Tecnologia facilita atendimento de pacientes com Covid-19 no Hospital do Monte Castelo

A tecnologia na área da comunicação tem sido uma aliada para melhorar o atendimento aos pacientes com Covid-19 no Hospital do Monte Castelo. Na unidade, foi implantado sistema que permite o contato, por vídeo, entre equipes da ala Covid e de outras da unidade de saúde, evitando possível contaminação. O recurso também é disponibilizado para que pacientes tenham contato com seus familiares. Nesta sexta-feira (24), o prefeito Firmino Filho esteve no hospital para acompanhar de perto a utilização desse sistema e também a rotina dos profissionais de saúde.

Postos da unidade de saúde foram aparelhados com o sistema de comunicação, permitindo que os profissionais se sintam mais seguros na prática diária com os pacientes infectados. “Essas adequações que foram feitas para melhorar a comunicação, com o uso da tecnologia, têm sido bastante positivas, segundo me relataram os profissionais”, ressaltou o prefeito.

Ele destacou também o papel importante que o Hospital do Monte Castelo tem dentro da rede de assistência à Covid-19. “Aqui os pacientes de média gravidade são acolhidos. Tem uma equipe de trabalho completamente comprometida, são guerreiros da saúde, que tratam os pacientes com respeito e carinho. E o comprometimento da equipe, sem dúvidas, tem feito todo o diferencial nessa batalha contra o Coronavírus. Nada é mais importante que a vida e somos eternamente gratos pelo serviço prestado pelos profissionais de saúde da capital”, destacou Firmino.

O Hospital Dr. Miguel Couto, no bairro Monte Castelo, zona sul de Teresina, atende somente os casos de internação clínica de pacientes com suspeita da Covid-19. A Unidade dispõe de 50 leitos, sendo 43 clínicos e sete de UTI. De acordo com a diretora clínica, Ana Tecla, o hospital oferta um apoio multiprofissional aos seus pacientes.

“Aqui nós oferecemos todo o apoio necessário às pessoas que sofrem com essa doença. Por meio do nosso sistema de comunicação nós fazemos o acolhimento social, com visitas virtuais do paciente com os seus familiares, informando diariamente à família o boletim com o estado de saúde do paciente. Também estamos sempre interligados com todos os setores, o que nos permite nos atualizar sobre as informações de cada pessoa que está internada, tanto quando estamos no hospital, como em casa. É uma dedicação diária para que todos possamos superar esse momento de uma forma não muito traumática”, afirmou a diretora.

No momento da visita do prefeito Firmino, o jovem Pedro Ricardo de Oliveira, de 32 anos, recebeu alta. Ele informou que teve febre, dor de garganta e que foi muito bem acolhido ao receber o resultado positivo e ser encaminhado para internação na rede pública de saúde. “Apesar do sofrimento da doença, por ficar isolado, longe da família, desconectado do mundo, o atendimento e a atenção recebidos pela equipe médica nos fazem mais forte para superar a doença. É uma bênção agora voltar para casa. Só posso agradecer o cuidado recebido aqui no Hospital Monte Castelo”, comemorou.

 

 

Frequência de alunos da rede municipal chega a 85% em aulas transmitidas pela TV

 

Foto: Ascom Semec

Cerca de 85% dos alunos do Ensino Fundamental da Rede Municipal de Ensino de Teresina estão assistindo as aulas transmitidas pela televisão e cumprem as atividades pedagógicas. Os dados são da Secretaria Municipal da Educação (Semec), que contabiliza mais de 55 mil alunos, dos 65 mil matriculados, acessando os canais de TV todos os dias.

“Pelo nosso monitoramento, conseguimos alcançar um excelente resultado. Temos muitos desafios, muitas particularidades em cada família, mas fomos desenvolvendo estratégias que ampliaram esse acesso e vão minimizar os prejuízos educacionais causados pela pandemia”, avaliou a secretária executiva de Ensino, Irene Lustosa.

A transmissão do conteúdo acontece por diferentes ferramentas. Muitos alunos estão recebendo as tarefas impressas ou por canais virtuais como o WhatsApp e aplicativos de videochamada, além da plataforma virtual “Em casa eu aprendo”. O formato preferido do Heber Carlos, 13 anos, que faz o 8º ano na Escola Municipal Jornalista João Emílio Falcão, é a transmissão pela TV. São cinco canais locais exibindo diariamente as aulas estruturantes. Cada turma tem seu horário para assistir e anotar as explicações dos professores, depois a escola pede um retorno do que foi aprendido. Todo o conteúdo também fica disponível na plataforma online hospedada no site da Semec.

Heber sempre acorda cedo e cumpre as obrigações de casa a tempo de não atrasar para a aula, no período da tarde. Sua família continua respeitando as medidas de isolamento social e ele assiste as aulas no quarto, com o computador e a televisão. Essa é a nova rotina dos milhares de estudantes que tiveram que se adaptar ao regime de atividades não presenciais.

“Tenho horário certo para todas as atividades. Hora marcada com o professor pela internet, envio dos exercícios e, o meu momento preferido, aula na TV. É mais prático, fácil de acessar e dinâmico. Basta ter concentração e você aprende fácil”, disse o estudante.

Para a diretora da Escola Municipal Thereza Noronha, Simone Barbosa, a transmissão pela TV foi a melhor alternativa para seus alunos. “Tem maior alcance e oportuniza o aprendizado daqueles que não possuem nem computador e nem celular. Pelo que escuto dos pais, foi o melhor caminho. Vamos encontrando formas de dar certo, logo estaremos juntos de novo”, comentou a gestora.

Tecnologia é aliada no atendimento às crianças com deficiência durante pandemia

Ascom/Semcaspi

A rede socioassistencial de Teresina reformulou os atendimentos, que têm utilizado a tecnologia como aliada nas ativdades. É por meio do telefone celular que os profissionais das unidades de Centro-Dia de Referência para pessoas com deficiência têm dado continuidade aos seus trabalhos e sendo suporte às famílias durante a crise.

Tâmara Narrara, coordenadora da unidade “Saber Cuidar”, explicou que os atendimentos sofreram modificações ainda no início da pandemia. Segundo ela, a equipe técnica fez visitas domiciliares para conhecer a realidade de cada família e distribuiu cestas básicas. A coordenadora afirma que o acompanhamento às crianças e famílias é essencial e, por isso, o corpo multiprofissional tem dado toda assistência às famílias de forma remota.

“A gente tem mantido os atendimentos, reforçando a importância do cuidado devido às crianças serem do grupo de risco, por terem baixa imunidade. Acompanhamos as mães por telefone e, através de um grupo no WhatsApp, damos orientações para o dia a dia delas com as crianças. Nós também trabalhamos articulados com outras instituições da rede para auxiliar essas famílias nas mais diversas demandas, seja de medicamentos ou auxílios”, disse.

Elda Lira é mãe do Bernardo de 3 anos. Ele possui Síndrome de Charge e é acompanhado pelo Centro Dia, a mãe diz que a instituição tem sido um importante apoio a ela nesses dias. “É uma instituição que é voltada para o bem-estar dos nossos filhos, mas também para nós, mães, a gente precisa desse apoio. Nesses dias difíceis de isolamento social, o Centro Dia de Microcefalia tem sido um suporte para mim. Nesse grupo do WhatsApp a gente recebe dicas de terapia, de como cuidar de nossos filhos e de como manter distante esse vírus. Nele também recebo mensagens de ânimo, nós que temos filhos especiais também precisamos muito de um apoio psicológico e no Centro-Dia eu encontro isso”, declara a mãe.

Na instituição especializada para o atendimento infantil são acompanhadas 70 crianças de zero a 12 anos, acometidas por diversas síndromes como Microcefalia, Hidrocefalia, Paralisia Cerebral, Síndrome de West, Edward e Autismo. A Terapeuta Ocupacional, Clarissa Ellen Oliveira, explica como tem sido feito o trabalho de acompanhamento na prática.

“Temos trabalhado com vídeos produzidos por nós e outros baixados da internet que explicam e orientam como as mães podem estar estimulando as crianças em casa. Damos sugestões de atividades e reforçamos os objetivos terapêuticos. Esse acompanhamento tem sido feito tanto no grupo das mães como individualmente, enfatizando que as crianças precisam ser estimuladas continuamente e que, em meio a pandemia, elas podem estar desenvolvendo esse papel de estimuladoras”, disse.

A terapeuta sublinha a necessidade de continuidade das terapias em casa e lembra que esse momento também pode ser aproveitado para reforçar ainda mais os laços afetivos entre as mães e seus filhos. “O nosso público são crianças com atraso em seu desenvolvimento global e as terapias têm como objetivo, não somente a melhora, mas fazer com que elas não regridam tanto em seus quadros; é proporcionar qualidade de vidas a essas crianças” finaliza Clarissa.

O Centro-Dia é um serviço socioassistencial voltado para pessoas com deficiência (crianças, jovens e adultos) e suas famílias. Ao todo, cerca de 140 são assistidas em duas unidades. O serviço tem como objetivo proporcionar o fortalecimento dos vínculos familiares e a convivência comunitária. A instituição é vinculada ao Centro de Referência Especial em Assistência Social (CREAS), administrada pela Secretaria Municipal de Cidadania, Assistência Social e Políticas Integradas (Semcaspi), em parceria com a Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE).

Em live, prefeito diz que tecnologia pode ser grande aliada no enfrentamento da pandemia

O prefeito Firmino Filho participou, na noite desta terça-feira (19), de uma live promovida pela empresa Comax Contabilidade. Com o tema “Novos rumos, ações e desafios para Teresina em razão da pandemia”, pautas como combate à Covid-19, planejamento para retorno das atividades e impactos gerais da pandemia foram discutidas. A live foi mediada pelo professor e contador José Corsino.

De acordo com o prefeito, a pandemia trouxe uma crise de grandes repercussões em vários setores que marcará a história do planeta. “Temos que ter consciência que deveremos criar um novo conceito de ‘normalidade’. Após o fim disso tudo, teremos que buscar novos rumos para voltar à vida normal. E, para isso, precisaremos usar muito a tecnologia”, disse Firmino.

O prefeito disse acreditar em novas possibilidades que podem surgir através do uso de tecnologias e que empresas e os setores público e privado podem se beneficiar disso. “Eu acredito que o século XXI está começando, de fato, agora. Então precisaremos nos reinventar, usar nossa criatividade e inteligência, nossa capacidade de empreendedorismo para aproveitar as novas tecnologias que estão surgindo em nosso benefício”, avaliou.

Ele citou o exemplo da telemedicina, que nunca esteve tão em evidência como agora. “Esse é apenas um dentre vários exemplos que estão surgindo, trazendo novas oportunidades para que todos se reinventem, busquem novos caminhos, pois tudo deverá ser repensado para a segurança e preservação de vidas. A educação também deverá ser repensada. Vamos precisar como nunca da capacidade criativa do nosso povo”, disse.

Firmino também citou o lado negativo da tecnologia, como a explosão de fake news. “Além da crise sanitária e econômica que estamos vivendo, temos ainda a crise de comunicação por conta das fake news, que provocam desinformação e precisam ser combatidas. É preciso ter discernimento e muito cuidado com as notícias que consumimos, filtrar essas informações, pois elas geram equívocos perigosos”, disse.

Perguntado se Teresina já está em condições de voltar às atividades econômicas, Firmino foi cauteloso e disse que a Prefeitura está seguindo protocolos para que essa reabertura seja gradual e segura para os cidadãos. “Nossa prioridade sempre será preservar vidas, nem que para isso precisemos adotar medidas extremas. Vamos fazer tudo de forma planejada, com organização, para reduzir ao máximo o impacto dessa crise para o nosso povo”, assegurou.

Encerrando a live, o prefeito deixou uma mensagem para os teresinenses. “Estamos passando por noites escuras, mas não temos dúvida que vamos vencer. Sairemos dessa mais fortalecidos, mais unidos, mais humildes. Estamos todos no mesmo barco e juntos venceremos mais essa batalha”, finalizou.

Tecnologia é aliada na comemoração do Dia das Mães

Os almoços e reuniões se transformaram em vídeo-chamadas e mensagens. Os presentes foram substituídos por soluções criativas. E o Dia das Mães, comemorado hoje (10), continuou a ser uma data de celebração do amor.
A pandemia do novo Coronavírus impôs um novo modo de relacionamento entre as pessoas, uma vez que a recomendação das autoridades de saúde é a população respeitar o distanciamento social nesse período.  “Nesse período, a maior demonstração de afeto às mães é o cuidado com a saúde delas. O recomendado é que se evitem beijos e abraços, mas temos à disposição a tecnologia para mantermos contato, a exemplo do WhatsApp e outros aplicativos, como Skype e Zoom”, ressalta o presidente da FMS, Manoel de Moura Neto.
Afastada da filha, a nutricionista do Hospital do Monte Castelo, Natália Chaves, relata que está sendo desafiador ser mãe e profissional: “O afastamento da minha filha é uma prova de amor. A saudade é imensa e tento matar a saudade por meio de telefonemas e troca de vídeos. O meu maior presente seria acordar, ver que tudo passou e poder abraçá-la sem risco de contaminação”.
O médico infectologista Kelsen Eulálio informa que a Prefeitura está cumprindo o plano de contingência para enfrentamento da doença, mas que é necessário que todos também façam sua parte: “Isso tudo vai passar, mas é importante que todos estejam conscientes de que o distanciamento social também é uma medida que contribui para evitar a sobrecarga do nosso serviço de saúde e mortes”, pontua.

Prefeitura usa tecnologia para monitorar o isolamento social na capital

A Prefeitura de Teresina está utilizando a tecnologia para monitorar o isolamento social da cidade. Através de geoferenciamento, por meio dos smartphones da população, é possível identificar quando as pessoas de uma determinada região se afastam mais de 450 metros de suas residências.

O monitoramento está sendo feito pela startup recifense InLoco, que tem como diferencial a precisão de seus dados. “Enquanto algumas tecnologias como Waze e Google Maps tipicamente atingem precisão aproximada de 100 metros, a InLoco consegue ser precisa em até 3 metros”, explicou o prefeito Firmino Filho.

Com base nos dados já gerados, é possível perceber como está o isolamento social da população a cada dia. Eles mostram, por exemplo, que, no dia 08 de março, um domingo em que ainda não havia medidas restritivas em Teresina, 32% da população ficou em casa. No domingo seguinte, dia 15 de março, quando o número de casos suspeitos começou a crescer no Piauí, 50% da população da capital permaneceu em suas residências. Na semana que se seguiu, foi iniciada a implantação das medidas restritivas na capital, por meio dos decretos assinados pelo prefeito Firmino Filho. E, no domingo seguinte, dia 22 de março, o percentual de pessoas que não saiu de suas casas subiu para 69%.

“Isso ajuda os técnicos da Prefeitura a monitorar o isolamento social por bairros, localidades e vilas, o que vai permitir que sejam cridas estratégias para impedir o avanço da doença”, explicou o presidente da Empresa de Processamento de Dados da Prefeitura de Teresina – Prodater, Eduardo Aguiar.

Os dados mostram ainda que, nesta quinta-feira (02), com as últimas medidas restritivas e as ações desenvolvidas pela Prefeitura de Teresina, o isolamento social aumentou, no entanto continua abaixo do que foi registrado na quinta-feira da semana passada, dia 26 de março.

Programa Letramento em Computação cresce e alunos construirão aplicativos

O que começou com o objetivo de mostrar aos alunos o mundo tecnológico, está ganhando espaço nas escolas municipais de Teresina e este ano avançará para desafios ainda maiores. O Programa Letramento em Computação começa em 2020 seu Módulo II, que foi reformulado para atender um público para lá de apaixonado pelos computadores.

As aulas de Letramento em Computação gratuitas para alunos de escolas públicas municipais são uma iniciativa da Secretaria Municipal de Educação (Semec) em parceria com o Instituto Ayrton Senna (AIS), Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e Centro Unificado de Inovação Aplicada (CUIA). No ano passado, mais de 300 alunos do 6º ano e do Programa Cidade Olímpica Educacional aprenderam em sala de aula noções de programação computacional, criando seus primeiros projetos.

Nesta quarta-feira (29), diretores das escolas municipais participantes da ação estiveram reunidos no Centro de Formação Odilon Nunes planejando as atividades para este ano. Entre as novidades está a expansão do número de alunos, passando de 11 turmas para 33. São mais quatro unidades de ensino no ciclo do Programa, incluindo duas de tempo integral que estão prestes a inaugurar.

“Teremos mais de mil alunos pensando e praticando programação de computadores”, anuncia Luciene Castro, coordenadora do Programa. Segundo ela, os jovens surpreenderam tanto no Módulo I, que a próxima etapa foi reformulada para já desafiá-los na construção de jogos e aplicativos. “Eles foram muito bem, não ficaram nada no básico, já no primeiro ano desenvolveram projetos incríveis. Assim o Instituto Ayrton Senna topou iniciar algo mais complexo com nossos alunos, propondo a criação de aplicativos para celulares e computadores”, disse.

Susana Paz é uma das gestoras mais animadas com a segunda etapa do Programa. Ela acompanhou a evolução dos seus alunos enquanto gestora da Escola Municipal R. N. Monteiro Santana e agora vai apoiar os primeiros passos de outros alunos da Escola Municipal Júlio Lopes Lima.

“É um aprendizado importante e necessário. Nossa experiência no primeiro ano do Programa Letramento em Computação superou as expectativas. Os alunos passaram de usuários do celular para produtores, criadores, isso muda tudo para quem não tem praticamente acesso à tecnologia. Agora, também acredito que vai transformar vidas, por isso considero essa iniciativa como algo encantador”, finaliza a diretora.

 

Tech Oscar expõe trabalhos criados por alunos a partir das aulas de Letramento em Programação

Fotos: Rômulo Piauilino

Uma inovação da Rede Municipal de Ensino está revelando verdadeiros talentos da tecnologia. Este ano, 354 estudantes do 6º ano de escolas municipais de Teresina participaram do Projeto Letramento em Programação, e hoje (22) essa turma compartilhou os novos conhecimentos em uma feira chamada Tech Oscar.

O evento aconteceu na Escola Municipal Murilo Braga, bairro Marquês, com a participação das nove unidades de ensino envolvidas no projeto, incluindo os estudantes do Programa Cidade Olímpica Educacional. Desde o mês de março, os alunos estão aprendendo teoria e prática da linguagem computacional, dando os primeiros passos na programação. A iniciativa é da Secretaria Municipal de Educação (Semec) em parceria com o Instituto Ayrton Senna (IAS), a Universidade Estadual do Piauí (UESPI) e o Centro Unificado de Inovação Aplicada (CUIA).

Suzana Paz, diretora da Escola Municipal Raimundo Nonato Monteiro Santana, explica como o projeto vai refletir no futuro dos jovens. “Tem sido inovador, pois a maioria deles não tinha qualquer contato com computador, principalmente com a parte mais técnica. Então quando se traz essa ferramenta para o aprendizado em sala de aula, percebemos uma nova dinâmica no aprendizado, eles querem saber, fazem pesquisas e têm curiosidades. O componente tecnológico atrai e é um incentivo para que construam o próprio conhecimento”, disse a gestora.

Para marcar o encerramento das aulas em 2019, o Tech Oscar foi pensado como forma de socializar junto à comunidade os projetos pedagógicos desenvolvidos por alunos e professores. Além de valorizar, estimular e compartilhar a aprendizagem criativa da turma, o evento incentiva o protagonismo dos jovens.

Luciene Castro Sousa, coordenadora do Núcleo de Tecnologia de Teresina e organizadora do Tech Oscar avalia o desempenho dos alunos como surpreendente. “Os estudante puderam compartilhar o que estão aprendendo, e aprenderam muito até agora. Ficamos surpresos com trabalhos tão criativos”, conta.

A programação do evento também contou com uma palestra do professor doutor Amilton Rodrigo de Quadros Martins, líder do InovaEdu/IMED – Laboratório de Ciência e Inovação para a Educação, e do Núcleo Norte Gaúcho de Letramento em Programação do Instituto Ayrton Senna, com o tema “Aprendizagem Ativa e FLOW: como engajar os estudante na Educação 4.0”. Os professores participaram, ainda, de uma oficina de Gameficação.

Melhores trabalhos foram premiados

O prefeito Firmino Filho e o secretário municipal de Educação Kleber Montezuma visitaram os estandes e observaram de perto todos os trabalhos criados pelos alunos. São jogos, programas e soluções tecnológicas que mostram o engajamento dos jovens também em questões sociais. “Essa iniciativa ajuda no desempenho acadêmico e desenvolve nas crianças habilidades importantíssimas para o mercado de trabalho hoje”, diz Montezuma, que anunciou a ideia de ampliar a prática. “Nosso objetivo é avançar ainda mais e quem sabe expandir para as demais escolas”, disse.

Para o prefeito, a parceria de sucesso é mais uma forma de garantir um futuro melhor para Teresina. “Queremos formar uma geração letrada no mundo tecnológico, e eles já começam a mostrar os primeiros resultados”, destaca Firmino, que fez questão de entregar troféus para os melhores projetos.

Segundo Mara Gabrielle Cavalcante Soares, aluna da Escola Municipal João Emilio Falcão, a informática não era novidade nos seus estudos, mas nunca tinha aprendido tanto quanto no projeto de letramento.

“Eu aprendi muitas coisas, como o Scratch, que eu não conhecia. Estudei antes em uma escola particular e já tinha feito vários cursos de informática, só que nunca aprendi realmente a fazer um programa. Quando comecei a frequentar as aulas de Letramento em Programação não sabia que seria tão divertido e que enfrentaria tantos obstáculos, então fui fazendo meu projeto com os colegas, aperfeiçoando. Adoro aprender coisas novas e me aventurar no mundo da informática”, finalizou.