16h
– Florescer Salobro (Zona Rural): de 7h30min às 16h30min
– Florescer Sudeste: Inicia a partir do dia 01 de fevereiro

SMPM leva informação a órgãos públicos durante a campanha “Laço Branco”

SMPM durante ação da Campanha Laço Branco (Foto: Ascom/SMPM)

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM) e da Câmara Técnica de gestão e monitoramento das políticas públicas para as mulheres, levou até os órgãos municipais informações a respeito da violência de gênero em meio a Campanha Laço Branco. Ao todo, cerca de dezoito locais foram visitados durante a ação.

A técnica do núcleo de articulação, Leilane Lopes, explica como funcionaram as visitas aos órgãos públicos. “Recebemos a demanda de levar esse tema para dentro dos órgãos municipais, e ainda de levar informações sobre a SMPM e os serviços vinculados Florescer e CREG, então decidimos que as representantes de cada órgão na Câmara Técnica fizessem essa ação, chamando os homens gestores de cada pasta para receberem informações sobre a campanha Laço Branco, sobre a violência contra a mulher, e chamando atenção para a contribuição deles, a importância da participação deles enquanto gestores públicos para construir um ambiente de trabalho sem violências de gênero contra a mulher”, detalhou ela.

Daniele Batista, técnica do núcleo de articulação, reforça a importância da ação, que nessa terça-feira (13) aconteceu na Superintendência Municipal de Transportes e Trânsito (Strans). “Foi muito interessante, estiveram presentes técnicos do órgão, que nos ouviram. Falamos sobre a campanha e o objetivo dela, além de reforçar para esses homens a importância da presença deles na luta pela eliminação da violência contra a mulher”, explicou.

A Campanha Laço Branco foi criada em alusão a um episódio triste de violência contra a mulher em Montreal, no Canadá, quando 14 mulheres foram assassinadas. O acontecimento mobilizou canadenses, que juntos deram início a campanha, que hoje é mundial.

Construção da Casa da Mulher Brasileira avança e recebe investimento de R$ 6 milhões

A construção da Casa da Mulher Brasileira está avançada Fotos: Rômulo Piauilino / SEMCOM

O prefeito de Teresina, Dr. Pessoa, visitou, na manhã desta quarta-feira (14), o andamento da construção da Casa da Mulher Brasileira no Piauí. O centro de acolhimento ficará localizado no bairro Primavera, zona Norte da Capital. De acordo com a Superintendência das Ações Administrativas Descentralizadas – SAAD Centro, a previsão de entrega é para agosto de 2023. Ao todo, serão investidos quase R$ 6 milhões, oriundos do cofre da união.

De acordo com Dr. Pessoa, o espaço atenderá mulheres em situação de violência doméstica e contará com parcerias importantes, como do poder judiciário e acompanhamento de forças policiais.

“Aqui teremos um olhar ampliado para a mulher de Teresina e do Piauí. A Casa da Mulher Brasileira, até onde eu saiba, tem somente seis unidades, ao todo meia dúzia de investimentos dessa natureza no país inteiro. Como disse aqui para a secretária, estava tudo parado, não tinha como. Então, investimos alto neste espaço enorme de um quarteirão, que fica praticamente no Centro da cidade. O investimento está valendo a pena? Vai valer a pena. Fui à Brasília, duas vezes, e uma vez com a secretária Karla Berger, e duas vezes com o secretário João Henrique, que está aqui do meu lado. Destravamos e a obra está sendo executada, com a empresa altamente qualificada, e a inauguração está marcada lá para agosto. Lembro que não é um olhar só da mulher num viés só, numa estrada só. São vários caminhos e serviços para cuidar do público feminino”, pontuou Dr. Pessoa.

Durante a coletiva, a secretária municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Karla Berger, explicou que a obra encontrou percalços que necessitaram de intervenção do prefeito, ela também detalhou a função social e que a secretaria tem buscado parceria para disponibilizar diversos serviços para as mulheres teresinenses no complexo social.

“É uma bandeira de luta nossa das mulheres, hoje nós estamos muito felizes e muito agradecidas também à prefeitura de Teresina, por meio do nosso prefeito, que pessoalmente foi até Brasília comigo e com o nosso secretário de Planejamento, João Henrique, para assegurar com o Ministério da Mulher que essa obra pudesse ser executada. Então, foi uma tratativa fundamental que a prefeitura de Teresina, que o Dr. Pessoa pudesse comprar esse terreno porque precisávamos do terreno que nós não tínhamos. Então, para que essa obra fosse assegurada era necessária uma intervenção do prefeito e ele, com toda a sua sensibilidade, foi pessoalmente assegurar e conquistar aí esse sonho, que é tão desejado por todas nós mulheres”, comentou a gestora.

CONSCIENTIZAÇÃO PARA OPERÁRIOS

Na oportunidade, a Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres – SMPM promoveu uma palestra de conscientização sobre violência doméstica para os homens que trabalham na construção da Casa da Mulher Brasileira. A ação contou com a participação da promotora, Amparo Paz, do Ministério Público do Piauí.

“Nesta manhã, tivemos uma ação muito especial em parceria com o Ministério Público do Piauí, trouxemos a Dra. Amparo Paz do MP-PI, para um bate-papo com os homens da obra. Desta forma, conscientizamos eles sobre a importância dessa construção e assim lutamos contra as diversas violências contra as mulheres praticadas nos lares, é um trabalho muito positivo e que nos deixa muito feliz”, finalizou Karla Berger.

21 Dias de Ativismo: SMPM realiza evento com gestores municipais em alusão a campanha “Laço Branco”

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, realizou nesta terça-feira, 06, no salão nobre, um evento em alusão a campanha “Laço Branco” pelo fim da violência contra a mulher. Na ocasião, gestores municipais participaram da ação e assinaram uma carta compromisso para o combate da violência de gênero.

A secretária municipal Karla Berger ressalta a necessidade do engajamento dos gestores na luta pelo fim da violência contra a mulher. “Gestores estão em situação de poder, podem e devem se engajar nessa luta. Quando se fala nessa questão de gênero muitas vezes o machismo acaba influenciando nos discursos e isso acaba afetando quem ouve nós como gestores, somos representantes da prefeitura, o que falamos é importante.”, completou.

O assessor técnico da SMPM, Marcos Paulo, mediou a apresentação sobre a campanha e destacou que há a necessidade cada vez maior de que os homens possam se incluir nessa luta.” É como se isso não fosse um problema nosso, como senão fosse uma causa nossa, mas é um problema nosso. Não somente do ponto de vista de ação pública, de ação política, mas também enquanto sociedade civil. A produção de políticas públicas para a mulher deve contar com a participação e com o empenho de todas as secretarias.”, explicou ele.

Ao fim do evento os gestores presentes assinaram uma carta compromisso pelo combate a violência de gênero, que inclui pontos como:
– Difusão dentro do órgão público municipal de informações sobre os direitos das mulheres;
– Prevenção de casos de assédio moral e/ou sexual nas secretarias municipais da Prefeitura de Teresina – PMT;
– Disponibilização de materiais informativos sobre todos os tipos de violência contra a mulher e de gênero, assim como os locais de denúncias e atendimento;

A ação é parte da campanha pelos 21 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra a mulher, que segue até o dia 10 de dezembro.

21 Dias de Ativismo: SMPM realiza eventos com secretários em alusão a campanha “Laço Branco”

Campanha “Laço Branco”. Foto (Ascom/SMPM)

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, realiza nesta sexta-feira, 06, no salão nobre da PMT, a partir das 8H da manhã, um evento em alusão a campanha Laço Branco, ação integrada aos 21 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra a mulher.

A campanha surgiu depois que um homem assassinou 14 mulheres em uma escola politécnica de Montreal, no Canadá. Durante o atentado ele ordenou que os homens se retirassem do local e matou somente as mulheres que estavam presentes. O caso triste desencadeou uma série de discussões e debates acerca da violência contra a mulher, foi então que um grupo canadense criou a campanha e definiu o laço branco como o símbolo da na violência contra a mulher e adotaram como lema: jamais cometer um ato violento contra as mulheres e não fechar os olhos frente a essa violência.

Em alusão a campanha Laço Branco, e ao dia nacional de mobilização dos homens pelo fim da violência contra a mulher, será realizado nesta terça-feira, 06, um evento que irá envolver os secretários municipais e os responsáveis pela gestão municipal. O assessor técnico Marcos Paulo explica a importância da ação. “Amanhã nós vamos ter uma conversa franca, apresentar o que é a campanha do Laço Branco e está reforçando a importância de uma ação intersetorial, ou seja, a política pra mulher que deve ser feita também não somente pela de mulheres, mas que deve contar com a participação e com o empenho de todas as outras pastas que compõe a gestão pública municipal. ”, completou ele.

A ação faz parte da campanha dos 21 Dias de Ativismo pelo fim da violência contra a mulher, que segue até o dia 10 de dezembro.

21 Dias de Ativismo: SMPM lança boletim com dados atualizados sobre violência doméstica em Teresina

A apresentação do boletim fez parte da campanha dos 21 Dias de Ativismo pelo fim da Violência contra a Mulher Fotos(Ascom/SMPM)

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), lançou, nesta sexta-feira, 2, durante o seminário “Eu Vou Cantar Até o Fim”, um boletim com dados atualizados sobre a violência doméstica em Teresina. De acordo com o levantamento, a maioria das mulheres vítimas de violência na capital são negras.

Além disso, o estudo revela que a faixa etária mais afetada por mortes violentas intencionais é a de jovens entre 15 a 29 anos, compreendendo  55,56% dos casos. Com relação aos casos de feminicídio, a faixa etária que predomina é a de mulheres adultas, com 57,12%.

A técnica do Observatório Mulher Teresina, Suziane Santos, destacou o objetivo da sistematização de dados. “Ele tem o intuito de apresentar a realidade municipal sobre o feminicídio e demais mortes violentas de mulheres em Teresina, de modo que se possa pensar em políticas públicas que possam prevenir as mortes dessas mulheres, seja por feminicídio, seja por mortes violentas intencionais”, detalhou ela.

A secretária da SMPM, Gabriela Rodrigues, destacou a importância dos dados e o que deve ser feito a partir da apresentação deles. “Um dos focos da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres com eesses dados é atuar na prevenção de acordo com o objetivo do programa municipal de feminicídio que foi instituído esse ano assinado pelo prefeito de Teresina Dr. Pessoa e também atuar no sentido da mudança cultural considerando que essas violências elas estão extremamente relacionadas com o machismo, o racismo, que ainda permeiam toda a nossa sociedade.”, explicou ela.

A apresentação do boletim fez parte da campanha dos 21 Dias de Ativismo pelo fim da Violência contra a Mulher, da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres. A ação segue até o dia 10 de dezembro.

Feminicídio em Teresina: Mulheres negras são as principais vítimas, aponta estudo da SMPM

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), irá lançar nesta sexta-feira,02, um boletim produzido pelo Observatório da Mulher Teresina, durante o seminário “Eu vou Cantar Até o Fim”. O documento traz dados atualizados sobre a violência contra a mulher em Teresina e revela que as mulheres negras são as principais vítimas de feminicídio na capital.

A técnica do Observatório Mulher Teresina, Suzianne Santos, chama atenção também para a faixa etária das mulheres vítimas de mortes violentas intencionais.

“A gente observa que a maioria das mulheres assassinadas brutalmente são negras, considerando pretas e pardas, sendo que esse número foi maior principalmente no feminicídio. No feminicídio 71,43% das mulheres assassinadas eram negras e nas demais mortes violentas esse número chega a 60%. Chama atenção o aspecto da faixa etária, porque nas demais mortes violentas intencionais observamos uma predominância do assassinato de mulheres jovens, no feminicídio predomina a faixa etária de mulheres adultas negras”, explica a profissional.

A secretária Municipal de Políticas Públicas para Mulheres, Gabriela Rodrigues, explica que a sistematização de dados é necessária para melhor formulação de políticas públicas mais efetivas.

“O boletim traz dados sobre as zonas da cidade, horas, dias e turnos em que as denúncias acontecem. Dados sobre como a violência doméstica atinge de diferentes maneiras mulheres brancas e negras. Eles são extremamente importantes para que possamos trabalhar em cima deles e formularmos políticas públicas que atendam de diversas maneiras as mulheres da nossa cidade”, detalhou a secretária.

A cerimônia leva o nome de um trecho da música “A Mulher do Fim do Mundo” da artista Elza Soares, que usou sua voz para abordar temas como a fome, o racismo e a violência. O evento acontece nesta sexta-feira, 02, no auditório de Pós-graduação do CCHL-UFPI, a partir das 08h da manhã.

O evento contará ainda com dois painéis de discussão. O primeiro contará com a apresentação dos dados com as palestrantes Suziane Santos, do Observatório Mulher Teresina-SMPM, Patrícia Lima de Medeiros, do Núcleo de Estatística e Análise Criminal – SSP-PI, Nathalia Sampaio Figueiredo – Delegacia de Feminicídio. O segundo irá abordar a prevenção aos feminicídios, com as palestrantes Dra. Eugênia Villa (SSP-PI), Dra. Rossana Marinho (ENGENDRE-UFPI), Me. Bárbara Johas (ENGENDRE-UFPI) e Dra. Marília Passos (ENGENDRE-UFPI).

21 Dias de Ativismo: SMPM realiza panfletagem sobre violência doméstica em órgãos municipais

A Prefeitura de Teresina, por meio da Secretaria Municipal de Políticas Públicas para Mulheres (SMPM), realizou nesta quarta-feira (30) uma panfletagem sobre a violência doméstica em órgãos públicos municipais e no centro da capital. A ação, que é parte da campanha dos 21 dias de ativismo pelo fim da violência contra a mulher, teve o objetivo de levar até a população informações a respeito dos canais de denúncia e dos serviços oferecidos pela SMPM para mulheres em situação de vulnerabilidade.

Fotos: Ascom SMPM

A secretária da SMPM, Gabriela Rodrigues, destacou a importância da ação e da luta conjunta pelo fim da violência doméstica.

“Foi uma manhã muito importante onde pudemos aumentar o alcance do acesso a informação desses serviços, tanto para as mulheres, que porventura estejam passando por uma situação de violência, como para todo o restante da sociedade, considerando que é uma questão de saúde pública. É uma responsabilidade de toda a sociedade nos envolvermos e nos engajarmos pelo fim da violência contra a mulher”, enfatizou a secretária.

O assessor técnico da SMPM, Marcos Paulo, também esteve presente na ação e reforçou a necessidade de ações que levem informações objetivas à população de Teresina.

“A gente sabe que muitas vezes algumas mulheres ainda não têm conhecimento do serviço ofertado pela prefeitura. Então a gente procura fazer esse corpo a corpo mesmo de uma panfletagem, de ir conversando, explicando quais são os serviços, dando orientações. Estamos lá, estamos na rua e chegando próximo a população que precisa”, explica Marcos Paulo.

A SMPM visitou e distribuiu panfletos em onze órgãos municipais, além do Shopping da Cidade, durante toda a manhã.