Cerca de 140 escolas participam de campanha de combate à hanseníase e verminoses

Ascom/FMS

Manchas suspeitas, sem sensibilidade, são sinais de hanseníase, doença silenciosa que pode trazer consequências graves. Em uma ação para combater a doença, a Fundação Municipal de Saúde (FMS) lançou hoje (18) a Campanha Municipal de Combate à Hanseníase e Verminoses, na Escola Municipal Cristina Evangelista, zona Sul da capital.

A campanha contempla crianças e adolescentes entre os seis anos e menores de 15 anos de cerca de 140 escolas do município. Como informa Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS, a detecção de casos nesta faixa etária leva à busca também entre familiares e adultos próximos, uma vez que a transmissão se faz por meio de gotículas de saliva e são proeminentes entre pessoas de convívio íntimo e familiar.

“Ninguém nasce com hanseníase, então se a criança tem é provável que exista um portador que contaminou. Por isso, é importante que tanto a governança das escolas como os pais e responsáveis façam adesão a essa campanha, para que possamos diminuir em breve o número de casos em Teresina”, disse a diretora.

Para isso, é adotado o chamado “método do espelho”, em que as crianças levam para casa uma ficha com um mapa do seu corpo. “É preciso que os pais examinem a criança sem roupa de frente e de costas, para ver se tem alguma mancha. Se tiver, assinalar no papel para que ela possa ser examinada pela equipe Estratégia Saúde da Família”, explica Amariles Borba. “Se existe uma consistência de que é uma suposição de hanseníase, ela será encaminhada para um especialista para fechar ou não o diagnóstico”, completa a diretora.

Já o combate às verminoses é feito com a distribuição do medicamento Albendazol 400 mg, via oral, dose única, que é tomado pela criança na escola sob a supervisão de um profissional da Estratégia de Saúde da Família. A realização dessa ação de profilaxia e de diagnóstico de hanseníase em escolares está em conformidade com as recomendações de Órgãos Internacionais como a OPAS/OMS.

A parceria entre saúde e educação é fundamental para a realização de ações pelo bem-estar dos estudantes. “A hanseníase é doença ainda com alguns preconceitos, mas nessa parceria a gente pretende avaliar as crianças de mais de 100 escolas, vendo com a participação da família se existem algum indicativo da doença para o tratamento”, disse Madalena Leal, gerente de Assistência ao Educando da Secretaria Municipal de Educação (SEMEC). “Então é muito importante essa parceria, porque nem a saúde faz só nem a educação faz só, então é uma ação intersetorial de grande importância para a erradicação desta doença”, completou a gerente.

Teresina ocupa a 8ª posição nacional em casos de Hanseníase em menores de 15 anos. Em 2018, o número de casos novos diagnosticados nesta faixa etária em nossa capital foi 26 casos, o que corresponde a um coeficiente de detecção de 12,7 casos por 100.000 habitantes. Nas últimas cinco campanhas realizadas nas escolas, 39 casos da doença foram diagnosticados.

FMS lança amanhã (18) campanha de hanseníase e verminoses nas escolas

A Fundação Municipal de Saúde (FMS) lança amanhã (18), às 9h da manhã, a sexta edição da Campanha Municipal de Hanseníase e Verminose. A abertura será na Escola Municipal Cristina Evangelista, que fica na rua Piracuruca, 1345, bairro Três Andares.

O objetivo desta iniciativa é reduzir a carga parasitária de verminoses em escolares do ensino público fundamental e identificar casos suspeitos de hanseníase, possibilitando um diagnóstico oportuno da doença, o tratamento adequado e  acompanhamento dos casos confirmados. “O público alvo da Campanha são estudantes na faixa etária de 5 a 14 anos das escolas públicas municipais do Ensino Fundamental regular  de Teresina”, informa Svetlana Coelho, enfermeira da Diretoria de Vigilância em Saúde da FMS.

Para identificação dos casos de hanseníase é adotado o “método do espelho”, que consiste no preenchimento da ficha de autoimagem para identificação de escolares que apresentem sinais e sintomas sugestivos de hanseníase. A ficha é distribuída aos escolares, preenchida pelos pais e/ou responsáveis e devolvida para a escola em, no máximo, dois dias. Já o combate às verminoses é feito com o uso do medicamento para profilaxia das verminoses Albendazol 400 mg, via oral, dose única, sob a supervisão de um profissional da Estratégia de Saúde da Família. A realização dessa ação de profilaxia e de diagnóstico de hanseníase em escolares está em conformidade com as recomendações de Órgãos Internacionais como a OPAS/OMS.

Apesar dos esforços promovidos pelo governo brasileiro para o controle da doença nos últimos anos, casos em menores de 15 anos ainda são diagnosticados no país, sinalizando focos de infecção ativos e transmissão recente da doença. Teresina ocupa a 8ª posição nacional em casos de Hanseníase em menores de 15 anos. Em 2018, o número de casos novos diagnosticados nesta faixa etária em nossa capital foi 26 casos, o que corresponde a um coeficiente de detecção de 12,7 casos por 100.000 habitantes. “Vale ressaltar que casos de Hanseníase infantil sinalizam focos de infecção ativos e transmissão recente da doença”, diz Svetlana Coelho.