Teresina é pioneira ao implantar leitos para internação de pessoas com risco de suicídio

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) iniciou a implantação de oito novos leitos psiquiátricos no Hospital da Primavera, zona norte de Teresina, destinados, prioritariamente, à internação de pessoas com alto risco para suicídio. A adequação do espaço, prevista para ser concluída em 70 dias, fará de Teresina a capital pioneira no Brasil a implantar leitos específicos para esse cuidado. O dado foi divulgado pela Gerência de Saúde Mental, após pesquisa junto às outras capitais brasileiras.

O presidente da FMS, Charles Silveira, afirma que a ação vai beneficiar a população que está em sofrimento mental. “Nesse momento, estamos fortalecendo essa rede de assistência. Nos próximos dias iremos expandir o PROVIDA, ambulatório que atende quem tentou suicídio, e inaugurar o novo CAPS da zona Sudeste. Ainda queremos conscientizar a população de que todos, com conhecimento e atitude acolhedora, podem contribuir com a prevenção do suicídio”, afirmou o gestor.

Para ter acesso aos leitos psiquiátricos do Hospital da Primavera, a pessoa deverá estar em situação de urgência psiquiátrica, como tentativa de suicídio, e ser atendida em hospitais públicos de Teresina. “Nesses casos, se houver necessidade, os médicos desses locais poderão solicitar a transferência do paciente para ser internado no Hospital da Primavera e receber cuidados mais intensivos antes de ter alta médica”, explica a gerente de saúde mental da FMS, Luanna Bueno.

O suicídio é um grave problema de saúde pública, que pode ocorrer por vários fatores e, segundo a Organização Mundial de Saúde, 90% dos casos estão atrelados a transtornos mentais. “É preciso discutir e quebrar tabus, porque não falar sobre suicídio é tão nocivo quanto falar de maneira errada. A gente não pode divulgar casos isolados, mas pode falar sobre doenças mentais e onde buscar tratamento. Temos uma rede extensa que presta esse tipo de serviço”, finaliza Luanna Bueno.

Conheça a atual rede de assistência à saúde mental da FMS:

PROVIDA  – ambulatório especializado que atende especificamente pessoas que tentaram suicídio e que fica localizado dentro do Centro de Saúde Lineu Araújo. O local funciona de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, e atende por demanda espontânea.

Sete Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) – atendem pessoas com transtornos mentais severos e possuem equipe composta por psiquiatra, psicólogo, enfermeiro, terapeuta ocupacional, assistente social e equipe de apoio. Nestes locais, são realizadas atividades em grupo, atendimentos individuais, oficinas terapêuticas e atendimento à família.

90 Unidades Básicas de Saúde – podem atender casos de transtornos mentais leves e possuem médicos e enfermeiros capacitados para esse tipo de atendimento. Se houver necessidade, na própria Unidade a pessoa faz a marcação para se consultar com psicólogos e psiquiatras nos ambulatórios espalhados em Teresina.

SAMU 192 – Em caso de urgência psiquiátrica, como surto psicótico ou tentativa de suicídio, a população pode acionar o SAMU, por meio do número gratuito 192 ou ir por meios próprios para o Hospital Areolino de Abreu, que possui psiquiatras 24 horas e é o hospital referência em atendimento de urgência psiquiátrica. Outra opção é se dirigir aos CAPS.

ONGs:  Centro de Valorização da Vida (CVV) – telefone 188; Centro Débora Mesquita (CDM) – telefone: (86)99827-3343/ 98894-5742;  e Grupo Apoio Contato e Esperança (GRACE) – telefone: (86)3237-0077/3237-0202 são organizações filantrópicas que contribuem com a prevenção e posvenção do suicídio em Teresina.

Projeto UPA na Comunidade discute acidentes de trânsito e suicídio

Ascom/FMS

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Satélite, localizada na zona leste de Teresina, tem atendido, frequentemente, pacientes vítimas de acidente de trânsito e tentativa de suicídio. Por isso, passou a levar informações sobre estes assunto para instituições, escolas e população, através de palestras ministradas por uma equipe de diretores da Unidade. Essa é uma forma que o projeto batizado de “UPA na Comunidade” encontrou para aproximar a UPA da sociedade.

Somente entre junho e dezembro de 2019, a UPA do bairro Satélite atendeu, a cada três dias, um caso de pessoas que tentaram suicídio, totalizando 109 atendimentos. Além disso, foram atendidas 1.053 pessoas vítimas de acidentes de trânsito, nesse período. “Nós desenvolvemos um cronograma de palestras para abordar essas temáticas, que são demandas frequentes atendidas na UPA”, explica a diretora da Unidade, Celina Tourinho.

Para ter acesso às palestras da “UPA na Comunidade”, instituições, escolas ou comunidade devem realizar a solicitação formal à coordenação da UPA do Satélite. “O projeto conta com psicólogo, médico e assistente social e irá abranger, inicialmente, cerca de 600 jovens. Essa abertura do canal de diálogo com a comunidade é muito importante e é também uma oportunidade de explicar o funcionamento da UPA”, ressalta Celina.

Celina Tourinho também destacou que o suicídio é um grave problema de saúde pública, que pode ocorrer por vários fatores e, segundo a Organização Mundial de Saúde, 90% dos casos estão atrelados a transtornos mentais. “Precisamos falar de suicídio de maneira correta e útil. A gente não pode divulgar casos isolados, mas pode falar sobre doenças mentais e locais nos quais as pessoas podem buscar tratamento gratuito”.

Já o diretor médico da UPA Satélite, Thybério Giorgy, destacou que são inúmeros os problemas de saúde decorrentes de acidentes de trânsito. “Geralmente, são jovens que se envolvem nestes casos. Quando ficam com sequelas, podem ficar incapacitados e precisarem da assistência do SUS de forma contínua. Diante desse cenário, queremos unir forças para alertar às pessoas sobre os perigos de um acidente e, então, reduzir esses casos e proteger vidas”.

A UPA do Satélite é gerenciada pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) e atende casos de urgência e emergência 24 horas por dia. A Unidade conta com seis consultórios médicos, 16 leitos de observação, quatro leitos de estabilização e dois de isolamento. O atendimento das pessoas não é por ordem de chegada e sim por classificação de risco. Se houver necessidade, o usuário é estabilizado e transferido para outros hospitais da rede.

HUT promove evento sobre Prevenção do Suicídio

Ascom/HUT

A equipe de psicologia do Hospital de Urgência de Teresina (HUT) promoveu a palestra “Prevenção do Suicídio: Acolhimento e manejo com pessoas em grave sofrimento”. O público alvo foi todos os profissionais de saúde do Hospital e o objetivo foi preparar esses profissionais para o primeiro contato com o paciente que tentou suicídio e sua família.

O palestrante convidado foi o Dr. Carlos Henrique, psicólogo, psicoterapeuta e especialista em Tanatologia. Durante a palestra ele explicou que mesmo com todas as campanhas de prevenção do suicídio, esse tema ainda é bastante delicado. “Precisamos falar sobre suicídio com responsabilidade e de forma cuidadosa. Trazer esse tema para debate no HUT é importante, porque é pra ele que são encaminhados os casos mais graves de tentativa de suicídio. Portanto, as equipes precisam estar preparadas para acolher essas pessoas que estão em sofrimento. O suicídio é um fenômeno tão complexo que até mesmo os profissionais de saúde tem dificuldade nesse manejo”, disse.

Eliana Mendes, psicóloga do HUT, disse que o primeiro atendimento nesses casos é fundamental, pois o paciente e sua família precisam se sentir acolhidos e amparados para facilitar uma segunda abordagem mais especifica por parte das equipes de saúde.

“Existem vários mitos sobre o assunto, e muito preconceito. Precisamos usar o diálogo pra desmistificar as inverdades, e estarmos preparados, como profissionais pra atender essa demanda. O paciente que tenta suicídio vem de um sofrimento muito grande, a ponto de atentar sobre sua própria vida, não podemos agir com uma postura julgadora, ao contrário, é preciso acolher, amparar e oferecer possibilidades de cuidado”, explicou Eliana.

Ascom/HUT

De acordo com Clara Leal, diretora geral do HUT, falar sobre o suicídio não incentiva, ao contrário, pode salvar muitas vidas. “Precisamos mostrar que quanto mais o assunto for difundido, maior será a probabilidade das pessoas que sofrem desse mal procurar ajuda e entender seus problemas. Os profissionais do HUT são preparados para atender casos de suicídio e, após a alta, os pacientes são encaminhados para tratamento específico no Hospital Lineu Araújo ou para os CAPS”, explicou a diretora.

Governo Federal lança campanha e promove curso sobre suicídio em Teresina

Rômulo Piauilino

Nesta segunda-feira (30), mais de 200 pessoas participaram do curso sobre prevenção ao suicídio e à automutilação, realizado pelo Governo Federal, através do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, em parceria com a Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina. A iniciativa faz parte da campanha nacional “Acolha a Vida” e aconteceu no Hotel Blue Tree, centro sul da capital.

O suicídio é um grave problema de saúde pública, que pode ocorrer por vários fatores e, segundo a Organização Mundial de Saúde, 90% dos casos estão atrelados a transtornos mentais.  Em Teresina, somente em 2018, os serviços de saúde notificaram 583 casos de violências autoprovocadas, correspondendo a 97,43% tentativas de suicídio e 2,57% automutilações. Desse total, 79% eram do sexo feminino e 21% masculino.

O evento contou com a participação da secretária nacional da família, Dra. Ângela Gandra, do prefeito Firmino Filho, do presidente da FMS, Charles Silveira, da gerente de saúde mental da FMS, Luanna Bueno, de vereadores, além de profissionais de saúde e da sociedade. Após a abertura, foi ofertado curso que abordou fatores de risco e de prevenção do suicídio e automutilação, ministrado pelo psicólogo Dr. Carlos Aragão.

A Secretária Nacional da Família, Dra. Ângela Gandra, relatou que, diante de casos de pessoas com comportamento suicida, é necessário que a família e a sociedade em geral os acolha. “É preciso aguçar o olhar familiar para esse problema, que pode ser patológico. Queremos despertar as famílias para observar a pessoa com comportamento suicida. Perceber, acolher e, em um segundo momento, que deve ser rápido, procurar um profissional de saúde”.

Presente no evento, o prefeito Firmino Filho afirmou que todos podem contribuir com a prevenção do suicídio. “É importante dizer que as possíveis formas de enfrentamento a esse grave problema estão dentro da família e fora dela. Estamos aqui para fazer esse chamamento, debater o tema com toda a sociedade e o poder público. Já avançamos na área da saúde mental, temos resultados significativos, mas pretendemos avançar cada vez mais”.

O presidente da FMS, Charles Silveira, demonstrou satisfação em participar do evento e alertou que, em caso de transtorno psíquico, a conduta das pessoas deve ser acolhedora e não julgadora. “Nós queremos dar o nosso testemunho de que temos priorizado políticas voltadas à saúde mental. Estamos fortalecendo a rede de assistência e queremos envolver todos em prol da vida: poder público, família, professores, ONGs e sociedade em geral”.

A gerente de saúde mental da FMS, Luanna Bueno, informou que, para contribuir com a prevenção, a população deve se apropriar de informações sobre a temática. “É preciso ter informações, e falar da maneira correta também é uma forma de prevenção,  que envolve não divulgar casos isolados de suicídio para não impulsionar outras pessoas fragilizadas terem a mesma conduta. A prevenção é uma corrente de todos e não só da área da saúde”.

Equipe da UBS Alto da Ressurreição realiza atividade de prevenção ao suicídio

A Academia da Saúde da Unidade Básica de Saúde (UBS) Alto da Ressurreição realizará nesta sexta (27), a partir das 7h, uma atividade alusiva ao Setembro Amarelo, mês de prevenção ao suicídio. O evento contará com exercícios físicos, dinâmica abordando a valorização da vida, conversa sobre alimentação saudável e distribuição de informativos referentes à saúde. (mais…)

FMS leva atividade de prevenção ao suicídio ao Parque Matias Augusto de Oliveira Matos

A RIA (Rede, Instituições e Articulação) Norte realizará nesta terça-feira (24), às 16h, no Parque Ambiental Matias Augusto de Oliveira Matos o “Sou Ria para Vida”, atividade alusiva ao Setembro Amarelo pela valorização da vida e prevenção ao suicídio. Uma ação articulada entre as várias instituições do território centro/norte, que tem como objetivo levar à população informações sobre variados serviços.

“Vamos distribuir abraços grátis, massagem relaxante, falando um pouco de como nossas emoções podem nos ajudar a termos uma rotina melhor. Teremos música, dança, muita alegria, acolhimento e amor. A atividade é aberta ao público”, afirma a coordenadora do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) centro/norte, Érica Machado.

O Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio, iniciada em 2015. É uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida, do Conselho Federal de Medicina e da Associação Brasileira de Psiquiatria.

Restaurante Popular de Teresina realiza ação alusiva ao Setembro Amarelo

Ascom/Semcaspi

O Restaurante Popular de Teresina realizou hoje (12) uma ação de valorização à vida em alusão ao Setembro Amarelo. As atividades foram conduzidas por uma equipe de psicólogos  do Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) Território Norte II, da Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), em parceria com a administração do restaurante.

Segundo o coordenador administrativo, Ítalo Vieira, o restaurante popular dá a sua parcela de contribuição com a sociedade mostrando ao público a importância da valorização da vida e da campanha Setembro Amarelo, pois, no Piauí,existem vários casos de suicídio.

“Além de fornecer alimentação diariamente, temos também o intuito de ajudar a todos, realizando campanhas, informando e procurando fortalecer esse lado da valorização da vida, visto que atendemos também pessoas que vivem em situação de rua ou são dependentes químicas e acabam por estar mais vulneráveis” explica o coordenador.

Para a assistente social Daniela Cruz, do CRAS Norte II, a ação teve o intuito de sensibilizar as pessoas no momento do almoço para um chamamento para esse tema. “A questão da depressão e do suicídio em Teresina é algo que infelizmente é uma realidade, e estamos aqui no sentido de esclarecer e dizer os locais que podem procurar toda nossa rede de atenção psicossocial”, reforça.

O Restaurante Popular está localizado na Rua Lisandro Nogueira, no segundo piso do Mercado Central São José, no Centro de Teresina. Está aberto ao público de segunda a sexta-feira, das 11h às 14h e fornece diariamente cerca de mil refeições. O valor da refeição é de R$2,50. A instituição é administrada pela Fazenda da Paz, assim também propicia a inclusão social, pois emprega egressos do tratamento terapêutico em decorrência do uso de drogas.

Suicídio é tema de roda de conversa com os servidores municipais

Os servidores da Secretaria Municipal de Administração e Recursos Humanos (Sema) participam, nesta sexta-feira (13), de uma roda de conversa sobre a campanha Setembro Amarelo, que conscientiza sobre a prevenção do suicídio. O encontro está marcado para as 11h, no auditório da pasta, e deve reunir servidores de outras secretarias do município.

Para intermediar a conversa, a Sema convidou um representante do Centro Débora Mesquita. A ONG tem por objetivo informar e sensibilizar a sociedade sobre causas, sintomas e tratamentos disponíveis para os transtornos psíquicos, e atua tanto na prevenção quanto na posvenção do suicídio.

Nildene Lages, assistente social do Núcleo de Desenvolvimento de Recursos Humanos da Sema (Nuderh), reforça a importância de discutir o tema. “O suicídio ainda é um tabu na sociedade e precisamos desmistificar, conversar para poder prevenir e ajudar o próximo”, considera.

Setembro Amarelo

Desde 2014, a Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP, em parceria com o Conselho Federal de Medicina – CFM, organiza nacionalmente o Setembro Amarelo. O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a campanha acontece durante todo o ano.

São registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 1 milhão no mundo. Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.

Professores são capacitados para identificar alunos com comportamento suicida

Aproximadamente 200 professores e coordenadores pedagógicos do 1º ao 9º ano do ensino fundamental das escolas municipais de Teresina estão participando, nesta terça (10), de capacitação para prevenção do suicídio, oferecida pela Fundação Municipal de Saúde (FMS) de Teresina. O objetivo é sensibilizá-los para que possam saber como agir diante de alunos com transtornos mentais ou com comportamento suspeito, além de impulsioná-los a notificar os casos ao poder público.

A capacitação, que está acontecendo na Faculdade Estácio CEUT e se estenderá até a próxima quarta-feira (11), está sendo coordenada pelo doutor em educação, Hugo Monteiro, com especialidade em neuropsicologia e pesquisador na área de crianças e adolescentes em sofrimento.

Madalena Leal, gerente de Assistência ao Educando na Secretária Municipal de Educação (Semec), explica sobre a relevância da capacitação para os docentes. “O tema abordado é de grande importância, pois desde 2018 foi regulamentada uma lei que diz que é necessário que as escolas notifiquem todas as situações de suicídio, automutilação ou depressão. Então, em parceria com a FMS e Secretaria Municipal de Saúde, os docentes estão participando desse primeiro encontro com a temática ‘Capacitação de valorização à vida e prevenção ao suicídio’. Em novembro serão realizados outros encontros”, explica a gerente.

Segundo Madalena, a Semec já vem realizando ações nesse sentido constantemente. “Os professores já estão sendo orientados a estar mais próximos dos alunos. Também são realizadas intervenções através das disciplinas diversificadas, como a de protagonismo juvenil, que trabalha o emocional das crianças e dos jovens através de palestras e vídeos motivacionais. Estamos trabalhando em união, saúde e educação para juntos contribuirmos com a prevenção do suicídio”, diz Madalena.

As taxas de suicídio no Piauí evidenciam um grave problema de saúde pública e, por isso, ações de prevenção se tornam fundamentais. “Nesse momento, estamos construindo o plano de prevenção ao suicídio, fortalecendo a saúde mental. Através de capacitações como essa, queremos também divulgar a nossa rede de tratamento gratuito, como o Provida, as UBSs e os CAPSs de Teresina”, ressalta o presidente da FMS, Charles Silveira.

Roda de conversa vai discutir prevenção ao suicídio com servidores municipais

Os índices alarmantes de suicídio, que colocam Teresina como uma das cidades com maior número de casos no Brasil, motivam a campanha Setembro Amarelo. E esta iniciativa será tema de uma roda de conversa com os servidores municipais que acontecerá dia 13 de setembro, no auditório da Secretaria Municipal de Administração e Recursos Humanos (Sema), a partir das 11h.

Nildene Lages, assistente social do Núcleo de Desenvolvimento de Recursos Humanos da Sema (Nuderh), reforça a importância de discutir o tema. “O suicídio ainda é um tabu na sociedade e precisamos desmistificar, conversar para prevenir e ajudar o próximo”, considera.

Para intermediar a conversa, a Sema convidou um representante do Centro Débora Mesquita, ONG que tem por objetivo informar e sensibilizar a sociedade sobre causas, sintomas e tratamentos disponíveis para os transtornos psíquicos, que atua tanto na prevenção quanto na posvenção do suicídio.

Setembro Amarelo

Desde 2014 a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), organiza nacionalmente o Setembro Amarelo. O dia 10 deste mês é, oficialmente, o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, mas a campanha acontece durante todo o ano.

São registrados cerca de 12 mil suicídios todos os anos no Brasil e mais de 1 milhão no mundo. Trata-se de uma triste realidade, que registra cada vez mais casos, principalmente entre os jovens. Cerca de 96,8% dos casos de suicídio estavam relacionados a transtornos mentais. Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e abuso de substâncias.